domingo, 27 de abril de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I
Mirem-se no exemplo das mulheres de Atenas (de uma canção do Chico Buarque de Holanda). Mirem-se, senhores deputados e senadores, no exemplo de alguns jogadores de futebol que estão fazendo algo por crianças carentes.

Constatação II
Rico assiste ao jogo do seu time nas cadeiras numeradas; pobre, dependendo do preço, na geral e em pé, fazendo parte da torcida (des)organizada.

Constatação III
Rico empurra com a barriga suas dívidas de curto prazo pra longo, melhorando o respectivo perfil; pobre vai pro Seproc.

Constatação IV
Quando o obcecado convencido leu na mídia: “Um escândalo sexual abalou um hospital em Sarajevo depois que uma enfermeira entregou ao diretor da instituição de saúde uma lista com os nomes de 20 médicos, citando-os como potenciais pais de seu filho”, cuspiu para o lado, estufou o peito e concluiu do alto da sua inabalável convicção e presumida competência: “Pelo jeito o caso dela não foi possível resolver com a terapia recomendada por cada um dos 20 médicos – desculpem o cacófato, meus prezados. Manda ela pra cá que a gente dá um jeito de atendê-la nas suas compreensíveis sublimes ansiedades. Quanto ao filho, o exame de DNA resolve com relação à paternidade”.

Constatação V (Teoria da relatividade para principiantes).
É muito melhor escutar, por exemplo, Delicado e Brasileirinho, do saudoso Valdir Azevedo, do que rock pauleira, heavy metal e coisas desse jaez.

Constatação VI
Os buracos negros são o fim das estrelas; os namorados, de mão dada no banco da praça, olhando para o céu, são a glória delas.

Constatação VII (Poeminha nem um pouco atemporal).
Tem gente que toma uma bebedeira
Toda sexta-feira.
E tem gente que faz bandalheira
A semana inteira.

Constatação VIII (De uma dúvida crucial).
Foi o claudiense* Cláudio que claudicou com a Claudia?**
* Relativo a Cláudio MG ou o que é seu natural ou habitante (Houaiss).
**Não ficou claro qual e/ou que tipo de claudicada. Quem souber, por favor, cartas à coluna. Obrigado.

Constatação IX (De outra dúvida crucial).
Pior do que uma endoscopia é engolir sapo? Ou uma colonoscopia?

Constatação X
Rico tem brilho próprio; pobre só dá na vista.

Constatação XI (Quadrinha para ser recitada em chás beneficentes das ricaças vaidosas pra quem dinheiro é de somenos importância para elas).
Não é possível!
Ela fica impassível
E não implica
Quando o preço triplica.

Constatação XII
Quando o obcecado leu na mídia que uma pesquisa realizada na Inglaterra concluiu que “programas de abstinência sexual não funcionam”, declarou do alto da sua sapiência: “E quem é que não sabe disso. A pesquisa é pura picaretagem de alguma empresa para faturar algum. E eu que pensei que só em nosso país existe desses trabalhos, cujos resultados são, a priori, óbvios”.

Constatação XIII
A gente só gosta de ser chamado(a) de querido(a), quando o chamamento não é comercial e, evidentemente, depende de quem nos chama. Elementar!

Constatação XIV
Foi a bromélia
Que disse pro bromelio:
“Me trate com amabilidade.
Pare de cheirar o epitélio
Da nossa vizinha camélia
E deixar que ela faça exame
No teu estame.
Respeite minha sensibilidade.
Eu não sou nenhuma Amélia,
A tal que era a mulher de verdade”

Constatação XV (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
Foi o provérbio
Que disse: “Tenha modos!”
Para o advérbio?

Constatação XVI
Não se pode confundir franqueza com fraqueza, até porque até quem fala franco demonstra exatamente o contrário de fraqueza. A recíproca não é verdadeira porque uma sogra é franca até demais o que revela certa fraqueza em querer impor os seus eternamente equivocados argumentos...

Constatação XVII (Esclarecimento).
E não esqueça, prezado leitor, que quem toma cerveja em excesso não quer dizer que fica robusto. Quer dizer que fica barrigudo, pançudo e/ou coisas desse nada esbelto jaez.

Constatação XVIII
A perfeita correção
Nos pagamentos
Do nosso exigível
Necessariamente
É obrigação
Tão-somente.
Já o realizável
De quem nos deve
Há momentos,
Alegados,
Não ser possível
Pagar breve.
O que nos deixa
Desesperados
Com muita queixa
E com a sensação
Que fomos ludibriados,
Engabelados
Por um grosseirão.

Juca

domingo, 20 de abril de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.


Constatação I
Não se pode confundir vórtice, que o Aurelião dá, entre outros, como redemoinho com vértice, até porque redemoinho forma círculos concêntricos, tipo espiral, e o vértice, em geometria, é o ponto comum a duas ou mais retas. Elementar, minha gente!


Constatação II (Ah, esse nosso vernáculo).
Ele ficou de chifre virado porque seu time perdeu de virada.


Constatação III (Quadrinha para ser recitada para quem de direito, a fim de mostrar decepção ou satisfação, dependendo do gosto do freguês).
Fui a um concerto
De música clássica.
O repertório, um enxerto
Daquela era jurássica.


Constatação IV
Não se pode confundir confusão com contusão, muito embora numa confusão tenha muita gente que sai com contusão. A recíproca é, por vezes, verdadeira. Mormente no futebol, quando um jogador só dá entrada faltosa nos adversários e há reação de quem sofreu a agressão e/ou dos seus companheiros. Ou nos bailes como naquela música antológica: “Na gafieira segue o baile calmamente...”


Constatação V
E não se pode confundir conjectura com conjuntura, até porque toda conjectura favorável que se faça em determinados países, sempre entrarão algumas variáveis – a maior ainda é a corrupção – que afetará a conjuntura. Aliás, a palavra já esteve muito na moda, principalmente numa época em que se utilizava a expressão “Brasil é o país do futuro”, como está implícito na constatação anterior e tudo leva a crer que continuará sendo “per saecula saeculorum”.


Constatação VI
Não se pode confundir futura com fartura, até porque a gente tá cansado de ouvir, eternamente, em nosso país, que numa era futura teremos fartura de maneira tal que poderemos dividir um quase abstrato bolo que só é visto e usufruído por muitos poucos e a dita cuja fartura nunca se faz presente, nunca chega. A recíproca é como é e tá acabado. Tenho democraticamente dito!


Constatação VII
Rico convoca; pobre, convida


Constatação VIII (De uma obviedade).

Flor é feminino! E não poderia ser diferente. Seria possível imaginar “o flor”?


Constatação IX
Rico tem imaginação; pobre, é mentiroso.


Constatação X (Definição aparentemente repetitiva).
Na Câmara e no Senado de certos países se constata um balaio de gatos*, onde se verifica outro balaio-de-gatos** e gatos corporativos sem balaio-de-gatos.
*Conflito entre muitas pessoas; rolo, confusão.
**Local onde reina a desordem.


Constatação XI (Quadrinha para ser recitada para quem estiver disposto a ouvir).
Remei contra a corrente
E quase virei o barco
Quando vi que, num repente,
Estava remando num charco.


Constatação XII (Ah, esse nosso vernáculo).
O papudo quando bate-papo sobre a visita do Papa não tem papas na língua.


Constatação XIII
E como elucubrava o obcecado: “Não é que a gente queira morrer, mas viver um dia sem sexo indubitavelmente não é viver”.


Constatação XIV (De uma dúvida crucial via pseudo-haicai).
A pornografia
É um erotismo
Em demasia?


Constatação XV (De outra dúvida crucia, via pseudo-haicai).
Ninguém providencia
Que os médicos
Melhorem a caligrafia?


Constatação XVI
E ninguém providencia
Que se legalize de vez
A disfarçada poligamia?


Constatação XVII (Outra espécie de dúvida crucial).
Quando após a confissão,
O padre passava um sabão
E incontinente dizia:
“Reze um padre-nosso
E uma ave-maria”,
Você se perguntava
Se questionava
Será que eu posso?
Será que é o que eu queria?
E protelava indefinidamente
A oração,
Tão-somente,
Ainda que pensando,
Matutando,
Ponderando,
Não muito preocupado
Será que essa transferência
Não é pecado
Não é uma insolência?


Constatação XVIII (Mais uma dúvida crucial).
Será que algum dia
Haverá a primazia
De que seja abolida,
Na volta e na ida,
A patifaria?


Constatação XIX
E será que algum dia,
Com toda essa mordomia
Tu, a conta, te darias
Que, com o salário mínimo
Que é mais do que semínimo
Só dá pra quinquilharias?


Constatação XX (Quadrinha de seis [sextinha?] para ser recitada numa roda de chimarrão quando se conta causos e mentiras, principalmente de pescarias).
Tomei um chimarrão
Com erva-mate orgânica.
Ele estava tão bom
Que resolvi me aprofundar
No estudo da botânica
E o resultado a todos divulgar.

Juca

domingo, 13 de abril de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.


Constatação I
Quando o obcecado leu na mídia que “nos primórdios da vida, havia muito sexo e nada de predadores” comentou: “Hoje em dia é completamente o revés. Ainda bem que pessoas como eu, que não são predadores, se ocupam da manutenção de que a outra parte continue em diligente vigência”.


Constatação II
Deu na mídia: “Yahoo! diz que oferta da Microsoft de US$ 44,6 bilhões subestima a empresa”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que os valores em discussão subestimam a América Latina, o Caribe, a Asia e a África pelo número de pobres que os povos desses países possuem. É muito dinheiro na mão de poucos...Como sempre...


Constatação III (Teoria da Relatividade para principiantes),
É muito melhor tomar uma cerveja gelada, oferecida pela Juliana Paes, do que, na Inglaterra, uma quente, ofertada por rainhas, princesas, príncipes ou alguém de sangue vermelho mesmo.


Constatação IV
É um pesadelo escutar, todos os dias, em muitos decibéis o carro apregoando seus sonhos...


Constatação V
Em certos setores de certos países, a corrupção é endêmica.


Constatação VI
Rico compila; pobre, copia.


Constatação VII
Jurista rico usa a expressão “Data vênia”; jurista pobre, “Salvo melhor juízo”.


Constatação VIII (Dúvida crucial).
Jurista pobre?


Constatação IX
Rico toma champanhe; pobre, escuta da polícia: “Me acompanhe”.


Constatação X
Rico ultrapassa. Apenas, ultrapassa; pobre ultrapassa dos limites.


Constatação XI
Deu na mídia: “Políticos japoneses fazem dieta para conscientizar população”. Será que os políticos brasileiros não poderiam, pelo menos, deixar de dar maus exemplos? Quem souber a resposta, por favor, cartas à redação. Obrigado.


Constatação XII
Cachorro. Além de se comunicar latindo, também o faz no idioma rabês, isto é, se expressando com o rabo.


Constatação XIII (Colaboração do Amigo Alcy Xavier).
Ouvi de um cliente de um bar na Chinatown curitibana: “rico é deficiente químico, pobre é pinguço”.


Constatação XIV
Quando o convencido leu na revista Isto É as declarações da atriz Thaila Ayalla: “Eu sou viciada em sexo, e se fico uma semana sem, viro mulher-aranha. Seria bom se eu tivesse sete namorados à minha disposição”, estufou o peito, cuspiu para o lado e, do alto da sua empáfia, proferiu grndiloqüente: “Se ela me tivesse como seu namorado, ela dispensaria os outros seis almejados. Não é à-toa que eu sou como certas hipotecas: única – no caso, único –, intransferível e especial”.


Constatação XV
Quem vai pagar os prejuízos dos passageiros, do caos aéreo, com táxi, refeições, hospedagem, etc. sem falar nas perdas por não chegar a tempo para fechar negócios e coisas desse jaez? Não seria o caso, para evitar muita burocracia, que os prejuízos sejam abatidos do imposto de renda? Fica aqui a sugestão de Rumorejando.


Constatação XVI
Ganhei uma medalha de ouro
Quando a gatona me disse:
“Você é meu maior tesouro”.
Eu, modesto: “Não diga asnice”.

“Não é tolice o que eu falei
Tampouco é sandice
Eu sempre te amei
Mesmo com a tua estultice”.

Diante de tanta convicção
Mesmo sem saber o significado
Daquela nova expressão
Eu fiquei lisonjeado.

Quando olhei no dicionário
Que pode ser estupidez
Não achei nada extraordinário
E não foi a primeira vez...


Constatação XVII
E como poetava o obcecado, nada a ver com o outro da outra constatação acima:
“Resisto a um assédio
Quando ela não me interessa
Mas aceito quando é remédio
Na base do que vá, vamos nessa
Pra melhorar o meu já alto promédio
Mesmo que a gata não seja uma peça.


Constatação XVIII
Acho muita graça
Quando, ela, toda rebolativa,
Toda empafiada
Por mim passa
Com um ar de altiva,
Recitando Cora Coralina
A poetisa goiana tão viva,
Tão doce e tão prendada
E tão ferina,
Querendo a atenção chamar
Talvez, quem sabe, me impressionar
Sem conta se dar
Que a simplicidade
Da grande autora
Tava distante da vaidade
E sem dúvida em versejar
Uma senhora doutora.
Malemolente menina
Não esqueça
Que a arrogância,
O pedantismo,
A jactância,
O pernosticismo
Não levam a nada.
E para que ninguém te abomine
Não faça que este, digamos, assim
Escriba termine,
Como costuma sempre no fim,
Empregando a palavra “Coitada!”

Juca

sábado, 5 de abril de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I
Rico vive absorto; pobre, displicente.

Constatação II
Marcelinho Carioca, que recentemente andou jogando no Santo André, depois de uma breve passagem como comentarista esportivo, quando comemorava, como jogador do meu Corinthians, a vitória de um campeonato do seu time, colocava uma faixa de “Atleta de Cristo” na sua cabeça. Durante as partidas distribuía pontapés, chutes e botinadas nos adversários como se eles fossem os vendilhões do templo...

Constatação III
Rico correndo é atleta; pobre correndo é que a polícia vem atrás.

Constatação IV
Quando o obcecado leu na vitrine da livraria a chamada de um livro “Introdução auspiciosa”, incontinente pensou: “Passível de mal-entendidos”.

Constatação V
E como apregoava outro obcecado – nada a ver com o anterior – filosófica e didaticamente: “A gente tem que ser favorável à mudança de posição. Afinal, não adianta querer repetir as emoções anteriores porque elas nunca se repetem.

Constatação VI (De conselhos úteis).
Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que S. Excia. a Ministra do Turismo, ao invés de recomendar “relaxa e goza” para quem tomou ou ainda toma um chá de até 12 ou 24 horas nos aeroportos, poderia objetivamente recomendar o seguinte: Que os passageiros antecipem suas viagens em 24 horas para, desse modo, chegariam em tempo para seus compromissos. De nada!

Constatação VII
Deu na mídia: “Mantega nega caos, ‘problema’ é o fluxo de passageiros”. O Ministro da Fazenda acha que crise aérea é o "preço do sucesso" da economia. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que S. Excia., na suas assertivas terrivelmente infeliz, quis dizer, em outras palavras, que há bens que vêm para o mal. Coitado... de nós todos.

Constatação VIII
A frase do Ministro Mantega, ainda segundo a mídia, suscitou o seguinte comentário do relator da CPI da crise aérea na Câmara, Marco Maia (PT-RS): "É melhor que o ministro fique calado. Em vez de ajudar, só atrapalha o processo com essas declarações. Foi um comentário desnecessário, descabido e fora de propósito", afirmou. Data vênia, como já foi assinalado anteriormente, porém Rumorejando acha que não somente o Ministro foi infeliz como também o da Saúde que, ano passado, asseverou que não havia problema na sua pasta. Nossos políticos acham, como tantos, que pimenta nos olhos dos outros é refresco. Nos olhos, porque somos educados...

Constatação IX
Rico subtrai; pobre, surrupia.

Constatação X (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
Tento desvendar um mistério
Devo me casar
Ou entrar num monastério?

Constatação XI (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
Foi a cartomante
Que não atinou que o marido
Tinha uma amante?

Constatação XII (Truco dramático).
[Para os meus amigos Ernani Buchmann. Nireu Teixeira e Gerson Barão].
Fui convidado
Pra jogar um truco
Na casa de gente fina:
Plantas ornamentais
E outros que tais
Por todo o jardim.
Jasmim-do-campo e bejuco
Era o que não faltava.
O baralho era de plástico
O que produziu em mim
Um efeito bombástico.
Meu parceiro
Sempre foi bem-educado
E meu grande companheiro
Pediu, quando solicitado
A se pronunciar o que queria
“Uma simples cerveja
Não muito gelada, mas fria”.
Eles alegaram
Que não havia
E se serviria um vinho.
Por educação,
O sócio aceitou
Mesmo achando que não combina
Com tal tipo de carteado.
O vinho era francês
De boa cepa
E ele ficou numa embriaguez
Que ao invés de piscar para mim
Passou a fazê-lo pra ricaça
Que felizmente, como o maridão,
Levou como pirraça.
Os adversários
Era o casal de anfitriões
Que sempre jogaram juntos
E que tinham como assuntos,
O comentário de cada jogada.
Às vezes discutiam
E até bramiam
Na discussão
Até que ela se enganou
Numa mão
E ele não perdoou.
Depois daquela jogada
Ficaram de mal
E nunca mais se falaram
Então se divorciaram.
Coitado!
Coitada!
Quanto à moradia
Acabou vendida
Para um casal que nem sabia
Que truco se joga com baralho
O que culturalmente
Era no seu currículo algo falho,
Um atraso de vida
E assemelhados
Tão-somente.
Coitados!

Constatação XIII (Passível de mal-entendido).
-“Vizinho eu preparei isso pra misturar com a sua mandioca”.

Constatação XIV
Rico tem princípios; pobre, é o fim.

Constatação XV
Rico é ingênuo; pobre é burro.

Constatação XVI
Rico é arredio; pobre é omisso
.


Juca