quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (De conselhos úteis, via pseudo-haicai. De nada!).
Nunca, com exagero, se coce
Pois é capaz de redundar
Num acesso de tosse.

Constatação II
“Testamento?,
Pê que pê!
Nem em pensamento,
Já que
Eu sou imortal.
Amém”,
Disse o acadêmico,
Com diabete,
Comendo um merengue
Adocicado,
E também
Antes do dengue
Endêmico
Fatal.
Coitado!

Constatação III (De uma dúvida crucial).
Será que os Bancos Mundiais, os Fundos Monetários, os governantes de países ricos e pobres não se dão conta que auxilio a longo prazo é morte a curto prazo ? Aliás, Lord Keynes exprimiu algo semelhante dizendo que no futuro estaremos todos mortos. Quem tiver ligações com os mencionados Fundos e Bancos, países ricos e conseguir uma explicação, obtendo uma resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação IV
Certa vez, deu na mídia que o então secretário do Tesouro dos EUA, Paul O’Neill, no, eterno famigerado, Fórum Econômico Mundial, falou da corrupção no Estado brasileiro. O então pré-candidato à Presidência da República, José Serra reagiu que O’Neill não sabia nada do Brasil. Data vênia, como diriam nossos juristas, Rumorejando toma a liberdade de achar que quem não sabia nada do Brasil era o ex-ministro da Saúde e mais tarde, o ex-candidato a presidência do Brasil.

Constatação V
Rico é elegíaco*; pobre, é chorão.
*Elegíaco =  adjetivo
2. que expressa tristeza; lamentoso
3. que chora muito (Houaiss).

Constatação VI
Consciente ou inconscientemente todo político é mau-caráter? E já que falamos no assunto, além de existirem tantos desonestos eles, orgulhosos, vaidosos, ainda se ufanam disso. Homessa! Vige!

Constatação VII
Ninguém entendeu
E um absurdo, pareceu –
Não o de Ionesco –
Não chover
Nem um instante,
Durante
O tríduo momesco
Curitibano,
Como soe acontecer
Todo ano.

Constatação VIII
De vez em quando e não raro o inverno vem passar o verão em Curitiba. E haja preparo físico do pobre verão para não pegar gripe e resfriado...

Constatação IX
E como poetava o obcecado:
“É assaz importante,
Essencial,
Determinante,
Primordial,
Necessário,
Fundamental
Que eu não seja obrigado
A sufocar no armário,
Onde você me escondeu
Quando teu namorado
Apareceu”.

Constatação X (Teoria da Relatividade para principiantes).
É muito melhor ir para o paredão do famigerado BBB Brasil do que para o também famigerado paredão em Cuba.

Constatação XI
Do rabino David Leikes: “É preciso apreciar a vida a despeito da vida”.

Constatação XII
De fato,
No final
Da semana,
Sem
Alguém
Amical,
Bacana,
O interno
Se sentiu,
No internato
Totalmente
Vazio,
Abandonado,
Chinfrim,
Isolado,
Desprotegido,
Completamente
Perdido,
No inferno,
Enfim.
Coitado!

Constatação XIII
Para ela, ele fez um exórdio *
Já que havia chegado tarde.
E ela, no seu silêncio absoluto,
Sem briga e sem alarde,
No seu mutismo condenatório
Deu a impressão que o seu monólogo
Era, além de vazio, monocórdio,
E que ele precisava de um psicólogo,
Desses que trabalham em sanatório
Pra contar o quanto fora “impoluto”.
* Exórdio = “O começo de um discurso; preâmbulo”.

Constatação XIV
Não se pode confundir fresta com festa, muito embora, dependendo do que se espia por uma fresta, ter-se-á (perdão, leitores esse “ter-se-á” é ainda influência do “fi-lo porque qui-lo”) uma baita duma festa. A recíproca para esses indiscretos casos de voyeurismo* não são necessariamente verdadeiros.
*Voyeurismo = 2. Derivação: por extensão de sentido.
forma de curiosidade mórbida com relação ao que é privativo, privado ou íntimo (Houaiss).

Constatação XV
E não se pode confundir culto com oculto, muito embora muito cara que nunca abre a boca, mantendo seu pensamento oculto, passa por um cara culto. Por razões ocultas, não foi possível detectar se a recíproca é verdadeira ou não. Quem puder e quiser esclarecer, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação XVI (De uma dúvida crucial).
Por favor,
Moça simpática,
Me esclareça
Essa terrível
Dor de cabeça:
Se o amor
É teoricamente
Possível.
Ou é mera questão
De prática,
Tão somente,
Como a resolução
De um problema,
Ou a demonstração
De um teorema,
De matemática ?

Constatação XVII (De uma quadrinha para ser recitada para os amigos que têm família, mormente filhos, morando no exterior, em busca de melhores e mais seguras condições de vida).
Rever a “familiagem”,
Mais tarde ou agora
Compensa a longa viagem
Do índice bunda/cadeira/hora.

Constatação XVIII (De conselhos úteis. De nada!).
Se a tua mulher ou tua sogra estiver varrendo a casa, o pátio, ou seja lá o que seja, jamais faça determinadas perguntas para ela, como por exemplo, você vai em algum lugar hoje?

Constatação XIX (De uma dúvida crucial).
Se a gente não tivesse umbigo onde será que seria considerado o ponto central do corpo humano? Se alguém souber, por favor, etc. etc.

Constatação XX
O obcecado
Nunca se sente
Cansado,
Esgotado,
Depauperado,
Esfalfado,
Nada estressado
Por se sentir feliz
Quando mete o nariz
Onde sempre quis.

Constatação XXI
E já que falamos no assunto, obcecado rico desfruta da interatividade*; obcecado pobre, quebra o galho.
*Interatividade =  substantivo feminino
1. qualidade de interativo
2. capacidade de um sistema de comunicação ou equipamento de possibilitar interação (Houaiss).

Constatação XXII
Deu no jornal Gazeta do Povo: “Falhas em sistema nacional possibilitam o registro irregular de médicos com superjornada de trabalho e o desvio de verba destinada ao Programa Saúde da Família”. Vige!!!!

Constatação XXIII (Aparentemente inverossímil, paradoxal).
Parecia um amor indissolúvel
Entre aqueles dois pombinhos
Mas um dia se tornou volúvel
Por exageros dos pseudos carinhos.

Constatação XXIV
Não se pode confundir suspeitar com respeitar, muito embora os que se acham acima do bem e do mal, nos 3 Poderes da República, considerem uma falta de respeito que se suspeite dos seus – deles – atos. Vige!

Constatação XXV
E, vejam, se pode confundir atribulações com tribulações porque significam a mesma coisa. Tão aí os dicionários que não deixam Rumorejando mentir. (Rico escamoteia a verdade; pobre, mente).

DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I (Meio repetitiva).
Só porque o marido ronca
A esposa bronca
Deu-lhe uma bronca ?

Dúvida II
Nesse último carnaval,
Nunca se viu tanto silicone,
Colocados nos etc. e tal ?

Dúvida III
Na Marques de Sapucaí,
Quem desfila,
Não tá nem aí ?

Dúvida IV
Será que o binômio
Futebol e carnaval
Consta no Deuterenômio ?

Dúvida V
Tomar uma ou outra pinga,
Antes do desfile carnavalesco,
Ajuda a melhorar a ginga ?

Dúvida VI
O curitibano, meio desajeitado,
Não pula carnaval porque
Tem o freio de mão puxado ?

Dúvida VII
Ao vir pra cá, a mãe de certo presidente
Da maior potência industrial do Planeta
Mostrou, como o seu filho, ser valente ?

Dúvida VIII
Se no inferno tem carnaval
De que será que o diabo se fantasia
Naquele calor infernal ?

Dúvida IX
O trio elétrico,
Qual meu time, o Paraná,
Deixa o povo frenético ?

Dúvida X
O carnaval, no tempo do corso,
Era ver o desfile dos ricos, que estão
Sempre bem * sem muito esforço ?
* Aviso importante: Quem quiser colocar uma vírgula entre “bem” e “sem” poderá fazê-lo, mas terá que levar em conta que o sentido da frase poderá dar a entender que os pobres, que estavam assistindo ao desfile, não ficaram com dor de pescoço, por exemplo. Obrigado pela atenção.

Dúvida XI
Aquele belisco
Foi apenas
Um petisco?

Dúvida XII
É em Curitiba
Que se joga truco
Como se fosse biriba?

Dúvida XIII
De tanto espremer a laranja
E se ela fosse uma galinha
Ela teria virado uma canja?

Dúvida XIV
Foi a centopéia,
Que ia dançar O lago dos Cisnes,
Que ficou nervosa na estréia?

Dúvida XV
Um pacto mutuo de amor a gente sela
Quando se pode dar na gata um apalpo
Um amasso, uma lustradela?

Dúvida XVI
Foi um ato romântico, poético ou lírico
O que fez o lobisomem com a namorada
Ou foi um ato extremamente vampírico?

Dúvida XVII
Ele levou um baita reproche
Porque o presente foi um livro
E ela queria um broche?

FÁBULA CONFABULADA (INDIGNA DO GURU MILLÔR).
Com suposto dissimulo ela – claro, uma chinesa, já que o fato se passou numa província chinesa, banhada pelo rio Amarelo –, manobrou o carro quando adentraram ao motel. Ele – claro, um chinês – se apressou em fechar a porta da garagem para que ninguém os visse. Ficou a placa aparecendo porque a porta não tapava tudo. Aí ele colocou um papelão e escondeu a placa. Olhou para fora porque escutou um ronco conhecido. Era do carro de sua mulher. Claro, também uma chinesa. Espiou sem ser visto. Ela vinha com o marido da companheira. Evidentemente chinês. “Filhos da p, digo, da mãe!”, disse, respeitosamente, para a companheira. “Minha mulher e teu marido estão chegando. Nunca imaginei que ela me pusesse cornos”. “Não faz mal. Não tem importância. Tanto ele quanto você sempre foram adeptos do swing que leram numa revista do decadente Ocidente. Não do Brasil porque este país, juntamente conosco, com a Índia e a Rússia faz parte do BRIC, conforme a gente escuta por aí. Mas isso, agora, não vem para o caso. Nós duas é que nunca topamos. Pelo menos, foi o que sempre a tua mulher me falou”. Agora, pelo jeito, nós duas mudamos de idéia, ainda que não abrindo o jogo para vocês, os assim chamados respectivos. Tomara que eles reciprocamente se desfrutem, neste conúbio*, como eu espero que nós vamos nos desfrutar no nosso assim chamado conluio**”.
Moral I: Às vezes, há que se dançar conforme a música seja swing, foxtrote, rumba, salsa ou qualquer outro ritmo.
Moral II: A troca de casais, não necessariamente consentida, às vezes, pode parecer imoral ou que dê a pecha a todos os participantes de corníferos***.
*Conúbio =  substantivo masculino
1. casamento, matrimônio
2. Derivação: sentido figurado.
relação íntima; ligação, união (Houaiss).
**Conluio =  substantivo masculino
1. cumplicidade para prejudicar terceiro(s); colusão, trama
Ex.: a derrota da oposição deveu-se a um conluio das forças de direita
2. Derivação: sentido figurado.
combinação, ajuste maléfico
Ex.: o conluio da treva com a tempestade oceânica
3. acordo, aliança, coligação.
***Cornífero =que têm cornos, ou que apresenta excrescências em forma de corno; cornígero, cornudo (Houaiss).
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: