quarta-feira, 26 de setembro de 2012

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I

Na noite fria,
Alegando canseira,
A mulher,
Dona Ester,
Que no início
Havia
Se mostrado
Tão ansiosa,
Ainda que melindrosa,
Desfazia
O projeto do marido,
Do maridão,
O Simplício,
Arquitetado,
Com tanta emoção
Na soalheira*
De um dia
Pesado,
Sofrido,
Puxado,
Intensamente
Comprido.
Tão-somente.
Coitado!
*Soalheira = "1 a hora de calor mais intenso (ao sol); calor (Houaiss)
Constatação II
Levantou-se um murmúrio
Quando adentrou no recinto
Aquele político espúrio
Com ares e pinta de distinto
E que proferiu o perjúrio:
“Quem eu ? Eu nunca minto!”.

Constatação III

Não se pode confundir cambada com lambada, a dança que sumiu da face do território brasileiro, muito embora na lambada andava-se exagerando nos, digamos, trejeitos. Agora, sejamos realistas: a turma exagera em qualquer circunstância a começar pela profusão de bumbuns na televisão. Essa assertiva, a bem da verdade, é, como o título denomina, uma constatação. Nada a ver com condenação. Afinal, Rumorejando sempre se posicionou contra a censura...

Constatação IV

E como filosofava aquele senhor idoso (rico é idoso; pobre, é velho): “Tá certo que quanto mais se vive, mais se aprende, mas também quanto mais se vive mais se esquece o que se aprendeu”.

Constatação V

E já que falamos no assunto, o meu velho e grande amigo Sigurd Bach, lamentavelmente já falecido, autor do livro Goethe Pensamentos, Frases, Aforismos lembra a máxima (ou a mínima, depende do ponto de vista de cada um) que "à medida que se envelhece, tem-se cada vez mais prazer no trabalho e cada vez mais trabalho no prazer". E se referindo ao dito de um seu professor, que, quando tinha pouco mais de 60 anos, dizia "um sexagenário tem muito mais de genário. . . "
Constatação VI
Não se pode confundir béstia, que quer dizer “discurso despropositado” com véstia que, também de acordo com o Aurelião, é “Espécie de casaco curto, folgado na cintura; Casaco de couro usado pelos vaqueiros; gibão”, muito embora tá cheio de político que anda na pinta e só diz disparates. A recíproca, para esses casos elegantemente asneirentos, não é necessariamente verdadeira.
Constatação VII
Deu na mídia:Chávez deixa Lula esperando 10 minutos no avião”. Rumorejando, data vênia, como diriam nossos juristas, ta começando a achar que o presidente da República da Venezuela não é muito pontual, ou existe alguma explicação freudiana para tal procedimento. Prometemos averiguar a respeito e, quando tivermos as conclusões, trataremos imediatamente de informar aos nossos prezados leitores.
Constatação VIII
E aqui vai a homenagem de Rumorejando a Isidoro Loi que publicou, há muitos anos atrás, em “La columna de Isidoro”: “Epitáfio en un cementerio peruano: Aqui yacen los restos de Pérez Salvador, chofer y de los buenos, que pisó el acelerador en vez de pisar los frenos”.
Constatação IX
Deu na mídia:Uma pesquisa feita por pesquisadores israelenses e norte-americanos revela que homens que bebem regularmente certa quantidade de álcool podem ter menos risco de ter um ataque cardíaco”. Taí, gente boa, a desculpa que estávamos precisando. Nossa eterna gratidão aos cientistas.
Constatação X
Deu na mídia: "Os consumidores das classes A e B se mostram incomodados com algumas consequências da ascensão econômica da classe C, que passou a comprar produtos e serviços aos quais apenas a elite tinha acesso. É o que apontam dados de uma pesquisa do instituto Data Popular feita durante o primeiro trimestre, com 15 mil pessoas das classes mais favorecidas, em todo o Brasil".
Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha a distribuição, ainda que incipiente em nosso país, ta deixando muita gente incomodada. Vige!

Constatação XI (Ah, esse nosso vernáculo).

“Mais cedo ou mais tarde, eu gostaria que você viesse a minha casa. Venha cedo, à tarde, mas não tarde, hein!”

Constatação XII

Deu na mídia: “Caminhão de maçãs levava 200 quilos de maconha”. Data vênia, como diriam nossos juristas, do jeito que a coisa vai indo e ta ficando, é mais fácil um caminhão de maconha levar maçãs do que o revés.

Constatação XIII

Quando este assim chamado escriba colaborava no jornal O Estado do Paraná saiu o seguinte comentário: “É funesto para a nação o instituto do fórum privilegiado, assim como esse malformado recurso da renúncia, através do qual eventuais facínoras podem preservar seus mandatos”. Dúvida crucial: Faz quinhentos e tantos anos que tem sido assim, por que haveria de mudar ? Se alguém achar que realmente poderá mudar, Rumorejando sugere que leia A velhinha de Taubaté do escritor gaúcho Luiz Fernando Veríssimo. E a propósito: O prezado leitor sabia que, de acordo com a legislação, ex-presidente tem direito de seis a oito assessores pagos pela viúva ? E viva “nóis”!

Constatação XIV

Não sei se é despeito,
Inveja ou o quê
Só sei que não é direito
Fazer de mim um bilboquê.
Constatação XV (Pseudo-soneto para uma gerente não nominada).

               Sigilo bancário

A minha gerente de um banco x, a Beltrana,
Todo dia, todo ano, todo mês, toda semana,
Me pede para eu aplicar algum tutu, uma grana,
Achando que eu sou rico, bem abonado, um bacana.

