quarta-feira, 1 de agosto de 2012

RUMOREJANDO


PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.


Constatação I

Não se pode confundir hígido, que quer dizer “Respeitante à saúde; sadio, são” com rígido, até porque quem está rígido, em condições normais de pressão e temperatura, não se encontra com muito boa saúde. A recíproca, nesse caso, não vem muito ao caso.

Constatação II

Deu na mídia: “Cerca de 4 milhões de casais do Reino Unido cometeram adultério ao longo da vida conjugal”. Embora Rumorejando tenha contribuído com quem gosta de estatística em outra “constatação”, para esse caso de guampas alheias, respeitosamente, não pretende fazer cálculos outros, por achar que cada um é dono do seu nariz. Nariz ?

Constatação III (De quase um pseudo-soneto).


                De nostalgias e saudades


Pela janela do meu dormitório vejo o dia amanhecer

E com o dia, na minha cidade, alguma vez o sol aparecer

Ao meu lado imagino estar estirada a tão almejada gata.

Bem comparado uma espécie de mistura de ouro e prata.



Talvez melhor dizendo uma reunião de ouro com ouro

Porque ela compartilharia a cama no meu doce abrigo,

Revelando seu amor, sua paixão, seu sublime tesouro

Se acedesse gentilmente o meu pedido de ficar comigo.



Tal conjunção e combinação de gata e sol, esse deleite

É como mitigar a fome com o tão nosso arroz e feijão

Ou a soma de um pão, manteiga com café com leite

Que faz tanto bem para o corpo, a alma e ao coração.



Digressões nostálgicas de quem está no ocaso da vida

Que sofreu, se alegrou, se apaixonou, chorou ou sorriu,

Entendendo que parte disso se constituiu numa lida

E, hoje, agora, constata que tudo que era bom sumiu...



Constatação IV (De outro quase pseudo-soneto).



        Grandes pequeninas suposições



Algo estava delineado naquele corpo presente

Ainda que sua blusa não fosse transparente

Tampouco que o seu decote fosse generoso

Condizente com aquele mulherão formoso.



As coxas bem a mostra pelo curto shortinho

Pareciam como tudo o mais solicitar carinho

Das minhas mãos inquietas, porém contidas

Que por tal razão se sentiam ansiadas, sofridas.



Trocamos olhares e ela me mirou interessada

Eu tentei sustentar aquela mimosa olhada

E o meu angustiado pobre ser se alvorotou.



Aí, ela se levantou e veio até a minha mesa.

“Tio”, ela disse, “você não é o pai da Tereza?”

“Sim, sou”, respondi e o coração quase pifou.



“Como vão os seus netos”, ela incontinente, quis saber

“Que eu ainda não tive a oportunidade de conhecer”.

Com todos esses ‘contratempos’, o entusiasmo broxou...


Constatação V

Deu na mídia, mais precisamente no site da Globo: “Shortinho de Carla Perez revela ação do tempo nas pernas da ex-dançarina”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que, com essa notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade, a Globo desandou de vez. Ela, a notícia, está condizente com o BBB-Brasil e outras barbaridades desse jaez. Vige!

Constatação VI

No inverno, os vidros das janelas dos ricos ficam embaciados; dos pobres, suados.

Constatação VII (Pseudo-soneto aparentemente um tanto quanto surrealista).


                      Coitado!


Na praia naturista em um país determinado

Onde todo mundo anda, despido, nu, pelado

Foi que ele apareceu extremamente agasalhado

Deixando a vergonha, o embaraço e o pudor de lado.



O fato foi considerado depravação, deboche e devassidão.

Andar vestido naquele sagrado, augusto, salubre ambiente.

E na querela, passou-se a discutir se Albert Einstein tinha razão

Ao enunciar a complexa Teoria da Relatividade, tão somente.



O sujeito, antigo freqüentador daquele transcendental lugar,

E chegou a ser instado, sem maiores delongas, a se retirar.

Já que passou a ser considerado um insubordinado, um suspeito



Mais tarde a Diretoria do local naturista mandou um memorando

“O senhor sempre teve comportamento ilibado, agora descambando

Fique ciente que o nosso trato de relacionamento está desfeito.


Constatação VIII

Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Entre 24 de dezembro de 1997 e 2 de fevereiro de 1998, o Município pagou à Mendes Junior R$ 57,2 milhões. Em janeiro e fevereiro de 1998, a construtora teria depositado R$ 13,5 milhões em contas de Flávio e Paulo Maluf”. Vige!

Constatação IX

Ele maldice

A hora que casou:

“Com a Alice,

No começo,

Era só “candice”,

Quixotice,

“Queridice”,

Garridice,

Matutice,

Crendice.

Após, o tropeço:

A relação

Do bem-bom,

Uma doidice,

Caiu na mesmice

Virou

“Pamonhice”,

Burrice,

Tolice.

Em seguida,

Uma vida

De “caretice”,

Cretinice.

Descambou

Para gaiatice,

Disse-que-disse,

Sandice,

Caturrice,

Rabugice”.

Ela, por sua vez,

Lamentou

Que o casamento

Caiu na aridez,

E gorou.

Num certo momento:

“Tudo era beatice,

Doidice,

Parvoíce.

Muita arteirice,

Criancice,

Meninice,

Rapazice

Traquinice,

Macaquice,

Peraltice.

Mais tarde,

Com muito alarde,

Se transformou

Em eu não disse!,

Garrulice,

Eu disse ?

Ciganice,

Você não disse,

Você se desdisse,

Depois,

Em vadiíce,

Pagodice,

Gatunice,

Estroinice

Filha da pu...ce.

Agora,

Cada um foi embora.

E entre os dois

Não há mais nada.

Tudo acabado.

Coitada!

Coitado!

Constatação X (Ah, esse nosso vernáculo).

Ela apontou na esquina e despontou no ponto do ônibus e se dirigiu para seu emprego, onde fazia pesponto e ponto cruz. Tinha que bater o ponto, ponto, digo, pondo um ponto final se devia ou não assinar o tal ponto.

Constatação XI

Ditame,

Sugestão,

Útil conselho

De Rumorejando:

Ame

Com fé,

Irmão.

Ao levantar,

Deitado,

Em pé,

Até

De joelho.

Nada como amar!

Constatação XII

Não se pode confundir comparsa, no sentido de cúmplice, com Barsa, a enciclopédia, até porque, dificilmente um comparsa é dado a tal tipo de leitura. Aliás, a Barsa está mais para enfeite de prateleiras do que para outras coisas.

Constatação XIII (Dito por um palmeirense, ou botafoguense, ou da Portuguesa, muito embora este assim chamado escriba não concorde com nenhum deles, porque, em Brasilia, o seu time preferido é o Gama).

“Ir pra segundona não é grave. O grave é ser comparado ao Gama”.

Constatação XIV

Rico está repleto de dinheiro; pobre, está cheio de dívidas.

Constatação XV (De uma dúvida crucial).

Em condições normais

De pressão

E temperatura

A lisura

Dos atos governamentais

Pouco ou nada perdura

Ou é simples questão

De nomenclatura

Ou de caradura ?

Constatação XVI

De contente,

Ela(e) não cabia

No dia

Da sua posse.

Mas, infelizmente,

No decurso

Do seu discurso,

Eivado de bobagem

E assaz enfadonho,

Diga-se de passagem,

Teve um medonho

Acesso de tosse.

Constatação XVII

Rico é desembaraçado; pobre, é complicado.

Constatação XVIII (Pensando, morre... um burro).

Pensei que ia te encontrar

Pensei que ia te ver

Do encontro errei o lugar

Pensei que ia morrer.

Constatação XIX

Ser pretensioso é mais ou menos que nem certos currículos. A gente coloca no currículo o que é que fez, o que faz e, normalmente, o que é e o que gostaria, ou melhor, precisava ter feito...

Constatação XX (De um pseudo-soneto).

Dramas e/ou alegrias do relacionamento.


O casal estava super apaixonado

Era só pra cá meu adorado

Era só pra lá minha catita.

Casaram. Logo depois, a desdita.


Ela queria, porque queria, freqüentar a igreja,

Ele tomar com os amigos uma ou outra cerveja.

Tudo isso no fim de semana. Até aí, nada de novo.

Acontece com muitos casais ricos ou do zé-povo.


As desavenças começaram, incontinente, a acontecer

E a grande paixão, as juras de amor eterno, a fenecer.

Concluíram, então, que o casamento havia pifado.


É bom que se diga: para que a relação não desse certo

As duas sogras se empenharam de alma e coração aberto

E o casal: “Já foi bom. E, agora ótimo, porque ta acabado”.

Constatação XXI

Rumorejando informa para aqueles que não se deram conta: O gerúndio, o infinitivo, as palavras terminadas em ‘ão’ e o particípio passado sempre ajudam a salvar o metido a fazer rimas, como é o caso deste locutor que vos fala, digo, digita.

Constatação XXII (De outro pseudo-soneto).

            Paladar refinado

Ela considerou uma escorchante falácia

Que os bolinhos da personagem Tia Nastácia,

Que Monteiro Lobato tanto elogia,

Eram melhores dos que ela fazia.


Quem afirmava era a sogra maldosa,

Porém quando a visitava toda prosa

Comia todos os bolinhos com sofreguidão,

Deixando o pessoal a ver navios, na mão.


Ela estranhava aquela peremptória assertiva,

Pois não era de seu saber, de seu conhecimento

Que existisse receita da Tia. Era pura inventiva.


Um dia, ela já aborrecida, manteve o padrão

E falou que havia usado bem mais fermento

Igual a Tia. Aí a sogra disse: “Agora ta bom”.


DÚVIDAS CRUCIAIS, VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I

É algo sem nexo

O que vai de comida fora

Por causa do nosso complexo ?

Dúvida II

Um sorriso, ao invés de ficar fulo,

Após dar uma martelada no dedo,

É um baita de um dissimulo ?

Dúvida III

Já tem um caminhão de gente

Que promete que vai votar no Fulano,

No Beltrano e no Cicrano, concomitantemente ?

Dúvida IV

Ele quer ver se safa

Que o médico

O afaste da garrafa ?

Dúvida V

Inflação

Ou recessão.

Essa é a questão ?

Dúvida VI

A ALCA

Somente

Nos calca ?

Dúvida VII

O vigarista transtagano*

Dava golpe no cigano,

O otário cistagano** ?

*Transtagano = Situado além do rio Tejo.

** Cistagano = Situado aquém do rio Tejo.

Dúvida VIII

É ser muito rabugento

Dizer que o gol do adversário

Não foi um portento ?

Dúvida IX

Há que se agüentar a mão

Ou o pé, para evitar de cair

Pra Segunda Divisão ?

Dúvida X

Existe um mal geral,

Total ou parcial

Nessa primavera invernal ?

Dúvida XI

Quatro estações

Do ano, num só dia,

Não maltrata os pulmões ?

Dúvida XII

Nos seus olhos, o brilho, a luz

Mostrava que havia ingerido

Cachaça com mentruz ?

Dúvida XIII

A linda cachopa*

Tava usando um biquíni

De estopa?

*Cachopa = “ substantivo feminino

Regionalismo: Portugal.

menina, rapariga, moça da província (do Norte de Portugal). [Houaiss].

Dúvida XIV

Um pacote inteiro de talharim

Ela comeu e disse que ainda

Havia lugar para comer um surubim?

Dúvida XV

As eleições para prefeito

Estão empolgando tanto que parece

Que o povo não anda satisfeito?

Dúvida XVI

Só a anfitriã

Foi quem gostou

Da sua torta de maçã?

Dúvida XVII

Em tempos recessivos

Ter milhões em Jersey e em outros paraísos

São justificáveis motivos?

Dúvida XVIII

Quando Rosane Collor reclama

Que a pensão de dezoito mil reais é pouco

Quer dizer que o ex-maridão não mais a ama?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br

www.rimasprimas.com.br

2 comentários:

DJALMA FILHO (twitter @djalmafilho68) disse...

Escrevo aqui só pra dizer que sigo lendo, Juca. Abraço grande.

Juca disse...

Obrigado! A recíproca é verdadeira. Chibuk gadol, que quer dizer abraço grande em hebraico.