quarta-feira, 29 de junho de 2011

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (Santos campeão da Libertadores).
Ah, esse nosso vernáculo: O Ganso deu um passe de chaleira. Em seguida, a bola chegou até o Neymar que chutou e o goleiro engoliu um frango. Mais que um frango, um peru. Acabou pagando o pato pela derrota do Peñarol. O técnico não foi o ex do meu Paraná, o Ricardo Pinto.

Constatação II
Foi bem grotesco
O beijo ardente,
Que mudou o seu semblante,
Na sua amante,
Na sua amada,
Mas nada romanesco,
Naquele sublime instante,
Pois lhe arrancou um dente.
Coitada!

Constatação III
Não se pode confundir upa, upa, upa com ufa, ufa, ufa, até porque a gente quando canta àquela canção do mestre Ari Barroso, a gente não diz ufa, ufa, ufa, cavalinho alazão, mas sim “upa, upa, upa, cavalinho alazão”. Portanto, preste muita atenção, viu!

Constatação IV
Ali na escada rolante
No shopping da esquina
Senti o Inferno de Dante:
Não são preços para um sovina.

Constatação V
Não se pode confundir roldão com lordão, aumentativo de lordo que, embora não figure no Aurelião, nem no Houaiss era, em passadas eras, pelo menos na cidade de Curitiba, o sinônimo de bumbum, poupança e outros nomes designativos da preferência nacional. Agora, a bem da verdade, teve muito cara que, por causa de um lordão, deixou que tudo que possuía fosse de roldão. A recíproca para esse tão transcendental assunto, que deixa muita gente meditabunda, furibunda e gemebunda não é verdadeira.

Constatação VI
Dormir com ela, não sei se dá:
Ela com seu jeito bem catequético
De quem sabe das coisas, sabe tudo,
Além disso, atleticana daquelas bem roxas
E eu, simples torcedor do Paraná,
Que diante de tanta sapiência, fico mudo
Face o monumental par de coxas *
Seria até capaz de torcer pro Atlético.
* Nada a ver com a torcida do Coritiba. São coxas, mesmo.

Constatação VII
E vejam, ainda, que não se pode confundir percussão com repercussão, até porque, se você é vizinho de um adolescente que resolveu aprender àqueles instrumentos de percussão, tipo bateria, a repercussão nos teus ouvidos, além de uma agressão, também será prejudicial à saúde pelos decibéis que fatalmente redundarão nesse tipo de poluição sonora.

Constatação VIII
Deu na mídia: “Um golfinho salvou um menino de 14 anos que se afogava no mar Adriático, levando-o para a superfície e ajudando-o a se aproximar de um barco.
O menino, que não sabia nadar, disse à agência de notícias "Ansa" que havia caído do barco quando velejava com seu pai no golfo de Manfredonia, na costa sul da Itália. O mamífero carregou o menino para o barco e depois se afastou”. Data venia, como diriam nossos juristas, talvez nos golfinhos e não nos nossos dirigentes esteja a nossa salvação...

Constatação IX
Rico é indolente; pobre, preguiçoso.

Constatação X (Via pseudo-haicai).
Foi quase que num sussurro,
Quando eu duvidei do seu amor,
Ela, me beijando, me chamou de burro

Constatação XI
Militar rico aufere continência; pobre, aufere incontinência.

Constatação XII
(De um “poema” meio sem nexo).
Foi a penúltima amante
Que lhe deu
Uma surra de sexo
Causticante
E disso ele morreu.

Constatação XIII
A torcida contrária ao time que o jogador brasileiro Roberto Carlos está jogando na Rússia jogou uma banana em sua direção. Como disse o filósofo oficial de Rumorejando ao tomar conhecimento no fato: “Filho daquilo existe no Ocidente, no Oriente, no céu e no inferno. Enfim, em toda parte. Eles estão disseminados como bactéria no intestino das pessoas juntamente com o que se encontra por lá”...

Constatação XIV
Na cidadezinha,
O homem do realejo
Me disse que serias minha.
E eu que nem te antevejo.

Constatação XV
Veja, veja
Se dá para acreditar:
O papagaio entrou no bar
E pediu uma cerveja.

Constatação XVI
Seu olhar capiongo, *
De decepcionada,
De desapontada,
Foi como uma picada
De um terrível pernilongo.
Coitada!
* Capiongo = Tomado pela melancolia ou pela tristeza; deprimido, macambúzio (Houaiss).

Constatação XVII
Esclarecimento de interesse público: Fazer o dever de casa não se refere apenas no futebol quando o time que joga no seu campo com o apoio da sua torcida tem o dever de ganhar, como repetem infinitamente os comentaristas da partida*. É válido também quando o assim chamado maridão chega a casa do trabalho, cansado ou não, e atende as pretensões da digníssima cara-metade sob todos os aspectos: os objetivos, principalmente, e os subjetivos...
*Outro lugar comum usado, “ad aeternam”, como diriam nossos latinistas, dependendo do resultado, é o que “os ataques superaram as defesas ou as defesas superaram os ataques”...

Constatação XVIII
Depois de ser obrigado a “casar” com dois medicamentos até o fim da vida, ou seja, “até que a morte nos separe, sendo um a base de varfarina sódica, outro de levotiroxina sódica”, o septuagenário, ao narrar o fato para os amigos, acrescentou: “Esse matrimônio é fódica, digo, deixe pra lá”...

Constatação XIX
Deu na mídia: “O vice-prefeito de Embu-Guaçu, o médico Fernando Branco Sapede, de 48 anos, foi preso na tarde de ontem por determinação da Justiça. Sapede emprestava o carimbo e o CRM para um tal Rodrigo exercer ilegalmente a profissão”. Dúvida crucial, cuja resposta não é, necessariamente, de transcendental importância para o futuro da Humanidade: Ele emprestava ou alugava?

Constatação XX
Também deu na mídia: “Milan pode oferecer Robinho ao Santos para contratar Ganso”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando, como o técnico 200.001 brasileiro, acha que a proposta é desonesta e indecorosa. Robinho, Ronaldinho Gaúcho, Adriano, a semelhança de Ronaldo Fenômeno, antes de pendurar as chuteiras, passaram a ser um blefe. Faz tempo que não querem mais nada com nada. Sem que se negue o passado brilhante de todos eles. Tenho humilde e sapientíssimamente dito!

Constatação XXI (De um pseudo-soneto).

Sogrices

A sogra, aquela cobra
Era pau-para-toda-obra
No que dizia respeito
Em apontar no genro só defeito

Qual uma jararacuçu traiçoeira
Ela nunca perdeu a oportunidade
Sem razão, sem eira nem beira
De dar um bote, disfarçada em bondade.

A megera dá um tapa e esconde a mão
Disfarça quando passa uma rasteira
Despistando que foi um esbarrão.

E o pobre do genro leva um tombo
E fica com aquela parte com que senta na cadeira
Com um baita dum calombo.

Constatação XXII
O obcecado
Mal sucedido
Ficou frustrado,
Desiludido
Porque teve um desempenho
Ineficiente,
Ineficaz
E não se achava,
Não se considerava
Inexperiente,
Muito menos incapaz.
Havia
Feito
Do seu jeito
Muito empenho
E mesmo assim,
Julgando-se cobiçado,
Desejado,
Com avidez,
Com cupidez
Não foi capaz,
Não foi possível,
De convencer,
De envolver,
Nem por um momento
A mulheraça,
Irredutível,
Que parecia,
Estar num fortim,
De conhecer
Seu apartamento
Ali na praça.
Coitado!

Constatação XXIII
Nos dias de hoje, o super herói não é o sujeito que salva vidas, como, por exemplo, os bombeiros. Super herói é o sujeito que conta fatos nos quais ele é sempre o mocinho, seja o obcecado ou não, ou modernamente quem ganha o Big Brother Brasil. Sinal dos tempos...

Constatação XXIV
Deu na mídia: Ao justificar o aumento de 250% o salário dos seus pares e de dobrar o salário do prefeito Gilberto Kassab, o presidente da Câmara de Vereadores de São Paulo, José Police Neto, afirmou que os 'Salários propostos são compatíveis com as responsabilidades'. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que a tal afirmação de “responsabilidades compatíveis” foi feita irresponsavelmente, inclusive por ele não ter agregado: “Viva nóis” e também por não explicar a nós, pobres mortais, o que, a semelhança de deputados e senadores, faz um vereador. Se alguém quiser explicar, por favor, comentários no blog. Obrigado. Em tempo: Veja, se quiser, é claro, a Dúvida XV, mais abaixo.

DÚVIDAS CRUCIAIS, VIA PSEUDO-HAICAIS

Dúvida I
É demonstrar muita opulência
Sustentar a família com um salário,
Já faz horas, que é uma excrescência ?

Dúvida II
O caixa dois
Não importa a mais ninguém
Se me elejo depois ?

Dúvida III
Para um contabilista*, na prática,
Dois mais dois só é igual a quatro
Não necessariamente pela maremática? *No meu tempo era chamado de guarda-livros.

Dúvida IV
É ser muito escora
Você se encostar nela
Até ela te mandar embora ?

Dúvida V
É muita ingenuidade
Esperar de um governante
Administração com objetividade ?

Dúvida VI
É muito sensacional
O teu candidato te aceitar
Como cabo eleitoral ?

Dúvida VII
Pro governo é reconfortante
Saber que, nós, os aposentados,
Não viveremos bastante ?

Dúvida VIII
É muito repulsivo
Saber que no Brasil
Ainda existe trabalho cativo ?

Dúvida IX
Quando o juiz rouba o meu Paraná
Fica por isso: O que não tem remédio,
Remediado está ?

Dúvida X (Baseada no que foi noticiado na mídia: “Após ‘admitir’ engano, Otan é acusada de matar mais 15 na Libia”).
É muita rejeição
Não aceitar desculpas por maior
Que seja a execrável ponderação ?

Dúvida XI
Será motivo de espanto
Se substituírem o inglês
Pelo idioma esperanto ?

Dúvida XII
É falta de afeto
Fazer do cônjuge
Um mero objeto ?

Dúvida XIII
É muita admiração
Após um litigioso divórcio
Ser como ave de arribação ?

Dúvida XIV
É o cúmulo da ousadia
Pedir crédito ao banco com o teu
Limite estourado em demasia ?

Dúvida XV
A vergonha na cara
O gato comeu
Ou foi a cotiara*?
*Serpente venenosa encontrada na Argentina e no Brasil (Houaiss).

Dúvida XVI
Fazendo blague, disse Pelé:
“Maradona não me ama”;
Nunca se sabe? Há que se ter fé?

Dúvida XVII
Basta um jogador dinheiro ganhar
Que logo aparece uma grávida dele
Da bolada querendo participar?

Dúvida XVIII
Comer desbragadamente
Pode dar congestão
Incontinente?

Dúvida XIX
Chopin e um ou outro Noturno
Soam para alguns insensíveis
Um tanto quanto soturno?

Dúvida XX
Do mestre Tchaikovsky, dá vontade de reger
O Concerto para violino, trancado
No banheiro para ninguém te ver?

Dúvida XXI
O obcecado achou o conferencista desconexo
Só porque ele não falou nenhuma vez
No seu tema preferido e amado. O sexo?

Dúvida XXII
“Vou até ali e já volto”,
Disse para a mulher e jamais cumpriu.
Seria, hoje em dia, considerado um cara desenvolto?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 22 de junho de 2011

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I
A pessoa que sempre quer tirar proveito em tudo, como hoje está tão disseminado por aí, tão em voga nestas plagas, quando alguém, do seu circulo, faz aniversário, pergunta:
-“Cadê o bolo ?”. Quando é o próprio que está aniversariando, pergunta: -Cadê o meu presente ?”...

Constatação II
Não se pode confundir calor com colar, muito embora tenha muito cara que, imperdoavelmente, não repara no colar novo da sua gata, obrigando que ela exclame: -“Com esse calor, que está fazendo, eu sou obrigada a tirar meu novo colar”...

Constatação III
Pelo o que está nos sendo dado a assistir, já privatizaram até o espírito público...

Constatação IV
Rico tem telhado de vidro; pobre, o rabo preso (rabo ?).

Constatação V (Via pseudo-haicai).
Saiu do supermercado,
Vergado pelos preços.
Coitado!

Constatação VI
Em certos países, certas bibliotecas, por falta de espaço, põem fora parte do acervo histórico, quer dizer, o acervo vai pro espaço por falta de espaço...

Constatação VII (De diálogos meio repetitivos).
-“O que ela disse foi muito interessante. Afinal, ela é uma pessoa interessante”.
-“Que interessante! E o que foi dito de tão interessante ?”

Constatação VIII (Pra nenhum burocrata botar defeito).
Deu, certa vez, na mídia: “Os bombeiros tiveram que esperar três horas, antes de poder cortar a energia elétrica na torre de Ostankino, a mais alta da Europa, com 540 metros de altura. As autoridades esperaram até receber permissão direta do presidente russo, Vladimir Putin, o que agravou o incêndio, afirmou o representante do Corpo de Bombeiros de Moscou. O incêndio da torre matou três pessoas e deixou,m a época, mais de 10 milhões de moscovitas sem TV”.
O presidente da República russa já tinha pisado na bola dias antes com o submarino atômico. Se o Sr. Putin tivesse desconfiômetro, ele estaria atendendo ao pedido que o povo russo deve estar fazendo, analogamente às torcidas de futebol no Brasil, quando gritam para determinado jogador ou técnico: “Fulano, pede pra sair”...

Constatação IX
Seus cílios longos
Ressaltavam ainda mais
Seus olhos capiongos,*
Como nunca vi jamais.
* Capiongos = “Tristes, macambúzios, tristonhos”.

Constatação X (De diálogos contraditórios).
-“Vamos a um motel ?”
-“Não diga besteira.
Lá te dá soneira
E você só é de comer...pastel”.

Constatação XI
O professor, o matemático,
Mandou eu resolver
ax2+bx+c=0
E eu o consegui ver,
Como nunca mais quero,
Com um ar fantasmático.

Constatação XII
Rico apalpa; pobre, bolina.

Constatação XIII
Não se pode confundir cadência com decadência, muito embora, com essas rádios de FM que só tocam música estrangeira apregoem, indiretamente, que a cadência do samba, por exemplo, está em franca decadência. Basta ouvir rádios como a Educativa, em Curitiba, para se comprovar que o samba e a música clássica estão mais vivos do que nunca. Ainda bem!

Constatação XIV
E como dizia pseudo haicaimente aquela emergente:
“Por favor, me acompanhe
Num reles ‘veuve cliquot’,
A champanhe”.

Constatação XV (Subsídios para autores de novelas).
“Por favor,
Do meu amor
Não zombe.
Caso contrário,
Tomarei outro itinerário
E terei que provocar
No que resta do nosso lar
Uma hecatombe”.

Constatação XVI
Rico, eventualmente, não se expressa; pobre, sempre, não desembucha.

Constatação XVII
País rico tem fog; país pobre, bruma.

Constatação XVIII (De uma dúvida crucial).
Será que alguém dos três Poderes da República está se preocupando em criar leis, mas para serem cumpridas, visando desencorajar os criminosos a matar com tanta facilidade, como estão fazendo e despreocupação quanto à impunidade?

Constatação XIX
Deu na mídia: “Planalto propõe e deputados aprovam, com folga, MP que flexibiliza licitações de obras da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016. Artigo polêmico impede divulgação do valor máximo que o governo aceita pagar por obra”. Rumorejando, que tenta não repetir “Constatações” e “Dúvidas Cruciais”, muito menos exercer o ofício de profeta, pede permissão aos prezados leitores para republicar a ‘Constatação XXIII (Recordação dos Jogos Pan-americanos em 2007)’, postada no blog anterior a este: “Copa do Mundo no Brasil em 2014 = Crônica de uma corrupção apenas sabida, evidentemente, ainda não anunciada...” E viva, cada vez mais, “nóis”.

Constatação XX
Depois que o meu Paraná ganhou, na casa do adversário, de 3 X 0 do Goiás e empatou, também na casa do adversário, com o Náutico e se manteve entre os G4, este assim escriba passou a se considerar realista ao se lembrar da frase de David Ben Gurion: “Quem não acredita em milagres não é realista”...

Constatação XXI
Deu na mídia: “O Brasil foi o país que teve maior revisão nas estimativas do FMI entre emergentes, com recuo de 4,5% para 4,1% do PIB”. Dúvida crucial: Qual foi o recuo do FMI que devia mudar sua condição e, consequentemente, sua sigla para FIM de fim, de término, de acabou, mesmo?

Constatação XXII
Rico vive ameaçado do Mal de Alzheimer; pobre, de caduquice.

Constatação XXIII
Este assim chamado escriba tem uma admiração muito grande de como alguns escritores usam o adjetivo nos seus textos. Dois exemplos são os escritores Eça de Queirós e Gabriel Gárcia Marquez. A ironia, o sarcasmo põe a nu o ridículo de tantos nas suas críticas e a gente, além de achar graça, se sente até levitando com a beleza dos escritos que, data vênia, se pode comparar com uma música clássica de um Bach, Bethoven, Mozart, Tchaikowski e tantos outros, sem esquecer o nosso brasileiríssimo Chorinho. Em nosso país, o povo, infelizmente com toda razão, a usa certos adjetivos para com os governantes e políticos e que também é usado como substantivo. Rumorejando, por respeito às leitoras não os explicita, achando, inclusive não ser preciso, face a ascendência da sua obviedade...

Constatação XXIV
Deu na mídia: “Brasil tem 8,5% da população abaixo da linha de pobreza extrema, com renda de até R$ 70 por pessoa”. A menor renda está em Belágua no estado do Maranhão. Dúvida não necessariamente crucial: Quem é mesmo que manda naquele estado? Resposta e comentários no blog. Obrigado.

Constatação XXV (De uma dúvida crucial, absolutamente, nada a ver com a idéia maldosa, por quem quer que seja, de interesse particular).
Uma operação para mudança de sexo se não for bem sucedida o sujeito ao invés de transexual pode virar um eunuco?

Constatação XXVI
Rico é autêntico; pobre, é mentiroso.

Constatação XXVII
Tomou um remédio alopático
Para curar um problema neuropsiquiátrico
Aí se sentiu um tanto quanto asmático
Um tanto cardíaco
Era um compulsivo nosomaníaco
Que quer dizer hipocondríaco
Aí adotou um remédio homeopático
Para sua sorte era um afrodisíaco.

Constatação XXVIII (Um tanto quanto friorenta).
Quando ela me disse: “Eu não vou entrar numa fria”. Já que ela me colocou na geladeira, eu senti um frio na barriga e pensei: “Diante de tamanha frigidez, dessa friabilidade, dessa frialdade, devo ficar frio”.

Constatação XXIX
Disse o pretendente gaúcho para o pai da donzela, poetando:
“Eu amo a sua filha
No abscôndito
Do meu ser
Na coxilha
Da minha alma
No recôndito
Do meu coração.
Sem a sua chancela
Com a falta dela,
Irei fenecer.
Tenho expectante,
Ansioso
Sequioso
Suplicante
Dito”.
E a resposta também veio versejando:
“Já te dou meu veredicto.
Não consegui entender
Uma ou outra palavra
Da sua lavra
Para responder
Sua pretensão.
Vou ter que ler,
Com muita calma,
Nada precipitado
O seu significado
No Aurelião”

Constatação XXX
O político fazia ares de ricaço
De nunca ter pertencido ao populacho.
Também pudera! Passara a vida
Fazendo mutreta e cambalacho.
Ascendeu
Dando aqui e ali uma mordida
E no trabalho só trompaço.
Até quando se elegeu.

Constatação XXXI
A solteira, ali perto do obelisco
Sentiu na sua – dela – poupança
Um carinhoso e ansiado belisco
Que a deixou cheia de esperança.

Virou-se surpreendida
Era um vizinho da esquina
Que toda a sua vida
Sempre o achara gente fina.

Dessa abordagem
Tão intempestiva
Seria uma bobagem
Se mostrar esquiva.

Passaram a namorar
Defronte ao obelisco
Agora vão se casar
Junto a um pé de hibisco.

Se serão ou não felizes
Palpite eu não arrisco
Tomara que não haja deslizes
Do que começou com um mero belisco.

DÚVIDAS CRUCIAIS, VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I
Graças à impunidade
Passou a ser bom negócio
A desonestidade ?

Dúvida II
É muito desalentador,
Sem que a parte dê a mínima atenção,
Fazer uma baita declaração de amor ?

Dúvida III
A acupuntura,
Tem certeza, cura
Até feiura ?

Dúvida IV
Será que não dá pra dar um basta
Pra tanta administração
Tão nefasta ?

Dúvida V
Não foi a mão invisível do mercado
Que passou a mão na gatona.
Foi a mão visível do obcecado ?

Dúvida VI
É muita apetência
Comer sozinho um frango
E ainda pedir repetência ?

Dúvida VII
É um mistério
Que o idioma “economês”
Lembra o sumério ?

Dúvida VIII
É muita inocência
Imaginar que um político
Nos mostre coerência ?

Dúvida IX
Foi com empáfia
Que, antes de morrer,
Ele fez troça da máfia ?

Dúvida X
É muita vigília
Cuidar das virtudes
De outra família ?

Dúvida XI
Você também embarca
Nesses produtos todos
Por causa da logomarca ?

Dúvida XII
A rua da amargura
Fica na esquina
Do alvará sem soltura ?

Dúvida XIII
É muita reclusão
Se trancar em casa
Com medo de ladrão ?

Dúvida XIV
Em prol de uma causa comum
Você, prezado leitor,
Não poderia me emprestar algum ?

Dúvida XV
A aviação civil
Eternamente em crise.
O povo tá sem um ceitil ?

Dúvida XVI
Ela não ficou uma fúria
Com o salário mínimo
Que é uma penúria ?

Dúvida XVII
É muita acrobacia
Coçar com o nariz
A bacia ?

Dúvida XVIII
É requisito básico
Que o choque na sogra
Seja num circuito trifásico ?

Dúvida XIX
É muita fúria
Mandar rezar, por um pecadilho,
1000 ave-marias lá na cúria ?

Dúvida XX
É ser muito prolixa
Expor em latim
Uma idéia fixa ?

Dúvida XXI
Foi a popozuda
Que disse que passarinho
Não canta na muda ?

Dúvida XXII
Era o espalhafatoso
Que não se considerava
Pretensioso ?

Dúvida XXIII
Você também fica fremebundo
Com o que se passa
No caótico mundo?

Dúvida XXIV
Cantar no banheiro
É ensaiar para no futuro
Tentar um vôo mais altaneiro?

Dúvida XXV
Resistir a uma cantada
Para emprestar algum dinheiro
É não se meter em enrascada ?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 15 de junho de 2011

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (De diálogos nem um pouco esclarecedores).
-“Não é por nada, não, mas eu gostaria de saber por que você raspou o teu cabelo a zero ?”
–“Você já mostrou que sabe o porquê”.
-“Sei, não. Por quê ?”
-“Por nada, não”.

Constatação II
Não se deve confundir embolar com embolorar, até porque se você embolar uma toalha molhada ela poderá embolorar. Não chegamos a deslindar quanto à recíproca se é verdadeira ou não. Se alguém puder dar uma mão, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação III
E como dizia, meio se repetindo, o obcecado: “A gente apenas e tão somente gosta de fazer o que a gente sabe e gosta de fazer”.

Constatação IV
Em certos países, o arquiteto que, anteriormente, ao projetar uma casa, se voltava primordialmente para a estética e funcionalidade, passou a dar prioridade à segurança. E viva certos países...

Constatação V
Existe convite de almoço que é feito para você não aceitar, já que a quantidade de comida é a metade ou um quarto daquilo que você costuma comer. Mal e mal dá para aquele que te convidou. Portanto, veja lá, hein!

Constatação VI (Passível de mal-entendido).
Ele andava atrás da perseguida.

Constatação VII (De um diálogo entre obcecados com conselhos úteis).
-“Eu queria te apresentar o Fulano de Tal. Foi ele que me levou pela primeira vez para os lugares da pesada, me iniciando nessa vida de farra”.
-“Muito prazer! É verdade. Fui eu que levei o nosso amigo comum pra pesada. Eu até pretendo fazer constar esse fato no meu currículo”.
-“Faz muito bem. Só acho que valeria a pena esperar mais um pouco até ele se tornar famoso”.

Constatação VIII
O Projeto Genoma, que constou do mapeamento de 97% do código genético humano (DNA), comprova que os seres humanos são 99,8% similares entre si. Taí uma notícia para quem se considera raça superior morrer de raiva ou se consolar dizendo que o 0,2% é que faz a diferença...

Constatação IX (De uma dúvida crucial).
Música ligeira é aquela que a gente não quer que termine logo ?

Constatação X
Quando outro obcecado constatou o elevado número de propaganda de relax, massagem não necessariamente estética, no jornal, emitiu sua abalizada opinião: “Eis aí uma mão-de-obra bem empregada”.

Constatação XI
Ela mandou o recado
Pro seu namorado
Que o deixou aparvalhado:
“Dormir ao seu lado,
No chão, sem estrado,
Que ele não havia providenciado
Era pedir demasiado.
Seu esculachado,
Desmoralizado,
Avacalhado,
Esculhambado,
Descuidado,
Desleixado”.
Coitado!

Constatação XII
Afinal,
Foi um alívio geral
A cessação
Do convívio
Daquela
Fracassada,
Enjeitada
União
Com ela.

Constatação XIII
E como dizia aquele ancião de 108 anos para o seu avô: “Pois é, vovô. Com esta nova crise, viver hoje em dia, não tá nada fácil”.

Constatação XIV (Também curitibana).
Era uma noite nevoenta,
Assaz friorenta
Que faz brotar
Mágoa,
Daquelas que a gente,
Tão somente,
Tem que tomar
Um vinho
Ou água
Que passarinho
Não aceita.
(Não por desfeita).
Se não, não agüenta
O frio de rachar.

Constatação XV
Acha a sogra uma bruaca*.
E ela, sempre o achou
Uma caca **
Desde o dia que,
E até agora
Ela não sabe o porquê,
Com sua filha casou.
“Nem sinal,
Do imoral
Ir embora”.
*Bruaca = mulher maldosa, faladeira, geralmente idosa (Houaiss).
**Perdão, leitores, mas não temos nada a ver com o que a sogra dele acha ou deixa de achar. Apenas transcrevemos a sua – dela e segundo ela – douta opinião.

Constatação XVI
E como dizia Matusalém: “Do berço à cova é só um passo”.

Constatação XVII
Rico desfila elegância; pobre, com o que tem.

Constatação XVIII
Não se pode confundir bochecha com bochicho, que o dicionário Houaiss define como “notícia de fonte desconhecida, maledicência”, muito embora quem está contando um segredo, um bochicho, ou pretendendo espalhar um boato, normalmente, baixa o tom de voz e fala próximo da orelha do ouvinte pondo a mão na sua própria bochecha para que vá em direção ao pobre e, normalmente, indefeso escutador para que ninguém mais, aparentemente, ouça do que se está falando.

Constatação XIX
Deu na mídia: “Tenho orgulho do meu bumbum, é todo meu, diz Kim Kardashian, negando silicone”. Rumorejando confessa, um tanto quanto constrangido da própria ignorância, que não sabe de quem se trata, mas deve ser gente importante, principalmente porque se refere a um enunciado de transcendental importância para o futuro da Humanidade.

Constatação XX
Axioma: Para um convencido, o autojuízo de valor sempre será benevolente.

Constatação XXI
Não se pode confundir decente com docente, até porque o salário que se paga ao corpo docente, em certos países, não é e nunca foi decente. Para o corpo de bombeiros tampouco. Principalmente no Rio de Janeiro...

Constatação XXII
O conceito de filho da p. não tem nada a ver com a progenitora do assim cognominado. É essencialmente dirigido a um mau-caráter, um corrupto, à maioria dos políticos e governantes. Um dos exemplos mais gritantes é determinar o que a mãe de um juiz de futebol tem a ver se o filho apitou um pênalti inexistente ou não apitou um pênalti existente, independentemente da opinião e protestos das torcidas.

Constatação XXIII (Recordação dos Jogos Pan-americanos em 2007).
Copa do Mundo no Brasil em 2014 = Crônica de uma corrupção apenas sabida, evidentemente, ainda não anunciada...

Constatação XXIV
Em dia de ventania, na casa de rico o vento zune; em casa de pobre, o vento uiva.

DÚVIDAS CRUCIAIS

Dúvida I
É muito misticismo
Acender vela pra conquistá-la
Ou é excesso de fanatismo ?

Dúvida II
Ela vestida só com um “négligé”*
Parecia mais nua
Como na mídia só se vê ?
*robe feminino de tecido fino e transparente, geralmente adornado de rendas ou folhos (Houaiss).

Dúvida III
É deveras insolúvel
Reconciliar-se com a sogra
Quando se é tão volúvel ?

Dúvida IV
É muita pretensão e insensatez
Desafiar o Kasparov
Prum joguinho de xadrez ?

Dúvida V
Causa muito rebuliço:
“Peguei um peixe com a mão
Sem usar o caniço” ?

Dúvida VI
É muita desfaçatez
Discutir o salário mínimo
Pra alcançar o fim do mês ?

Dúvida VII
É ser muito perceptivo
Imaginar um governante
Que seja ativo ?

Dúvida VIII
É muito trivial
Ler de cabeça pra baixo
O noticiário do jornal ?

Dúvida IX
É muito temor
Insistir que se vá
Devagar com o andor ?

Dúvida X
É muita falta de piedade
Deixar alguém esperando
Cheio de ansiedade ?

Dúvida XI
É muita ab-rogação*
Deixar de pagar
A infindável prestação ?
*"revogação ou abolição total de uma lei" (Houaiss). Em certos países não é necessário porque ninguém cumpre mesmo...

Dúvida XII
É muita magnanimidade
Abrir mão dos empréstimos restituíveis
Que o governo nos obrigou sem piedade ?

Dúvida XIII
É muito essencial
Se rebolar
Só no carnaval ?

Dúvida XIV
É muito primordial
Assistir os “heróis”
Do Pedro Bial ?

Dúvida XV
Você anda muito omisso
Ou ultimamente é apenas
Questão de feitiço ?

Dúvida XVI
E o meu Paraná?
Será que este ano
Também me vai “assustá”?

FÁBULA CONFABULADA (Indigna do guru Millôr).

Numa província chinesa, chamada Guangdong, vivia uma família constituída pelo pai Aby She, pela mãe Ashan Deh e pela filha Achar Peh, de sobrenome Hoy Vey. O casal trabalhava a terra e a filha estudava em colégio, evidentemente, estatal. Quando começou a abertura chinesa, ainda que num capitalismo parcial e não confesso pelas autoridades chinesas, Aby She, que possuía uma vocação para o comércio, começou a especular e como acontece nesses casos começou a enricar de modo tal que a família pôde se mudar para Xangai. Lá, começou a fazer turismo. Inicialmente, no próprio país e posteriormente para o estrangeiro. Passou a freqüentar cinemas, teatros, balé e, principalmente, bons restaurantes, passando a conhecer outros tipos de comida além da chinesa, que juntamente com a francesa é considerada a melhor do mundo. O que, nesse momento não vem para o caso. A sopa de ninho de andorinha, jamais provada antes, também passou a fazer parte do cardápio da família. Mas isso, agora, absolutamente, também não vem para o caso.
Não sabemos se por inércia, por costume, por prevenção ou por medo de adquirir alguma doença, talvez já adquirida no passado, Aby She, como o patriarca da família e consequentemente o mais ouvido, tinha o hábito de perguntar ao garçom sobre o estado e a idade dos ingredientes e/ou do prato principal. Assim, ele se encarregava de questionar o atendente: -“O peixe de vocês está fresco? Eu não quero pegar uma salmonela”. –“O bufê é renovado todos os dias com produtos frescos? Eu não quero pegar uma salmonela”. –“No calor a batata da maionese, mesmo na geladeira, tem vida curta. Ela ta fresca? Eu não quero pegar uma salmonela”. Um dia, estando de passagem por Pequim (Beijing), ele começou com a mesma ladainha de sempre. Claro que à sucessão de indagações, o maître, em posição respeitosa, ia respondendo, com o máximo de cortesia, que o restaurante era de confiança, que a comida era preparada na hora, que não se guardavam os alimentos de um dia para outro, ao contrário de tantos outros lugares por esse mundo afora e que ele poderia comer tranqüilo sem receio algum. Ainda que de modo cortês, um olhar mais aguçado notaria que o maître havia ficado agastado com toda aquela, digamos, sondagem.
Quando foi apresentada a conta, Aby She achou que ela estava alta demais, como havia sucedido numa viagem que a família havia feito para um determinado país da América do Sul e que fazia parte do BRIC, constituído também pela China, Rússia e Índia e que todos vinham apresentando índices de progressos econômicos elevados, porém nenhum como o seu país a quem os entendidos diziam que logo, logo, passaria do segundo lugar para o primeiro em maior desempenho do Produto Interno Bruto e coisas desse jaez.
Aby She, a fim de não demonstrar sovinice, avareza, mesquinhez pagou sem pestanejar, dando uma de altivo, emproado, deixando uma razoável gorjeta, guardou a nota no bolso para em casa conferir melhor os valores lá descriminados.
O maître, depois que o restaurante já havia encerrado o expediente e estava jantando, juntamente com os demais funcionários da casa, como era de praxe, contou o fato para os demais, como se fosse uma fábula, a fim de não dar mau exemplo e do alto da sua vivência em conhecer a Humanidade, concluiu com a seguinte moral:
-“Dizem que ‘um homem prevenido vale por dois’. Consequentemente deve comer como tal. Portanto, justo que pague em dobro”.
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 8 de junho de 2011

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I
E como dizia
O gorducho,
Chamado pela guria
De bucho:
“Eu me maltrato
E é um suicídio
Se eu não comer
Todo esse prato
De macarrão
Com torresmo
E junto não beber
Um vinho tinto.
– E não é pirraça –
Afinal
É só
Glicídio
Somente carboidrato
E eu não sinto
Que me faça
Um mal
Infinito.
A gente tem que ter
De si mesmo
Compaixão,

E comiseração.
Tenho dito!

Constatação II (Ah, esse nosso vernáculo).
O relacionamento daquele casal pandorga estava por um fio tão tênue, tão tênue, mas tão tênue que não dava nem para soltar uma pandorga.

Constatação III
O clima de Curitiba está na base do compadrio. Explica-se: O verão visita o inverno e este retribue a gentileza, visitando o verão. Cada um deles leva junto o outono; a primavera, quase sempre, ambos, esquecem. E haja saúde.

Constatação IV
Esse negócio de circo abandonar os animais, como sempre ocorreu com freqüência, induz que se tome providências, proibindo em todo o mundo para evitar a filhadapu...ce de apresentar números que mostrem nossos assim chamados, hipocritamente, “irmãos irracionais” e onde se pretende ressaltar a coragem do domador. No entanto, para domar os animais, submetendo-os a vontade do domador, são usados métodos de tortura que já deveriam ter sido banidos da terra, ainda mais levando-se em conta o inegável avanço científico e tecnológico da suposta racional Humanidade. Esta, por sua vez, através da maioria de seus componentes, precisava, de uma vez por todas, tomar uma vacina que a preservasse de ser filho da p, digo, filho grato da natureza.

Constatação V
Com relação à lamentável constatação anterior, também se enquadra na classificação nada laudatória aos seus familiares os empresários que não investem em filtros anti-poluentes, bacias de decantação para tratamento de águas contaminadas se igualando também na nomenclatura banqueiros que não se importam que as pessoas mofam nas filas por não colocarem mais caixas e... assim por diante. Tenho dito, assino em baixo e se preciso for, reconheço a firma em cartório.

Constatação VI
Não se pode confundir lépido no sentido de ligeiro, lesto, ágil com tépido no sentido de que tem pouco calor, morno, tíbio, até porque quem tem pressa come cru e também corre o risco da comida não cozinhar, assar, fritar e esquentar devidamente (pobre diz devidamente; rico “comme il faut”).

Constatação VII
Rico vende no crediário; pobre compra à prestação.

Constatação VIII
A fim de não suscitar desavenças com a minha mulher e minha sogra e a quem mais interessar possa, comunico que o exemplo citado no Aurelião do significado da palavra “mulherengo” nada tem a ver com este assim chamado escriba. Lá está escrito: “O Juca é muito mulherengo, demais. Ele é doente por mulher”. (Nelson Rodrigues, 100 contos escolhidos. A vida como ela é II pg 49). Na verdade, já que falamos em mulher sou, dentre outros complementos, um grande admirador, comportado, do sexo feminino. Apenas isso...

Constatação IX
Rico segue a lei. Àquela, a do menor esforço. Pobre é preguiçoso.

Constatação X (De uma dúvida crucial).
Tá certo que se você escreve um livro, você bota pra fora os teus demônios, evitando assim a necessidade de pagar um psicanalista. Mas como é que se dá um jeito pra botar pra fora o demônio que não te deixa escrever ?

Constatação XI
Era um cara tão chato, tão chato, mas tão chato que até o seu anjo de guarda não agüentava as suas – dele – chatices.

Constatação XII
Deu na mídia: “Pesquisas indicam que o tamanho médio de penis no Brasil é de 14cm.” Taí uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade... Na verdade, ela seria de transcendental importância se o seu tamanho fosse igual ou menor que zero, já que a população brasileira iria, fatalmente, diminuir, aumentando a renda per capita do país para alegria dos economistas, políticos, demagogos e ufanistas...

Constatação XIII
E como narrava o conquistador: “Aí, eu consegui desabotoar o indefectível fecho do sutiã dela, que estava hermeticamente cerrado por uma espécie duma tranca que eu posso comparar, com conhecimento de causa, às fechaduras dos cintos de castidade da época medieval e que, nos dias de hoje, ainda se encontra eufemisticamente ou não, por aí...”

Constatação XIV
Em certos países, o atendimento dos nascimentos não deveria se limitar somente à criança e, eventualmente, à gestante. O atendimento deveria se estender, também, ao pré-natal e ao pré-pré-natal, isto é desde o seu – delas, gestantes – nascimento...

Constatação XV
Não se pode confundir escanear (do inglês scanning) com sacanear (do português sacanear mesmo), muito embora tenha muita gente que aprecia em escanear sua própria foto em trajes inexistentes para colocar na Internet só para sacanear o seu cônjuge. A recíproca para tais assuntos ligados à informática, salvo melhor juízo, não é verdadeira.

Constatação XVI
O salário mínimo é a concessão de um mínimo, quando este mínimo, mal como o mínimo anterior são minimamente suficiente para não se sobreviver. Tenho dito.

Constatação XVII
E não se pode confundir assistência com insistência, até porque não adianta insistência para uma melhor assistência das autoridades competentes, como, por exemplo, na área de Educação e Saúde.

Constatação XVIII
E como dizia aquele paranista sofredor: “Até a alegria de nós amantes do futebol vocês – cartolas, dirigentes, patrocinadores – estão nos tirando ?”

Constatação XIX
Rico conta fatos assombrosos; pobre, duvidosos.

Constatação XX
E, ainda, não se pode confundir excitação com hesitação, até porque se você tiver uma hesitação na hora da excitação arrisca você ser mandado pentear macacos, catar piolhos e outros epítetos menos votados do reino animal. Aí, já que estamos falando em zoologia, a vaca irá, sem dúvida e sem volta, pro brejo.

Constatação XXI
Deu na mídia na época das férias: “O Ministério das Relações Exteriores da Argentina recomendou aos milhares de turistas argentinos que viajam para Florianópolis (SC) que não utilizem a estrada de noite e, muito menos, de madrugada, devido ao grande número de assaltos. Também recomenda que redobrem a atenção nas casas alugadas por temporada, trancando portas e janelas, não deixando objetos de valor e guardando os documentos”. As autoridades argentinas não esclareceram se a recomendação também é válida para os moradores locais e os eventuais ou não turistas brasileiros...

Constatação XXII
Não se pode confundir requentado com requintado, até porque um café requentado, por exemplo, não é nada requintado. Por outro lado (qual lado?), essa história que inventaram para que um político possa se candidatar para mais um período de gestão, a reeleição é sabido que o segundo mandato será como café requentado e seu governo não será requintado o que não impede que o mesmo tenha acontecido ainda no seu primeiro governo...

Constatação XXIII
Deu na mídia, depois da derrota do meu Paraná para o time do Americana: “Já o técnico Ricardo Pinto, apesar do discurso otimista nas entrevistas, ainda não conseguiu extrair o que há de melhor há no atual elenco”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando, com todo respeito ao técnico Ricardo Pinto, acha que a frase estaria mais realista se contivesse “não conseguiu extrair o que há de menos pior no atual elenco”...

Constatação XXIV
E já que falamos em Pinto e no meu time Paraná creio que existe, em alguns casos, certa semelhança entre ambos. Explica-se: quando não há tesão o ataque não consegue a penetração para atingir os seus objetivos.

Constatação XXV
Deu na mídia: “MEC gasta R$ 13 milhões com livros para ‘ensinar’ 10 – 7 = 4”. A mídia, como sempre, esqueceu de fazer um adendo e uma proclamação o que é, também como sempre, imperdoável: Viva “nóis”.

Constatação XXVI
De acordo com a sabedoria popular, a maçã não cai longe da árvore. Isso quer dizer que foi muito bom que o candidato nacionalista Ollanta Humala venceu as eleições presidenciais realizadas neste dia 5 próximo passado no Peru, vencendo a candidata Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori de não saudosa memória.

DÚVIDAS CRUCIAIS (VIA PSEUDO-HAICAIS).

Dúvida I
É muita passividade
Deixar de fazer a corte pra tua gata
Num esquema de sucessiva proximidade ?

Dúvida II
É excesso de didática
Conseguir ensinar uma criança
A eterna difícil matemática ?

Dúvida III
É muita perplexidade
Encontrar, hoje em dia,
Quem faz votos de castidade ?

Dúvida IV
Foi nada mais que um mero casuísmo
O ministro, com ar doutoral, discorrer
Seu ponto de vista na base do “achismo” ?

Dúvida V
É ser muito sofista
Argumentar sem razão
Sobre calos com o calista ?

Dúvida VI
De espírito, é muita presença
Pra não receber a sogra
Alegar contagiosa doença ?

Dúvida VII
Das montadoras, o “recall”
Ainda não foi possível
Colocar uma pá de cal ?

Dúvida VIII
É muita boataria
Dizer que o João não tá sendo
Corneado pela Maria ?

Dúvida IX
Faz parte do rol das decadências,
Numa festa, ao invés duma saudação
Dizer: “Minhas condolências” ?

Dúvida X
É muita rotina
Dizer pra mulher que fez serão
Quando se chega às 6 da “matina” ?

Dúvida XI
Foi um baita ululo,
Da torcida, o gol contra
De sem pulo ?

Dúvida XII
É muita mamata
Com determinados salários
Ter no jardim uma cascata ?

Dúvida XIII
É excesso de conquista
Fazer versos pra ela
Qual um repentista ?

Dúvida XIV
Você fica martirizada
Se a visita não for embora
Lá pelas três da madrugada ?

Dúvida XV
É falta de civilidade
Exigir bom desempenho
De quem já está na 3ª Idade ?

Dúvida XVI
É muita autenticidade
Andar com as calças como o Cantinflas
Seja no campo ou na cidade ?

Dúvida XVII
É muita serenidade
Ver altos aumentos pra alguns
E outros passando necessidade ?

Dúvida XVIII
O apoio à Presidente
Pelo PMDB será que é
Que nem dor de dente?

Dúvida XIX
Somente desnudo,
Em frente ao espelho,
Que vê certa parte o barrigudo?

Dúvida XX
Da invicta, foi o atrevido
Que arrancou um beijo
Com um baita estalido?

Dúvida XXI
É broca
Ficar um “veio”
Coroca?

Dúvida XXII
Um grande trunfo
Do governo Dilma Roussef
Seria acabar com o chuncho?

Dúvida XXIII
É muita decadência
Ter problemas
Com a incontinência?

Dúvida XXIV
É muita intransigência
Não abrir mão de ser chamado
De Vossa Magnificência?

Dúvida XXV
Palocci foi mandado embora.
O que será de nós
Agora?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 1 de junho de 2011

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I
Rico acha tudo exeqüível; pobre é quem as torna.

Constatação II (De antigamente).
Garoto rico que detinha a bola de futebol jogava de centroavante; garoto pobre, se não fosse bom de bola, jogava no gol ou na ponta-esquerda.

Constatação III
Pastor americano, que previu apocalipse, diz agora que o fim do mundo será em outubro. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas esperemos que ele transfira, na próxima previsão, para “sine die”.

Constatação IV
Quando o obcecado anti militar leu na midia que “Israel tem agora, pela primeira vez em 63 anos, uma mulher ocupando o posto de General de Exército. Orna Barbivai é a militar promovida após ocupar postos de suma importância na força militar terrestre de Israel. A promoção de Barbivai foi iniciativa do novo Comandante Geral do Exército Beny Ganz”, proferiu sua filosófica ponderação. “Taí a grande chance para f... com um(a) milico(a)” e se perguntou: “Quanto tempo pode um homem civil ou militar ficar sem passar a mão na ‘poupança’ de uma mulher?”

Constatação V
Deu na mídia, depois do entrevero entre o Ministro da Casa Civil, Antonio Palocci e o vice-presidente da República Michel Temer: “Conflitos entre PT e PMDB não são novidade e de certa forma fazem parte dessa aliança entre parceiros de naturezas tão diferentes. Colisões, portanto, são normais”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando não só acha normal como acha excelente. Primeiro, porque gente fina é outra coisa; segundo, porque, para nossa sorte, eles brigam entre si e se fosse o contrário, isto é, essa gente, como já disse, fina, ficasse do mesmo lado, o povo todo é que pagaria o pato de alguma maneira. E viva “nóis”, digo, os gente fina...

Constatações VI (De uma dúvida crucial).
A franqueza é uma espécie de sinceridade elevada a sua maior potência? Seria, talvez, uma sinceridade exacerbada? E a esquizofrenia seria uma disparada neurose?

Constatação VII
A velhice, em certos casos, não deixa de ser uma espécie de deterioração humana tanto física como mental. Tenho, com muita propriedade, dito!

Constatação VIII (De outra dúvida crucial).
Para os jovens de hoje em dia dizer “muito obrigado”, “com licença”, “desculpe” é uma baita mão-de-obra?

Constatação IX
Segundo pesquisas efetuadas por Rumorejando, a pessoa que tem bom ou mau astral, os seus eflúvios podem ser captados até através de suas fotos.

Constatação X
E como ponderava o obcecado – nada a ver com os outros obcecados, citados anteriormente – “não se pode confundir tesão com lesão até porque quem não der vazão ao primeiro pode provocar, principalmente em si mesmo, o segundo”.

Constatação XI
E como dizia a velhinha pra sua vizinha ao ver na televisão aquelas “poupanças” todas à mostra: -“Eu sou do tempo em que os homens ficavam loucos só de ver um pedacinho do nosso tornozelo. Hoje em dia, é uma pouca vergonha!”
Respondia a vizinha pra velhinha: -“E eu sou do tempo da calcinha pinto calçudo. Aquela em que a “poupança” ficava totalmente coberta. Não sei como hoje em dia elas não pegam resfriado. Cruz credo!”.

Constatação XII
O guru Millôr Fernandes escreveu certa vez no caderno Mais da Folha de São Paulo “Se existe mesmo um crime organizado, olha, rapaziada, é a única coisa organizada neste país”. Vaticínio, palavras proféticas, ou seja, lá o que seja, várias vezes já aconteceu em levante simultâneo e organizado em presídios espalhados principalmente no estado de São Paulo.

Constatação XIII
E não se deve confundir trôpego com sôfrego, muito embora ambas sejam muito assemelhadas e, na maioria das vezes, quem está um está outro, ou vice-versa, quer dizer quem está outro está um. Elementar, minha gente!

Constatação XIV
E também não se deve confundir pastiche com pistache, muito embora se possa pintar um quadro, representando árvores de pistache e por na sala de visitas, de jantar, no dormitório, banheiro, etc. sem que seja uma pintura pastiche. A recíproca, nesse caso, não é verdadeira e nem poderia ser mesmo.

Constatação XV
Hoje em dia, a pessoa para atravessar a rua, com sinaleiro ou não, tem que seguir pelos catetos e, mesmo assim, ainda corre o risco de ser atropelado, já que um carro que faça a curva é prioritário em relação ao indefeso pedestre, ao contrário do que acontece em países do Primeiro Mundo, Argentina, Uruguai, etc. Há 30 anos e talvez nem tanto, numa cidade como Curitiba era possível atravessar a rua pela hipotenusa, quer dizer em diagonal sem correr risco algum. Bons tempos!

Constatação XVI (Via pseudo haicai).
Não se realizou a revanche:
Quais tantos veículos roubados,
O time entrou em desmanche.

Constatação XVII
O inesquecível Sérgio Porto, que usava o pseudônimo de Stanislaw Ponte Preta e que escreveu dentre outros livros O Febeapa – O Festival de Besteira que Assola o País enunciou a frase: “Em rio que dá piranha, jacaré nada de costas”. O previdente adaptou para: “Em vestiário masculino, se o sabonete cai no chão, só se junta o dito cujo com as costas estritamente voltadas para a parede”. E essas duas têm algo a ver com: “macaco velho não mete a mão em cumbuca”.

Constatação XVIII (De diálogos elucidativos).
-“O senhor não quer uma pizza de escarola ? É a especialidade da nossa pizzaria”
-“Não obrigado”.
-“O senhor já experimentou alguma ?”
-“Já. E gostei. É que eu não me dou com escarola. Quero dizer, é a escarola que não se dá comigo. Ela não me faz muito bem”.
-“Ah, bom. Quero dizer, ah, ruim...”

Constatação XIX
Lançou-lhe um olhar de esguelha
Mas não foi ela que, no bem-bom,
Meteu-lhe a unha. Foi uma abelha.

Constatação XX
Foi muita ruindade
Do jogador Andrade
Ao a trave, cabecear;
A bandeirinha de corner, chutar;
A grama, espalhar,
Como fez o considerado
Bom de bola
Aquele que foi recomendado
Pelo olheiro cartola
Coitado!

Constatação XXI
Se a tua mulher não quiser fazer sexo, à tarde, pra não desarrumar a cama, tá na hora de mudar o esquema da cama ou de mulher, ou, ainda, de ambas...

Constatação XXII
Mancomunado
Com o cunhado
Foi pra farra.
“Se você não me der
Uma nota, eu conto
De pronto,
Já amanhã,
Pra minha irmã,
A coitadinha,
Da tua mulher,
Que você ficou
E lá se demorou
Num agarra-agarra
Com uma zinha”.
Salve-se quem puder
De tal extorsão,
Meu irmão!
Que safado!
E acabrunhado
Sentiu-se esbulhado,
Explorado,
Espoliado,
Coitado!

Constatação XXIII
Ela deu um riso sardônico:
“Amor sem sexo, cara, é só
Dos idos tempos do platônico”.

Constatação XXIV (De conselhos e desabafos úteis. De nada!)
E nunca esqueça, prezado(a) leitor(a), de que em todo acidente aéreo a culpa nunca é dos fabricantes da aeronave e/ou da sua manutenção. A culpa é exclusivamente dos pilotos que também morreram no acidente. E viva os fabricantes de aviões e as companhias aéreas responsáveis pela manutenção. E também nunca esqueça que o político tem todo o direito de pôr a mão no jarro e se for flagrado e ele for denunciado, a pessoa que o denunciou estará contribuindo na luta contra a democracia. E o leitor nunca deve esquecer que se for um religioso que está sacando o dinheiro do povo, pondo ou não a mão no jarro, ele absolutamente não estará em pecado. E se os professores da rede pública ou privada estiverem ganhando um salário compatível com uma vida digna para si e para seus familiares, numa carga horária não estafante ele deve ser um estrangeiro que está vivendo em seu próprio país de origem. E se um professor ou trabalhador cá da terra estiver doente nada se poderá fazer, mormente o SUS. Afinal, ninguém mandou que eles ficassem doentes. E se você, prezado(a) leitor(a), for assaltado(a) e o ladrão não for adepto de latrocínio, dê graças. Lembre-se que a distribuição de renda em nosso país, é muito díspar. Basta ver – e console-se – que a distância entre ricos e pobres não só ocorre entre nós, mas também em países do Primeiro Mundo. E veja que o corporativismo é algo extremamente solidário. Alguém já viu o legislativo federal, estadual e municipal condenar os seus colegas, seus pares? E que dá para contar nos dedos de apenas uma mão as condenações do STF a deputados e senadores, afora infinitésimas exceções? É possível entender os componentes de um Poder que votam o aumento do seu próprio salário? Comentários no blog. Obrigado.

FÁBULA INDIGNA DO MILLÔR
Numa província chinesa a beira do rio Amarelo, que com a poluição, ficou marrom – mas isso já é outra história – vivia uma família, constituída pelo pai, Reh Vah Leh, pela mãe, Mah Sha Leh e pela filha, Teh Mah Leh. Os pais trabalhavam arduamente a terra, pouco fértil, para tirar dela o sustento da família. Teh Mah Leh ficava encarregada da limpeza da casa, além de freqüentar a escola, é claro, pois como é sabido, pais que não mandam os filhos estudar, na China, são responsabilizados criminalmente. Mas, isso também já é outra história. Teh Mah Leh manifestou aos seus pais que só queria estudar. O pai alegou que não havia outra solução e de “quem não trabalha não come”. A filha pareceu não se convencer e de tempos em tempos voltava ao assunto. Seu pai argumentou que ela até parecia um tal de Macunaíma, um herói sem caráter, personagem de um livro de um país longínquo, chamado Brasil, que vivia dizendo: “Ai, que preguiça”. Teh Mah Leh argumentou, preguiçosamente, que, no Ocidente, já havia máquinas que faziam certos serviços como lavar louça, roupa, freezer, forno de micro ondas que esquentavam a comida num minuto e outras invenções que facilitavam o trabalho das pessoas. Seu pai ficou na dele, achando que a filha era realmente preguiçosa e que não era uma questão de progresso, de novas técnicas ou algo similar. Como nem havia eletricidade na província, Teh Mah Leh resolveu improvisar. A fim de não precisar despejar no latão de lixo e depois ter que lavar o lixinho que ficava em cima da pia da cozinha, bolou de colocar uma sacola de plástico, dessas que dão no supermercado e, com isso, punha a sacola de plástico com lixo e tudo diretamente no latão de lixo. Dessa maneira não foi mais necessário lavar o lixinho.
Moral: A preguiça, considerada a mãe de todos os vícios, também é inspiradora na lei do menor esforço, na de inventos e no encontro de soluções.
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
www.rimasprimas.com.br