Eu faria isso se tivesse suficiente numerário
E não fosse um pobretão, um mísero proletário,
Mas ela enfatiza que é primordial e necessário
Manter um caixa elevado e não o contrário.

Nas minhas aplicações, eu nunca pedi reciprocidade
Que para mim é uma trágica, terrível calamidade,
Pois sempre vivo num bagaço desesperançado.

Sou um ‘classe média’, pagando alto imposto à nação,
Que não aplica em Infra-estrutura, Saúde e Educação,
Daí, não posso atender a Beltrana no seu amável chamado...

Constatação XVI (De outro pseudo-soneto).

               E viva o doce amor!

Quando ela estava nua na frente do maridão,
Ela ficava com muitas cores, mais rubicunda*,
Mormente nas faces e na bund, digo, cacunda
Pois sentia vergonha do seu fogo, da sua tesão.

O casamento tinha tudo para um ótimo suceder,
Porque ele era, em matéria de sexo, um obcecado
E por não ser rico, ficou com a pecha de tarado.
Bem, juntaram a fome com a vontade de se comer.

Essa mutua sensualidade, esse ímpeto, esse furor
Atenuaram, em muito, a timidez dela, o seu pudor,
Fazendo, ela, vencer um eventual constrangimento.

Os gemidos de ambos foram de uma intensidade tal
Que provocaram nos vizinhos uma preocupação geral
Mas pra eles passou a ser também um doce passatempo...
*Rubicundo = adjetivo
bastante avermelhado; rubro; rúbeo; rúbido (Houaiss)
Constatação XVII
A semelhança, ou melhor, a dessemelhança entre uma sogra e um escoteiro é que este faz, pelo menos, uma boa ação todos os dias...
Constatação XVIII (A poluibilidade* idiotice da Humanidade. Apenas 10 exemplos. O leitor que quiser acrescentar outras idiotices, as mesmas serão devidamente publicadas).
1. A falta de respeito por pessoas, animais e plantas (Exemplo recente: o imbecil rei da Espanha matando elefantes na África);
2. As reuniões dos G8, G20 da vida que deveriam, pelos resultados inócuos, virarem Gzero que daria absolutamente no mesmo;
3.O infinito desrespeito ao Planeta Terra;
4. O eterno preconceito religioso, racial, das minorias (mulheres, homossexuais), e outros tantos;
5. A deificação do Mercado;
6. As firulas jurídicas, beneficiando criminosos de quaisquer espécies, principalmente corruptos;
7. A deterioração da Segurança, do Ensino e da Saúde;
8. O salvem-se quem puder com o execrável acumulo da riqueza na mão de poucos, decretando, entre outros, a eliminação da solidariedade;
9. A famigerada especulação financeira que deveria, de uma vez por todas, ser taxada para melhorar a distribuição de renda;
10. O desprezo pela vida, no trânsito, por exemplo, ou nos esportes violentos tipo Box, vale tudo, etc.
*Poluibilidade = substantivo feminino, qualidade ou condição do que é possível; maculabilidade (Houaiss).
Constatação XIX
Deu na mídia, mais especificamente no site da Globo: “CarenSouza, do programa ‘Malícia’ posou para o Paparazzo em ensaio que vai ao ar neste sábado, 15 de setembro. Nos bastidores, ela falou sobre suas preferências quando o assunto é paquera. Gosto de barba roçando e homem com atitude”. Rumorejando, que sempre se preocupa em melhor informar aos seus leitores, quando se trata de assunto de transcendental importância para o futuro da Humanidade, se compromete a tentar averiguar em que lugar que ela se referiu quando afirmou que gosta de barba roçando e qual atitude que ela espera dos homens.

DÚVIDA CRUCIAIS, VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I

A bolina bucólica
Provoca reação metabólica,
Mas pode também dar cólica ?

Dúvida II

Quando na mulher dá um estalo
O marido sempre sofre
Um baita dum abalo ?

Dúvida III

Todo cacique
Quer que seu mandato
Espiche ? Estique ?

Dúvida IV

É muito nobiliárquico
Pôr tudo abaixo
Num sentido anárquico ?

Dúvida V

É muita desavença,
Após 10 derrotas seguidas,
Dar, ao técnico, dispensa ?

Dúvida VI

Dão muitos dissabores
As contas apresentadas
Pelos doutos doutores ?

Dúvida VII

É um baita mistério
Porque a torcida diz ao juiz
Tanto impropério ?

Dúvida VIII

Ele se sentiu eufórico
Quando a sogra foi embora
Com um ar fantasmagórico ?

Dúvida IX

Tem que ter muitas virtudes
Para agüentar
Comportamentos rudes ?

Dúvida X

Foram tiros de misericórdia,
Os dribles do Neymar,
Que deram ao Santos a vitória ?

Dúvida XI

É muito devaneio
Que alguma herança
Nos venha pelo correio ?

Dúvida XII

É falta de objetividade
Apregoar as vantagens
Da castidade ?

Dúvida XIII

É muita chacota
Que o salário mínimo
Dá uma boa nota ?

Dúvida XIV

É preciso muita tenacidade
Para não tropeçar e cair
Nas calçadas da nossa cidade ?
Dúvida XV
O meu Paraná joga mal
Só quando o jogo é fora
Ou de modo geral ?
Dúvida XVI
Quando o governo baixa
Uma tarifa como fez com a elétrica
É sinal que ele está com sobra de caixa ?
Dúvida XVII
Ter filho morando no exterior
Quer dizer que o nosso país
Vai mal a todo vapor?
Dúvida XVIII
Cantar uma mulher em prosa e verso
Não deixa de ser outra maneira de cantá-la
O que pode redundar em algo adverso?
Dúvida XIX
Mulher turbinada
É sinal que quer
Impressionar a rapaziada?
Dúvida XX
E se turbinar também a poupança
É sinal que ainda não perdeu
A expectativa, a esperança ?

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

RUMOREJANDO


PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES


Constatação I
O obcecado
Sem os descontos
Tinha dez pontos
Erógenos
Que a mulher,
Coitada
Toda dolorida,
Extenuada
Ardida
Esfalfada
Achou mister
Pedir ao esculápio
Indicar um alimento
Que existisse num cardápio
Que ela prepararia
Todo o dia
Com o maior zelo
A base de estrógenos
Para mantê-lo
Com arrefecimento,
Até com determinada
Apatia
E mais comportado,
Mais contido,
Mais controlado,
Mais comedido
Mais moderado.
Coitado!
Constatação II
Não se pode confundir Vara da Família com vara de marmelo, até porque se alguém surrar os filhos com vara de marmelo, como acontecia antigamente, ou quaisquer outros instrumentos punitivos terá, fatalmente, de responder pelos seus atos ao juiz da Vara da Família. A recíproca é como é e ta acabado. Tenho esclarecidamente dito!
Constatação III
E não se pode confundir versão com aversão até porque quando um ex-delegado, que foi preso em Juquitiba, no estado de São Paulo, à semelhança daquele deputado que alegou não ter culpa se D’us quis que ele ganhasse muitas vezes na loteria federal para justificar o seu enriquecimento rápido, apresenta uma mesma versão, a gente imagina, com aversão, que ele está, também, chamando a gente de burro. Pelo menos, como disse um religioso, o ex-delegado, ao contrário do deputado, não mencionou o nome de D’us. Vige!
Constatação IV (De uma dúvida crucial)
Depois do auxilio moradia, paletó, engraxada dos sapatos, viagens e outros mais, o que será que será criado pelos pais da pátria como novas formas de aumento dos seus próprios salafrários, digo salários? Quem souber, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação V
Em alguns países ser presidente de algumas federações, clubes, CBF’s da vida e assim por diante é um excelente investimento...

Constatação VI (De um pseudo-soneto).

         Elegia a uma senhora mulher

Ela transpirava em todo o seu ser feminilidade
Naturalmente, sem ser necessário algo fazer
Tinha certo ar de abandono, de orfandade,
Despertando invariavelmente um bem-querer.

Ela já há havia passado dos cinqüenta e cinco anos
No entanto, o corpo se mantivera como de quarenta
Seios pequeninos, cintura fina, tudo sem enganos.
O que deixava seu parceiro fora da “marcha lenta”...

Como tantas mulheres de idade vetusta
Amava como se fosse sua derradeira vez
O que, às vezes, a gente se alarma, se assusta.

Seus orgasmos, em profusão, a deixavam afogueada
O que fazia supor que era só prazer, ou amor talvez,
Mas após ela voltava a ter um ar de menina abandonada.

Constatação VII (De outro pseudo-soneto).

      De dramas conjugais

Ela ficou possessa, exasperada
Quando da liberdade, o paladino
Chegou a seu lar, a sua morada
Com desculpas, se achando o ladino.

Eram todas incríveis, esfarrapadas,
Acrescidas de grosseiras balelas
E as que a ouvem ficam ruborizadas
Como se elas é que fizessem esparrelas.

Ela não hesitou em momento algum
Achando sua história lugar-comum
E tacou-lhe no lombo o rolo de macarrão.

Ele jurou que tal fato não se repetiria
Com já tinha feito em outro dia.
Mas dessa vez não houve perdão...

Constatação VIII (De uma específica divisão da Humanidade).
Há pessoas que não se casam por serem inteligente;
Outras se casam por acharem ter encontrado uma pessoa inteligente;
Há pessoas que se divorciam por serem muito inteligente.
E há aquelas que ficam juntos, mas sem coabitar. São as inteligentíssimas...
Constatação IX
Não se pode confundir induzidas com produzidas, muito embora, pelo fato que as amigas e conhecidas fizeram, há àquelas que são induzidas a ficarem produzidas através de uma, várias ou todas as ‘recauchutagem gerais’, como por exemplo: botox, lipoaspiração, silicone nos seios e na “poupança”, cílios artificiais, lente de cor nos olhos, dentes como os dos atores globais, diminuição de determinada largura do sublime instrumento do corpo e “otras cositas más”. A recíproca é como é e ta acabado. Tenho esclarecidamente dito!
Constatação X (Vige!).
Entreouvido num encontro de jovens:
“Ela é uma prixa”.
-“Prixa?”
-“É. Por trás parece uma princesa; por frente, uma bruxa.
-“Ah bom. Quer dizer, ah ruim. Quer dizer...”
Constatação XI
Entreouvido num outro encontro de jovens:
-“Ela é uma pirva”.
-“Pirva?”
-“É. Uma piranha e uma vaca”.
Constatação XII (Quadrinha intitulada: Perdas recíprocas).
Ele ficou sumamente chateado
Quando ela chegou atrasada.
“Ela não sabe o que já perdeu, a coitada
Já me passou o efeito do viagra, coitado”.

Constatação XIII (De um terceiro pseudo-soneto).

          Bel-desprazer

Ela não considerou uma invectiva,
Tampouco autoritária, imperativa
Ao contrário, achou a proposta positiva
Simpática, factível, assaz convidativa.

