quarta-feira, 20 de junho de 2012

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.


Constatação I

Deu recentemente na mídia: “A dívida líquida do setor público atingiu, em maio, o ponto mais alto de toda a sua história. A dívida bateu em R$ 708,454 bilhões, o equivalente a 56% do Produto Interno Bruto (PIB). E não vai ficar por aí. Segundo o chefe do departamento Econômico do Banco Central (Depec), Altamir Lopes, a relação dívida/PIB poderá, em junho, ultrapassar a 58% do PIB devido, principalmente, à desvalorização cambial, que até ontem já acumulava 13% no mês. De abril para maio, também por causa da depreciação do real frente ao dólar, a dívida cresceu R$23,8 bilhões. Lopes disse que o efeito-câmbio provocou a elevação em R$ 20,6 bilhões”. O Sr. Lopes esqueceu, apenas, de acrescentar ao seu nefasto informe: viva “nóis”.

Constatação II

A patroa,

Até manca

De tão boa,

Soltando

Um fogaréu

Até pelo nasal

Ficava sozinha,

No lar,

Na cozinha

Bordando,

Costurando,

Alinhavando

Enquanto

Ele, metendo panca,

De ser o maioral,

Para o espanto

Geral

– Que maluco ! –

Ia jogar

Truco

Até de madrugada,

Até a alvorada,

Até o sol raiar.

Coitada !

Mas, um dia

Veio a bonança:

Havia

Um cidadão

Na vizinhança

Que ao constatar

Aquele desperdício,

Toda aquela

Capacidade ociosa,

Ficou com pena dela

E resolveu dar um jeito

Naquela situação

Calamitosa.

E o frontispício

Do ‘campeão’,

Que vivia

Batendo no peito

Dos contendores,

Ao trucar,

E que ele chamava

De eternos perdedores,

Ficou chifrado.

Coitado!

Constatação III

Este assim chamado escriba, em tempos idos, trabalhou numa fábrica e loja de móveis e estofados, que ficava na rua Barão do Rio Branco, em frente a emissora PRB-2, quase em frente ao Banco Noroeste do Estado de São Paulo, hoje Santander. Freqüentemente, aparecia um “freguês” para dar umas “mordidas” no proprietário que nunca deixava de comparecer com algum trocado. Um dia o “freguês” apareceu com um cheque de 20 mil réis ou alguma outra moeda como cruzeiro, cruzeiro novo, ou cruzado, ou seja, lá o que for, pedindo para o proprietário trocar para ele. O proprietário, velho conhecedor da humanidade, respondeu ao “freguês: -“Olhe, eu não teria nenhum problema em trocar esse cheque para você, mas acontece que eu fiz um trato com o Banco Noroeste: eu não troco cheques e eles não vendem móveis”. Esse “causo” é somente narrado para ilustrar o pedido do presidente da República de então para que o Romário fosse convocado ao que o Felipão poderia contestar: Olhe, presidente, V. Excia. não opina sobre a convocação da seleção brasileira e eu não digo como deve ser gerida a nação brasileira.

Constatação IV

Deu na mídia: “A onda ecológica que varreu o Brasil em junho de 1992, com a megaconferência Rio 92, espalhou a idéia de que a Amazônia, maior patrimônio ambiental brasileiro, estava diante da última chance de salvação. Dez anos depois, o olhar arguto dos satélites jogou por terra este sonho de preservação. Desde o encerramento da conferência, a floresta amazônica (dona de 20% da água doce do planeta e de milhões de espécies) não deixou de estar um só dia sob ataque das motosserras. Em uma década, foram 150 mil quilômetros quadrados de mata derrubada. E por quase nada. A terra, de baixa produtividade, pouco ajudou a reduzir o ciclo de miséria e abandono da região”. A mídia esqueceu, mais uma vez, naquela época e, agora na Rio+20, de acrescentar: Viva “nóis”.

