quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (Passível de mal-entendido).
-“O senhor é casado?”
-“Sim”.
-“Há quanto tempo?”
-“Cinquenta anos”.
-“Sempre com a mesma?”
-“Sim. Só que agora a convivência, a amizade deteriorou”.
-“Como assim?”
-“Ela não quer mais nada comigo. Ela já deu o que tinha que dar”.
-“Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer...”

Constatação II
Em Curitiba, rico mora no bairro Ecoville ou no Champagnat; pobre, no Mossunguê ou no Bigorrilho.

Constatação III
Rico sonega às autoridades fiscais; pobre só nega às autoridades policiais.

Constatação IV
Ele, no assunto, era calouro
Roubou
Um beijo da namorada
Quase arrancou
O seu único dente de ouro.
Ela pensou:
Um excomungadouro*?
Coitada!
*Excomungadouro =  adjetivo
Estatística: pouco usado.
que merece excomunhão; excomungável (Houaiss).

Constatação V (De razões e proporções matemáticas).
Jogador e/ou técnico de futebol está para a frase “temos que levantar a cabeça”, assim como toda novela está para uma cena de um casal sendo pego, em flagrante, se agarrando.

Constatação VI
Quando o obcecado – nada a ver com outros obcecados já mencionados na coluna – que o rabino Menachem Mendel Morgensztern de Kotzk (Polonia), mais conhecido como o Kotzker Rebbe (1787–1859) falou que “o mais belo discurso é aquele que não se pronuncia”, proclamou, de modo nada rabínico, mas do alto da sua sapiência e experiência: “a pior relação amorosa é aquela que não se realiza”...

Constatação VII
Quando a ricaça ouviu na televisão que o time do Palmeiras pretende aposentar a camisa 12 do goleiro Marcos, que encerrou a sua carreira de goleiro, falou para o marido: “Querido, eu também pretendo aposentar meu guarda-roupa. Afinal, eu já desfilei muito com ele e preciso renová-lo com urgência, para poder continuar a fazer sucesso nas tuas reuniões sociais das quais eu, mesmo contrariada, tenho, por tuas instâncias e insistência, que participar”.

Constatação VIII (De uma dúvida crucial).
Será que já aconteceu em nosso sofrido país tanto ministro alvo de faxina? Ou será que foi por que aumentaram o número de ministérios? Sem dúvida é um mistério. Quem puder desvendar, por favor, informar através do blog para que se possa esclarecer aos nossos prezados e estupefatos leitores. Obrigado.

Constatação IX
Rico dá um mergulho; pobre, se atola.

Constatação X
E como dizia, pseudo haicaimente, aquele nosso já conhecido conquistador barato:
Eu só vejo como solução,
Pra tantas pretendentes, fazer
Condomínio do meu pobre coração.

Constatação XI
Deu na mídia: “Já há falta de camisinhas para o carnaval”. No meu tempo faltava cerveja. Sinal dos tempos...

Constatação XII (Ah, esse nosso vernáculo).
O casto
Senhor Gastão,
Usava
Um castão
Que estava
Gasto.

Constatação XIII
E como dizia o perdulário, que vivia tomando dinheiro emprestado e, sempre, “esquecia” de devolver: “Caixão não tem gaveta e mortalha não tem bolso”.

Constatação XIV
Eu não sei, não
E não é intriga,
Ou que alguém minta,
Mas ele ficou merencório*
Já que a única solução
Por causa da barriga,
Ao invés de cinta,
Ele teve que usar
Um baita suspensório
Bem reforçado,
O que deu o que falar.
Coitado!
*Merencório = Melancólico (Houaiss).

Constatação XV
Ela não se emenda
E só fala com a gente
Na base da reprimenda
Nos deixando pu, digo descontente.

Constatação XVI (De conversa entre obcecados).
-“Você tem namorada?”
-“Tenho. Tenho várias.
-“E você dá conta de todas elas?”
-“Por enquanto não. Não é preciso. Elas ainda não sabem que são minhas namoradas.
-“Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer...”

Constatação XVII
Até parece um engatado disco
Ouvir na mídia sobre o Congresso
Que mais parece um aprisco
Eternamente vazio, inoperante, em recesso
Com uma plêiade de réu não confesso.
Afinal, ninguém faz o papel de fisco.
*Aprisco =  substantivo masculino
1 curral destinado ao abrigo de ovelhas; redil
2 Derivação: por metáfora.
o seio da Igreja (comparando-se os fiéis às ovelhas)
3 Derivação: por extensão de sentido (da acp. 1).
habitação rústica; choupana, cabana
4 Derivação: por extensão de sentido.
local inquietador e misterioso; covil, antro (Houaiss).

Constatação XVIII
Quando mostraram para o rapaz
Quem estava nele interessado:
Uma donzela com um aspecto tão bruto
Que tinha um papo tão palavroso, tão loquaz
Que ele ficou com o cabelo hirsuto
Tal foi o susto, deixando ele todo arrepiado.
Coitado!

Constatação XIX
Deu na mídia, mais precisamente no jornal Gazeta do Povo: “Em janeiro de 2011, região serrana foi palco de uma tragédia que deixou 918 mortos e 8,9 mil desabrigados. Até hoje, novas casas e sistema de prevenção contra chuvas prometidos não foram entregues”. Alguém, ingenuamente ou não, tinha alguma dúvida?

Constatação XX
Também deu no jornal Gazeta do Povo: “Protegido pela base aliada da presidente Dilma Rousseff, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, negou ontem no Congresso que tenha praticado nepotismo, loteado a pasta e privilegiado aliados políticos na distribuição de dinheiro público. Usou números que eram favoráveis a ele para tentar dar um caráter técnico às suas decisões. Afirmou que fez tudo com o aval de Dilma. Disse que as acusações contra ele são orquestradas para macular a imagem de seu partido, o PSB”. Se alguém, porventura, acreditou nas palavras do ministro, Rumorejando, data vênia, como dizem nossos juristas, acha que é direito de cada um. A coluna se abstém de opinar se alguém quiser outorgar um par de asas de anjo ao distinto. Rumorejando se refere ao acreditador.

Constatação XXI
A mulher transpirava sensualidade
O marido era do tipo recatado
Ela na sua – dela – voluptuosidade
Deixava-o completamente abestalhado.
Coitada! Coitado!

Constatação XXII
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão:
1. “Conselho Nacional de Justiça fará auto-investigação de duas aquisições feitas por meio de licitação supostamente ilícitas”.
2. “Dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) mostram que 3.426 servidores e magistrados movimentaram, de forma suspeita, em torno de R$ 855,7 milhões de 2000 a 2010”.
3. “O ministro Marco Aurélio Mello põe em xeque a constitucionalidade da atuação do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf)”.
4. Ministra Eliana Calmon, corregedora nacional da Justiça: "Eu estou vendo a serpente nascer, não posso me calar."
5. Rumorejando: Data vênia, como dizem nossos juristas: Cáspite! Vige! Socorro!

DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I
É ser muito prudente
Ir ao dentista
Antes da dor de dente ?

Dúvida II
Era o convencido
Que dizia: “Viver longe
De gatas é estar perdido” ?

Dúvida III
Diz a sabedoria do povo
Que ao receber a conta do médico
A gente adoece de novo ?

Dúvida IV
Será que a gente conquista,
Algum dia, um presidente
Que seja um estadista ?

Dúvida V
É muita sensatez
Recusar um convite da gata
Para ir jogar, num motel, xadrez ?

Dúvida VI
O Brasil está para a Copa,
Assim como a crise para 2012
Está para alguns países da Europa ?

Dúvida VII
Abandonar, agora, um país falido
Faz o europeu pensar por que bem
Antes já não havia do seu país saído ?

Dúvida VIII
Será que as duas Coréias
Não poderiam virar entre si
Uma solução como duas tetéias ?

Dúvida IX
Somente graças a novela,
Assistida no sofá da sala, que
Ele pode se encostar* nela ?
*O gato** da vizinha na nossa gata.
** O felino, aquele de quatro patas.

Dúvida X
Ainda está pra “nascê”
Quem me ganhe no truco
Inclusive vosmecê ?

Dúvida XI
Após a caderneta de poupança
O governo vai implementar
A caderneta da abastança ?

Dúvida XII
Honra nacional,
Em certos países,
É retórica banal ?

Dúvida XIII
Instrumento de percussão
É o vizinho estudando bateria
Que te faz perder a audição ?

Dúvida XIV
De viver se perde o gosto
Quanto chega a hora
De pagar o imposto ?

Dúvida XV
Faz você se apavorar,
A proximidade das eleições,
Do que terá que escutar ?

Dúvida XVI
O esporte radical
É algo de circo, transformado
Em coisa banal ?

Dúvida XVII
É desmiolado,
Aquele político
Ou retardado ?

FÁBULA CONFABULADA (INDIGNA DO MESTRE MILLÔR).
Numa província chinesa a beira do rio Amarelo, que com a poluição, ficou marrom, vivia uma família, constituída pelo pai, Reh Vah Leh, pela mãe, Teh Mah Leh, e pela filha Mah Sha Leh. O casal trabalhava a terra que, por não ser muito fértil, exigia grandes esforços do casal. A filha, Mah Sha Leh, cursava o primário numa escola pública, já que na China não existe escola particular. A mãe, Teh Mah Leh, se ocupava também dos afazeres de casa, pedindo sempre para que Mah Sha Leh lhe ajudasse, após o término dos deveres escolares. A menina, sempre alegava que faria o serviço mais tarde, o que não acontecia, ocasionando a feitura pela mãe que achava que não se pode explorar muito os filhos. O pai, Reh Vah Leh, que assistia tudo aquilo, filosoficamente, enunciou para a filha a seguinte frase: Você é adepta do deixe para amanhã o que tua mãe pode fazer hoje, ao contrário do lema: “Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje”. Efetivamente, Mah Sha Leh não era lá muito devota pelo trabalho e vivia dando um jeito de não se entregar às fainas do lar. A ela cabia lavar a louça da única refeição feita em casa, à noite, após o jantar. Durante o dia, no campo, o casal comia uma refeição frugal, embora a fome, às vezes, pedisse algo mais substancial. Mas, isso, já é outra história. Mah Sha Leh, a fim de não lavar o lixinho que ficava em cima da pia da cozinha, contendo cascas de frutas e legumes que eram posteriormente despejados num latão maior para virar adubo, já que os chineses costumam evitar o desperdício, ao contrário de certo país do Ocidente, bolou de colocar uma sacola de plástico, dessas que dão no supermercado e que depois não tem muita utilidade. Dessa maneira, a lavagem do lixinho se tornou praticamente desnecessária. Praticamente, porque a sacola de plástico, muitas vezes, deixa passar líquidos, por percolação e outros fenômenos físicos que deixamos de enumerar porque, nesse preciso momento, absolutamente não vem para o caso e em conseqüência é outra história.
Moral: Nem sempre as grandes invenções foram por acaso. A preguiça, conhecida como a mãe de todos os vícios, também pode inspirar inventos.
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
www.rimasprimas.com.br

2 comentários:

DJALMA FILHO (twitter @djalmafilho68) disse...

Juca, admiro muito suas fábulas chinesas.Abraço grande.ra

Anônimo disse...

Querido Amigo Juca,

são abordagens tão diversas e atuais que meu pobre cérebro fica em 'curto'.
Mas, quer saber, eu curto minhas sinapses desordenadas pela inteligencia e perspicácia de amigo tão admirável como você. Abraços rumorejantes da Vivi rrrr