Em nenhum momento ficou pensativa,
Hesitante ou insegura. Ela era decisiva
Aí aceitou incontinente a proposta diretiva
De acompanhá-lo, sem se achar caritativa.

Adentrou ao motel de maneira altiva
Como se lá já tivesse cadeira cativa
E foi tirando a roupa muito prestativa.

Mas eis que de repente surge coisa restritiva
Ele vai e lhe dá um beijo que a deixa semiviva
O ósculo imprescindível teve gosto de alho sativa.

Constatação XIV
O engenheiro tentou desenvolver um projeto
De amor, de paixão e de afeto
O que ajudaria fazer desaparecer o homem e a mulher-objeto
E o relacionamento entre eles ficaria mais correto
E o mundo ficaria mais seleto,
Mais completo
E inegavelmente com menos dissensões, mais quieto.
Não deu certo. Talvez dê para o seu tetraneto...
Constatação XV (Ah, esse nosso vernáculo).
Diante da estaca ela estaca.
Constatação XVI
O cheiro da glicínia
Me conduz,
Me remete
Para minha infância.
Ao estudo semítico.
Também desse idioma a lição.
E a ignomínia
Me induz
Que se faça uma toalete
Por causa da intolerância
Ao político
E a sua tradicional corrupção.
Constatação XVII
Em certos países, há torcedores de futebol tão fanáticos que se envolvem em brigas com outros torcedores tão fanáticos quanto aqueles que chegam a matá-los. Já nesses países as entidades que tratam da aposentadoria das pessoas administram de modo mais sutis. Elas apenas torcem que o cidadão, normalmente os idosos, morram para reduzir o déficit da assim chamada previdência social.Vige!
Constatação XVIII
Não se pode confundir exótica com erótica, até por que se você fizer para a gatona uma proposta com finalidade erótica arrisca, se não for a hora e local oportuno, ela achar a proposta exótica. A recíproca, como tantas outras vezes, é como é e tenho sumaria e definitivamente dito...
Constatação XIX
Rico sofre de acrofobia; pobre, trabalha nos andaimes frágeis e não tem medo de locais elevados que podem dar sensação de vertigem.
Constatação XX
Senti no seu semblante uma nódoa,
Quando eu disse: “Sente no meu colo nua
Que eu sem remorsos acomodo-a”.
E ela me contestou: “Jamais! Nunca serei tua”.
Constatação XXI (Vige!)
Há certas mulheres que, independentemente, do seu ciclo menstrual estão todo o tempo com TPM, isto é, 30 ou 31 dias do mês. Trata-se de um TPM crônico ou agudo. E, por mais paradoxal que pareça, determinados homens, mormente os que ocupam uma chefia, também...
Constatação XXII
Com relação ao e-mail anterior, uma autoridade de Brasilia, cujo nome me escapa, em um texto, fazendo troça, escreveu: “Um metro e cinqüenta de pessoa, dois metros e vinte de autoridade e empáfia”.
Constatação XXIII (De conselhos úteis para os meus netos e para os estudantes em geral. De nada!).
Não se pode ficar muito tempo na contramão da História. Tampouco da Geografia, do Português e da Matemática.
Constatação XXIV
Rico é sinérgico*; pobre é preguiçoso.

*Sinérgico = adjetivo
relativo a ou produzido por sinergia**; sinergético.
**Sinergia =
 substantivo feminino
1 Rubrica: fisiologia.
ação associada de dois ou mais órgãos, sistemas ou elementos anatômicos ou biológicos, cujo resultado seja a execução de um movimento ou a realização de uma função orgânica
2 ação ou esforço simultâneos; cooperação, coesão; trabalho ou operação associados
3 Rubrica: comércio, economia.
ação conjunta de empresas, visando obter um desempenho melhor do que aquele demonstrado isoladamente
4 Rubrica: farmacologia, química.
ampliação do efeito ou potencialização da ação de uma ou mais substâncias químicas ou farmacológicas pela associação de diferentes princípios ativos
5 Rubrica: sociologia.
coesão dos membros de um grupo ou coletividade em prol de um objetivo comum

DÚVIDAS CRUCIAIS, VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I
O seu índice de massa corporal
Reflete que o que você come
Não é nem um pouco o trivial ?
Dúvida II
Veio sem prévio aviso
Aquela terrível dor
No dente do siso ?
Dúvida III
Disse o malévolo parente
Que o seu auto-retrato
Tava muito benevolente ?
Dúvida IV
Quando ele tonteia
É porque tomou umas e outras
E não mais se norteia?
Dúvida V
Foi o zagueiro gabola
Que dentro da área esqueceu
De não chutar pra trás a bola?
Dúvida VI
O cara enrolado, na casa da anfitriã,
Quis desenrolar o rocambole
Que estava comendo com champã?
Dúvida VII
O destro
Usava a canhota meio canhestro
Para resolver o seu estro*?
*Estro = Desejo sexual (Aurélio).
Dúvida VIII
Foi ao tabaréu*
Que o vigarista
Prometeu o céu?
*Tabaréu = substantivo masculino
Uso: pejorativo.
1 soldado inexperiente, ingênuo
2 Derivação: por extensão de sentido.
qualquer pessoa acanhada
3 Estatística: pouco usado.
oficial ordinário, preguiçoso
4 Derivação: sentido figurado.
indivíduo inapto para realizar suas próprias tarefas
5 (1899) Regionalismo: Brasil.
m.q. caipira (‘indivíduo’) (Houaiss).
Dúvida IX
Como suplício,
No seminário, fizeram
O pobre usar cilício*?
*Cilício = substantivo masculino
1 antiga veste ou faixa de crina ou de pano grosseiro e áspero us. sobre a pele por penitência
2 cinto ou cordão eriçado de cerdas ou correntes de ferro, cheio de pontas, com que os penitentes cingem o corpo diretamente sobre a pele
3 Derivação: sentido figurado.
sacrifício ou mortificação a que alguém se sujeita voluntariamente (Houaiss).
Dúvida X
Será que foi um ar de mofa
Que ela fez quando eu sugeri para
Irmos ao motel, chamando-a de fofa?
Dúvida XI
A interpretação dos atores brasileiros,
Sem patriotismo, ganha de longe
Dos seus colegas estrangeiros?
Dúvida XII
Conservar a calma
Diante de um 38 faz bem
Para o corpo e para a alma?
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

terça-feira, 11 de setembro de 2012

RUMOREJANDO


PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (De um pseudo-soneto).


       De hormônios e comportamentos

Ela já deveria, a tempo, deixar de ser cinquentona
E, pela idade, sem os bons efeitos da progesterona
Pela atitude, sem dúvida, era do gênero mandona.
Já que ela se chegou achando que era minha dona.

Sem se preocupar com conduta ou protocolo
Ela veio, sem pedir licença, sentar no meu colo.
Eu me dispus a acariciá-la sem culpas ou dolo.
Mesmo temendo ficar com câimbra ou torcicolo,

Ela me beijava com êxtase, com encanto, com frenesi
Mas quando minha mão deslizou para um lugar oculto,
Ela me sussurrou: “Querido, continue, porém não aqui”.

Para quem me pareceu tão arrojada, audaz, despachadona,
Eu que estava querendo mostrar que não era um sujeito estulto*,
Disse: “Você acha que eu tenho água em lugar de testosterona?”

*Estulto =  adjetivo
que não apresenta um bom discernimento; insensato, estúpido, néscio (Houaiss).
Constatação II (Até quando?)
Alguns componentes dos 3 Poderes da República não só curtem as delícias do capitalismo, mercê dos seus elevados salários diretos e indiretos, como também através do que auferem pela excrescência da corrupção. Aliás, para ser fdp tem que ter talento e vocação. Vige!
Constatação III (De outro pseudo-soneto).

            Culpa do cão

“Dissoluta, devassa, libertina”,
Disse o marido compungido
Com o seu amor-próprio ferido
Porque ela tava nua numa campina.

Por que você tava nua, ele questionou?”
Ela respondeu: “Pelo calor e por pirraça”.
Ele muito p., disse bravo: “Não tem graça.
Você estava com alguém que se mandou”.

“Juro pela tua vida que eu tava sozinha
E tinha acabado de tirar minha calcinha”.
Para sentir o vento em todo o corpo meu.

Acontece que eu levei nosso querido cachorro
E quando tirei a última peça ele pegou meu gorro
Também o sutiã e a calcinha e se escafedeu.

Constatação IV (De um terceiro pseudo-soneto).

    Promessa nem sempre é dívida

Quando ela já havia acedido de ir ao motel
E nós estávamos deitados na cama com dossel
Ela toda cheia de pudor, pudicícia e de recato
Não se dignou ao menos em tirar o sapato.

De nada adiantou o meu sincero e honesto argumento
E que vir a tal lugar e nada acontecer é um tormento.
E o luxo era de maneira tal que até havia dois chuveiros
E que daria para tomar banho juntos em muitos janeiros.

Ainda argumentei que o preço do motel era elevado
E que a negativa dela me deixava tristonho, agastado.
Acrescido que ela iria se comportar, conforme prometeu.

Acontece que eu mudei de idéia, pensando em noivado
E descobri que você pinta e borda feito um desmiolado
E a despesa, concordei que quem teria de pagar era eu”.

Constatação V (Passível de mal-entendido).
Ele cutucou a sogra com vara curta.
Constatação VI
Rico se engana de vez enquanto; pobre erra sempre.
Constatação VII
E como apregoava o obcecado metido a político da Esquerda: “Coxinhas de todo o mundo desuni-vos”.
Constatação VIII
E como apregoava outro obcecado – nada a ver com o citado anteriormente –, fazendo auto-promoção da sua – segundo ele – irresistível e modestíssima pessoa: “Estou a sua disposição das 6 da manhã até as 5 e 59 do dia seguinte. Conto humilde e timidamente com a sua inestimável e imprescindível incorporação”.
Constatação IX
Não é nada disso o que a mídia anda publicando. Que pizza que nada! Estão todos enganados. Ninguém comprou ninguém. Foi apenas uma questão de investimento...
Constatação X
E como se jactava aquele obcecado, que não tem nada a ver com os anteriores, metido a dândi*: “Eu uso shampu para os meus cabelos; outro, para minha barba e bigode e um terceiro para os meus pelos pubianos. Vai ser dândi assim na casa do chapéu! Vige!

