terça-feira, 12 de junho de 2012

RUMOREJANDO



PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.


Constatação I (De uma dúvida crucial).

Se a gente cometesse uma gafe de propósito seria efetivamente uma gafe ?

Constatação II (De conselho úteis, via pseudo haicai. De nada).

Não regre

O que deixa

Teu inimigo alegre.

Constatação III

Rico é pragmático; pobre, vira-casaca.

Constatação IV

Rico perde a cachimônia; pobre, a cabeça.

Constatação V

Ela teve um ataque,

Um baque

Um peripaque,

Quando falaram

A chamaram,

Denominaram,

Mulher sem destaque

Pele de atabaque,

Mulher de araque,

E de deslumbrada,

Descentrada,

Destrambelhada,

Língua viperina,

Não entende patavina

Só porque falou

Que a Copa gorou

Quando o Brasil

Jogando de maneira vil

Fracassou.

Coitada!

Constatação VI (Ah, esse nosso vernáculo).

O jogador, cabeça de área

Chegou, acompanhado, ao braço do rio

Que estava reduzido a um olho d’água

E lá um pé-de-vento forte

Atestou-lhe como se fora um pé-de-ouvido,

Trazendo um odor que lembrava um dente de alho.

E o sol refletindo na boca do rio

Parecia uma língua de fogo.

Os dois tiveram um dedo de prosa,

Falando mal de um encanador, unha de fome, que cobrou caro

Na instalação de água, utilizando um joelho

E também um cotovelo no encanamento.

Durante a mão-de-obra pediu uma mão ao vizinho

Aquele que metia o nariz onde não era chamado

E que diziam que freqüentava uma boca de fumo.

Constatação VII

Conta o falecido jornalista N. B. Linder que o escritor Schólem Aleikhem, pseudônimo de Schólem Rabinóvich, não agüentava ver o costume dos americanos do norte de mastigar chewing gum (goma de mascar; chiclete). Certa vez, um médico famoso, numa reunião na casa de Schólem Aleikhem observou que os norte-americanos eram conhecidos no mundo científico como um povo de dispépticos crônicos, explicando que a origem do mal era devida a pressa, pois eles sempre estavam envolvidos em business (negócios), o que os impedia de mastigar devidamente a comida. –“Que povo esquisito”, comentou Schólem Aleikhem, mastigam continuamente, menos quando comem”.

Constatação VIII (De um pseudo-soneto).



                Desdita



Para mim foi um baita suplício

Quando ela me mandou embora

Me chamando de tolo, de estrupício*

E eu pensei: o que eu vou fazer agora?



Aí me passou pela cabeça, pela moleira

Que eu poderia em outra gata investir

Depois de, no desespero, quase fazer besteira

E com uma nova poderia também interagir.



Com o meu charme não tive algum problema

Era uma senhora gata, uma senhora mulher,

Mas difícil como na solução de certo teorema.



No meio do relacionamento sucedeu uma bulha**

Como se eu fosse uma má pessoa ou um tipo qualquer

Não é que ela também me chamou de estrupício, de pulha?***



*Estrupício =  substantivo feminino

1 gracejo caviloso, capcioso, dito com o intuito de colocar a outra pessoa em situação ridícula; peça, logro, partida

2 afirmação ou caso não verdadeiro; peta, mentira, lorota

3 dito obsceno, indecoroso

4 ato realizado por um indivíduo pulha (acp. 5); pulhice, canalhice, bandalhice

 adjetivo de dois gêneros e substantivo masculino

Uso: informal.

5 que ou aquele que é sem brio, sem caráter, sem distinção; cafajeste, calhorda, velhaco (Houaiss).

**Bulha =  substantivo feminino

1 ruído ou gritaria de uma ou mais pessoas

2 Derivação: por analogia.

efeito de sons baralhados; confusão sonora

3 Derivação: por extensão de sentido.

movimentação intensa e confusa; tumulto, desordem

4 Regionalismo: Portugal.

discussão acirrada; altercação, briga (Houaiss).