Constatação V

No meu tempo (expressão que indica uma idade de quem já passou dos 18 anos há muitas luas), se falava na figura do gigolô: Havia gigolô de vaca, de árvore, de mulher e por aí afora. Agora, com a atual seleção do Mano Menezes, não vai se intensificar a figura do gigolô do jogador de futebol que, também de há muito anda proliferando por aí. E o jogador de futebol, principalmente aquele de origem humilde, por essa condição, é mais levado no papo desses altos “investidores”, que se intitulam como empresários. Claro, da exploração humana.

Constatação VI

As mulheres vivem reclamando que os homens só pensam em sexo. Se alguém souber de algo melhor, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação VII

Não se pode confundir trabalha com tralha, muito embora quem trabalha, ganhando um salário mínimo só consegue juntar tralha. E olhe lá...

Constatação VIII (Via pseudo-haicai).

Assim como eu, o meu almanaque

Do Biotônico Fontoura, já faz

Parte dum museu, dum bricabraque.

Constatação IX

Deu na mídia: “Estudo da Secretaria do Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da cidade de São Paulo mediu o impacto de nove programas sociais em 13 distritos. Os homicídios caíram em 7 das 20 regiões mais violentas beneficiadas pelos projetos. Nos distritos não atendidos, as mortes cresceram 1,5%”. Dúvida crucial: Por que não se destina verbas para programas desse tipo em todo o país ? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação X (Aurelião).

Rico é manirroto (“Que é grande gastador, esbanjador, perdulário”); pobre, é oneômano (“Que tem desejo mórbido, impulsivo de fazer compras, de adquirir coisas”)

Constatação XI (Dum infortúnio).

Foi com uma letra ruim,

Com muito garrancho,

Talvez escrita na coxa

Ou pela sua forte emoção,

Que ela se despediu de mim,

Me deixando pendurado no gancho

Com uma baita duma congoxa *

Com um esfacelado coração.

* Congoxa = “Angústia, aflição”.

Constatação XII (De uma “poesia” com rima em ‘ela’, do livro Rimas Primas & Outras Constatações).

Depois que a Maristela,

Que de finados maridos já teve uma clientela,

Flagrou o atual, o Portela,

Dançando uma tarantela

Com aquela donzela,

A Emanuela,

Diga-se de passagem, muito bela,

Armou a maior procela

Coisa muito dela...

Afinal, que fez ela ?

Vejam só que esparrela:

Cortou um salame em rodela

Que de tão velha era só salmonela

E ainda juntou uma pimenta amarela,

Daquela...

Aí, serviu tudo, bem enfeitado, numa tigela.

O coitado, desarmado, sem sentinela,

Comeu tudo. Ficou escarlate, sem ser o Pimpinela.

Cambaleou como, num mar revolto, uma caravela.

E eis que no chão se estatela.

Agora, tá lá estirado, na condição, naquela

Que se costuma acender uma vela...

Que mazela!

Constatação XIII

Deu na mídia: “A analista de risco soberano para Brasil da Standard & Poor´s, Helena Hessel, disse que a principal preocupação da S&P em caso de vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais é com a questão da governabilidade. ‘O PT nunca esteve no poder. E levará tempo para aprender os diferentes papéis exigidos para quem está no poder’, afirmou Hessel. ‘Neste sentido, Lula nunca teve experiência presidencial e governar poderá ser muito difícil’, acrescentou”. Dona Helena, coitada, perdeu, na ocasião, a oportunidade de não dar uma de pitonisa.

Constatação XIV

Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Número de furtos nos aeroportos cresceu 35% neste ano; quadrilhas são formadas por estrangeiros, que preferem agir no Brasil, onde as leis são mais brandas”. Quadrilhas estrangeiras nos aeroportos? E em outros lugares, as quadrilhas de governantes, não?

Constatação XV (Quadrinha para a minha filha Miriam, que vive nos Estados Unidos e para demais pessoas que têm familiares no exterior).