*Dândi = substantivo masculino
1 indivíduo que se veste com elegância e requinte
2 Derivação: por extensão de sentido.
indivíduo que se veste e comporta com afetação e delicadeza (Houaiss).
Constatação XI
E como esnobava aquele técnico de futebol de origem inglesa duvidosa por causa do péssimo sotaque: 4-4-2 ou 4-3-3? This is the question.
Constatação XII (De conselhos úteis, pouco esclarecedores).
Se você é
Uma
Mulher
Valente,
Corajosa,
Altaneira,
Não temente
Duma
Emoção
E quer
Ficar
Famosa
Como a Luma
De Oliveira,
Ganhar
Rapapé,
Bajulação,
Ser elogiada
E outros que tais,
É mister
Que não
Se furta,
Pelos caminhos,
Pelos escaninhos
Da vida
De cutucar
A onça.
Jamais,
Com vara curta,
Mas com vara comprida
Ou com geringonça
Outra qualquer.
De nada!
Constatação XIII
O que tem de empresa nacional e estrangeira – voltadas à economia, consultoria, projetos, finanças –, dizendo o que o novo governo deve ou não deve fazer não se encontra em gibi algum. Isso lembra, também, os locutores de rádio e televisão e respectivos comentaristas de jogos de futebol que, data vênia, como diriam nossos juristas, deveriam substituir os técnicos dos times tal é o grau de “conhecimento” que revelam possuir antes, durante e após a partida. Aliás, o Felipão calou a boca de muitos desses, com o pentacampeonato. Idem, o Parreira em 1994.
Constatação XIV
E como dizia, filosofando, aquele pingo de gente, do alto da sua experiência de quatro anos de vida, ao entregar um presente, evidentemente, comprado pelo pai, no Dia das Mães, para a sua: “Puxa, mãe, que sorte que o papai te escolheu”.
Constatação XV
Não se pode confundir cheque com choque, muito embora a gente pode levar um baita choque com um cheque sem fundo, seja a nós passado. A recíproca não é verdadeira. Basta enfiar o dedo na tomada para comprovar essa nossa modesta, sábia e douta assertiva.
Constatação XVI
Milionário é homoafetivo; rico é pederasta; classe média é baitola (ou perobo); pobre é viado.
Constatação XVII (De uma dúvida não necessariamente crucial).
Dois pesos e duas medidas te enchem as medidas?
Constatação XVIII (Novos tempos).
Ele ficou encoscorado*
Quando viu a namorada
Se agarrando com um amigo,
E pior, parecendo apaixonada.
Aquilo foi para ele um castigo
Que o deixou danado.
Coitado!

*Encoscorado=  adjetivo
que se encoscorou
1 que é ou ficou encarquilhado; encrespado
2 duro como o coscorão
3 que se encolheu ou enrugou (Houaiss).
Constatação XIX
Rico é concupiscente; pobre é tarado.
Constatação XX (Da dúvida de uma propaganda na televisão).
Ora – veja!
O quarteto
Da propaganda da cerveja
Virou esqueleto.
Que seja!
Será que a ‘loira’ tinha brometo?
Constatação XXI (Coisas da suposta feliz idade ou 3ª. idade).
Como esquece a relação das compras que a mulher pediu para ele comprar, toma nota e guarda o papel no bolso. Depois esquece onde guardou a lista de compras. Coitado!
Constatação XXII (Pequenas comparações machistas, na falta de maiores...).
Há muitos lustros atrás era muito raro ver, como hoje, as mulheres dirigindo automóveis. No bairro sempre passava uma senhora que dirigia com muita desenvoltura e eficiência. Um dos componentes da turma fez o seguinte comentário: “Aquela senhora dirige tão bem que até parece homem ao volante...”
Constatação XXIII (Vige!).
A propaganda política está em todo o nosso país tão ruim, tão ruim, mas tão ruim que não é mais meia-boca. É um quarto de boca, ou mesmo 1/8 de boca e até 16 avos de boca. Coitados! De nós todos!
Constatação XXIV
Não se pode confundir ambíguo* com umbigo, até porque: 1. Um político quando está em campanha ele faz promessas ambíguas, pois jamais irá cumpri-las. Portanto, fala como o que diz fosse uma verdade inconteste e, depois de eleito, tudo o que disse não passa de uma deslavada mentira. 2. Assumindo um mandato passa a achar que o mundo, qual a terra em relação ao sol, deve girar em torno do si, descrevendo órbitas elípticas no qual o seu – dele – umbigo é um dos focos. Vige!

*Ambíguo =  adjetivo
1 que tem (ou pode ter) diferentes sentidos; equívoco
Ex.: esclarecimento duvidoso, pois muito a.
2 que desperta dúvida, incerteza; vago, obscuro, indefinido
Ex.:
3 que admite interpretações diversas e até contrárias (diz-se do sentido)
4 Rubrica: gramática, lingüística.
que permite duas (ou mais) interpretações diferentes (diz-se de frase, locução etc.); anfibológico (Houaiss).
Constatação XXV
Há vários tipos de círculos viciosos. O da pobreza é um deles, onde um dos exemplos acha-se expresso no Google que sem pudor Rumorejando se dispôs a transcrever: “(...) o drama do círculo vicioso da pobreza persiste e manifesta-se sempre na ausência de crescimento econômico, para fomentar o crescimento é necessário estimular o desenvolvimento econômico, que somente pode ser alcançado se o país em causa estiver dotado de um tecido empresarial forte com capacidade para realizar investimento de capital (físico e humano); um segundo exemplo é o do comportamento dos políticos: Quando as eleições são ganhas pela Oposição, a primeira coisa é continuar criticando os perdedores, a até então Situação. Esta, por sua vez, passará a ser criticada pela nova Oposição, principalmente no que se refere à omissão de realizações que eles tampouco realizaram; outro círculo que Rumorejando apresenta, mercê de sua própria experiência, é o da velhice. Ela, a velhice, enseja a perda da memória. A perda da memória afeta o amor-próprio. A perda do amor-próprio implica em mais e maior velhice. E assim sucessivamente...
Constatação XXVI
Rico faz ouvidos moucos; pobre ensurdece nas máquinas barulhentas (e jovens escutando música no carro e/ou na balada com infinitos decibéis).
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

