sábado, 4 de julho de 2009

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES

Constatação I
Deu na mídia: “Um estudo realizado por cientistas britânicos afirma que o consumo excessivo de álcool não pode ser usado como desculpa por homens que estimam equivocadamente a idade das mulheres”. Taí uma notícia de pesquisa de transcendental importância para o futuro da Humanidade.

Constatação II
Quando ouviu o que a sogra estava orientando a filha com relação a um fato de relacionamento com ele, incontinente pensou: “Com todo esse know-how ela deveria abrir uma escola para o ensino da maldade”.

Constatação III
Rico usa de estratégia; pobre, de tramóia.

Constatação IV
Segundo um deputado que pagou as passagens da família para o exterior com o dinheiro público, alegando que o conceito de família é sagrado, será que ele esqueceu que o dinheiro público também é? Ou, o que é mais provável, nem lembrou e nem deve ter feito questão...

Constatação V
Rico é convidado a sair; pobre, é expulso.

Constatação VI
O presidente do Senado e ex-presidente da República José Sarney atribuiu o recebimento do auxílio moradia, ao qual não tem direito, a um erro administrativo. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas o fato lembra aquela história do sujeito que, na calada da noite, estava carregando um porco quando foi abordado pela ronda policial.
“De onde você tirou esse porco?”, o policial perguntou.
“Porco? Que porco?”
“Esse que você está carregando nos ombros”.
“Nem havia reparado. Xô, porco, xô”... “Sai daí, porco”.

Constatação VII
Não sei por que tantos ficaram indignados com o deputado Sérgio Moraes quando ele falou que “estava se lixando com a opinião alheia”. Afinal, ele expressou não mais que a opinião geral dos deputados e senadores para com todos.

Constatação VIII
E o que falar agora dos senadores com a história dos cargos criados secretamente que beneficiou seus parentes e amigos? E o aumento de vereadores em todo o país, quando deveria ser o contrário? E viva “nóis”!

Constatação IX
Rico tem hábito; pobre, vício.

Constatação X
Em 1970, este assim chamado escriba foi bolsista do governo francês. Quando respondia a uma pergunta de onde eu tinha vindo e dizia que era do Brasil, imediatamente as pessoas diziam Pelé; Recentemente, voltando dos Estados Unidos e numa padaria perguntei ao atendente de onde ele tinha vindo e ele me respondeu de Bangaldesh. “E você? -“Eu sou brasileiro”. -“Ronaldo”.

Constatação XI
Nos dias de hoje é fácil encontrar virgem. Basta procurar no supermercado óleo de oliva...

Constatação XII
Rico (e deputado) tem hálito etílico; pobre, tem bafo de onça (N. Fanini).

Constatação XIII
Dica para quem gosta de música clássica: 96,3 WQXR-FM Classical from N.Y.
http://radiotime.com/station/s_19906/WQXR FM_963aspx

Constatação XIV
Quando o obcecado leu na mídia que um egípcio de 25 anos se castrou por que o seu pai havia proibido seu casamento com uma mulher que considerava de classe mais baixa, comentou: “Isso que se chama dilapidar o seu maior patrimônio”.

Constatação XV
Deu na mídia no dia 13 de abril de 2009: “Brasil agrário ainda tem trabalho escravo”. E escravocrata fdp também. (Perdão o pleonasmo ‘escravocrata fdp’, prezados leitores).

Constatação XVI
(Para o meu professor de matemática do terceiro científico e grande Amigo, Moyses Leão Kulisch, in memoriam).
Quem estuda cálculo integral e infinitesimal se depara com matemáticos como Taylor, Euler, Mac-Laurin, Condorcet, Cauchy, Lagrange, Weierstrass, Gauss, L’Hôpital, Peano, Neper, Barsotti e tantos outros igualmente grandes no saber. Karl Weierstrass é o autor de um teorema que leva o seu nome e da seguinte frase: “Um matemático que não tem algo de poeta, não pode ser um perfeito matemático”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha também que um poeta que não tenha algo de matemático, não pode ser um perfeito poeta...
Por outro lado (qual lado?) Karl Friedrich Gauss, o da curva que leva o seu nome, enunciou a seguinte frase: “Quanta poesia encerra uma tábua de logaritmos”. Com todo o respeito ao grande mestre, Rumorejando prefere a poesia de Mario Quintana, Mario Benedetti, Pablo Neruda, Carlos Drumond de Andrade e por aí afora...

Juca

Um comentário:

Javier S Gamarra Jr disse...

Juca!! Que bom conhecer seu blog. É ótimo, rir é o melhor remédio, mesmo!
Forte abraço

Javier S. Gamarra Jr