***Pulha =  substantivo feminino

1 gracejo caviloso, capcioso, dito com o intuito de colocar a outra pessoa em situação ridícula; peça, logro, partida

2 afirmação ou caso não verdadeiro; peta, mentira, lorota

3 dito obsceno, indecoroso

4 ato realizado por um indivíduo pulha (acp. 5); pulhice, canalhice, bandalhice

 adjetivo de dois gêneros e substantivo masculino

Uso: informal.

5 que ou aquele que é sem brio, sem caráter, sem distinção; cafajeste, calhorda, velhaco (Houaiss).

Constatação IX (De um pseudo-soneto somente com rima em ença ou ensa).



               Permuta



Ela demonstrou uma benquerença

Diante da minha humilde presença

Logo para mim que só ouvia ofensa

Sem nunca ter ouvido uma bença.



Com a anterior era só desavença

Pois ela vivia eternamente tensa

E eu me sentia como numa prensa

Havia entre nós grande diferença.



O problema dela devia ser de nascença

O que tornava difícil uma convalescença

Sem que ela tivesse alguma grave doença.



Daí, claro, proferi mentalmente uma sentença:

Antes que eu fique exaurido ou o stress me vença

Vou com essa agora para renovar a vencida licença...



Constatação X (De uma dúvida crucial)

Uma prevaricação, descoberta pela legítima, quer dizer que você ficou em bons e/ou maus lençóis ? (Da apresentação do livro Rimas Primas & Outras Constatações).

Constatação XI

Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Ivan Sartori, propôs perante o Órgão Especial da Corte, o afastamento imediato do presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Estado, desembargador Alceu Penteado Navarro - um dos magistrados que receberam quantias milionárias no TJ paulista entre 2008 e 2010. Vige!

Constatação XII

O prezado leitor já se deu conta de quantos ‘demostenes’ da vida existem que ficam apregoando probidade por este nosso país afora?

Constatação XIII

Não dá para acreditar que foi o meu time o Ferroviário de tantas glórias que involuiu para o atual estágio do, também meu, Paraná. Vige!



Constatação XIV (De um pseudo-soneto).



              Coitado!



A decadência veio vindo muito rápida e vexatória

Que o deixou meditabundo, cabisbaixo, agoniado

Logo ele que havia tido um passado assaz de glória

Em momentos, com as mulheres, compartilhado.



Na verdade, chegou até a fazer lenda, fez história

Por todas elas, ele, como amante, sempre foi lembrado

Fazendo-as felizes, alegres de maneira peremptória

E por todas elas foi, é e será eternamente lembrado.



O seu declínio chegou por causa da provecta idade

Que ele considerou uma tragédia, uma calamidade

Ainda que o seu médico explicasse que era natural.



Conformar-se com os desígnios da marcha do tempo

Não seria de bom augúrio, de agradável passatempo

O fato que a sua vida passou a ser insípida e anormal.



Constatação XV (De outro pseudo-soneto um pouco catártico).



                Eleições.



Em um palanque armado na praça principal

Um candidato prometia mundos e fundos,

Suscitando aos poucos ouvintes muito mal

E, cada vez mais, ceticismos profundos.



Lá pelas tantas um gaiato da galera se pôs a gritar:

“Para de prometer o que não vai poder cumprir”.

A turma o aplaudiu e ao orador passou a apupar.

E o cara teve que se mandar e foi de fino que saiu.



O Prefeito que apoiava o orador, seu candidato

Disse para o seu secretário que estava ao seu lado:

“A turma não está pra brincadeira e este é um fato”.



“Vou também me arrancar, se não sobra para mim”.

E dava para ver que ele estava bastante assustado.

Respondendo à mulher “Como foi?”, disse: “Assim-assim”.



Constatação XVI (Ainda um pseudo-soneto).