terça-feira, 4 de setembro de 2012

RUMOREJANDO


PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Rico é precavido; pobre, cabreiro.
Constatação II (Horário gratuito dos partidos para as próximas eleições. Vige!).
Conluio consensual
Contra considerável candidato
Concorrendo na capital*
Completamente casual
Considerado como cerebral?
Caspite!
Com característica colateral...
*Não ficou esclarecido em qual capital do nosso país. Se alguém tiver tão transcendental conhecimento, por favor, comentários no blog. Obrigado!
Constatação III
A Lei da oferta e da procura apresenta aspectos de condições matemáticas de ser diretamente proporcional. Senão vejamos: Quando a demanda decresce os preços acompanham a baixa; quando a demanda cresce os preços também crescem. No primeiro caso o freguês é o beneficiário; no segundo, é o vendedor. E neste caso o negócio é, para os pobres, inexeqüível; para os ricos, dá tudo na mesma...
Constatação IV
Não se pode confundir casado com cassado, muito embora o cara que é casado, em condições normais de pressão e temperatura, se vê, contrariamente às Declarações dos Direitos do Homem, cassado nas suas faculdades de ir e vir, principalmente ao futebol, tomar um chope com os amigos e outras “cositas más”. A recíproca neste impeditivo, restritivo e proibitivo caso não é verdadeira.
Constatação V
E também não se pode confundir, ainda que tenham a mesma fonética, o preço com opresso, muito embora quando se constata como o preço, que a partir dos últimos meses, filhadap...mente, foram elevados nas farmácias e supermercados a gente fica com o coração opresso. A recíproca não é necessariamente verdadeira porque se pode ficar com o coração opresso inclusive por outras razões, como por exemplo, ver a sogra chegar em nossa casa para passar o Natal e o Ano Novo, ou em outras épocas também.
Constatação VI (Texto dedicado ao meu amigo Rui Afonso Tomé, chimarãozeiro gaúcho-paranaense, de Pato Branco).
No fim da década de 80, circulou o número 2 da publicação LeitE QuentE (o número 1 havia saído três meses antes: “Nossa Linguagem. Paulo Leminski”), sob os auspícios da Prefeitura Municipal de Curitiba. Atualmente, a publicação não mais circula e aqui vai o nosso apelo ao Dante Mendonça para que use da sua influência – se é que tem alguma – junto a Maí Nascimento, uma das responsáveis pela publicação para a sua volta. No mencionado número 2, no artigo do saudoso Arthur Tramujas Neto, “Passe a cuia chê!” está lá escrito que “é coisa profundamente nossa a erva-mate, nativa, e por isso mesmo está lá na nossa bandeira estadual, ao lado da não menos nossa araucária”. Essa e outras referências de que o chimarrão é “bicho do Paraná” suscitaram elevados e apaixonados protestos dos gaúchos, que podem ser comparados com o movimento “O Petróleo é nosso”, quando da criação da Petrobrás, em tempos que o nacionalismo ainda imperava por esse país.
No dia 4 de abril de 2002, o jornal ‘Zero Hora’, de Porto Alegre, na sua coluna “O Rio Grande Pergunta”, publicou o seguinte texto, em resposta à pergunta: “Quais os nomes populares da erva-mate ?”, do leitor Fernando Lopes, também de Porto Alegre: “A erva-mate é popularmente conhecida como mate, chá-mate, chá-do-paraguai, chá-dos-jesuítas, chá-das-missões, mate-do-paraguai, chá-argentino, chá-do-Brasil, congonha, congonha-das-missões, congonheira, erva, mate-legítimo, mate-verdadeiro. Outras denominações populares de menor disseminação incluem erva-de-são-bartolomeu, orelha-de-burro, chá-do-paraná, congonha genuína, congonha-de-mato-grosso, congonha-mansa, congonha-verdadeira, erva-senhorita. As denominações indígenas para a erva-mate são caá, caá-caati, caá-emi, caá-ete, caá-meriduvi e caá-ti. A erva-mate está intimamente ligada ao gaúcho pelo chimarrão, sua tradicional bebida de todas as horas”. A resposta do jornal ‘Zero Hora’ é assaz didática. Este assim chamado escriba provecto, vetusto tomador de mate, confessa que desconhecia todos esses nomes e que nem no seu Novo Dicionário Aurélio, mais conhecido por Aurelião, encontrou todas essas referências. Mas o que chamou a atenção foram dois nomes: “chá-do-paraná” e erva-senhorita”. O primeiro, é a prova irretorquível, irreprochável, insofismável, imutável, contundente de que o artigo do saudoso Arthur Tramujas Neto é correto: o mate é nosso, do Paraná, que os gaúchos incorporaram como deles, por usucapião, ainda que a bebida seja também apreciada em Santa Catarina e Paraná e nos países fronteiriços Argentina e Uruguai e um pouco no Chile. E, cá entre nós, o fato em si não é de transcendental importância para o futuro da Humanidade, muito menos para gaúchos e paranaenses, pois como muito bem lembra o uruguaio Eduardo Galeano, em seu livro Memórias do Fogo - Los nacimientos, a “erva-mate desperta os adormecidos, corrige os preguiçosos e irmana as pessoas que não se conhecem”; quanto ao segundo, “erva-senhorita” – data venia, como diriam nossos juristas – algo tão deleitoso, tão adorável, tão prazeroso, tão saboroso teria fatalmente de estar ligado à condição feminina. Tenho dito!
Constatação VII
O prezado leitor já se deu conta de quantas sugestões os ex-ministros de presidentes anteriores aos subsequentes, deputados governistas etc. têm manifestado com relação ao que o novo governo deve fazer ? Tal fato, faz lembrar a história que deu origem ao “Ovo de Colombo”. O pessoal da época fez troça de que Colombo não poderia chegar aonde pretendia. Colombo perguntou se algum deles sabia pôr um ovo em pé. É claro que ninguém conseguiu. Aí, Colombo amassou um pouco um dos lados o que permitiu que o ovo ficasse em pé. –“Mas assim, nós também sabemos”, replicaram os trocistas.
–“E por que não o fizeram?”
Constatação VIII
Deu na mídia: "Brasil tem grandes áreas naturais preservadas, mas atividades predatórias ainda são intensas". Como os meus prezados leitores podem constatar a mídia anda sofrendo de falta de memória porque tem se esquecendo de acrescentar: Viva "nóis".
Constatação IX
Antes do Brasil ser Campeão do Mundo, o jornal uruguaio "El País" publicou que uma vidente argentina havia previsto que o Uruguai venceria aquela Copa que foi disputada na Coréia e no Japão. Entre outras previsões, a vidente se orgulhava de ter antecipado a ascensão e queda de Fernando de la Rúa na presidência argentina e da prisão do ex-presidente Carlos Menem. Com todo o respeito, Rumorejando achou que a vidente argentina devia se dedicar apenas à política. Afinal, futebol, como já diziam e ainda dizem desde os tempos imemoriais os entendidos, sempre foi, é e será uma "caixinha de surpresas".
Constatação X
Deu na mídia: "A Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae) do Ministério
da Fazenda divulgou recentemente um parecer recomendando ao Conselho de Acompanhamento de Defesa Econômica (Cade) punição a cinco empresas farmacêuticas por prática de cartel internacional no mercado de vitaminas". Rumorejando acha que o Cade deveria dar uma espiadela nos supermercados também. O que está acontecendo por aí é de arrepiar até os cabelos de careca...
Constatação XI
Rico é errabundo*; pobre é vagabundo.
*Errabundo = Errante (Houaiss)
Constatação XII (Futebolística vernacular).
Assim como passou a fazer parte do dicionário a palavra "imexível", proponho aos nossos filólogos a adoção da palavra "imarcável", que teria significado de que ou quem não se pode marcar, como, por exemplo, acontecia com Garrincha e tantos outros e que agora parece estar, eventualmente acontecendo com o jogador Neymar. Noutro extremo, acontecia com Djalma e Newton Santos o revés. Eram "impassáveis", no sentido de intransponíveis. Dificilmente algum atacante passava pela marcação deles. Fica, portanto, consignada a sugestão, ou, se quiserem aproveitar o embalo, as doutas e modestas sugestões.
Constatação XIII
Rico é soberbo; pobre, é xucro.
Constatação XIV (De um pseudo-soneto).
           
            Aí, não dá pé...

Foi um enigma, foi um mistério
Como ela, sem entrar no sério,
Botou o marido em submissão
Sem lhe dar sequer um safanão.

Antes ele freqüentava o submundo
Onde ele tinha vício nada fecundo.
Daí vivia pedindo dinheiro emprestado,
Fazendo na “mordida” cara de coitado.

Evidentemente que sempre se esquecia de pagar
E dos golpes que dava ria que chegava a sacolejar.
Aí, ela resolveu fazer greve de sexo como advertência.

Mesmo não suportando em abandonar o baralho
E tendo que retornar a triste “sina” do trabalho
Reformulou tudo para não ficar em abstinência.

Constatação XV (De outro pseudo-soneto).
      
        Gente fina é outra coisa

Ele era um mau-caráter, um linguareiro*
Que fazia fofoca em toda vizinhança,
Falando mal dos outros o dia inteiro,
Chegando as raias da desvairança**.

Os vizinhos fugiam dele como da peste
Não querendo ouvir tanto disparate
Achando ele um senhor cafajeste
Que só vivia a pisar no tomate.

Um dia uma vizinha perguntou:
O que num sobressalto o assustou
“Por que o senhor faz tanta intriga?”

Passado o choque ele se recompôs
E espalhou que ela tinha vários gigolôs
E, por isso, era sua irreconciliável inimiga.

*Aurélio: Adjetivo.
1.Que é falador, mexeriqueiro, maldizente, maledicente; de língua solta; solto de língua:
uma velhinha linguareira;
“afoutamente se pode afirmar que na Europa e na América a imprensa é superficial, linguareira e sectária.” (Eça de Queirós, Ecos de Paris, p. 204).
Substantivo masculino.
2.Indivíduo linguareiro:
“E fez ...., umas sobre outras, uma porção de perguntas, nas quais se reconhecia o linguareiro desocupado das ruas de Óbidos.” (José Veríssimo, Cenas da Vida Amazônica, p. 63.) [Sin. ger.: linguarão, linguaraz, linguarudo e (p. us.) linguarado.]
**Houaiss: Desvairança = Desvairamento
 substantivo masculino
ação ou efeito de desvairar; desvairança, desvaire, desvairo, desvariamento
1 qualidade do que é variado, sortido; variedade
2 estado de alucinação; desvario
3 condição ou comportamento de louco; loucura, delírio, desvario
4 falta de tino; disparate, insensatez, desvario
Constatação XVI
Colaboração do meu grande amigo, o advogado Djalma Filho: “Rico é esteta; pobre é fresco”.
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br Site: www.rimasprimas.com.br