Rever a “familiagem”,

Mais tarde ou agora

Compensa a longa viagem

Do alto índice bunda/cadeira/hora.

Constatação XVI (De um pseudo-soneto em homenagem a todas as gerentes de bancos que vou designar por Ana e que são bancárias).


              Aplicação financeira

A minha gerente de determinado banco, a Ana,

Todo dia, todo ano, todo mês, toda semana,

Me pede para eu aplicar algum tutu, uma grana,

Achando que eu sou rico, bem abonado, bacana.


Eu faria isso se tivesse suficiente numerário

E não fosse um pobretão, um mísero proletário,

Mas ela enfatiza que é primordial e necessário

Manter um caixa elevado e não o contrário.


Nas minhas aplicações, eu nunca pedi reciprocidade

Que para mim é uma trágica, terrível calamidade,

Pois sempre vivo num bagaço desesperançado.


Sou um ‘classe baixa’, pagando alto imposto à nação,

Que não aplica em Infra-estrutura, Saúde e Educação,

Daí, não posso atender a Ana no seu amável chamado...



Constatação XVII (Coisas que precisam ser inventadas, com urgência).

-Deputados e senadores que não legislem, de uma vez por todas, em causa própria.

-Pessoas desconhecidas que não liguem, a cobrar ou não, na madrugada.

-Políticos que cumpram com a palavra empenhada durante a sua – deles – propaganda

política.

-Países ricos que não façam reuniões para deliberarem inocuidades, na base do “deixa tudo como está para ver como é que fica”, ou, em outras palavras, “os países pobres, com suas respectivas populações carentes, que se lixem”.

-Países que não invadam outros países, não os colonizem, porque sim e tá acabado, sob quaisquer pretextos.

-O sistema capitalista, com o seu deus mercado deixe de descambar para a selvageria, para a lei do mais forte.

-A Belíndia (Os ricos que podem viver como na Bélgica + a pobreza, caracterizada pela grande maioria da população da Índia), epíteto criado pelo economista Edmar Bacha, deixe de existir, ao se referir ao Brasil, a fim de resgatar milhões de brasileiros que estão excluídos da dignidade humana, para incluí-los num processo de cidadania, através de uma correção, da distorção da riqueza, e que não seja substituída por outra do tipo Noríti (Noruega+Haíti).

DÚVIDAS CRUCIAIS, VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I

Ela ficou pálida, gridelim*

Ao sentiu a barra

Que ficaria sem mim ?

*Gridelim = “De cor semelhante à flor do linho”.

Dúvida II

Fez muitas cavilações*

A gatona quando falava

Do desempenho dos machões ?

*Cavilação = “Ironia maliciosa”.

Dúvida III

Será que é num rio, cascata ou fonte

Que o multicolorido arco-íris começa

Pra terminar, ali, junto ao horizonte ?

Dúvida IV

Enquanto jogava truco

Ele “encarcava”

Um botruco* ?

*Botruco = “Bras., SC. Cachaça misturada com outra qualquer bebida” (Aurelião).

Dúvida V

Do planeta, na maior potência

Também se aderiu a Balanços frios

Que são uma excrescência ?

Dúvida VI

Os executivos americanos

Estão dando lições de mau

Caráter com tais (des)enganos ?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br

www.rimasprimas.com.br

3 comentários:

Anônimo disse...

Grande Juca como vai a Vida?

Depois que li seu comentário sobre a patroa e o jogador de truco, resolvi dar um tempo nas cartas!!!! hehehe

Grande abraço, do seu amigo fiel, João Paulo

OBS: e da-lhe Coxa hj!

Juca disse...

E o meu Paraná, não?

Anônimo disse...

O seu Paraná massacrou o Nacional, porem só fez 2 gols...

mas está valendo 3 pontos do mesmo jeito!!!

Abração Joao paulo