sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I (Exemplo de interjeição de admiração e/ou indignação).
“Imprescritível!”,
O obcecado
Proclamou.
“Não é possível!
Ela me rejeitou!”
“Você brox, digo falhou!”,
Ela ponderou.
Coitado!

Constatação II
Como ironizava o machista: “Todo homem é um corno em potencial; toda mulher, é um corno efetivo”; retrucava a feminista: “Toda a mulher é um corno efetivo e todo homem também”. E aí, complementava, mostrando erudição, citando o espanhol Joaquin Sabino, cantor e compositor: “Os homens enganam mais que as mulheres, mas as mulheres enganam melhor”.

Constatação III
Alega
O deputado
Da tribuna:
“Todo desajuizado,
Todo destrambelhado
Da oposição
Importuna,
É comuna
E falastrão”.
Coitado!*
*Não ficou bem claro quem é o assim referido “Coitado!” Rumorejando, no devido tempo, aclarará. Aguardem, pois.

Constatação IV (“Quadrinha” de onze estrofes (undeciminha?), dedicada ao meu sofrido Paraná e ao Atlético, time da minha filha caçula que, por essa razão, já foi por mim deserdada, ainda que haja valores irrisórios para herdar...)
Alguns
Times
Tem empolgação,
Todas sublimes,
De não cair
Pra Terceira
Divisão;
Outros, de não sair
Da Primeira Divisão;
Outros mais,
Eventuais,
De ser campeão.
Pra uns,
Doce ilusão;
Copulação
Negativa,
Passiva,
Pros demais.

Constatação V
Deu na mídia: “São Paulo tem mais serviço social em bairros ricos, diz estudo. Os dez distritos com as redes de proteção mais frágeis estão nas periferias e em lugares de pobreza extrema”. Alguma dúvida?

Constatação VI
Que tormento
Ter que esperar
Mesa em restaurante,
Aguardar,
No motel, um aposento
Nem que seja só por um instante,
Nem que seja só por um momento.

Constatação VII
E como se comunicava um tanto quanto resumida, mas prolixamente com a Diretoria da empresa a(o) Chefe do Departamento de Pessoal:
Outrossim,
Não outro.
Talvez sim
Apostar
Noutro,
Que se empenha,
Venha
A calhar.

Constatação VIII
Ainda a mídia: “Uma pesquisa da Universidade de Abertay, na Escócia, afirma que pessoas canhotas podem ser mais ansiosas, tímidas ou se sentirem constrangidas para dizer ou fazer o que querem”. Deve ser por essa e por outras que o obcecado canhoto nunca canta as mulheres. Ele sempre espera ser cantado por elas.

Constatação IX (Ser oposição em certos países...)
A luta pelo poder,
No seu fragor,
De, talvez,
Muito o que fazer.
Principalmente
Para desfazer,
Tão-somente,
O que o antecessor
Fez.

Constatação X
Rumorejando não entende nada de política, mas, data vênia, como diriam nossos juristas, que o Bush ajudou, através do sua desastrosa administração, o candidato dos Democratas, Barak Obama, a sair vencedor do pleito, creio que ninguém duvida.

Constatação XI (Dúvida crucial).
Quem já está na meia-idade tá começando a ficar inteiramente fud, digo ferrado?

Constatação XII
E já que falamos no assunto, como diz o meu amigo Kibrit: “meia-idade quer dizer só Ida”...

Constatação XIII
Ela ficou lívida,
De tão assustada,
Quando recebeu
A fatura da sua dívida
Do cartão de crédito
E do susto inédito
Quase morreu.
Coitada!

Constatação XIV
E já que falamos no assunto, se o prezado leitor algum dia precisou falar com as empresas de seu cartão de crédito e não teve um chilipaque, ele pode enfrentar outras desditas. Os atendentes, depois do périplo da gravação de disca o número tal ou qual, simplesmente desligam para que se tenha a impressão que a ligação caiu e a gente não possa falar o que precisa e desista pelo cansaço. E viva “nóis”!
Em tempo: Não adianta se queixar ao bispo, nem ao pastor. Tampouco, ao rabino.

Constatação XV (De conselhos úteis. De nada).
Se você inferir
Que é um assalto
Não pule, nem de salto
Se não, você pode se ferir.
Passe toda tua riqueza,
Pois se mostrar moleza
Tua família pode ficar na tristeza
Já que os caras bestuntos*
Podem se irritar
E, sem mais delongas, te enviar
Pra sociedade dos pés juntos.
*Bestunto = “capacidade mental limitada, inteligência curta” (Houaiss).

Constatação XVI
Feliz Ano Novo prezados leitores e durante todo o resto do ano também. E, também, nos anos subseqüentes.

Juca

domingo, 21 de dezembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
Foi falta de percepção
Quando ela acedeu
Com a cabeça
Que topava ir
Com ele pro motel,
De tanto que bateu
Seu coração.
“Mas não se esqueça
Em engolir
O comprimido
Para não dormir”,
Ela discorreu,
Ressaltando
Que debaixo do dossel
Não dá pra ir ficando
Deprimido,
Obnubilado,
Como já aconteceu
Com o seu ex-marido
Na lua-de-mel.
Coitado!*
*Não ficou muito claro se o “coitado” referido era em relação ao ex-marido ou a ele mesmo. Quem souber, por favor, comunicar a este assim chamado escriba. Obrigado.

Constatação II
Deu na mídia: “Ex-primeiro-ministro tailandês se divorcia de sua mulher”. Taí mais uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade.

Constatação III
Não se pode confundir cúpula com cópula, muito embora e até porque esta cúpula dos países mais ricos, do tipo G7, sempre não deixa de ser uma cópula nos países pobres e/ou nos países ditos emergentes.

Constatação IV (De diálogos meio confusos).
-“Oi querida!”
-“Oi querido!”
-“Como vai a vida?”
-“Casei. Mas esqueci da cara do meu marido”.
-“Você tá com problema na vista?”
-“Não. É que sou péssima fisionomista”.
-“Ah, bom, quer dizer, ah, ruim, quer dizer...”

Constatação V (Via pseudo haicai).
A personalidade dela
Lembra um sanduíche misto
Daquele que leva mortadela?

Constatação VI
Jogador de time rico dá um drible; jogador de time pobre leva um come.

Constatação VII
Dois pensamentos de gente famosa nessa época lamentável de enchentes:
De Bertold Brecht: “Do rio que tudo arrasta se diz que é violento, mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem”.
De Lao-Tsé: “O rio atinge seus objetivos porque aprendeu a contornar obstáculos”.

Constatação VIII
Pensamento não tão famoso como os citados na “constatação” anterior:
De um carioca: “O Rio tá cada vez mais violento”.

Constatação IX
As esperanças mundiais
No presidente eleito, Obama,
São tais, como jamais houve iguais.

Constatação X
E já que estamos citando famosos a de Charles Dickens: “Uma vaga noção de tudo, e um conhecimento de nada”. Ela me faz lembrar os meus 27 anos de empregado no Banco de Desenvolvimento do Paraná S.A. – BADEP, onde, dentre outras funções, a gente analisava pedido de financiamento dos mais diversos ramos industriais e. por isso, procurava ter uma “noção de tudo”...

Constatação XI
Dica para quem quiser escutar boa música através da Internet: Winamp e depois clicar em Shoutcast Radio. De nada!

Constatação XII
“Foi uma bagatela”,
Ela falou
Pro marido
Quando chegou
No doce lar.
Mostrou
O vestido
E, claro, o sapato
Pra combinar.
“Olhe só a entretela”.
Ele ficou
Estupefato,
Olhou
Abobado,
Naquele momento:
O preço que ela
Pagou
Dava pra comprar
Um apartamento.
Coitado!

Constatação XIII
O genro,
Biógrafo,
Também estenógrafo,
De modo tenro,
Fez a biografia
Da sogra,
Com diplomacia
E bem condescendente.
Quando ela leu
Rilhou o dente:
“Você não me logra,
Com o que discorreu.
Você e o teu concunhado
Querem o meu dinheiro.
O que você escreveu,
Seu escrevinhadeiro,
Seu galhofeiro,
Seu co-herdeiro
Interesseiro
Não é verdadeiro”.
Coitado!

Constatação XIV
Rico dá emprego; pobre faz greve.

Constatação XV
Rico, a esposa tem genitora; pobre, tem sogra.

Constatação XVI
Rumorejando está instituindo o Prêmio Nacional da Inocuidade. O maior prêmio vai para o Senado que aprovou o aumento do número de vereadores no país, ao invés de diminuir, com um acréscimo de despesas de cerca de 5 bilhões de reais por ano. E, claro, fatalmente aumentará o número de ectoplasmas e fraudes em alguns casos nos municípios onde atuarão. E viva “nóis”!

Constatação XVII
Se o jogador de futebol Ronaldo Fenômeno não se recuperar fisicamente, como, ao contrário, quase todo mundo torce, o Corinthians também poderá concorrer ao Prêmio Particular da Inocuidade. No entanto, poderá recuperar o capital empatado com o “marketing”, através de venda de camisetas à torcida e coisas afins. Já a dos vereadores...

Constatação XVIII
Rumorejando deseja aos seus pacientes e generosos leitores o que se costuma desejar às vésperas do Natal: Um muito feliz, na companhia dos seus familiares. E nos demais dias do ano também.

Juca

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
E como repetia o provérbio chinês aquele mega-especulador financeiro que vinha se ferrando cada vez mais com a atual crise, depois de haver faturado uma nota altíssima, jogando na Bolsa: “Nunca é tão fácil perder-se como quando se julga conhecer o caminho”. É que ele, querendo enriquecer depressa, era adepto do adágio popular, de que “quem espera por sapatos a vida toda anda descalço”.

Constatação II
Quando os amigos, depois de muitos anos se reuniram para relembrar os velhos tempos, o jovem filho de um deles que só escutava a conversa, comentou: “Esse papo de vocês tem cheiro de naftalina”.

Constatação III
Foi um pandemônio
Uma barafunda
Quando ele falou
De matrimônio.
E ela? Ela ficou
De cabeça baixa
Obumbrada*,
Cabisbaixa
Meditabunda.
Coitada!
*Obumbrada = “que se obumbrou; obscurecida, sombreada, anuviada” (Houaiss).

Constatação IV
O querelante*,
Bacharel
Em direito,
Convidou,
Meio sem jeito,
Com esquisito trejeito,
A namorada,
A doce Eugênia,
Pra ir ao motel,
Alegando estar
Se sentindo
Muito só.
Ela contestou,
Nada hesitante,
E dando uma gargalhada:
“Data vênia”,
Você é muito lindo,
Mas um Bestarel**,
Um bocó,
Um desmiolado
E que só me dá azar.
Coitado!
Coitada!
* Querelante = “diz-se de ou aquele que é queixoso, reivindicador (Houaiss)
**.Bestarel =”bacharel pretensioso e néscio” (Houaiss).

Constatação V (Profecia? Ou tava na cara?).
Em 2 de junho de 1985, o jornal Gazeta do Povo publicou uma entrevista do jornalista Joelmir Beting com o então presidente de Cuba Fidel Castro. Naquela oportunidade, o chefe do governo cubano declarou: “estamos vivendo a terceira guerra mundial. A guerra econômica”. E advertia: “os pobres nada tem a perder. O colapso que se aproxima vai derrubar os bancos americanos e europeus, credores do mundo inadimplente, e os bancos fazem o lastro físico do capitalismo”.

Constatação VI
Ela sustentou
Uma polêmica
Com o namorado
Sobre a crise financeira
E até ficou anêmica
E arrepiada
De tanta besteira
Que escutou.
Coitada!
Coitado!
Coitado?

Constatação VII
Deslumbrado
Com o Corcovado
Um pão de açúcar ele pediu
Na mercearia, ali, no Rio
E comeu
Inteirinho.
Sozinho.
Morreu*.
* Não ficou claro a causa mortis. Se o leitor, porventura, souber, por favor, correspondência para o meu e-mail ou através do blog
http://rimasprimas.blogspot.com
Obrigado.

Constatação VIII
“Deu na mídia: “Unibanco planeja 'adotar' a avenida 23 de maio”. Será que o Unibanco não gostaria de adotar também um determinado aposentado pé-de-chinelo do INSS ?

Constatação IX
Também deu na mídia: “Em casa, Ipatinga (que já caiu) quer iniciar 'milagre' para não cair”. Tava bem intencionado o Ipatinga. Afinal, vale relembrar aqui a máxima de David Ben Gurion: “Quem não acredita em milagres, não é realista”.

Constatação X
Quando o vizinho,
Aquele calhorda,
Aquele pouco inspirado
Se põe a tocar
No violoncelo
Uma czarda
De modo chinfrim,
E assaz desafinado
Eu apelo
Para o meu anjinho,
Aquele da guarda,
Para uma corda
Ou o arco arrebentar.
Coitado...
De mim!

Constatação XI
Rico é perito; pobre, sempre merece um pito.

Constatação XII
Rico tem bossa; pobre, é casca-grossa.

Constatação XIII
Rico sempre tá aqui e agora; pobre, sempre tá por fora.

Constatação XIV
Rico é colaborador; pobre, engabelador.

Constatação XV
Ainda a mídia: “George W. Bush se entope de hambúrguer e não recusa um sanduíche de queijo. Já Barack Obama prefere vegetais, de preferência frescos”. Taí uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade.

Constatação XVI
O político
Todo pomposo
Não teve a percepção
Nem o senso crítico
De que todo vaidoso
É um tolo e um toleirão*.
*Toleirão = “que ou aquele que é muito tolo; pateta, palerma” (Houaiss).

Constatação XVII (Inconstitucionalissimamente, otorinolaringofaringologista?).
Quando ele tava sóbrio
Vejam só a inversão:
Ele era digno de opróbrio*
Pois só dizia palavrão.
*Opróbrio = “grande desonra pública; degradação social; ignomínia, vergonha, vexame” (Houaiss).

Juca

sábado, 6 de dezembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
Penei um dia inteiro
Pra acender meu isqueiro
Havia ganho um charuto.
Acendi foi a minha ira
O isqueiro parecia uma pira.
Que me queimou até o cocuruto..

Constatação II
Assistiu às novelas,
Todas, num mesmo dia.
Ficou com dor nas costelas
Achou que era uma cardiopatia.

Constatação III
Foi o boêmio,
Freqüentador de bar,
Que se dizia abstêmio
E grande artista
Que virou um turista
No seu próprio lar?

Constatação IV (Quadrinha de seis estrofes. Sextinha?)
Contratei dois advogados
Pra me defender dos detratores
Passei uns maus bocados.
Os dois eram dois senhores
Que exigiam ser chamados
V. Excia. e de doutores.

Constatação VII (Quadrinha didática).
Desfrute a tua vida
O não mais poder.
Toda mulher é querida
Quando não tem o que fazer.

Constatação VIII (De uma dúvida crucial).
Afinal, o meu Paraná precisou de um matador ou de um desenterrador?

Constatação IX
E como o serenateiro cantava, debaixo da janela da sua mais recente namorada, passível de mal-entendido, parodiando aquela famosa canção A Flor e o Espinho, de Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Alcides Caminha: “Abra tuas fronteiras do caminho que eu quero passar com meu passarinho.

Constatação X
Deu na mídia: “Estudo mostra que 80% pega carona com quem bebeu”. A Lei Seca deveria ser estendida também aos carros que não poderiam dar a partida em função do teor alcoólico do motorista, mesmo se o meio de transporte seja movido com etanol...

Constatação XI (Gangorra).
Quando as vendas do comércio e da indústria caem com a crise,
A pressão arterial sobe até os píncaros da marquise.

Constatação XII (De uma dúvida não necessariamente crucial).
Numa corrida com apenas dois participantes quem perde fica em segundo ou em último lugar, ou nos dois? O pior é se com apenas dois participantes o que perder ficar “surrealisticamente” em terceiro lugar?

Constatação XIII (De uma quadrinha para ser recitada nestes tempos moderníssimos).
Hoje em dia é moda
Que a lua-de-mel
Seja antes da boda.
Após, é sarapatel*
* Sarapatel = “mistura de coisas sem ordem; confusão, balbúrdia, algazarra; rolo” (Houaiss).

Constatação XIV
A gueixa
Penteou
A madeixa
Ofertou
Uma ameixa
Ao seu acompanhante
E desfilou
Uma queixa
Nada instigante.
“Por que você não
Me deixa
Inebriante
E depois eu tentar
Achar
Uma solução
Que enfeixa
O meu
E o teu
Coração?”

Constatação XV
O cara-dura,
Sem oferecer,
Comeu toda a rapadura.
Será que tava pensando,
Imaginando
Que ia morrer?

Constatação XVI (Diálogos difíceis de choque de gerações e, qual os 3 Poderes da República, de solução duvidosa).
Quando o filho de dezesseis anos foi pedir um “empréstimo” para o pai, este, incontinente, contestou: --“Mas filho, você não tá se dando conta que a crise financeira já está mexendo até com o mercado de emprego no mundo inteiro”.
“É por isso mesmo, pai. Eu também estou em crise e não posso recorrer a um empréstimo bancário porque os juros estão muito altos, os prazos diminuíram substancialmente e o senhor não vai querer ser meu avalista, como o banco, fatalmente, vai pedir. Aliás, banco não pede. Exige. Estou procurando a maneira de não lhe incomodar e não lhe causar transtornos”.
“Ah, bom., quer dizer, ah, ruim! Quero dizer, ah, bom. Depois a gente volta a falar no assunto. Agora estou muito ocupado”.

Constatação XVII (Muito antes pelo contrário).
O campeonato brasileiro
Está chegando ao fim
Quem chegar em primeiro
Não levou um chá-de-alecrim*
*Chá-de-alecrim = “Surra (maltrato)”. (Houaiss).

Constatação XVIII
Deu na mídia: “Urina purificada servirá de água potável para astronautas”. Não estará aí uma solução de que o que é factível para os astronautas será a solução para escassez de água para todos os habitantes do nosso maltratado Planeta?

Constatação XIX
E como poetava se lamentando o obcecado:
A minha triste sina
É que baixei em alguém,
Vestido de saia
Que, ao me ouvir, quase desmaia
Era um padre malandro de batina
Que me olhou e só disse: “Amém”.

Constatação XX
Rico comemora o ano novo; pobre, comemora que seu time não caiu na terceirona...

Juca

sábado, 29 de novembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
A meia-luz
A coisa fica sem-sal.
Aí, não me seduz,
Passo a enxergar
Muito mal.
E além do aspecto
Físico, necessito
Do psíquico
Como vive a recomendar
Máster & Johnson,
Nada a ver com Bob Masterson,
Porque não sou circunspecto
Diante de um mulheraço,
Não me pega o embaraço
E sem vê-la como nasceu
Tendo a ficar
Um neuropsíquico,
Contrito,
Super aflito
Só pensando,
Matutando
Um antológico himeneu.

Constatação II
Deu na mídia: “Rainha Elizabeth II perdeu quase US$ 40 milhões com crise financeira”. Afora ser sintomático, taí uma notícia de transcendental importância para o futuro dos especuladores e da Humanidade também.

Constatação III (Dramas do cotidiano).
Lá pelos meados da década de 50, este assim chamado escriba morava no Alto São Francisco, não longe de uma espécie de pensão que era gerida pela D. Lota, de saudosa memória. Lá, viviam quatro colegas de turma, da faculdade, todos vindo do interior do Paraná, a saber: Pedro Bepler de Souza, Nelson Leal, Antenor Barnabé Neto e o José Haraldo Carneiro Lobo. Volta e meia eu passava por lá para conversar com os colegas e amigos. Certa vez convidei os quatro para irmos a segunda sessão de cinema, das 10 horas. Apenas o Haraldo aceitou e lá fomos ao cine Palácio. Já na fila começou a discussão quem pagava as entradas e eu alegava que eu deveria pagar, pois o convite havia partido da minha parte. O Haraldo contestava que uma coisa não tinha nada a ver com outra e depois de apartes, argumentação, retórica, etc., eu consegui convencer o Haraldo que eu pagaria. Chegando diante da bilheteria, puxei da carteira e não havia dinheiro nem suficiente para pagar uma entrada. O Haraldo é que acabou pagando.
Moral da dramática história: “Nada mais é difícil de suportar do que uma dívida moral, exceto uma dívida monetária. Mas uma combinação das duas é letal” (Ephraim Kishon, escritor israelense).

Constatação IV
A fusão dos bancos Itaú e Unibanco, ou de outros bancos, ou de outras empresas transforma a nova empresa fundida de modo tal que, fatalmente, os funcionários se sentem ameaçados de serem chamados pelo Departamento de Recursos (Des)Humanos, pois temem de ficarem fudid, digo fundidos.

Constatação V
Uma mixórdia
Foi seu discurso,
Com a língua enrolada,
Pra mulher
Quando chegou no doce lar
De madrugada,
Já quase de manhã.
Estive, até agora,
No clube Concórdia,
Esquecendo que era sócio
Do Thalia
E do Clube Curitibano.
“Vá embora”,
Ela bramia,
Num desabafo.
“Pensa que sou uma qualquer?”
Ledo engano!
Você só vive no ócio.
Você tá com bafo.
Diga o percurso
Que você fez pra aqui chegar”.
Ele ficou mais enrolado
Do que novelo de lã,
Que o gato costuma brincar
Quando a vovó se punha a tricotar.
Coitada!
Coitado!
Coitado?

Constatação VI
Costumeiramente,
Político só promete,
Ou só pro-mente
Descumprimentamente?

Constatação VII (De razões e proporções matemáticas).
O Bush, com sua administração desastrada, ajudou a eleger o Obama; O PSDB, ao trazer à tona aquela dinheirama toda, encontrada na casa do ex da Roseana Sarney, que estava em primeiro lugar nas pesquisas de opinião, ajudou a eleger o Lula. Daí pode-se inferir que o Bush está para o Obama, assim como o PSDB está para o Lula. Logo o presidente eleito da maior potência da Terra é igual ao Bush dividido pelo PSDB e multiplicado pelo Lula. Elementar, minha gente.

Constação VIII
E já que falamos no assunto, as recentes eleições para prefeito em nosso país mostraram, lamentavelmente, que, em certas regiões, ainda impera o coronelismo. Pena!

Constatação IX
Também deu na mídia: “Título mais perto do São Paulo”, diz matemático. Data vênia, como diria nossos juristas, mas Rumorejando acha que o matemático esqueceu que futebol, como dizem os grandes entendidos, os filósofos brasileiros, poderá ou poderia vir a ser uma caixinha de surpresas.

Constatação X
Quando o obcecado leu na mídia que uma pesquisa revelou que o curitibano é o que faz menos sexo no país, cuspiu para o lado, estufou o peito qual um galo quando se põe a cantar e disse: “Se tivessem me perguntado e a outros como eu nós teríamos ultrapassado a média nacional e os mineiros que foram os que melhor se classificaram”.

Juca

sábado, 22 de novembro de 2008

FÁBULA CONFABULADA (INDIGNA DO GURU MILLÔR)

Numa determinada província chinesa vivia uma família, constituída pelo pai Pas Khu Nyak, a mãe, Yach Neh e o filho Shly Mah Zel. O casal vivia se digladiando porque ambos se achavam o dono da verdade, mais sabidos que o dicionário, doutores sabe-tudo e coisas desse jaez. O patriarca, repetindo o que havia lido na Internet, dizia: “Vou vender a Enciclopédia Britânica, o Dicionário, o Livro de Mao, já que minha mulher conhece e sabe tudo. Inclusive, o que se passa na casa dos parentes e vizinhos. Por sua vez, a mulher fazia troça do marido, dizendo que ele era o professor do professor de D’us. O filho assistia a tudo isso e ficava agastado porque ele se dava conta da sucessão de erros e grosserias que os pais cometiam e que eles, naturalmente, achavam que não. Alguns pouquíssimos exemplos do que os dois cometiam:

-Tocavam o equipamento de som a todo volume;

-Assistiam à televisão também aos domingos;

-Não sabiam jogar truco e tinham raiva de quem sabia;

-Elogiavam o governo;

-Sentavam à mesa sem lavar as mãos;

-Não tinham escova de dentes;

-Compravam, desmesuradamente, no cartão de crédito e a prestação, sem levar em conta os juros das financeiras;

-Faziam visitas sem avisar aos visitados que iriam chegar;

-Levavam álbum de 380 fotografias para mostrar aos visitados da última viagem turística que haviam feito;

-Contavam piadas, uma após a outra, durante horas seguidas;

-Bocejavam ruidosamente e/ou sem tapar a boca com a mão;

Shly Mah Zel, ao contrário dos seus pais, tinha um comportamento ilibado. Além disso, era, sem alarde, um excelente aluno, o que na China não é novidade, porquanto é um povo que também se destaca nos estudos e nas pesquisas, mas isso é outra história que, agora, absolutamente, não vem ao caso.

Shly Mah Zel tinha uma namorada e queria convidá-la para vir a sua casa, a fim de conhecer seus pais e vice-versa. No entanto, protelava com medo que eles iniciassem as intermináveis discussões inócuas, como era de seu malfadado costume. Além, é claro, do mau comportamento do casal.

Um dia, quando não havia mais jeito de protelar o convite, diante da insistência de seus pais, lá foi Shly Mah Zel, mais nervoso do que noiva de antigamente em noite de núpcias, com a sua namorada, cujo nome era Tze Bul Keh, para um jantar em sua casa. A mãe procurou, na sua – dela – ótica, se esmerar não aceitando sugestões já que a ela “ninguém precisava ensinar o que quer que fosse”.

Primeiro foi servido um prato de carne; depois a mãe serviu um prato de peixe. Para o prato de carne foi servido um vinho branco e para o peixe um vinho tinto doce. Todos, em copos de plástico, tirados da cristaleira onde estavam colocados os copos de cristal que Shly Mah Zel não entendeu porque não foram usados. A salada já veio temperada, ao invés de que cada um pudesse temperar a seu gosto, com vinagre, o que foi terrível, pois Tze Bul Keh tinha alergia a tal condimento.

Após um ruidoso arroto de Pas Khu Nyak, foi servida a sobremesa que se constituía de uma salada de frutas onde nadavam pedaços de cebola e as colherinhas de plástico tinham gosto de alho.

É claro que o jantar não terminou sem que o casal não iniciasse uma discussão acerba e azeda que culminou com os dois se retirando do ambiente e voltando para continuar a polêmica em altos brados o que deixou o filho assaz nervoso.

Passou-se algum tempo e os jovens casaram e, evidentemente, Shly Mah Zel e Tze Bul Keh se comportavam totalmente ao revés dos pais do jovem. Pelo que consta, bastante felizes e não se sabe se para sempre porque, como diz o poeta e escritor uruguaio Mário Benedetti, numa de suas antológicas poesias, “Hay tanto siempre que no llega nunca”, mas isso já é uma outra história.

Moral I: Na casa que não falta pão alguns gritam e acham que têm razão.

Moral II: Pelos erros dos outros, o homem sensato corrige os seus. (Oswaldo Cruz).

Moral III: Quem não sai aos seus, degenera (no bom sentido).

Juca

sábado, 15 de novembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I (Emprestando o termo “pila” dos gaúchos).
O dolar oscila,
Sobe e desce.
Mesmo assim,
É tudo igual
E não é um pranto:
O meu real
Desaparece,
Como por encanto,
Ele vive no fim
Sem sobrar um pila,
Sem um tostão furado.
Coitado!
De mim...

Constatação II
Quem nunca leu, pelo menos os livros, Jorge, um brasileiro, de Oswaldo França Júnior e O coronel e o lobisomem, de José Cândido de Carvalho não entende nada de nada. Tenho, sem patriotada, dito.

Constatação III
Exemplo de Exercício de Poder é quando uma pessoa física ou jurídica te adverte, te chama a atenção, várias vezes, que a reunião terá que ser im-pre-te-ri-vel-men-te numa determinada hora e te atende com uma hora de atraso. Outros exemplos são: “Eu quero porque quero é tá acabado”, de pais para com os filhos e da mulher para com o marido e, dificilmente, deste para com aquela...

Constatação IV
Posto
Que a gente
Tem que pagar imposto,
Tributo,
Imposto como obrigação,
Tão somente
E não vê atitude
Pra uma solução
Pra Saúde
E a Educação
A gente fica put, digo resoluto
A tomar
Uma posição
De não votar
Na próxima eleição.

Constatação V
Carcomido pelo ciúme
De ver a vizinha
Com mais um carro,
Todo incrementado,
Ficou que era só azedume
Pôs-se a falar
Abobrinha,
E, para piorar:
A sogra vá tirar
Um sarro:
Que ele só tinha uma bicicleta
E que de tanto pedalar
Poderia se tornar
Um baita atleta.
Coitado!

Constatação VI
Não se pode confundir simbiose, que o dicionário Houaiss dá como “interação entre duas espécies que vivem juntas” com sinistrose, que o mesmo dicionário define como “tendência a alardear a iminência de colapsos e perigos terríveis, individuais ou sociais, a vaticinar desastres, ruínas, grandes perdas materiais, catástrofes em empreendimentos, planos econômicos, projetos políticos”, muito embora se as duas espécies que vivem juntas serem humanas tipo genro ou nora com sogra, fatalmente, deverá descambar para a realização efetiva da sinistrose. A recíproca até pode ser verdadeira. Basta ver o que está ocorrendo no mundo com a derrocada da especulação financeira que nada tem a ver com o trabalho produtivo que efetivamente gera riqueza.

Constatação VII
Deu na mídia: “A revista 'Forbes' aponta Elvis como artista morto mais rico de 2008”. Taí uma notícia de transcendental importância para as pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza e, também, para o futuro da Humanidade...

Constatação VIII
Aguarde breve: O “pibe”, como é chamado carinhosamente Maradona pelos hermanos, sendo desmistificado como a maioria dos técnicos em todo o mundo. As exceções como o Felipão e outros são apenas, e não mais que apenas, exceções. Tenho profeticamente dito.

Constatação IX
Lugar-comum é a casa da gente? E quem não tem casa como é que fica? Sem-teto- comum?

Constatação X
A violência que grassa em nosso país gerou a ampliação do termo ‘liquidação’ que anteriormente só se referia às vendas para renovação dos estoques das lojas?

Constatação XI
Semiótica quer dizer que o sujeito só vê as coisas pela metade?

Constatação XII
Para quem acredita em inferno, purgatório e paraíso, acompanhar um enterro de uma pessoa é levá-lo para a sua penúltima morada?

Constatação XIII (Quadrinha para ser recitada no dia das eleições).
Sou um democrata
Meu voto é obrigatório
Meu candidato é psicopata
E vive num consultório.

Constatação XIV (Saudosismo).
Já no fim do jogo entre o Gama e o Paraná, nos descontos, a bola bate na trave do Paraná e, na seqüência, um corner e um pênalti a favor do Paraná que é convertido em gol e o Paraná vence por 2 a 1. Os gols do Paraná foram feitos por zagueiros. No meio da euforia e do “ufa!” dos paranistas, ouviu-se um comentário com ar tristonho e nostálgico de um torcedor: “Já não se fazem atacantes como Izaldo, Casnock e Afinho, do meu velho Ferroviário”.

Juca

sábado, 8 de novembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I (Conto mobiliário, curto, pseudo-infantil).
Ela comeu com sofreguidão uva de mesa no colo do namorado, este sentado numa cadeira. Aí ela terminou de comer na cama e eles, depois da comilança, viveram felizes para sempre...

Constatação II
Não se pode confundir pulha com pilha, muito embora quem é pulha sempre pilha os cofres públicos, privados e outros menos cotados. A recíproca não é necessariamente verdadeira, até porque os eleitores brasileiros ficam uma pilha de nervos em ver o número de pulhas que vicejam por aí...

Constatação III
E como poetava o convencido, nosso velho conhecido:
“Ser cobiçado
Ser desejado
Pelas mulheres,
Aqui em Curitiba
Ou seja, lá onde for,
Não precisou ser
Meu desiderato.
Portanto,
Por favor,
De pitibiriba,
Neres.
Pelo menos,
Por enquanto...
Sempre foi de somenos
Importância tal.
Eu nunca fiquei
Estupefato
Com esse ato
Cortejador,
Também
Não prestei
Muita atenção
E deixei,
Simplesmente,
A elas, mais de cem,
A decisão,
A postura opcional
E tudo acontecer
De modo natural,
Essencialmente
Como sempre normal
Tão-somente”.

Constatação IV
Rico tem impressora a laser; pobre, papel carbono; quando muda o salário mínimo, mimeógrafo a álcool.

Constatação V
Uma das obviedades e vade-mécum de quem quer tirar proveito em tudo: “O negócio é sempre ser amigo do rei que esteja, naquele momento, reinando”.

Constatação VI
Pra quem está pensando em investir pra tocar seu próprio negócio Rumorejando, face os tempos novos, sugere os seguintes ramos com o mercado em franca expansão: coletes a prova de bala, alarmes para carros e casas, grades de proteção, cerca elétrica, firmas de segurança de outras firmas de segurança e assim por diante. De nada!

Constatação VII
Não se pode confundir carreata com careta, até porque, dependendo quais eleitores estiverem participando da carreata e a gente for do outro candidato a gente não vai deixar de fazer uma careta, caramunha, carantonha, esgar, momice, trejeito. Tudo de desprezo. A recíproca não é verdadeira, porque pode ser uma carreata que mereça da nossa parte um simples muxoxo.

Constatação VIII
Rico é empírico; pobre, nunca leu um livro na vida.

Constatação IX
Deu na mídia: “Homem preso no Egito por propor troca de esposas na internet
A polícia ordenou a detenção durante quatro dias do funcionário, acusado de apologia da libertinagem”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas pelo jeito a polícia egipcia ainda não ouviu falar em swing...

Constatação X (Teoria da Relatividada para principiantes corinthianos).
É muito melhor estar entre os quatro primeiros na segundona do que entre os quatrro últimos na primeirona.

Constatação XI (Teoria da relatividade para principiantes paranistas).
É muito melhor estar entre os quatro primeiros da terceirona (Valha-me, meu time), do que entre os quatro últimos da segundona.

Constatação XII (De uma dúvida crucial).
Será que a linha do Equador, com esse aquecimento global, ficou desalinhada? Quem souber a resposta, por favor, enviar correspondência para o e-mail desse assim chamado escriba ou através do blog
http://rimasprimas.blogspot.com

Constatação XIII
O que se vê,
Hoje em dia,
Na TV
Homem chorando
Não tá escrito por aí
Tampouco no gibi.
Antes não se via.
Estão desmistificando,
O dito do Martinho
Que homem não chora
Quando a mulher
Vai embora.
Ninguém quer ficar sozinho
Nem um minuto sequer.

Constatação XIV (De conselhos úteis).
Se você é vegetariano, ou adepto da comida macrobiótica, não faça proselitismo disso, pois todo proselitista é um chato. Quando não, um cricri. De nada!

Constatação XV
Tá na hora de eliminar a reversão à esquerda, em Curitiba. E para não haver excesso de velocidade nas ruas de sentido único, lombada e lambada de multa aos mais apressados. E já que estamos falando de assuntos de nossa cidade, quem deveria controlar os decibéis, já que parece que ninguém controla.? Quem souber a resposta, etc., etc.


Juca

domingo, 2 de novembro de 2008


PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
Quando o obcecado, por razões óbvias, sentiu que estava sendo obrigado a se aposentar, evidentemente contra a sua vontade, pensou: “Torna-se mister que eu divulgue meu elevado know-how”. Aí resolveu usar o seu espírito – na opinião dele – altamente altruísta, criando uma escola, para a qual deu o título de Centro de Formação de Amantes. Rumorejando ainda não conseguiu saber se houve muitas matrículas. No entanto, em algumas que ocorreram, os alunos comentaram que adoraram as aulas práticas.

Constatação II
Deu na mídia: “Paraná precisa construir pelo menos mais 15 presídios. Apesar de o número de vagas nas penitenciárias paranaenses ter dobrado nos últimos seis anos, o excedente de presos no estado ainda ultrapassa 14 mil”. Data vênia, como diria nossos juristas, mas Rumorejando acha que o moto perpétuo está inventado: Quando terminarem os 15 novos presídios estiverem prontos, outros tantos serão necessários. E assim por saecula seculorum, até o fim dos tempos...

Constatação III
Não se pode confundir alegria com alergia, até porque o exemplo clássico é o aparecimento repentino da tua sogra, mostrando alegria por sua – dela – vinda, na tua casa e você começa ficar com manchas por todo o teu corpo, por causa da alergia.

Constatação IV
Na homilia
Dom Praxedes,
O padre bonachão,
Instou
A família
A não cometer pecado.
Quando terminou
Teve a impressão
De ter falado
Pras paredes.
Coitado!

Constatação V
A candidata,
Insensata,
Qual um polícia,
Com malícia,
Com irônico jeito
E de modo arbitrário,
Questionou,
A masculinidade
Do adversário.
O eleitor não perdoou
A sua iniqüidade
E ela se ferrou.
Bem feito!

Constatação VI
Na vida,
Talvez bisonha,
Se perde, se ganha.
No futebol,
Chova ou faça sol
Meu time,
Cá da terra
Por mais que se anime
Qualquer partida
Só se ferra.

Constatação VII
Após a lua-de-mel
Persiste
A sensação
Que não existe
Em um lugar qualquer
Algo assim bom
Como uma mulher,
Ou... um plantel.

Constatação VIII
Ela nunca quis
Acompanhá-lo ao motel
Por mais que ele insistisse
Pedisse,
Implorasse,
Chorasse,
Abrindo um berreiro.
Um dia, ela topou
Com pressa, ele se deitou
Na cama com dossel
Enquanto ela foi ao banheiro.
Rapidamente, ele quis
Tomar um cialis,
Cujo efeito apregoado
Era de pouco tempo.
Na pressa, o comprimido
Da sua mão escapou
E caiu no tapete, pois o chão
Não era lambris.
Por mais que procurasse
Não mais o encontrou.
Aí, deprimido,
No desespero ficou
Resolveu achar
Um passatempo.
Pegou, do bolso, um baralho
Que de tão velho tava embolorado
E quando ela despontou,
Toda vaporosa,
Toda charmosa,
Perguntou,
Com os nervos em frangalho:
Qual jogo você sabe jogar?
Coitado!

Constatação IX
O carvoeiro,
Com o rosto todo encarvoado,
Chegou em casa
Ficou branco de tão assustado.
E pelos seus olhos passou um nevoeiro:
A filha no colo do namorado,
Quase nua
E ele com as mãos no seu busto,
Com cara de que estivesse no limbo.
Os dois vendo um filme da Nasa
No qual, fumando um cachimbo,
Naquele instante,
O astronauta estava sentado,
Num pedaço da lua
Que estava na minguante.
Que susto! *
Coitado!
*Não ficou claro se o carvoeiro levou um susto com medo que o astronauta caísse da lua na minguante ou se foi por causa das condições que encontrou a filha, ou pelos dois fatos.

Constatação X
Tentei resolver
Uma equação
Não deu por matemática
Nem por informática.
Aí recorri à gramática,
Mas não deu no particípio
E cheguei à conclusão
Que não havia solução.
A equação insolúvel,
Irresolúvel,
Por princípio,
Se referia
A uma gata,
Ingrata
Que eu a havia
Lançado
Na mídia
E, depois que venceu,
Com perfídia,
Qual um político,
Me esqueceu.
O fato apocalíptico
De ela girar em torno
Do seu próprio umbigo
Me deixou morno,
Prostrado.
Achei, de tudo, o fim
Coitado!
De mim...

Juca

terça-feira, 28 de outubro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
Deu na mídia: “A fazenda Neverland, na Califórnia, que pertence a Michael Jackson, poderá ser embargada e levada a leilão em 19 de março caso o pop star não pague uma dívida de 25 milhões de dólares”. Taí uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade, exceto para quem tem interesse em comprá-la, o que, absolutamente, não é o caso deste assim chamado escriba que vive em Curitiba. Só por isso...

Constatação II
Especula
O obcecado,
Pra que não a perca
Se ela
Ficaria fula,
Se desconfiasse
Quando a cerca,
Ele pulasse
Naquela
De apaixonado
De quem só pensasse
Naquilo,
Na base do “fi-lo
Porque qui-lo”.
Que destemperado!

Constatação III (De uma dúvida crucial).
Foram os candidatos a cargos eletivos que, depois de eleitos, deram ensejo à expressão “fica o dito pelo não dito”? Quem souber, por favor, cartas, etc.

Constatação IV
Conseguiu
Um financiamento
Pra fazer um investimento
Num motel,
Em uma cidade
Onde só se via
Mais de um convento
E muita moradia
De piedosa irmandade,
Além de claustro, abadia,
Cenóbio, clausura, freiria
Onde se aprendia
Obter o paraíso no céu*.
Faliu...
*Não ficou claro se o prometido paraíso no céu era através do que normalmente acontece num motel ou do que era apregoado na região. Quem souber, por favor, etc.

Constatação V (De dramas conjugais).
Ela tinha que admoestar o maridão
Mais de mil vezes até a exaustão*.
*Também não ficou claro se a exaustão era dele, ou dela, ou dos dois. Quem souber, por favor, etc.

Constatação VI
Ela muito educada,
Assaz refinada,
Quando, por um lapso,
Numa festa chique de salão
Proferiu um palavrão,
Envergonhada,
Ruborizada, falou:
-“Não foi um relapso.
Foi um acesso obsoleto
Da minha impiedosa tosse
Que sempre me acosse
E que a gente expectora
Pondo pra fora
Um baita quatrocentão”.
A emenda soou,
Naquele ambiente
De fina gente,
Pior do que o soneto.
Coitada!

Constatação VII (Teoria da Relatividade para principiantes).
Pra quem não é boêmio e sofre de insônia, a noite é eterna; pra quem é noctívago, a noite é uma criança que cresce e se esvai rapidamente.

Constatação VIII
Dissimula
O fantasma,
Contratado
Por um órgão
Governamental.
Aí, resolve aparecer
Na sessão
E pasma
Sem saber
O que fazer
Parece uma mula,
Um marsupial,
Um atoleimado,
O safado.
Coitado!
Coitado?

Constatação IX
O Museu de Cera é um clone sem o sopro da vida?

Constatação X
Não sei o que deu nela.
Se foi teimosia,
Birra,
Aleivosia
Casmurrice,
Renitência.
Caturrice
Obstinação
Ou implicância.
O fato
Que ela
Disse um peremptório não.
“Nem hoje, nem nunca,
Me trazer nessa espelunca”.
Fez-me sentir um gaiato
Quando gentilmente
A convidei
Pra irmos a um motel
Tão-somente.
Aliás, conforme alusão
Insistente dela.
Será que o estopim
Foi porque eu não comandei
Um veuve clicquot
Da safra trinta-e-dois
No jantar
A vela
Aí, depois,
Ela armou um complô
Contra o coitado de mim?

Constatação XI
Os engenheiros civis, além de se dedicarem às obras, quando escrevem prosa e/ou poesia passam a recorrer, também, a outra engenharia. À das palavras...

Constatação XII (“Poeminha”para ser declamado pelo cara – não necessariamente de pau – que pretenda pedir a sua amada em casamento, preferencialmente não na frente dos pais dela).
Meu coração
É como titânio,
Como tório
E urânio
Altamente
Radioativo
Tão-somente.
Vamos evitar
Uma explosão
Acalmar
Esse vulcão
E preparar
Nosso casório
Que eu, muito ativo,
Já adquiri o colchão.

Constatação XIII
O sósia, quando as partes não são vizinhas, é um clone por instâncias ou caprichos da mãe natureza?

Constatação XIV
Os cães ladram e as caravanas de ladrões nunca terminam de passar...

Constatação XV (De uma conversa meditabunda e gemebunda).
- “No Karaokê, quando ele esqueceu a letra, ele ficou com cara de quê?”
-“Ficou com cara de bun, digo, do sentador”.
-“Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer...”

Juca

domingo, 19 de outubro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
“A corrupção não é uma invenção brasileira, mas a impunidade é uma coisa muito nossa”. (Jô Soares). É que rico tem mérito; pobre, tem culpa (Juca). Elementar, caro leitor, digo Watson (Sir Arthur Conan Doyle).

Constatação II
Não se pode confundir perrengue, que quer dizer pusilanimidade, teimoso, birrento com merengue, muito embora quem come este, o estômago pode ficar aquele, mormente teimando em se sentir enfadado, glicêmico, enjoado e coisas desse jaez.

Constatação III
Não se pode confundir aludindo com iludindo, principalmente com a explicação de políticos, governantes e outros menos votados e/ou nomeados.

Constatação IV (De uma dúvida não necessariamente crucial).
Deu na mídia: “Segundo pesquisa realizada na Grã Bretanha, “um em cada quatro ingleses não lavam a mão depois que vão aos pés”. É a isso que se chama meter as mãos pelos pés?

Constatação V (Dúvida não crucial via pseudo-haicai).
Bach, em ritmo de rock pauleira
Só pode descambar
Em grossa asneira ?

Constatação VI (Dúvida crucial, monárquica, via pseudo-haicai).
Entrou um plebeu
Na corte. Claro?
O rei nem bola deu.

Constatação VII (De um aproveitamento melhor do tempo).
Refiz um trato desfeito com ela:
Eu não assisto até meia-noite o futebol
Ela não fica até as 10 na novela.
Sem dúvida um trato de escol!

Constatação VIII (Quadrinha para ser recitada na Bolsa de Valores e/ou num motel).
A crise me pegou em cheio
Meu desempenho esmoreceu
Nas iniciativas eu titubeio
Lá se foi meu apogeu.

Constatação IX
A violência chegou a tal forma
Que é de se perguntar:
Será que virou norma
Ou nunca isso vai parar?

Constatação X
Valha-me seja lá quem for:
O Paraná na terceirona
Seria muito sofrimento e dor
Minha mente ficaria doidona
Só de pensar me dá frio e calor.

Constatação XI
Deu na mídia: “Uso excessivo de celular pode causar urticária dizem especialistas”. Data vênia, como dizem nossos juristas, mas Rumorejando acha que escutar o horário político pode dar também.

Constatação XII (Opinião não necessariamente abalizada. Porém, já que todo o mundo é técnico...)
A gente não está nada contente com o desempenho da seleção brasileira. E não dá para ser diferente. Mas os hermanos, nossos eternos rivais, também não estão. Os uruguaios, idem. Por outro lado (qual lado?), os paraguaios estão contentes com o desempenho do seu time que tá bem na frente com o primeiro lugar nessa fase eliminatória. Pediu demissão o técnico dos hermanos e pedem a cabeça do Dunga. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que não é uma questão de técnicos. É que o time paraguaio não está jogando com salto alto... Elementar.

Constatação XIII
Mesmo que alguns eleitores não votaram no atual prefeito de Curitiba, ainda assim ficaram contentes com o índice percentual de sua vitória que não ensejou um segundo turno...

Constatação XIV (Problemas da Terceira Idade).
Ela faltou comigo com o devido respeito:
Disse que eu estou ficando um velho caduco
Que eu não dou mais no coro no nosso leito
E que eu não sei mais descartar num truco.

Constatação XV (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
A moça siliconada
Tá com tudo
Ou tava com nada?

Constatação XVI (Quadrinha apelativa com os sufixos de verbos ar e ir).
Se o meu Corinthians voltar
E o meu Paraná não cair
O futebol só terá a ganhar
E minha alegria irá advir.

Constatação XVII
Vendi minhas ações
Comprei euro
Aí minhas decepções
Fiquei esquizoneuro.

Constatação XVIII
Rico reaparece; pobre, assoma.

Constatação XIX
Rico é impetuoso; pobre, impiedoso.

Constatação XX
Rico é audacioso; pobre tem topete.

Constatação XXI (De uma dúvida crucial).
Fiquei assaz preocupado e aflito
Quando o juiz não apitou o pênalti
Será que ele engoliu o apito?


Juca

domingo, 12 de outubro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
Rico é jovial; pobre é insosso.



Constatação II (Dúvida crucial)
Os homens que se negam a parar pra perguntar, na estrada, a direção exata do seu destino – conforme sugestão, pedido, imploração insistência da cara-metade –, naturalmente, que se perdem. Neste trágico caso, eles estão na contramão da história ou da geografia? Quem souber a resposta, por favor, cartas através do blog (
http://rimasprimas.blogspot.com). Obrigado.


Constatação III
Rico é resoluto; pobre, hesitante.



Constatação IV
Deu na mídia: “Cientistas descobrem 700 novas espécies da fauna na Antártida”. Sem data vênia, já dá pra ter certeza o que vai acontecer com elas...



Constatação V
Não se pode confundir borocoxô com broxo (u), muito embora, em condições normais de pressão e temperatura o cara que broxo (u) fica borocoxô. A recíproca não é necessariamente verdadeira. Afinal, existem “n” motivos outros para o cara ficar borocoxô, como por exemplo, quando leva um fora da gata, o seu time do coração perde ou é rebaixado para a segunda divisão, se dá conta que no país só ocorre pizzarias sem fim e outras “cositas” desses jaezes.



Constatação VI
Rico se atormenta por não ser mais rico; pobre, atormenta.



Constatação VII
E não se pode confundir restituído com destituído, até porque, até hoje, não se ouviu dizer que um governante foi destituído por não ter restituído os execráveis “empréstimos compulsórios” que acabam se transformando em imposto compulsório. A recíproca para esses casos não é necessariamente verdadeira. Basta ver o que ocorre com os técnicos de futebol que são destituídos sem que possam restituir a vitória dos times que vinham atuando. Dos presidentes dos clubes de futebol que não entendem nada do riscado, nem falar.



Constatação VIII
Antonio Carlos Gomes, César Guerra-Peixe, Alberto Nepomuceno, Heitor Villa-Lobos, Bento Mossurunga, os irmãos Norton e Henrique Morozowicz. Taí um time de musicistas brasileiros da pesada. Tenho humildemente dito!



Constatação IX (A base de chavões)
Rico não tem limite para gastar; pobre dá o passo maior do que a perna.



Constatação X (Teoria da Relatividade para principiantes)
É muito melhor entrar em férias do que entrar pelo cano, muito embora ocorram casos em que, nas férias, se possa entrar pelo cano como, por exemplo, pegar tempo ruim, muita gente no lugar escolhido, ter que levar a sogra e assim por diante. A recíproca é verdadeira. Você pode entrar pelo cano sem estar em férias, na malfadada eventualidade de não receber uma merecida promoção do teu chefe que optou em dá-la ao sobrinho, aquele vagabundo que nada faz a não ser perturbar o ambiente de trabalho.



Constatação XI
Rico mora em mansão; pobre, em covil*.
*Covil = “habitação rude, miserável; choça, casebre” (Houaiss).



Constatação XII
Rico se reúne em turma; pobre, em bando



Constatação XIII (Quadrinha inequivocamente didática).
Só jogar canastra,
Acolá no motel
O fogo não alastra
E que feio papel.



Constatação XIV (Quadrinha da curtição total)
Passar um blefe, um facão,
No científico jogo de truco,
Dá montanhas de satisfação
E deixa o outro meio maluco.



Constatação XV (Quadrinha reivindicatória)
Se no próximo carnaval
Eu não desfilar como destaque
Ficarei irremediavelmente tão mal
Que terei um baita ataque.



Constatação XVI (De uma dúvida crucial)
E já que estamos falando no assunto, o haicai, que os japoneses inventaram, é uma quadrinha de pé quebrado?


Juca

sábado, 4 de outubro de 2008

Fábula Confabulada (Indigna do Millôr).

Havia uma vez nas cercanias de Shaoshan, não longe de Changsha e de Chonqing, entre Guiyang e Chengdu por um caminho que vai em direção ao rio Yang-Tsé, contornando Leshan um chinês de nome Shway Neh Ray. O sonho dele era visitar um país, do outro lado do mundo, chamado Brasil.

A passagem custava muito caro o que fazia com que ele protelasse a cada novo ano a realização do seu sonho. Quando começou a abertura da economia chinesa, Shway Neh Ray iniciou uma criação de porcos, usando métodos desenvolvidos por técnicos chineses, inclusive com tratamentos dos ditos com acupuntura e ervas.

A mulher de Shway, Shte Keh Wen, colaborava no orçamento familiar, dedicando-se a costuras, principalmente na reforma, ampliação e redução de vestidos em função de necessidade e/ou do grau das vaidades de cada freguesa.

O negócio começou a prosperar e a realização do sonho começou a se aproximar da factibilidade, como Shte Keh Wen gostava de se expressar, usando palavras mais ou menos sofisticadas. Aí, ela, que passara todo o tempo economizando tostão por tostão, quer dizer li por li sugeriu que ambos passassem por Paris, a fim de ela também realizar o seu – dela – sonho.

A criação de porcos ficaria a cargo do filho do casal, Peh Tcha Tek, que já tinha idade pra dar conta de tais tipos de tarefas. E assim foi. Em Paris, visitaram o que os turistas costumam visitar: Museus, Monumentos, Jardins, como o de Luxemburgo, Torre Eifel, Notre Dame, Palais Royal, Sacre Coeur e passearam de barco pelo rio Sena; comeram queijos e tomaram vinhos. Enfim, procuraram ver o máximo e o que o dinheiro permitia. Finalmente embarcaram para o Brasil.


Outro grande sonho. Shway Neh Ray havia comprado, ainda na China, entrada para assistirem o desfile de carnaval no Rio de Janeiro e chegaram bem no dia do desfile das escolas de samba. E, claro, outras visitas turísticas. A companhia de turismo, lançando mão de seguranças, cuidava deles e de outros turistas de outros países. O casal não entendia exatamente por quais razões, o que ninguém se preocupou em explicar a presença dos tais seguranças, por achar arriscado criar medo e atrapalhar a vinda de outros turistas, estragando o seu negócio. Mas isto já é outra história que, nesse momento absolutamente não vem ao caso.

Quando retornaram para sua casa ameaçaram amigos, parentes e vizinhos para verem as fotos que haviam tirado nos dois países que, coitados, educadamente, acederam ao convite.

Cada um do casal anfitrião dissertou suas impressões com relação aos países visitados. Ele alegou, entre outras considerações, que não havia gostado de Paris porque havia muito cachorro e gato, fazendo o que faziam nas calçadas e que aquilo não era exatamente o que ele gostaria de ver; Por outro lado (qual lado?), ela não havia gostado do Brasil porque parecia que todas as mulheres só se preocupavam em chamar a atenção para seus respectivos peitos e bundas. E que não era aquilo que ela queria ver.

As opiniões dos convivas se dividiram o que redundou numa polêmica que se arrastou pela madrugada adentro, mas isso também já é outra história, o que, analogamente à anterior, obviamente, não vem para o caso no presente momento. Quem ficou interessadíssimo no Brasil foi Peh Tcha Tek, o filho adolescente do casal.


Moral I: O pior cego é aquele que não vê o que não quer e só quer ver o que quer.


Moral II: Quando se discorre sobre um assunto há que se despertar o interesse nas pessoas, seja ele qual for.


Moral III: Peito e bunda feminina não são só de interesse de determinado país, chamado Brasil. É de interesse geral.

Juca

sábado, 27 de setembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
Quando o obcecado convencido leu na mídia, no dia de Natal de 2007: “Nem só quem recebe ajuda se beneficia. A solidariedade também torna a vida de quem doa melhor e mais saudável”, agregou, de imediato, a frase ao seu repertório de eventuais cantadas, ainda que sempre apregoasse, a quem quisesse ouvir, que quem recebia as cantadas era sempre ele.

Constatação II
Rico tem expectativa; pobre, ansiedade.

Constatação III
Rico ordena; pobre, convida.

Constatação IV
Rico é adepto do erotismo; pobre, da pornografia.

Constatação V
Rico é convidado; pobre, coagido.

Constatação VI (De uma dúvida crucial).
Língua de trapo fica puída?

Constatação VII (De outra dúvida, mas não necessariamente crucial).
É a fada que, quando se sente enfadada, vai escutar um fado?

Constatação VIII
A acromegalia é, segundo o dicionário Houaiss, é “doença crônica provocada por uma disfunção da glândula pituitária e que se caracteriza pelo crescimento anormal das extremidades do corpo (mãos, pés, rosto)”. Será que certos governantes, deputados e senadores têm esse problema nos pés e nas mãos, já que costumam meter os pés pelas mãos, mormente quando metem as mãos crescidas no jarro?

Constatação IX
Beto da Querência (de Querência do Norte, Noroeste do Paraná) cantor e compositor. Guardem este nome porque, sem dúvida vai estourar, com sucesso, o lançamento do seu primeiro CD. Não esqueçam: Beto da Querência.

Constatação X
Rico borrifa as flores; pobre espirra em cima dos outros.

Constatação XI (De venais, nem falar).
Quem é esquisito acha que outros é que são; quem é imbecil acha que os outros é que são; quem é político faz o que faz porque sim e tá acabado. O que não impede que sejam esquisitos e imbecis.

Constatação XII
Em certos países, o roubo, em função do tipo, quantidade, número de eventos e valores, já virou profissão em vários níveis...

Constatação XIII
Quando o ouriço chegou tarde em casa a ouriça ficou toda ouriçada e gritou: “Você é um espinho no meu pobre e desvalido coração.

Constatação XIV
Rico, nas suas convicções, é dogmático; pobre tem que ser pragmático.

Constatação XV
Não se pode confundir draga, que em algumas regiões do Brasil quer dizer arma de fogo, revólver com droga, muito embora exista uma relação biunívoca entre as duas palavras, tendo em vista o uso, cada vez mais arraigado em nosso país, da primeira para obter a segunda... A recíproca é como é e tá acabado. Tenho democrática e simpaticamente dito.

Constatação XVI
(E como poetava outro obcecado eternamente no seproc (nada a ver com o obcecado da “Constatação I”):


“Cada vez que eu vejo ou antevejo
Uma mulher gostosamente tremenda,
Pela atenção do marido esquecida
Fico imaginando dar-lhe um beijo,
Como se fosse uma dívida vencida
E, inclusive, como uma vincenda”.

Constatação XVII (Patriotismo ufanista utópico).
Naquele mastro acolá
A bandeira
Do meu time,
O Paraná,
Tremula com languidez,
Mostrando sua altivez,
Sempre faceira,
Sempre altaneira,
Numa liderança
Assaz sublime.
Pendão da esperança
Como a brasileira

Constatação XVIII
Não se pode confundir alusão com alazão, que o Houaiss define como “que ou o que tem o pêlo cor de canela, com uma tonalidade simultaneamente castanha e avermelhada (diz-se de cavalo)”, até porque se um jogador de futebol entra no adversário com violência e a torcida grita que ele é um cavalo, não se trata de uma alusão a cor do jogador, do uniforme, mas sim da maneira como o tal jogador deu a entrada. No entanto, cavalo, cachorro e outros mamíferos são mais gente do que muita gente. O xingamento, portanto, não se justifica com tal epíteto. Basta escutar os noticiários...

Constatação XIX (Eufemística).
Quando ela se sentiu
Escorçada,
Espoliada,
Despojada
Enxovalhada
Na mesma hora partiu,
Deixando então o companheiro
De tantos anos grande parceiro
Com cara de quem, fatalmente,
Iria ficar
Com vontade de sentar
E totalmenteAtoleimado,
Tão-somente.
Coitado!

Constatação XX
Quem nunca escutou a milonga dos nossos hermanos argentinos – rivalidades futebolísticas a parte –, chamada Taquito Militar, não sabe o que está perdendo. Tenho mercosulamente dito.

Constatação XXI
Rico engole caviar; pobre, sapo.

Juca

domingo, 21 de setembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I (O inverso da vice-versa).
[Para a Gigi, Foquinha, Juju, João Raymundo, Preta Joana (in memoriam) e Caxixó. Todas também com o sobrenome Zokner].
Os cães daquela casa eram tão dóceis, faziam tanta festa para quem nela entrasse que os donos é que tinham que fazer o papel de cães de guarda.





Constatação II
Conversa entabulada entre dois políticos, ouvida em qualquer cidade do Brasil:
-“Na tua opinião, por que as mulheres se candidatam menos do que os homens para os diversos cargos, já que elas têm, inclusive, cotas garantidas para isso? Será por medo de perder?
–“Não. Em minha opinião – modesta, aliás – é porque elas são mais honestas do que nós homens”.
-“Há bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer...”


Constatação III
Rico que dirige um Volvo do ano jamais é multado; pobre, num, digamos, Corcel 80, é um infrator contumaz.


Constatação IV
E como explicava, didaticamente, por carta, para o sobrinho o obcecado de origem portuguesa: -“É preciso reflectir para o facto de que você tem que, ao estar com uma rapariga, otimizar as atividades de contacto, as possíveis e correctas chumbregadas, dando-lhe prazeres mil”. Pois, pois?


Constatação V
Disse, no telefone, a namorada do facínora pra ele. “Venha aqui em casa que eu estarei te esperando com o meu novo baby-doll preto que eu comprei hoje. Você vai ver o que eu vou fazer com você”. Respondeu o facínora pensativo: “Puxa! Foi a ameaça mais doce que eu já ouvi. As que eu escuto ou são da polícia ou dos meus comparsas”.


Constatação VI
Não se pode confundir liminar com eliminar, muito embora quando o governo – que nem sempre se preocupa com tanto desrespeito à vida, em nosso país – pretende, por exemplo, diminuir ou mesmo tentar eliminar os acidentes, proibindo a venda de bebidas alcoólicas nas estradas aparece uma ou outra liminar, ou projeto de lei na Câmara, derrubando a proibição. Livre comércio? Democracia? Ou falta de respeito pela vida, como sempre? Quem souber as verdadeiras razões, por favor, cartas à redação. Obrigado.


Constatação VII
O genro foi se queixar pra sogra que a filha dela o estava tratando mal. “Ela só briga comigo”. E a sogra: “O que você faz pra ela?” Sem responder, repetiu a mesma ladainha para o sogro que perguntou: “O que você não faz pra ela?”


Constatação VIII
Rico é sinérgico*; pobre é individualista.
*Sinergia = Sociologia: “Coesão dos membros de um grupo ou coletividade em prol de um objetivo comum (Houaiss).


Constatação IX
Rico não condiz com certas atitudes; pobre, com nenhuma.


Constatação X (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
Todo fedelho
É um inequívoco
Pentelho?


Constatação XI (Teoria da Relatividade para principiantes).
É muito melhor ter aspas, escrito no nome do que na testa.


Constatação XII (Dúvida crucial).
Por que será que, em certos países, não se respeita a Lei do Silêncio e por que será que ninguém a controla para que seja respeitada? Quem souber a resposta, por favor, explicar as razões para este assim chamado escriba, através do blog
http://rimasprimas.blogspot.com/ . Obrigado.

Constatação XIII (Quadrinha para ser recitada em certas confeitarias para os donos das ditas).
Era um sonho
Tão sem recheio
No seu permeio,
Que até parecia bisonho.


Constatação XIV (Quadrinha para ser recitada por um(a) nutricionista para seus pacientes).
A obesa quer emagrecer,
Mas, por dia, teima
Em se abastecer
Com dois quilos de guloseima.


Constatação XV
Na ópera, no texto
O cara ao levar
Uma facada
E se põe a cantar
Até uma toada.
Tal está fora do contexto,
Pois quem é agredido
Não canta,
Só se espanta,
E fica assaz desvalido.


Constatação XVI
Não se pode confundir faiança (louça de barro esmaltado ou vidrado) com fiança, muito embora os dois estejam sujeitos a uma quebradeira. A recíproca pode ser verdadeira desde que se compre uma faiança, tão sofisticada, tão rara, tão incrementada, a crédito, que o vendedor exija uma fiança.


Constatação XVII
Deu na mídia: “Itaú vê crédito forte também em 2009, apesar de juro”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas um dos maiores bancos do país, a semelhança dos demais, não fez alguma referência às filas em frente aos caixas e o chá de cadeira de quem quer falar com um dos gerentes. Pena.


Juca

sábado, 13 de setembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES


Constatação I (Reminiscências de maus tempos I...).
Em 1975, em plena ditadura militar, a Fundação Cultural de Curitiba expôs mostra de cerâmicas e de fotografias da arquitetura russa. A inauguração contou com a presença do Adido Cultural da Embaixada da Rússia. Todos os presentes, ao cumprimentá-lo, eram fotografados por um cidadão com cara de poucos amigos... Um dos presentes, ao ver espocar um flash atrás do outro, comentou: -“Será que não vai dar complicação a gente ser fotografado em companhia de um russo, de um comunista?” -“Não se preocupe, alguém respondeu, o risco é de apenas 50%. A gente não sabe para quem o fotógrafo trabalha”...


Constatação II (Reminiscências de maus tempos II...)
No coquetel que se seguiu à exposição russa, relatada na constatação anterior, foi servida aos presentes uma vodca “da legítima”, daquelas que davam calor até no dedão do pé. Enquanto aproveitando a rara oportunidade, se degustava aquela escassa bebida (a globalização ainda não estava em vigência...), passou um garçom com uma bandeja de refrigerantes, contendo, inclusive, pasmem: a acqua nera del imperialismo ianque, Coca Cola!!!. O fato suscitou o comentário do mesmo cidadão que havia dito que a gente não sabia para quem o fotógrafo trabalhava e, com ar de condena, meneando a cabeça: “Bah! Já não se fazem mais russos como antigamente...”

Constatação III (Reminiscências de maus tempos III...)
Um radioamador, tão logo obteve autorização do Ministério das Comunicações para começar a operar, não saía da frente do seu equipamento de transrecepção. Passava todo o tempo, inclusive nos intervalos do almoço e a noite em longos papos. A maioria, furados. A comida era engolida rapidamente para não perder algum eventual contato. Um dia, entusiasmado, mostrou à sua mulher uma fotografia , que um colega de um país distante havia mandado, onde o sujeito aparecia diante do seu – dele – sofisticado equipamento de rádio. A mulher, que andava aborrecida com a indiferença do marido, não se conteve: -“Agora, você, em retribuição, vai mandar uma tua em que você aparece só de calção?...

Constatação IV (Reminiscências de não tão maus tempos).
Um professor de Cálculo Integral e Diferencial da Universidade Federal do Paraná, já falecido, anteriormente havia lecionado matemática no Colégio Estadual do Paraná. Tanto nesta época, como posteriormente, foi professor do seu filho. Certa vez, numa aula do 2° grau, pai e filho se tramaram numa discussão a respeito de uma questão matemática. O professor, diante do impasse, se propôs a dirimir a dúvida na próxima aula. No dia aprazado, a turma do aluno aguarda no corredor a vinda do professor. Outras turmas também haviam se aproximado, face a repercussão, curiosas pelo desfecho. Eis que o professor desponta no corredor com o livro de chamada debaixo do braço. À medida que se aproxima o rumorejo da turma diminui até o silêncio total. O professor acerca-se do filho e, diante de todos, aplica em cada bochecha dois sonoros beijos. Os que estavam mais próximos juram ter escutado: -“Não é que o filho da mãe tinha razão...”

Constatação V
Senador
Deputado
Governador
Prefeito
Vereador
Não têm mérito
Eles têm pretérito
Imperfeito
E, em princípio,
Particípio
Passado,
Ultrapassado.
Já, o presidente,
De pouca atividade
E pouco ativo,
Tem subjuntividade*
É presente
Do subjuntivo.
Coitado!
*Subjuntividade = “característica do que é subjuntivo; dependência, subordinação”. (Houaiss).

Constatação VI
Rico é fogoso; pobre, é tarado.

Constatação VII (Passível de mal-entendido).
A magnitude, dentre outras, numa performance é diretamente proporcional a amplitude da abertura das pernas. Me refiro, ou melhor, refiro-me a uma bailarina. E, claro, é inversamente proporcional à falta de talento.

Constatação VIII (Dúvida crucial).
Será que não existe alguém do staff do governo, familiar ou amigo com coragem suficiente para dizer, respeitosamente, é claro, ou assoprar no ouvido do presidente da República que esse cartão corporativo – respaldado com o tal do sigilo bancário – é uma excrescência? Quem souber que existe alguém, além da imprensa e da oposição, por favor, cartas à redação. Obrigado.

Juca

sábado, 6 de setembro de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
Quando a gatona recusou o convite do obcecado para irem para um motel, sob a alegação que ela só iria depois das bênçãos dos sagrados laços do matrimônio, ele retrucou incontinente: “Mas você ainda tem idéias medievais obscurantistas, retrógradas, anacrônicas, reacionárias, tradicionalistas, conservadoras em plena época da liberação feminina?” E completou com dicção, voz empolada, com afetação de candidato no palanque: “Liberação não é libertinagem!”


Constatação II (Via pseudo-haicai).
Fecho a porta, lá, no motel
E, a sós com ela, até rememoro
Que existe o bom Papai Noel.


Constatação III
Rico tem saliva; pobre, cuspe (Perdão, leitores).


Constatação IV
Rico dialoga; pobre, discute.


Constatação V
E como elucubrava o septuagenário, ex-sexagenário, qüinquagenário, etc.: “Depois de certa idade a gente tem o direito de adquirir determinadas manias, inclusive e até o de ser um pouco, não mais que um pouco, gagá”.


Constatação VI
Tem gente que nasce para f. com a paciência alheia; tem gente que vive se f; tem gente que nunca se f. na vida e tem gente que nunca amou em toda a sua vida. Coitados(as).


Constatação VII
Em certos países, os deputados e senadores, também, são politicamente incorretos.


Constatação VIII
Rico refocila*; pobre é preguiçoso.
*Refocilar = Descansar; repousar.


Constatação IX
Não se pode confundir climático com cinemático, muito embora o aquecimento climático esteja nos levando de modo cinemático ligeiro para o caos total. A recíproca pode ser verdadeira, como por exemplo, o caso de um relacionamento amoroso com, pelo menos, beijos e abraços que pode conduzir a um esquema climático que de caos não tem absolutamente nada...


Constatação X
Não se pode confundir tradição “confuncional” com traição confusional, até porque o primeiro ocorre, normalmente, na China e o segundo, comumente, em qualquer país do mundo, muito provavelmente, também na China. A recíproca é como é e tá acabado. Tenho – explícita e esclarecedoramente – dito.


Constatação XI
E não se pode confundir decente com docente, até porque o que se paga a quem é docente, seja a fonte pagadora governo ou particular, está longe, muito longe, de ser decente. A recíproca não é necessariamente verdadeira. Afinal, nem todo decente ou indecente está ligado à docência. Basta ver o que tem acontecido no Executivo, Legislativo e Judiciário de certos países...


Constatação XII
Rico é apaixonado; pobre, galinha.


Constatação XII (Dúvida crucial).
Será que os passageiros de disco voador, lá na terra deles, têm atrasos nos aeroportos iguais aos aeroportos dos terráqueos? Quem já foi abduzido ou convidado gentilmente e deu uma volta num, assim chamado, objeto voador não identificado, por favor, cartas a este assim chamado escriba, através do blog
http://rimasprimas.blogspot.com/ para esclarecer aos nossos prezados leitores que se interessam pelo assunto. Obrigado.

Constatação XIV (Para os amigos Ernani Buchmann, Gerson Barão e Nireu Teixeira).
Um sujeito lá do nordeste,
Nascido em Pernambuco
Não um cabra da peste,
Tampouco um cafajeste
Muito bem-educado,
Contudo algo ousado,
Me provocou,
Me desafiou
Para jogar um truco,
Aprendido não em Cabul,
Porém aqui no sul
Onde se tem sempre jogado.
Por modéstia,
Não vou comentar o resultado
Porém o cara anda com moléstia
Totalmente desorientado,
Perdeu até o rebolado
E aquele ar empafiado.
Coitado!


Constatação XV
Rico é discreto; pobre, afetado.


Constatação XVI (De mais uma dúvida crucial).
Será que somente em nosso país é que existe brasileiros que gostam de jarro onde podem pôr a pata, digo, a mão? Quem souber a resposta, por favor comunicar este assim chamado escriba (nunca é demais repetir), através do blog (
www.rimasprimas.blogspot.com).

Constatação XVII
Não se pode confundir embate com empate, até porque nem todo embate acaba em empate. No caso do meu time, o Paraná, se a partida acabar em empate já representará uma grande vitória...

Constatação XVIII
Deu na mídia, no dia 5 de agosto próximo passado: “SÃO PAULO - Em dois anos, políticos que concorrem às eleições de 2008 enriqueceram 46%, segundo levantamento da Transparência Brasil, Organização Não-Governamental (ONG) voltada para o combate à corrupção”. Alguma surpresa, prezados leitores?


Juca

sábado, 30 de agosto de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I (De uma quadrinha aparentemente matemática).
A resolução
Daquela equação
Das brigas do casal
Acabou no hospital.*
*Foi uma briga administrativa. Eles eram irmãos e os donos e gestores do hospital. Também Rumorejando pensou que era um casal, constituído por marido e mulher que teriam se desentendido onde haveria rolado agressões mutuas. Ainda bem!


Constatação II
Surrupiaram o dinheiro da Ong
Com a maior naturalidade
Como numa disputa de pingue-pongue
Como se fosse o jogo da amizade.


Constatação III (Altos e baixos da nobreza).
Por logaritmo,
Tanto decimal,
Como neperiano,
Também por algoritmo
O conde, grande matemático,
Chegou ao resultado
Que nunca mais
Seria amado
Como fora no primeiro ano
Do seu relacionamento matrimonial,
Quando depois de um dia tumultuado,
Estressante e problemático
Ele chegou em casa cansado
Mas ansiado por um antológico,
Nada escatológico,
Evento sexual,
E sem esquecer o dialógico
Cheio de ais
Como jamais.
Ele não havia atinado
Por uma dor de cabeça,
Não necessariamente eventual,
E, sim uma constante opcional
Da senhora condessa.
Coitado!


Constatação IV (Meio repetitiva).
E como finalizava suas elucubrações aquele técnico, precisamente antes da preleção final, no final do alongamento: “Eu preciso dizer para os meus atacantes que é preciso ser preciso nas finalizações”.


Constatação V
Era um cara comedido. Depois de comer 2 pizzas, das grandes, acompanhadas de cervejas, pedia, pra contrabalançar, adoçante no cafezinho.


Constatação VI
E como apregoava filosófica e didaticamente o obcecado: “A gente tem que ser favorável à mudança de posição. Afinal, não adianta querer repetir as inesquecíveis emoções anteriores porque elas nunca se repetem”.


Constatação VII
Preencher uma lacuna é, nas eleições, votar em branco, ou estragar o voto, a fim de que fique bem delineado o repúdio aos candidatos, de modo que a soma dos votos em branco e nulo ultrapassem os demais?


Constatação VIII
E já que falamos no assunto, a vantagem de ser septuagenário é que não se é mais obrigado a votar. Claro que o fato se refere às eleições, jamais à opinião em casa que, essa, já tem dono, quer dizer dona...


Constatação IX
E já que falamos nesse outro assunto, uma das vantagens de ser septuagenário é que a gente, igualmente às grávidas, por exemplo, recebe determinadas atenções. Isso não quer dizer que elas, as atenções, sejam necessariamente àquelas que se almeja...


Constatação X
E como vivia se justificando o pinguço, citando a frase de um autor anônimo, querendo, inclusive, mostrar erudição: “A abstinência é uma boa coisa, desde que praticada com moderação”.


Constatação XI
Rico faz cruzeiros pelo mundo; pobre, tá perdido no mundo.


Constatação XII

Rico emigra para investir numa filial no exterior; pobre, em busca de oportunidade de trabalho.


Constatação XIII
O STJ vetou a aposentadoria
Dos deputados no Paraná
Era o que o povo queria
Salário? Ora, um caraminguá.


Constatação XIV
Defenestrado
Das suas relações,
O renitente obcecado,
Um poço de bravata
E convencimento,
Sentiu-se totalmente
Desiludido
Um falido
Aristocrata
Ao ficar sem as suas funções
E se sentiu completamente
Fu, digo, perdido,
Tão-somente.
Coitado!


Constatação XV
Rico come finas iguarias; pobre, gororoba.


Constatação XVI (Ah, esse nosso vernáculo).
Eu sabia que eu sabia quem é esse tal de Marcos que escrevi o seu telefone nesse papel. Eu só não sabia que não sabia que ia me esquecer tão facilmente.


Constatação XVII
Tirou a prova dos nove
Do seu parco salário:
O patrão não demove
De ficar milionário.


Constatação XVIII
E como dizia aquele deputado adepto da Teoria da Relatividade: “É muito melhor ter desvio de conduta do que desvio de status”.


Constatação XIX
Rico apara a barba e o bigode; pobre, junta apara de papel.


Constatação XX
Rico é perseverante; pobre, hesitante.


Constatação XXI
E como poetava a popozuda”
“Numa casca de banana
Escorreguei
Foi a terceira na semana
E não me machuquei.
A poupança que alguém abana
É de boa madeira-de-lei”.


Constatação XXII
Depois de tomar um daiquiri
Andei fabulando por aí
Que o Paraná será o campeão
Voltando pra primeira divisão.


Constatação XXIII (Epitáfio).
Aqui jaz um destemido
Que nunca dobrou a coluna
Nem num jogo onde havia perdido
Toda sua imensa fortuna.


Juca

domingo, 24 de agosto de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I (“Poesia”, dedicada aos jovens da atualidade).
Era um sujeito empírico
Metido a satírico.
Livro, nunca havia lido
Sem, da vista, ter sofrido.
O máximo era ler gibi
Que fazia desde guri.
E nisso estacionou.
Um dia se enamorou.
Por uma jovem formosa
Que lembrava um botão de rosa.
Ela era exatamente o inverso:
Tanto em prosa como em verso,
Lia com sofreguidão de tudo
Mesmo aquele livro maçudo
Que no cara daria arrepio.
Afinal, ele era vazio!
E ela se deu conta na hora
E mandou ele embora.
“Vá pastar”, ela exclamou
Ele de dor quase gritou,
Quase soltou um urro.
“Quando fala parece um zurro.
Seu burro!”
Ele ficou casmurro.
“Você só dá na gente enfado!
Seu abobado.”
Coitado!

Constatação II (Quadrinha didática de mau exemplo).
Cada um se serviu regiamente
Três baitas pratos de feijoada.
Aí, foram pro motel ali em frente.
Quase acaba mal a patuscada*.
*Patuscada = 1. reunião festiva para comer e beber
2. folia animada, divertida e barulhenta; pândega, farra (Houaiss).

Constatação III

Rico sempre é bem-vindo; pobre, é malvisto.

Constatação IV (Reminiscências).
Quando os cursinhos, a fim de preparar candidatos para enfrentar essa excrescência que se chama vestibular, eram específicos para os cursos de engenharia e medicina, por exemplo, no do Dom Bosco havia uma turma de 70 rapazes e uma única moça para o de engenharia. Evidentemente que os tiques e o vocabulário dos rapazes, mesmo que a vestibulanda assim não o desejasse, acabaram se incorporando ao seu. O palavreado nos dias de hoje, então, nem falar: cheio de gírias, ainda que mais, digamos, espontâneo, nem por isso, para a velha geração, muito mais passível de enrubescimento. Um dia a moça entra na sala e, já da porta, grita para os mais íntimos: “Gente! ‘Sentei’ em física”...

Constatação V
Rico é sempre imune a...; pobre é sempre suscetível a...

Constatação VI (De uma dúvida crucial).
Será que as sogras, quando assistem as novelas elas torcem em favor dos vilões?

Constatação VII
Foi o jovem padreco
Que no sermão,
Por um momento,
Usou baixo calão
Ao se referir ao paramento
Como aquele treco?

Constatação VIII
E foi a macaca
Que fez fuxico
Com a comadre,
Soltando a matraca
Que o compadre,
O seo Mico,
Com cara de panaca,
Andava de banzé
Com uma jovem chipanzé?

Constatação IX
E foi o polvo,
Num baita revolvo
Deu um amasso,
Ao agarrar a polva,
Que transcendia perfume,
Com seus tentáculos,
Que pareciam aço
Dando espetáculos,
A tardinha,
A um cardume
De sardinha
Que por ali passeava,
E alguém gritava:
“Que ninguém se envolva.
Essa coisa indecente,
Com tanto pé e mão
Enroscado,
Embaralhado
Algum beliscão
Pode sobrar pra gente”.

Constatação X (Pseudo-haicai).
Em lugar onda há futrica
Muita gente curiosa
Não arreda o pé. Fica...

Constatação XI

Ficou a má lembrança:
O truco aquela vez:
Foi uma lambança,
Uma sordidez
Na última carteada
Apareceu naquela jogada
O mesmo três,
Um ilustre conhecido,
Que, na primeira, já havia saído.

Constatação XII
Rico faz charminho; pobre c. doce

Constatação XIII (Quadrinha para ser recitada aonde mais convém).
Perdi minha lapiseira,
Mas não me importei.
Eu só escrevia asneira
Como certo decreto-lei.

Constatação XIV
Deu na mídia: “Maradona é comunista da boca para fora, afirma Chilavert, o ex-goleiro da seleção paraguaia”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas será que alguém poderia ser comunista da boca pra fora, pra dentro, pro lado, pra cima ou pra baixo, mormente, no tempo das ditaduras da Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Brasil, Nicarágua, República Dominicana para citar as mais, digamos, recentes?

Constatação XV
Rico faz sacrifício; pobre, esforço.

Constatação XVI (Passível de mal-entendido).
Ela vivia mergulhada tanto nos seus pensamentos de casar com seu namorado, um oficial da marinha, que até passou a sofrer de enjôo.

Constatação XVII (Matemática meio confusa).
O candidato que semeia discórdia na cúpula do seu partido político é capaz de colher a simpatia do partido rival e a antipatia no seu próprio partido. Portanto, diretamente proporcional num caso e inversamente proporcional noutro.

Constatação XVIII
E como ponderava o obcecado: “Eu gosto muito de tirar a minha roupa. Mormente depois de ter tirado a dela”.

Juca