quarta-feira, 27 de junho de 2012

RUMOREJANDO


PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.


Constatação I (De um pseudo-soneto, cujo autor, um obcecado, pediu para ficar no anonimato).

                Decepção

Eu não fui suficientemente persuasivo

Para convencê-la para vir a um motel

E, por isso, e assim fiquei a ela cativo

Sem ter ela na minha lista como novo laurel.


Ela ponderou que tava com dor de cabeça

Que provocava também uma enxaqueca.

“Embora você me lisonjeia, me mereça

Se eu for, só estaria servindo de ama-seca”.


Sem saída, eu fiquei num dilema, num beco

E, como consolo, fui tomar um bordeaux seco

E creio que exagerei na quantidade, na dose


Assim, perdi a chance de melhorar meu currículo

E acabei me achando um jeca, um bocó, um ridículo

E por perder a oportunidade duma merecida apoteose.


Constatação II (De outro pseudo-soneto com rima em “elho”).


      Literatura ou Literatelho?*


Ela me deu uma sugestão, um conselho

Para eu nunca me olhar em um espelho,

Uma vez que eu tenho cara de escaravelho,

E quando nasci devo ter tido cara de joelho.


E mais: que o meu rosto não era parelho

E parecia ter espinhas como num rapazelho

E pior: mentalidade digna de um fedelho

Além de me acusar de chato, de pentelho.


Inicialmente, fiquei meio no destrambelho

Aí eu pensei: “Aqui deve ter dente de coelho

Esse mulherão está me achando um guedelho”**.


Ou ela se expôs em demasia num infravermelho,

Ou está metendo, onde não deve, o nariz, o bedelho

E, assim, ta me dando uma surra pior do que de relho.


*Literatelho =  adjetivo e substantivo masculino

Uso: pejorativo.

diz-se de ou indivíduo que, sem talento literário, tem pretensões de fazer literatura; literato medíocre; literatóide (Houaiss).

**Guedelho = Diabo (Houaiss).

Constatação III (Meio repetitiva).

Aquele padeiro foi considerado egoísta, já que não quis dar a sua receita maravilhosa de pão. Afinal, aquela receita era seu ganha-pão.

Constatação IV (De razões e proporções).

E como lucubrava o obcecado matemático: A Torre Eiffel está para Paris, assim como a Estatua da Liberdade está para Nova Iorque e assim como o Cristo Redentor está para o Rio de Janeiro. E como eu estou para elas...”

Constatação V

Era um cara com desagradável, tão desagradável, mas tão desagradável que em toda a sua vida a única pessoa que o elogiou foi ele a si mesmo. Coitado! Coitado?

Constatação VI (Teoria da Relatividade para principiantes).

Certa vez perguntaram a uma menina o que ela via de diferente nos ocidentais e ela respondeu, incontinente, que eram os olhos. Vejam como soa “diferente” para nós brasileiros essa notícia dada durante o Campeonato Mundial de Futebol, realizado na Coréia e no Japão: “A possível baixa de Kim Nam-il poderá ser coberta por Lee Young-Pyo ou Park Ji-sung, ou ainda o meio-de-campo Yoo Sang-chul. E se Kim Tae-young não for liberado, seu mais provável substituto será Lee Min-sung”.

Constatação VII (Pseudo-soneto).


            Sem bazófia


Ela com o seu ar pachorrento

De boi no pasto ou de cão Labrador

Revelou-se um experto, um portento

Em me dar bronca com ‘primor’.


Eu vou lhes contar o que sucedeu

E estou certo que me darão razão

No truco eu atingi o meu apogeu

E me outorgaram o título de campeão.


Claro que não faltaram desafiantes,

Querendo me desbancar a todo custo

E ao redor de mim havia circunstantes.


Os que quiseram me desclassificar

Tomaram, no fim, um baita de um susto

Sugeri a todos para irem aprender a jogar...


Constatação VIII

Chamou a amada

De “idolatrada”.

E ela achando,

Pensando,

Desconfiando

Que ele ainda

Comemorava,

Com alegria

Infinda,

Algum campeonato,

Cantando,

Solfejando, *

Cantarolando, *

“La-la-ri-lando”,*

Sem espalhafato,

O hino nacional

“Salve, salve”, aduziu.

O pai,

Muito atento,

Pensando

Em rebento,

Sem casamento,

Que

Tal

Ouviu

E não

Sabia,

Que era

Só um coro,

Achando

Que ela precisava

De socorro,

De ser liberta

Da mão

Daquele tarado,

Fez sua aparição,

Na hora certa,

Sai,

Qual uma fera,

Esbravejando,

Gritando,

Bradando:

“Vai

Pra pê que pê”.

Coitado!

*São muito poucos os que sabem cantar o hino nacional brasileiro por inteiro. A maioria, inclusive, ou melhor, principalmente os políticos, só mexem com a boca...

Constatação IX (Ah, esse nosso vernáculo).

No meio daquele vento,

Vejam só que tormento,

Ele ficou sem alento,

Quando, de repente,

Vislumbrou a sua amante

Aos beijos com um seu parente.

Depois, ele pensou o seguinte:

“Ela me incomodou bastante

Que sejam felizes o suficiente

E não incomodem a gente

Aí, estarão marcando um tento

Que para mim será um portento.

E que na minha frente

Nunca mais pinte”.

Constatação X (De um pseudo-soneto meio azedo).


        Falação em excesso.


Assistir aos jogos da Eurocopa

A gente concorda, a gente topa.

Se escutar os comentários do Neto

A gente acaba sendo seu desafeto.


Pelo o que ele fica dizendo, criticando e comenta

A gente conclui que ele deveria ser treinador

Ta certo o cara é chamado de craque, mas é um dissabor

Ouvi-lo. E com jogos às vezes fracos aí a gente não agüenta.


Aos píncaros o cara foi conduzido, foi alçado

E acha que deve comentar todas as jogadas

Porém nem sempre ser necessário, ser chamado.


Comentarista tem que ser nos adjetivos parcimonioso

Caso contrário sai uma profusão de papagaiadas

E assim não deixar o pobre do telespectador nervoso.


Constatação XI

Não se pode confundir espanto com esperanto, muito embora a gatona tenha feito um ar de espanto quando o admirador – para não haver dúvidas, cruciais ou não – lhe fez uma baita declaração de amor, de suas sérias e sinceras intenções, em meia dúzia de idiomas, inclusive em sânscrito, quimbundo e esperanto.

Constatação XII

Naquele fatídico ano

Ele levou um fora,

Um pontapé

Onde as costas

Mudam de nome

E até

Teve que sumir,

Que ir

Embora.

– “Te some,

Da nossa frente,

Seu indecente” –

Quando as namoradas,

A quem ele chamava

De minhas patativas

Coitadas,

Indispostas,

Conta se deram

Que não eram

Exclusivas,

E o “bacano”,

O decano

Em conquistas

Igual

A tantos “artistas”,

Até perdeu o rumo,

Perdeu o prumo

E teve que consultar

Um luminar,

Um clínico geral

E um portulano*

*Portulano = “Espécie de roteiro em que os navegadores da Antigüidade descreviam os pormenores das costas marítimas que descobriam ou freqüentavam” (Houais).

Constatação XIII

Rico resfolega; pobre, bufa.

Constatação XIV (De uma dúvida crucial, cuja resposta poderá subsidiar o nosso colunismo social).

Os Srs. Collor de Melo, Antônio Carlos Magalhães, Jader Barbalho, dentre outros, ostentaram, à época, o charme da nova geração emergente ou da velha geração imergente? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação XV

Rico faz aniversário; pobre, faz anos.

Constatação XVI (Foro filho da pu...ce, digo privilegiado).

Deu na mídia: “A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou o foro privilegiado para autoridades no exercício de função ou mandato e também para ex-ocupantes de cargos públicos - presidente, ministros, governadores, senadores, deputados, prefeitos e magistrados. O benefício especial, iniciativa de parlamentares do PSDB e apoiado por quase todos os demais partidos, alcança investigados por crimes comuns e de responsabilidade e é extensivo aos atos de improbidade administrativa, prevalecendo até mesmo se o inquérito ou a ação judicial tiver início após o término do exercício da função”. Como o prezado leitor pode inferir todos são iguais perante a lei. Só que alguns são mais iguais que outros. Viva “nóis”, gente boa.

Constatação XVII (Continuação da constatação anterior).

Deu na mídia: “Uma guarda municipal do Rio de Janeiro recebeu voz de prisão do desembargador Eduardo Mair, por se recusar a retirar oito multas por estacionamento proibido.

Com sete anos de experiência no trânsito, Rosimary de Oliveira Dionísio foi detida depois de multar oito carros e advertir o motorista do desembargador, que parou o carro em frente a uma placa de estacionamento proibido”. Como o prezado leitor pode inferir, novamente, todos são iguais perante a lei. Só que alguns, como já foi dito, são mais iguais que outros, inclusive no uso indefectível, imperecível, imperecedouro, indestrutível do “você sabe com quem está falando ?” (usamos o pronome você porque, no presente caso, temos a dúvida, crucial, se foi utilizado “a senhora”) e na prepotência, opressão, despotismo (no caso, não muito esclarecido). Viva “nóis”, novamente, gente boa.

Constatação XVIII

Rico come mocotó; pobre, tutano.

Constatação XIX

Deu, certa vez, na mídia: “Os 68 juízes aposentados baianos, que recebem mensalmente um benefício de cerca de R$ 10 mil, acham que é uma fase muito estafante e resolveram reivindicar o pagamento de férias”. Ver as constatações que tratam que todos são iguais perante a lei e procurar não ficar envergonhado pelo fato que o valor do salário mínimo todo ano, quando da sua alteração ser considerado suficiente para o sustento de uma família. Viva “nóis”, gente boa.

DÚVIDAS CRUCIAIS, VIA PSEUDO-HAICAIS. (Exceto a primeira).

Dúvida I

Deu na mídia: “EUA: Desde 2002, diferença salarial entre ricos e pobres aumenta 42%”. Vige! Alguma dúvida entre tantos incautos?

Dúvida II

Por conta dos vencedores

Futebolistas, faturar politicamente,

Provoca em nós estertores?

Dúvida III

Se alguém pratica um ato falho

Tirar, depois, a má impressão

Deixada, dá muito trabalho?

Dúvida IV

O assim chamado “risco Brasil”

É proporcional às pretensões dos

Políticos escorchantes do covil*?

*Covil = “Fig. Abrigo de salteadores, de ladrões”.

Dúvida V

O governante, com pouco tirocínio,

Se deu conta, após muitos anos,

Que deixara seu país um lenocínio ?

Dúvida VI

Os afetados salamaleques*

Do subordinado eram tais que até

Sacudiam os seus quimbembeques** ?

*Salamaleque = “Cortesia, mesura ou cumprimento em que há exagero, afetação” (Aurélio).

**Quimbembeques = “Berloques, penduricalhos que as crianças usam ao pescoço” (Aurélio).

Dúvida VII (Creu ? Que soa meio esquisito isso lá temos que reconhecer).

Ficou até com íngua

Quem não creu no meu Paraná

Ao queimar a língua ?

Dúvida VIII

Até ou pricipalmente o Maradona,

O linguarudo, às vezes

Queima a “linguona” ?

Dúvida IX

E até o Pelé,

Considerado o craque do século,

Se queima por falta de fé ?

Dúvida X

Aguentar do candidato o palavrório.

Faz a gente, depois, se ele for eleito,

Se sentir um bode expiatório ?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br

www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: