quinta-feira, 27 de maio de 2010

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (De ditados juquianos).

A matemática,
Desenvolve
O raciocínio;
A prática,
Desenvolve
O tirocínio.
(E a globalização
Desenvolve
O morticínio...)

Constatação II

E como dizia aquela mãe extremosa, se referindo ao seu filhinho do coração de 35 anos que vivia dando golpes na praça: “Ele é um pobre de um incompreendido”.

Constatação III (Passível de mal entendido).

Ela colocou os ovos dele na geladeira.

Constatação IV

Sem dúvida, era um mau genro. Quando a sogra entrou numa escola de pára-quedismo, se pôs a distribuir, a torto e a direito, sementes e mudas de roseiras, abacaxi e daquele gênero de cacto bem espinhento...

Constatação V (De um interlocutor chato).

A conversa
Converge,
Tergiversa,
Submerge...

Constatação VI

Rico aborda educadamente; pobre, baixa intempestivamente.

Constatação VII

Não se deve confundir despontar com desapontar, até porque, ao despontar a sogra no portão da sua casa você não deixa de se desapontar.

Constatação VIII

Não se deve confundir preterido com preferido, muito embora, às vezes, o preferido é preterido como naquela história, que vocês tão bem conhecem – embora, ainda, não tenha passado na televisão –, do filho pródigo que volta à casa paterna e o pai manda servi-lo do bom e do melhor, coisa que para o preferido nunca havia sido feito.

Constatação IX

Rico negaceia; pobre, tira o corpo fora.

Constatação X

Impretérito perfeito não tem nada a ver com pretérito imperfeito, até porque impréterito não existe.

Constatação XI

Quebrou a munheca*.
Quando, pelos amigos largado,
Em casa entrou,
Todo cambaleante, torto,
Menos vivo que morto,
Que meleca !
De susto, quase expirou:
A mulher, no começo tão amada,
Tinha se mandado.
Não mais agüentou
O que se tornou
Uma empreitada...
Coitada!
Coitado!
*Quebrar a munheca = Embriagar-se.

Constatação XII

Pobre vende a alma; rico, faz concessões.

Constatação XIII

O rei estava nu. Claro, ele estava se preparando para entrar no banho.

Constatação XIV

Deu na mídia: “A Confederação Nacional da Indústria – CNI, em documento entregue aos presidenciáveis, citou que o país pode ter renda per capita de ricos até 2040”. Vai-se a esperança deste assim chamado escriba de fazer parte dos ricos, tendo em vista a sua – minha – provecta idade. E já que falamos sobre o assunto, a CNI nada falou quanto à distribuição de renda que em nosso país sempre foi a pior do mundo.

Constatação XV (Teoria da Relatividade para principiantes).

É muito melhor que baixem as ações na Bolsa de Valores do que a tua frágil libido. No entanto, dependendo do número de ações que você tenha, baixando estas, o fato poderá ocasionar a baixa daquelas...

Constatação XVI

Do meu Amigo o psicanalista Davy Bogomoletz: “Minha aplicação da Lei de Newton ao problema econômico: O dinheiro atrai o dinheiro na razão direta das quantias e na razão inversa do quadrado da necessidade!”

Constatação XVII
O técnico da Argentina Maradona fez a seguinte afirmação: 'Se a Argentina ganhar a Copa do Mundo, eu fico nu no Obelisco em Buenos Aires'. Data vênia, como diriam os nossos juristas e provavelmente os juristas dos nossos hermanos, mas Rumorejando acha que tal visão viria a empanar a alegria dos argentinos e, principalmente, das argentinas. Pra quem não se interessa por futebol, somente pela referida soturna visão...

DÚVIDAS CRUCIAIS.

Dúvida I

E quem diria que a palavra fomentar, que quer dizer “promover o desenvolvimento, o progresso de”, também quer dizer “lixar-se; danar-se” ? (Houaiss)

Dúvida II

Foi o cético que passou a não acreditar até nas suas próprias palavras ?

Dúvida III (Via pseudo-haicai).

No bate, rebate
Até o gandula
Entrou no embate ?

Dúvida IV

Intercâmbio é quando os gaúchos trocam de time, passando do Grêmio para o Internacional ?

Dúvida V (Via pseudo-haicai).

Só naquele instante,
O ancião achou viagra
Interessante ?

Dúvida VI

Fugiram da casamata,
Do xilindró,
Usando só
Um abridor de lata ?

Dúvida VII

A expressão “cunhada” foi cunhada pela sua cunhada ou pela cunhada da sua cunhada ?

Dúvida VIII

Será que sem embreagem
E com o freio de mão puxado
Aumenta o teor de frenagem
Do perdulário
Das finanças, o secretário
Do seu estado ?

Dúvida IX

O prezado leitor está em dúvida em quem votar ou em quem não votar nestas próximas eleições?

Dúvida X

E o prezado leitor também está apavorado com a seleção do Dunga?

FÁBULA CONFABULADA (INDIGNA DO MILLÔR).

Numa província chinesa, daquelas que muitos chamariam “bem no interiorzão”, vivia uma população pacata e ordeira como corresponde a quem vive nesses lugares. Trabalhavam a terra para de ela tirar o seu sustento, que no Ocidente se chama de cultura de subsistência, naturalmente estando expostos às condições climáticas para obter uma melhor ou pior safra, já que irrigação que é bom, nem pensar. Evidentemente havia também artesãos, pequenos comerciantes, um ou outro profissional liberal, mas efetivamente, a maioria se ocupava da terra.
O fim de semana, limitado apenas ao Domingo, era dedicado ao futebol, esporte que estava começando a se tornar muito popular, a exemplo de tantos outros países, principalmente do Ocidente. À medida que o esporte se difundia no país, também na província ganhava, cada vez mais, status. A evolução foi tamanha que se formou o time do lugar que disputava partidas amistosas com as províncias vizinhas, quando então se verificava que não eram tão amistosas assim, já que, muitas vezes, acabava em pancadaria, com envolvimento de jogadores, torcedores e outros “ores”, como, vejam só, quem diria, doutores. Sem deixar, é claro, de sobrar para o juiz, como é muito comum nesses casos suceder também no Ocidente. Mas, tudo isso, já é outra história.
A coisa começou a se tornar tão apaixonante, como soe acontecer com este esporte, que resolveram importar um técnico para treinar a equipe, procurando trazer de um país, chamado Brasil, que ficava do outro lado do mundo e que era considerado pela sua própria população, como “o melhor do mundo”, muito embora não tivesse sido campeão numa certa copa, perdendo de goleada de um país que, até então, sempre havia se destacado pelos seus vinhos e queijos e que tinha a fama de viver para comer ao invés de comer para viver, conforme, quem possui o dom da observação, depara algo similar em todo o reino animal. Bem, naturalmente, tudo isso de “gourmet” ou “gourmant”, não deve ser confundido, pois se trata de outra história que, pelo menos por ora, não vem absolutamente ao caso.
Mas, voltemos ao assunto, procurando se dispersar o menos possível: O primeiro técnico cogitado, que ao longo de toda sua carreira havia se mostrado supersticioso, invocando sempre o número 13, foi descartado pelo fato de haverem chegado a conclusão de que, se mandinga desse resultado, os campeonatos lá no Brasil terminariam com todos os times juntos em primeiro lugar. Ou em último, dependendo da pessoa, que estivesse analisando a colocação dos times, fosse otimista ou pessimista; o segundo técnico lembrado, também foi descartado por haver feito referência ao seu próprio bumbum, alegando ser feio e, com isso, não se propondo a posar nu para revistas especializadas. Julgaram que era uma espécie de marketing ao revés, pois achavam que o retro estava, ao não enaltecer essa sua parte pudenda, exatamente querendo chamar atenção sobre ela, o que não lhes parecia muito ético.
No fim, acabaram optando pela prata da casa, escolhendo o melhor jogador do time para ser o técnico. Aí, como não poderia deixar de ser, verificou-se a famosa Lei de Peter que diz que todo sujeito ascende numa escala hierárquica até atingir o seu nível de incompetência.
De cara, Rah Teh Ven, esse era o seu nome, começou a sugerir que o time jogasse sem se prender a esquemas rígidos. Até aqui, tudo bem. O time, assim, perdia e ganhava ou ganhava e perdia, dependendo se seja otimista ou pessimista. Mais tarde, Rah Teh Ven começou a fazer experiências, baseado em fórmulas de retrancas, copiadas de alguns técnicos brasileiros, que segundo os entendidos, são os mais entendidos no intrincado assunto: volantes atrasados, volantes adiantados, meio de campo com quatro apoiadores, três, sem nenhum, zagueiros líberos, zagueiros híbridos, zagueiros promovidos a beques, beques promovidos a zagueiros, uma barafunda total. O time, como diriam os entendidos, não os acima mencionados, mas os comentaristas esportivos, que parecem, por seus comentários, ser mais entendidos do que os outros entendidos, os técnicos, nunca mais fez as pazes com a vitória. Era derrota em cima de derrota. Rah Teh Ven, de ídolo como jogador, teve, como técnico, até de se mudar para outra província. Lá, constitui família e aos filhos proibiu, patriarcalmente, que se falasse em futebol para todo o sempre. O que, é claro, provocou muitos ressentimentos na família. O que, convenhamos, comumente acontece na maioria delas. Principalmente quando o assunto é herança. Mas, isso, já vem a se constituir numa outra história.

MORAL: Não se mexe em time que está ganhando e perdendo.


sexta-feira, 21 de maio de 2010

Rumorejando (Mande um comentário).

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I

Quem estuda cálculo infinitesimal e integral se depara com o capítulo “função de função” que é expresso da seguinte maneira: y = f(x) que se lê como y é função de x e, por sua vez, x = f(z) que é lido como x é função de z. Logo, y = f [f (z)], ou seja, y é função de função de z. Bem, quando da época da ditadura militar no Brasil, numa certa fase, o país estava sendo presidido pelo general Costa e Silva. Seu vice-presidente era o civil Pedro Aleixo. Eis que um enfarte mata o general Costa e Silva. O vice Pedro Aleixo se veste com um terno de corte impecável para ocasiões muito especiais e sai de casa, lépido e, digamos, gracioso, para assumir a presidência, no que é impedido pelos três ministros militares que assumem o comando do país. O que, sem dúvida, se constituiu num golpe função de outro golpe. Em suma, numa função de função. O que se infere, de imediato, que é elementar, minha gente, o que é função de função. Mais elementar, ainda, era dar golpes em certos países, continentes, e outros assemelhados... Em alguns, ainda é...

Constatação II (De conselhos úteis).

Tomar um chimarrão, dentre outros e/ou outras, ouvindo uma música clássica de Mozart, Bach, Vivaldi e autores outros da preferência do cidadão ou cidadã é uma excelente terapia para esses tempos tempestuosos do país com um altíssimo grau de violência e outros também assemelhados imperando. Naturalmente desde que seja uma erva não muito forte para não deixar o pobre do mortal muito mais elétrico do que o coitado já anda. De nada.

Constatação III (Via pseudo-haicai).

Um resquício
Na conta corrente.
Que suplício!

Constatação IV

Pai! Não os perdoai, porque eles continuam não sabendo o que fazem...

Constatação V

Rico emagrece no spa; pobre, não precisa tomar quaisquer providências.

Constatação VI

Não se deve confundir enjoado com enojado, muito embora existam atitudes que nos deixam nas duas condições simultânea e indistintamente.

Constatação VII

“Tá escrito aqui que o euro voltou a cair e tem o menor valor em quatro anos”, disse a mulher que estava lendo o jornal de domingo. “E ele se machucou?” perguntou o marido que não tirava os olhos da televisão que tava transmitindo o desfile das misses em maiô para a rainha de qualquer coisa (Não foi possível apurar exatamente para quê. Perdão, leitores por essa nossa omissão).

Constatação VIII

Declaração recente e oficial da Unesco, Organismo das Nações Unidas: “O tango é Patrimônio Cultural da Humanidade. Este assim chamado escriba, que tem paixão pelo tango, acha “merecedíssima” a outorga da Unesco. Vale lembrar que o argentino R. Ostuni no seu Trinta versos para sentir o tango incluiu que “O tango é tão antigo como o homem, nasceu com a primeira dor da alma”. Provavelmente também com dor de cotovelo que o nosso Lupicinio Rodrigues foi um digno representante. Rumorejando, sem qualquer inveja dos hermanos, cuja diferença se resume apenas – e não mais que apenas – ao futebol – acha – data vênia, é claro – que o nosso samba também mereceria ser Patrimônio Cultural da Humanidade. Ao contrário do tango, pela sua alegria da alma. Tenho sem patriotada dito!

Constatação IX (De uma senhora em dúvida meio crucial).

“Foi a horrível
Da petulante
Que, por incrível
Que pareça,
Me disse algo interessante:
“Não esmoreça
Na crise atual,
Nem pereça
Com a situação.
Mude o visual,
Fazendo unha e cabelo,
Com muito desvelo.
Apareça
Lá no meu salão.
Preço de ocasião!”
-“Sei, não...”

Constatação X (Grande Monteiro Lobato!).

Mostrou pertinácia
Ao dizer que no Brasil
Havia petróleo,
“Basta que se sonde”,
O criador de Tia Anastácia
No livro infantil
O poço do visconde.

Constatação XI

Resvalo,
Sem querer
Na gatona.
Que dona!
Que mulherona!
Não precisava
Nem eu esperava
Ela me dizer:
“Cavalo!”

Constatação XII

Rico especula preço, terras, prédios, casas e dólar; pobre, não tem porque, em que, com que e para que especular.

Constatação XIII

Quando o goleiro começou, no final da partida, justificar como deixou passar aquele chute despretensioso do meio do campo, permitindo que a partida que parecia ganha e que terminou empatada, Rumorejando ficou com uma dúvida crucial: Se ele quis dizer que o jogo só termina quando acaba ou se o jogo acaba quando termina. Quem escutou a entrevista e puder esclarecer, por favor, comentários no blog indicado a seguir: http://rimasprimas.blogspot.com
Penhoradamente nossos efusivos e respeitosos agradecimentos.

Constatação XIV (De uma dúvida, não necessariamente crucial, de quem não sofre de complexo de perseguição e julga que tem “desconfiômetro” que funciona às mil maravilhas).

Por que será que me perseguem e nunca me convocam para defender a seleção de quaisquer esportes que se pratica por esse mundo afora? Quem souber, por favor, etc. Obrigado.

Constatação XV

Deu na mídia: “Ronaldo Fenômeno se reconcilia com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira”. Taí mais uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade.

DÚVIDAS CRUCIAIS

Dúvida I (De uma fofoqueira, atingindo dois, ou melhor, duas coelhas com uma só cajadada).

É a caquética
Que é aparentada
Da atlética
Espiantada ?

Dúvida II

Foi a tomada que espalhou que o plugue andava tomando viagra ?

Dúvida III(Via pseudo-haicai).

A turma nem fica lívida
Com sua dolarizada
Impagável dívida ?

Dúvida IV (Meio surrealista).

O carreto pra levar o lápis
Da Terra até a Lua
Não saiu grátis ?

Dúvida V

Foi a aranha
Que não creu na patranha,
Estranha,
Contada pelo “aranho”,
Fazendo manha ?
“Estranho !?”

Dúvida VI

Pingue-pongue
Ela tava jogando,
Tudo mostrando
Só de “sarongue” ?

Dúvida VII

Essa crise geral
Deixou a emergente
Soturna e noturnal
Igual
A todo mortal,
Como a gente ?

Dúvida VIII (por atacado).

A tangente é por pouco uma quase secante ? E o arco tem complexo por não ser diâmetro ? E foi o raio que mandou o diâmetro para o raio que o parta ? E no teorema de Pitágoras todo mundo é quadrado ? Quem nasce circunferência nunca freqüentará o circulo ? O lado do quadrado é uma diagonal dividido por uma certa ou incerta raiz quadrada ? O cone tem complexo de inferioridade por valer apenas 1/3 do volume do cilindro ? O trapézio está para o retângulo assim como o camelo está para o cavalo ? A Lemniscata de Bernouilli é um oito cansado ? Ou o infinito é um oito deitado ? A elipse, a parábola e a hipérbole de figuras geométricas passaram a figuras de retórica ? 69 também é número cabalístico ? O número pi ao quadrado é somente o produto de 3,14159 por ele mesmo ? O tetraedro não tem nada a ver com o icosaedro ? O pentágono despreza o hexágono, o heptágono e o octógono só porque se julga importante já que tem o seu nome usado na maior potência do planeta ?

Dúvida IX

Era naquele cartaz que estava escrito: “Não escrevemos nada aqui porque não temos nada a escrever” ?

Dúvida X

Ela fez firula
Para não comer
Por temer
O pecado da gula ?

Dúvida XI

A tua perda, com a desvalorização do real, foi uma rima não tão rica ?

Dúvida XII (Via pseudo-haicai).

Acha o sonhador
Que com a euro
O aplicador
Não
Ficará tão
“Neuro” ?

Dúvida XIII (Perdão, leitores, o péssimo latim).

Nosso triste destino é ser, para todo o sempre, por “seculae seculorum”, “ad eternam”, o país com um futuro sem corruptos ? (De acordo com estudo da Fiesp, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, “o custo” da corrupção pode variar entre R$ 41 bilhões e R$ 69 bilhões por ano).

Dúvida XIV

Quem dominar
O computador
Deverá se tornar,
No futuro,
O grã-senhor
De tudo que é burro?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br


quinta-feira, 13 de maio de 2010

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I

Não se deve confundir barulho com baralho, até porque por causa do segundo muita esposa já promoveu o primeiro.

Constatação II

O emprego nos EUA tem se mantido muito baixo em relação a muitos países, inclusive o Brasil. O neoliberalismo, para eles, está dando um resultado tal que para sanar o problema se escuta a defesa de estatizar alguns setores da economia naquele país. Evidentemente, em detrimento do Estado. Os capitalistas nunca deixaram de querer privatizar os seus – deles – lucros e socializarem os prejuízos. Elementar. E, como dizia aquele sujeito mal-educado: “E no... não vai nada?”

Constatação III

Ela desconfiou
Quando ele demorou
Pra responder
“Aonde andou ?”
E mais a incomodou
Quando ele
Parecendo temer
O seu olhar, aquele,
O número dezoito,
O fulminante,
Os olhos baixou.
Aí, todo tremulante,
Todo assustado
A barba cofiou
E todo afoito
Se atrapalhou:
“Fui na esquina
Tomar uma menina,
Quero dizer,
Uma vitamina”.
Triste sina
Ele enfrentou...
Coitado!

Constatação IV

Não se deve confundir safadão com safanão, muito embora tenha muito primeiro que leva o segundo pela sua própria condição.

Constatação V (Ah, esse nosso vernáculo).

Ela abiscoitou o biscoito.

Constatação VI

Primeiro, foi o fenômeno El Niño; depois, El ou La Niña. Aguardem breve: El Nieto, El guri, El chiquilin, El pibe e por aí afora. Afinal, a natureza, que nunca em tempo algum deixou de ser agredida, não é de ferro...

Constatação VII

Dependendo do semestre que nós estejamos, sempre haverá um economista do governo ou ligado a ele que dirá: “No segundo semestre deveremos voltar a crescer” ou “no primeiro semestre do ano próximo deveremos voltar a crescer”. Provavelmente também por isso é que somos, o eterno, o país do futuro...

Constatação VIII

Não se deve confundir trilho com brilho, até porque, por sair do primeiro, muita gente perde o segundo. Mas, a bem da verdade, nem todos. Alguns até ganham...

Constatação IX

Rico sente dor; pobre, faz fita.

Constatação X

Li nos jornais
Que apareceram,
Iguais,
Dois gatos
E dois sete de copas
No jogo de truco.
Aí, aconteceram
Brigas, espalhafatos.
Chamaram
Tropas
Que chegaram
Até com um trabuco
Pra quebrar o galho.
Investigaram
O baralho
E encontraram
Mais duas espadilhas.
Interrogaram
O dono das cartas:
“Um ato falho ?”
“Não. Minhas filhas,
As Martas,
A Marta Rita
E a Marta Anita,
Que se atrapalharam,
Quando separaram
Do baralho
Do jogo.
De buraco.
É fogo
Tanta desdita,
Tanta fita
E tanto balacobaco!”

Constatação XI

Deu na mídia: “Victoria Beckham, casada com o astro do futebol David Beckham, foi apontada como a celebridade com os pés mais feios do país”, em uma pesquisa na Grã-Bretanha. Taí um fato e uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade.

DÚVIDAS CRUCIAIS

Dúvida I

Será que ainda restam muitas entradas disponíveis para um lugar nas cadeiras de pista ali pertinho, ali no céu ?

Dúvida II

Foi o pinta-brava que ficou bravo porque não acreditaram na sua bravata ?

Dúvida III

Quando os ambientalistas do Greenpeace exigem o fim das usinas nucleares nos países desenvolvidos, qual será o país, se atendidos, que vai comprá-las para depois não utilizá-las ? Cartas ao blog. Obrigado.

Dúvida IV

“Foi o senador,
Ou o deputado,
Que esqueceu
Dele,
Do eleitor,
Qual velho freguês,
Sempre enganado,
Que ainda não aprendeu,
E que nele,
No safado,
Outra vez
Havia votado ?

Dúvida V

Com muita beatitude
Ele acabou
Com a sua virtude ?

Dúvida VI

As oscilações do mercado das moedas fortes, da bolsa de valores, onde poucos ganham e muitos perdem, muitas vezes, são manipuladas pelos mega investidores. Segundo os entendidos, trata-se do jogo do livre mercado. Mal comparado, é o mesmo que acontece com as eleições livres e democráticas. Apenas, ocorre que os candidatos que detêm fortunas, ou se valem de doações dos “caixas dois” levam vantagem sobre os que não têm. Se levarmos em conta que o Brasil é o campeão da má distribuição de renda, concentrando a riqueza na mão de poucos, então que diabo de eleições livres e democráticas são essas ? Que diabo de jogo do livre mercado é esse ? Se o caro leitor puder esclarecer este assim chamado escriba, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Dúvida VII

Será que a resolução
Da equação
“A Grécia é viável ?”
No provão
Do FMI tão,
Aparentemente, não
Descartável
Resultou
Na reprovação
Da sua população
Que com tal nem sonhou ?

Dúvida VIII

E já que falamos no assunto, que diabo de política econômica é essa que toma recurso volátil – eufemismo de capital especulativo – pagando um juro que em menos de um ano ressarce a aplicação do especulador ? É por isso que ninguém mais se preocupa em receber o capital. Basta que os juros sejam regularmente pagos. Mas por quanto tempo um país agüenta em pagar os juros que estão sendo pagos ? E adivinhem quem é que vai acabar pagando a conta que absolutamente não tem nada a ver com quem a fez ?

Dúvida IX

E, ainda, já que falamos no assunto, ao invés de recurso volátil não teria sido muito melhor que os políticos tivessem ficado voláteis ?

Dúvida X

Até hoje eu não entendi porque certos homens públicos brasileiros, por seus inestimáveis serviços, ainda não receberam títulos de cidadãos honorários dos países a quem eles tão subservientes costumam servir...

Dúvida XI

Exceto alguns, afinal, quem será que vai sobreviver para consumir já que a globalização, que pretende baratear os produtos, desemprega aqueles que poderiam e deveriam ser os consumidores ? Será que os donos do Mundo, do Poder não percebem isso ?

Dúvida XII

Não é que gente não tenha com que se preocupar, mas, afinal de contas, a Capitu, do mestre Machado de Assis, pôs ou não chifre na cabeça do seu atormentado marido ? Comentários ao blog. Obrigado.

Dúvida XIII (Via pseudo-haicai).

Beijos ardentes
Deixam os parceiros
Frementes ?

Dúvida XIV (Via pseudo-haicai).

E beijos inocentes
Parecem pros parceiros
Adstringentes ?

Dúvida XV

A ressaca
Foi de intensidade tal
Que ele saiu de maca
Direto pro hospital,
Dizendo: “Tô com a macaca
Mas, mesmo assim, numa legal” ?

Dúvida XVI

Na alcova reduz,
O complexado do seu corpo,
A intensidade da luz ?

Dúvida XVII

Levou uma finta
E caiu estatelado,
Em cima do apitador,
No gramado,
O jogador
Com muita pinta ?
Coitado! Coitado?

Dúvida XVIII

Polígamo é uma figura geométrica de múltiplos gomos?

Dúvida XIX

Dunga, com sua - dele - escolha da seleção mostrou não fazer jus ao seu apelido*?

*Dunga = "sujeito sem igual em sua especialidade; exímio" (Houaiss)

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Envie um comentário

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I

Não se pode confundir rugido com mugido, até porque, em condições normais de pressão e temperatura, quem solta rugido é o leão e quem solta mugido é a vaca. Isso absolutamente não impede que os humanos soltem rugido e mugido. Tudo depende do grau de importância que cada um se dá, do grau de delicadeza; da intensidade do pisão no seu calo e assim por diante. A recíproca, honestamente, eu confesso que não sei se é verdadeira ou não. Quem souber, por favor, comentários no blog (http://rimasprimas.blogspot.com
Obrigado.

Constatação II

Graças ao meu estro
Que eu me tornei
Ambidestro
Quando
Te amei,
Te amassei,
Com carinho,
Não só na hora
Do bem-bom,
Mas também agora
Que toco sestro,
Acompanhando
Um cavaquinho
E um violão.

Constatação III

Foi cavalheiresco,
O beijo ardente,
Romanesco,
Mas arrancou
Um dente
Que provocou
Na amante
Um ar dantesco,
Um mau semblante,
Grotesco,
Agoniado
Que a deixou
Desconsolada
Tão somente.
Coitado!
Coitada !

Constatação IV

O dólar vem caindo
E eu não sei
E também
A ninguém
Perguntei,
fazendo bulha,
Ou quieto,
Se existe alguma relação
Com inflação
Ou exportação,
Mas o correto
É que o meu dinheiro
Está sumindo
Que nem agulha
No palheiro.

Constatação V

Levantou-se um murmúrio
Quando adentrou no recinto
Aquele político espúrio
Com ares e pinta de distinto
E que proferiu o perjúrio:
"Quem eu ? Eu nunca minto!".

Constatação VI

Não se pode confundir cambada com lambada, a dança que sumiu da face do território brasileiro, muito embora na lambada andava-se exagerando nos, digamos, trejeitos. Agora, sejamos realistas: a turma exagera em qualquer circunstância a começar pela profusão de bumbuns na televisão. Essa assertiva, a bem da verdade, é, como o título denomina, uma constatação. Nada a ver com condenação. Afinal, Rumorejando sempre se posicionou contra a censura.

Constatação VII

E não se pode confundir béstia, que quer dizer "discurso despropositado" com véstia que, também de acordo com o Aurelião, é "Espécie de casaco curto, folgado na cintura; Casaco de couro usado pelos vaqueiros; gibão", muito embora ta cheio de político que anda na pinta e só diz disparates. A recíproca, para esses casos elegantemente asneirentos, não é necessariamente verdadeira.

Constatação VIII (Quadrinha para não ser recitada por um político.

Não sei se é despeito,
Inveja ou o que for
Só sei que não é direito
Fazer de mim um malfeitor.

Constatação IX (Condições da metereologia).

Quando o folião curitibano solta o freio de mão e começa a se soltar no carnaval de rua, ou, como se diz atualmente, soltar a franga, aí chove torrencialmente...

Constatação X

Não se trata de ser macho pra burro, ou não. Agora, que não se pode, não dá para ser fanático isso lá não se pode. Vejam: existem certas ruas, não só na cidade onde o prezado leitor mora, mas em qualquer lugar do mundo que não dá para passar, a pé, sozinho, à noite. Em Curitiba, há 30 anos, se falava, fazendo blague ou não necessariamente, nas proximidades da Ponte Preta, próximo da estação ferroviária. Bem, a verdade que, hoje em dia, já se tornou perigoso passar em qualquer lugar, movimentado ou não, no centro ou no bairro e a qualquer hora do dia. Sinal dos tempos...

Constatação XI

Não se deve confundir Quociente de Inteligência com Quociente de Ignorância, muito embora, os dois sejam medidos, através de testes – hoje em dia, a bem da verdade, muito questionáveis –, da mesma maneira e que são abreviados quase da mesma maneira, assim: QIn e QIg. Por sua vez, a relação entre os dois quocientes dá o Índice de Burrice, IB , que é expresso em percentagem. Quociente de Ignorância/Quociente de Inteligência = Índice de Burrice ou QIg/QIn = IB. Convém não esquecer o óbvio, que quanto maior o numerador, maior a fração, consequentemente maior o Índice de Burrice. Também, quanto menor o denominador, maior a fração. Portanto, prezado leitor, vê se capricha tanto no numerador, quanto no denominador para que o resultado da fração assim obtida não seja, em nenhuma hipótese, infinitamente ordinária própria ou ordinariamente infinita imprópria...

Constatação XII

Quando a tua gentileza é uma constante, quem a recebe passa a achar que não é mais que a tua obrigação e, evidentemente, não lembrando, ou talvez, se esquecendo de levar o fato em conta, de agradecer, de retribuir, da reciprocidade, etc. etc.

Constatação XIII

O grau de intensidade com que um cachorro sacode o rabo é função de sua maior ou menor alegria. Quanto mais alegre, mais sacode. Diretamente proporcional, portanto.

Constatação XIV

Ele corria
Pros braços dela,
Cheio de alegria.
Ele não sabia
Que ela
Havia
Se enfadado
Do seu papo
E juntado
Seu trapo
Com o de um mau-amado.
Não se lamentou,
Muito menos chorou,
Apenas ficou embestado.
E se considerou
Um “desamado”.
Coitado !

Constatação XV (De quem fica apavorado).

O autor destas mal traçadas não costuma assistir TV de modo geral e o noticiário em particular, por considerar de baixo astral. Apenas, os gols da rodada. Agora, com o ano político, não se aproximará da TV, mesmo sabendo que a mesma esteja desligada.

Constatação XVI

Não se pode confundir Viradouro, a famosa Escola que desfila no sambódromo, no Rio de Janeiro, com varredura, muito embora o carnaval, juntamente com o futebol, representa uma varredura pra debaixo do tapete dos problemas brasileiros...


DÚVIDAS CRUCIAIS.

Dúvida I

Quando o Brasil faz 15 a 5 contra a França no futebol de praia você consegue lavar a alma daqueles 3 a 0 ou é uma condição estritamente necessária, mas que está longe, bem longe de ser suficiente ? E os 2x1 pro Uruguai, no Maracanã, em 1950, que ainda está atravessado na garganta deste assim chamado escriba?

Dúvida II

O trabalho em renda
Não dava renda
Nem para a merenda ?

Dúvida III

Em desassossego
Você é posto
Quando o teu ego
Só te dá desgosto ?

Dúvida IV

Com essas mudanças todas no governo, será que as moscas continuam as mesmas ?

Dúvida V

Existe demonstração maior de amizade e lealdade na face da terra do que a do cachorro que nunca abandona o sujeito que vive de porre, caindo pelos cantos ?

Dúvida VI

As coisas que a gente nunca esquece são exatamente àquelas que a gente gostaria de esquecer ?

Dúvida VII

Foi um cateto
Que disse pra hipotenusa:
“Você que é minha musa
Vamos convidar o outro cateto
E uma semifusa
E fazer um quarteto” ?

Dúvida VIII

Quando o governo avança no dinheiro dos aposentados, sem absolutamente mexer no soldo dos militares reformados, ele demonstra bom senso ou é medo mesmo ?

Dúvida IX

Quanto será que o governo federal, os governos estaduais e municipais economizariam se os senadores, deputados e vereadores executassem a assim chamada legislatura sem remuneração ou ganhando “apenas” 1/5 dos seus atuais elevadíssimos salários ?

Dúvida X (Leia-se também Assembléia Legislativa do meu estado, o do Paraná).

O conselho comunal

Tinha um número

De participantes descomunal ?

Dúvida XI

Quando as pessoas entram num local sem cumprimentar ninguém se trata de uma questão de timidez ou estupidez ?

Dúvida XII

Quem foi que disse: “Não sei se radicalizo ou não”. O militar, durante a ditadura, ou o estudante na prova de matemática ?

Dúvida XIII

Sogra azucrinante

Será que existe

Bastante?

Dúvida XIV

O bemol e o sustenido
Daquele músico
Parecia mais um balido ?

Dúvida XV

De tão esquálido
Não deu para ver
Como ele estava pálido ?

Dúvida XVI

É preciso muita tenacidade
Para não tropeçar e cair
Nas calçadas da nossa cidade ?

Dúvida XVII

É muito devaneio
Que alguma herança
Nos venha pelo correio ?

Dúvida XVIII

É falta de objetividade
Apregoar as vantagens
Da castidade ?

Dúvida XIX

É muita chacota
Que o salário mínimo
Dá uma boa nota ?

Dúvida XX

Quase sempre não existe resposta para tanta dúvida crucial ?