quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “TJ-SP decide manter pagamentos milionários para desembargadores”. Data vênia, como também os desembargadores costumam dizer, mas alguém tinha alguma dúvida? Vige!

Constatação II
Rico é solene; pobre, é baderneiro.

Constatação III (Ah, esse nosso vernáculo).
Foi a faniqueira* Fani que teve um faniquito?
*Faniqueira =  adjetivo
que vive em busca de fanicos*** ou pequenos ganhos (Houaiss).
**Faniquito =  substantivo masculino
Uso: informal.
pequeno fanico; chilique, fricote (Houaiss).
***Fanicos =  substantivo masculino
1 pequena porção, migalha
2 pequeno ganho ou lucro
3 destino incerto, vida que se leva ao acaso (Houaiss).

Constatação IV
A mulher quando lia um texto e não entendia; o marido lia um texto e também não entendia. Pelo menos neste contexto eles se entendiam. Nos demais também não. Coitados!

Constatação V
Deu um branco na hora de falar da afro-descendente Valdirene?

Constatação VI
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Oito meses depois de ser preso, o desembargador Hélcio Valentim de Andrade Filho, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por vender habeas corpus para traficantes”. Vige! Socorro!

Constatação VII
Depois das festas de Natal e Ano Novo, aí dizem que o Brasil só começa a funcionar depois do carnaval. Data vênia, como diriam os nossos juristas, mas Rumorejando acha, pelo que mostraram os novos governos estaduais e o federal, em 2011, quando tomaram posse, seja antes ou depois do carnaval daquele ano, até agora ainda não disseram para que vieram. Tenho dito. Vige!

Constatação VIII (Desespero).
Sempre a tratei com blandície,
Meu amor era profundo, nada de superfície
Extenso como um campo plano, como uma planície.
No entanto, fui correspondido com estultície
De um modo que descambou para a imundície.
Arranquei meus cabelos. Fiquei com uma baita calvície.

Constatação IX (De diálogos recorrentes).
-“Você sempre está com as mesmas roupas. Você nunca renova teu guarda-roupa?
-”Tendo em vista que a moda vai e volta e como eu ando sempre dessa mesma maneira, que você parece estar criticando, tenho a chance de algumas vezes estar na moda”.
-“Ah bom, quer dizer ah ruim, quer dizer...”

Constatação X
E como ponderava, em tom solene, o convencido obcecado idoso: “Ereção é uma missão altruísta, cívica, patriótica não só pelo desiderato alcançado, seja naturalmente e/ou com o auxílio do uso dos produtos químicos, mesmo correndo os riscos dos efeitos colaterais, com risco da própria morte (o que não impede que ela, a morte, seja gloriosa...), como também pelos benefícios proporcionados e em alguns casos até caritativos e benfeitores.

Constatação XI
A impunidade está tão arraigada em certos países que quem tira a vida de outrem ou por método direto através do assassinato (de quem reage a um assalto, nem falar) ou por método, digamos, indireto através do desvio de recursos públicos que quem as pratica, provavelmente, está se considerando um deus que tudo pode. Vige!

Constatação XII (E já que falamos em impunidade...)
O deputado e o prefeito prepararam uma chicana*
E se encheram de dinheiro público desonestamente
Os dois viviam em excelentes hotéis e restaurantes,
Além de cassinos onde deixavam grande parte da grana.
Aos eleitores que haviam votado neles uma baita banana
Coisa que não foram os primeiros nem os últimos tão somente
Afinal, já havia outras pessoas gradas que fizeram tudo isso antes.
*Chicana = “Derivação: por extensão de sentido.
Manobra capciosa; trapaça, tramóia (Houaiss).

Constatação XIII
Ele sentiu
No coração
Um vazio
Quando teve a explanação
De que a ex-namorada
Tinha feito com um trio
Uma ménage a trois num catre.
Aí sobreveio uma depressão,
Profunda, intensa, danada
E, transfigurado,
Ele corrigiu:
“Então foi uma ménage a quatre”.
Coitado!

Constatação XIV (De conselhos úteis).
Se você pretende ter um dinheirinho em casa, uma importância reles de, por exemplo,
R$1.340 milhões, ou em torno disso, procure fazê-lo em notas de R$100,00, já que o volume será bem menor, consequentemente, mais fácil de contar, guardar, carregar, não impressionar, não chamar tanto a atenção, etc. De nada!

Constatação XV
Deu no Estadão: “Um estudo da Universidade Rovira i Virgili de Tarragona (URV) e publicado pela revista "Nature Chemical Biology" encontrou uma molécula-chave para detectar e tratar a dor crônica, como informou o centro acadêmico do nordeste da Espanha”. A notícia não fala nada com relação à dor de cotovelo, tampouco sobre as músicas de autoria de Lupicínio Rodrigues. Pena...

Constatação XVI
Não se pode confundir aprazada com atrasada, até porque se você marca uma determinada hora com uma gata, ela não vai jamais te perdoar se você não chegar na hora aprazada, mormente se ela for do tipo que nunca chega atrasada para os seus – dela – encontros, acrescido do fato se ela for neurótica com relação à hora.

Constatação XVII
Dante Mendonça, segundo o site do jornal O Estado do Paraná é “cronista e cartunista, membro da Academia Paranaense de Letras, na selva da cidade é um caçador de histórias. Diariamente relata e comenta a notícia e o que não é notícia, o que faz e o que diz com espírito a nossa gente”. Toda a semana, Dante publica uma entrevista cujo título é: Porque hoje é sábado. Solicitado por este trentino (De Nova Trento – Santa Catarina), naturalizado curitibano de muitos anos, Rumorejando respondeu a entrevista com perguntas já consagradas. Segue abaixo a entrevista que também foi publicada no jornal Tribuna do Paraná no dia 11 de fevereiro próximo passado:

Porque hoje é sábado
Outra profissão, o que seria: Jamais banqueiro.
Dando a semana por finda, um fim de semana como deve ser: Tentar redigir a coluna Rumorejando.
Serra abaixo ou serra acima: Serra abaixo pela Estrada da Graciosa com parada na Vista Lacerda.
A mais bonita paisagem do Paraná: Um pôr de sol em Guarapuava.
A mais bonita paisagem de Curitiba: A cidade iluminada na época de Natal.
Uma rua da cidade: Qualquer uma onde as copas das árvores da calçada se juntam.
Um sábado de chuva: Fazer companhia aos meus cachorros.
Um domingo de sol: Também.
O que não dispensa no inverno: Um chimarrão, lençol elétrico e um bom agasalho.
O que não dispensa em qualquer estação do ano: Idem, idem.
Um lugar para iniciar o fim de semana: A Feira de produtos orgânicos, sábado de manhã no Passeio Público.
O que estraga o fim de semana: Constatar que durante a semana o noticiário só comentou crime e corrupção.
O acepipe de boteco: Não se faz necessário. Nunca me falta apetite.
O jantar no sábado: O que sobrou do almoço.
O almoço de domingo: Um empadão com verduras e legumes feito em casa.
O restaurante de estimação: Vários, desde que sejam vegetarianos ou de massas.
A receita de estimação: Pizza com apenas mozarela e orégano.
Nenhum, pouco ou bastante alho: Nenhum, dependendo da companhia.
Uma sobremesa: Torta de requeijão.
Um copo para o espírito: Vinho no inverno, também por questões terapêuticas.
Metade cheio, metade vazio: Se for a alma, sempre cheio.
O que é muito bom fazer sozinho: Origami.
Uma música para ouvir hoje: "Concerto para Violino em Mi menor", de Felix Mendelssohn.
Um livro na estante: "O coronel e o lobisomem", de José Cândido de Carvalho.
Um livro na cabeceira: "Poesía com os jovens", do uruguaio Mario Benedetti.
Um filme de ontem: "O piano", da neozelandesa Jane Champion.
Um filme de hoje: (e de sempre) "E La Nave va", de Federico Fellini.
Um personagem curitibano de ontem: Roberto Muggiati.
Um personagem de hoje: O co-roteirista do Sylvio Back, Oscar Milton Volpini.
Um retrato na parede: Os das minhas filhas e netos (Como toda a classe média, naturalmente alguns vivendo no exterior).
Saudades de um sábado qualquer: O bom astral que sentia quando entrava na redação do jornal "O Estado do Paraná" para constatar se a minha colaboração e a da minha mulher iriam sair no dia seguinte, domingo.
Uma viagem: Voltar a percorrer as belezas do Paraná.
Noite de domingo, o que lhe parece: Traumática desde a infância, porque eu não gostava de enfrentar um professor de idish.
Há a perspectiva de segunda-feira, o que lhe assusta embaixo da cama: perder o chinelo.
Um passarinho (sonho) na mão: Ver a vil especulação financeira ser taxada e o produto dessa taxação sendo aplicado para acabar com a fome no mundo.
Outro voando: As reuniões dos G7, G20 da vida não levando a nada. Apenas, um desfile de empulhações.

DÚVIDAS CRUCIAIS.

Dúvida I
Ele teve um “insight”,
Quando foi chamado de
Picolé de chuchu “light” ?

Dúvida II
Não pagar um blefe,
No jogo de truco,
Dói como um tabefe ?

Dúvida III
Já se tornou banal,
O nosso empobrecimento
Não tão lento, nem tão gradual ?

Dúvida IV
O imposto disfarçado, CPMF,
Que querem retornar.
Você ainda o acha mequetrefe ?

Dúvida V
O político, o falcatrueiro
A gente deveria reconhecer
Até pelo cheiro ?

Dúvida VI
O obcecado só enxergava
As partes pudendas do nu
Artístico que o lençol tapava ?

Dúvida VII
Será que existe
Um réquiem
Que não seja triste ?

Dúvida VIII
A quem se ama,
É mais fácil tirar da,
Ou levar para a cama ?

Dúvida IX (Perdão, leitores).
Não importa
Se é em dólar ou euro
A herança da tia morta ?

Dúvida X
A Alca será prejudicada
Com essa taxação do aço
Que equivale a uma bofetada ?

Dúvida XI
Segundo o agrimensor,
Está em desalinho
A linha do Equador ?

Dúvida XII
Foi a falta de testosterona,
Dele, que deixou ela
Totalmente chorona ?

Dúvida XIII
Ao invés de um cafuné,
Foi no fim da espinha que ele
Levou, dela, um pontapé ?

Dúvida XIV
Tão grande foi o rebuliço
Que o (a) candidato (a)
Tomou chá de sumiço ?

Dúvida XV
Afinal, dar, na sogra, um malho*
É um ato normal
Ou um ato falho ?
*Não foi possível averiguar se o malho foi para o bem ou para o mal, pois quando se trata de sogra não se tem certeza o que é bem ou mal. Se algum prezado leitor souber a resposta, para tal trincada questão, por favor, etc. Obrigado.

Dúvida XVI (Cruz credo!)
A subchefia,
À semelhança dos deputados suplentes,
Se pergunta por que o avião dos titulares nunca caía?
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
www.rimasprimas.com.br

Um comentário:

Bassy disse...

Juca san,
Muito criativo! Gostei do faniquito. Como voce consegue acordar tão cedo?muita criatividade!!!!!!! bjs Bassy