           Receita da felicidade

Um engenheiro desenvolveu um projeto

De amor, de paixão, de apreço e de afeto

Em que não houvesse homem ou mulher objeto

E o mundo, assim, ficaria muito mais correto.



Para isso não seria preciso usar cálculos de concreto

Tampouco quaisquer elementos de cunho secreto

Apenas uma receita adequada e de bom senso seleto

Onda cada uma das partes agiria de modo discreto.



A discussão seria relegada à extinção por decreto

E as desavenças seguiriam um caminho não abjeto*

Eliminando-se as querelas figurando como adjeto**.



Para que o esquema ficasse acabado, completo

Seria aconselhável a participação de um arquiteto

Que se ocuparia da parte estética, de um melhor aspeto.



*Abjeto =  adjetivo e substantivo masculino

que ou o que é desprezível, baixo, ignóbil (Houaiss).

**Adjeto =  adjetivo

1 que se acrescenta; adjunto, juntado

Ex.: nota a.

 substantivo masculino

Rubrica: termo jurídico.

2 indivíduo que representa um credor em contratos ou obrigações jurídicas, recebendo, por este, (quantia, pagamento etc.) do devedor

3 Derivação: por extensão de sentido.

qualquer representante legalmente designado para representar (pessoa, instituição etc.) junto a outrem e deste receber algo (Houaiss).


DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I

Ele de tanta paixão

Entrou num processo

Gradativo de consumpção* ?

*Consumpção = “Ato ou efeito de consumir(-se)” (Aurélio).

Dúvida II

O cartola de futebol do Rio

Não tinha que ser mandado

À pu, digo, a ver navio ?

Dúvida III

É muita ou pouca baboseira

Sacar mais alguns reais, pro

Salário mínimo, da “algibeira”?

Dúvida IV

Tomar banho,

Para certas pessoas,

É coisa de antanho ?

Dúvida V

Quem é sisudo

Tá com nada

Ou tá com tudo ?

Dúvida VI

Depois do jabaculê*

Do novo salário mínimo

Era de se esperar um lelê** ?

*Jabaculê = “Pequena importância em dinheiro, além do devido, que se dá a alguém cujo serviço nos parece satisfatório” (Aurélio)

**Lelê = “MG. Pop. Confusão, intriga” (Aurélio).

Dúvida VII

A gente se vexa

Se não faturar,

Em 2014, o hexa ?

Dúvida VIII

E também o hepta

Se não, a seleção será

Considerada inepta ?

Dúvida IX

Depois dos jogos na madrugada

O horário político, no horário

Nobre, está com tudo ou nada ?

Dúvida X (Dúvida ou afirmação).

Agora, prepare seu coração,

Prezado leitor, que, com a eleição,

Vai começar o horário da encheção ?

Dúvida XI

“Continuidade

E não continuísmo”.

Será mais uma “boutade”* ?

*Boutade = “Dito espirituoso” (Aurélio).

Dúvida XII

O carreto de trafegar

No seu empedernido coração

Tá difícil de pagar ?

Dúvida XIII

Ela, com seu fusquinha,

Queria enfuscar*

O carro Volvo da vizinha ?

*Enfuscar = “Ofuscar” (Aurélio).

Dúvida XIV

É um incontestável fato

Que, para prefeito, tem

Menos eleitor do que candidato ?

Dúvida XV

Cada vez que fazem troça,

Do Brasil, os argentinos

Acabam perdendo a bossa ?

Dúvida XVI

De repente, não mais que de repente

O Barcelona foi mais uma vez campeão

Quase, até, como meu Paraná antigamente ?

Dúvida XVII

Acordar às 3 da manhã

Até que não é ruim, desde

Que não por uma febre quintã* ?

*Febre quintã = “A que se repete de cinco em cinco dias” (Aurélio).

Dúvida XVIII

Depois das eleições

Será que vão continuar

Os nossos senões ?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br

www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: