domingo, 27 de abril de 2008

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I
Mirem-se no exemplo das mulheres de Atenas (de uma canção do Chico Buarque de Holanda). Mirem-se, senhores deputados e senadores, no exemplo de alguns jogadores de futebol que estão fazendo algo por crianças carentes.

Constatação II
Rico assiste ao jogo do seu time nas cadeiras numeradas; pobre, dependendo do preço, na geral e em pé, fazendo parte da torcida (des)organizada.

Constatação III
Rico empurra com a barriga suas dívidas de curto prazo pra longo, melhorando o respectivo perfil; pobre vai pro Seproc.

Constatação IV
Quando o obcecado convencido leu na mídia: “Um escândalo sexual abalou um hospital em Sarajevo depois que uma enfermeira entregou ao diretor da instituição de saúde uma lista com os nomes de 20 médicos, citando-os como potenciais pais de seu filho”, cuspiu para o lado, estufou o peito e concluiu do alto da sua inabalável convicção e presumida competência: “Pelo jeito o caso dela não foi possível resolver com a terapia recomendada por cada um dos 20 médicos – desculpem o cacófato, meus prezados. Manda ela pra cá que a gente dá um jeito de atendê-la nas suas compreensíveis sublimes ansiedades. Quanto ao filho, o exame de DNA resolve com relação à paternidade”.

Constatação V (Teoria da relatividade para principiantes).
É muito melhor escutar, por exemplo, Delicado e Brasileirinho, do saudoso Valdir Azevedo, do que rock pauleira, heavy metal e coisas desse jaez.

Constatação VI
Os buracos negros são o fim das estrelas; os namorados, de mão dada no banco da praça, olhando para o céu, são a glória delas.

Constatação VII (Poeminha nem um pouco atemporal).
Tem gente que toma uma bebedeira
Toda sexta-feira.
E tem gente que faz bandalheira
A semana inteira.

Constatação VIII (De uma dúvida crucial).
Foi o claudiense* Cláudio que claudicou com a Claudia?**
* Relativo a Cláudio MG ou o que é seu natural ou habitante (Houaiss).
**Não ficou claro qual e/ou que tipo de claudicada. Quem souber, por favor, cartas à coluna. Obrigado.

Constatação IX (De outra dúvida crucial).
Pior do que uma endoscopia é engolir sapo? Ou uma colonoscopia?

Constatação X
Rico tem brilho próprio; pobre só dá na vista.

Constatação XI (Quadrinha para ser recitada em chás beneficentes das ricaças vaidosas pra quem dinheiro é de somenos importância para elas).
Não é possível!
Ela fica impassível
E não implica
Quando o preço triplica.

Constatação XII
Quando o obcecado leu na mídia que uma pesquisa realizada na Inglaterra concluiu que “programas de abstinência sexual não funcionam”, declarou do alto da sua sapiência: “E quem é que não sabe disso. A pesquisa é pura picaretagem de alguma empresa para faturar algum. E eu que pensei que só em nosso país existe desses trabalhos, cujos resultados são, a priori, óbvios”.

Constatação XIII
A gente só gosta de ser chamado(a) de querido(a), quando o chamamento não é comercial e, evidentemente, depende de quem nos chama. Elementar!

Constatação XIV
Foi a bromélia
Que disse pro bromelio:
“Me trate com amabilidade.
Pare de cheirar o epitélio
Da nossa vizinha camélia
E deixar que ela faça exame
No teu estame.
Respeite minha sensibilidade.
Eu não sou nenhuma Amélia,
A tal que era a mulher de verdade”

Constatação XV (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
Foi o provérbio
Que disse: “Tenha modos!”
Para o advérbio?

Constatação XVI
Não se pode confundir franqueza com fraqueza, até porque até quem fala franco demonstra exatamente o contrário de fraqueza. A recíproca não é verdadeira porque uma sogra é franca até demais o que revela certa fraqueza em querer impor os seus eternamente equivocados argumentos...

Constatação XVII (Esclarecimento).
E não esqueça, prezado leitor, que quem toma cerveja em excesso não quer dizer que fica robusto. Quer dizer que fica barrigudo, pançudo e/ou coisas desse nada esbelto jaez.

Constatação XVIII
A perfeita correção
Nos pagamentos
Do nosso exigível
Necessariamente
É obrigação
Tão-somente.
Já o realizável
De quem nos deve
Há momentos,
Alegados,
Não ser possível
Pagar breve.
O que nos deixa
Desesperados
Com muita queixa
E com a sensação
Que fomos ludibriados,
Engabelados
Por um grosseirão.

Juca

Nenhum comentário: