terça-feira, 11 de setembro de 2012

RUMOREJANDO


PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (De um pseudo-soneto).


       De hormônios e comportamentos

Ela já deveria, a tempo, deixar de ser cinquentona
E, pela idade, sem os bons efeitos da progesterona
Pela atitude, sem dúvida, era do gênero mandona.
Já que ela se chegou achando que era minha dona.

Sem se preocupar com conduta ou protocolo
Ela veio, sem pedir licença, sentar no meu colo.
Eu me dispus a acariciá-la sem culpas ou dolo.
Mesmo temendo ficar com câimbra ou torcicolo,

Ela me beijava com êxtase, com encanto, com frenesi
Mas quando minha mão deslizou para um lugar oculto,
Ela me sussurrou: “Querido, continue, porém não aqui”.

Para quem me pareceu tão arrojada, audaz, despachadona,
Eu que estava querendo mostrar que não era um sujeito estulto*,
Disse: “Você acha que eu tenho água em lugar de testosterona?”

*Estulto =  adjetivo
que não apresenta um bom discernimento; insensato, estúpido, néscio (Houaiss).
Constatação II (Até quando?)
Alguns componentes dos 3 Poderes da República não só curtem as delícias do capitalismo, mercê dos seus elevados salários diretos e indiretos, como também através do que auferem pela excrescência da corrupção. Aliás, para ser fdp tem que ter talento e vocação. Vige!
Constatação III (De outro pseudo-soneto).

            Culpa do cão

“Dissoluta, devassa, libertina”,
Disse o marido compungido
Com o seu amor-próprio ferido
Porque ela tava nua numa campina.

Por que você tava nua, ele questionou?”
Ela respondeu: “Pelo calor e por pirraça”.
Ele muito p., disse bravo: “Não tem graça.
Você estava com alguém que se mandou”.

“Juro pela tua vida que eu tava sozinha
E tinha acabado de tirar minha calcinha”.
Para sentir o vento em todo o corpo meu.

Acontece que eu levei nosso querido cachorro
E quando tirei a última peça ele pegou meu gorro
Também o sutiã e a calcinha e se escafedeu.

Constatação IV (De um terceiro pseudo-soneto).

    Promessa nem sempre é dívida

Quando ela já havia acedido de ir ao motel
E nós estávamos deitados na cama com dossel
Ela toda cheia de pudor, pudicícia e de recato
Não se dignou ao menos em tirar o sapato.

De nada adiantou o meu sincero e honesto argumento
E que vir a tal lugar e nada acontecer é um tormento.
E o luxo era de maneira tal que até havia dois chuveiros
E que daria para tomar banho juntos em muitos janeiros.

Ainda argumentei que o preço do motel era elevado
E que a negativa dela me deixava tristonho, agastado.
Acrescido que ela iria se comportar, conforme prometeu.

Acontece que eu mudei de idéia, pensando em noivado
E descobri que você pinta e borda feito um desmiolado
E a despesa, concordei que quem teria de pagar era eu”.

Constatação V (Passível de mal-entendido).
Ele cutucou a sogra com vara curta.
Constatação VI
Rico se engana de vez enquanto; pobre erra sempre.
Constatação VII
E como apregoava o obcecado metido a político da Esquerda: “Coxinhas de todo o mundo desuni-vos”.
Constatação VIII
E como apregoava outro obcecado – nada a ver com o citado anteriormente –, fazendo auto-promoção da sua – segundo ele – irresistível e modestíssima pessoa: “Estou a sua disposição das 6 da manhã até as 5 e 59 do dia seguinte. Conto humilde e timidamente com a sua inestimável e imprescindível incorporação”.
Constatação IX
Não é nada disso o que a mídia anda publicando. Que pizza que nada! Estão todos enganados. Ninguém comprou ninguém. Foi apenas uma questão de investimento...
Constatação X
E como se jactava aquele obcecado, que não tem nada a ver com os anteriores, metido a dândi*: “Eu uso shampu para os meus cabelos; outro, para minha barba e bigode e um terceiro para os meus pelos pubianos. Vai ser dândi assim na casa do chapéu! Vige!

*Dândi = substantivo masculino
1 indivíduo que se veste com elegância e requinte
2 Derivação: por extensão de sentido.
indivíduo que se veste e comporta com afetação e delicadeza (Houaiss).
Constatação XI
E como esnobava aquele técnico de futebol de origem inglesa duvidosa por causa do péssimo sotaque: 4-4-2 ou 4-3-3? This is the question.
Constatação XII (De conselhos úteis, pouco esclarecedores).
Se você é
Uma
Mulher
Valente,
Corajosa,
Altaneira,
Não temente
Duma
Emoção
E quer
Ficar
Famosa
Como a Luma
De Oliveira,
Ganhar
Rapapé,
Bajulação,
Ser elogiada
E outros que tais,
É mister
Que não
Se furta,
Pelos caminhos,
Pelos escaninhos
Da vida
De cutucar
A onça.
Jamais,
Com vara curta,
Mas com vara comprida
Ou com geringonça
Outra qualquer.
De nada!
Constatação XIII
O que tem de empresa nacional e estrangeira – voltadas à economia, consultoria, projetos, finanças –, dizendo o que o novo governo deve ou não deve fazer não se encontra em gibi algum. Isso lembra, também, os locutores de rádio e televisão e respectivos comentaristas de jogos de futebol que, data vênia, como diriam nossos juristas, deveriam substituir os técnicos dos times tal é o grau de “conhecimento” que revelam possuir antes, durante e após a partida. Aliás, o Felipão calou a boca de muitos desses, com o pentacampeonato. Idem, o Parreira em 1994.
Constatação XIV
E como dizia, filosofando, aquele pingo de gente, do alto da sua experiência de quatro anos de vida, ao entregar um presente, evidentemente, comprado pelo pai, no Dia das Mães, para a sua: “Puxa, mãe, que sorte que o papai te escolheu”.
Constatação XV
Não se pode confundir cheque com choque, muito embora a gente pode levar um baita choque com um cheque sem fundo, seja a nós passado. A recíproca não é verdadeira. Basta enfiar o dedo na tomada para comprovar essa nossa modesta, sábia e douta assertiva.
Constatação XVI
Milionário é homoafetivo; rico é pederasta; classe média é baitola (ou perobo); pobre é viado.
Constatação XVII (De uma dúvida não necessariamente crucial).
Dois pesos e duas medidas te enchem as medidas?
Constatação XVIII (Novos tempos).
Ele ficou encoscorado*
Quando viu a namorada
Se agarrando com um amigo,
E pior, parecendo apaixonada.
Aquilo foi para ele um castigo
Que o deixou danado.
Coitado!

*Encoscorado=  adjetivo
que se encoscorou
1 que é ou ficou encarquilhado; encrespado
2 duro como o coscorão
3 que se encolheu ou enrugou (Houaiss).
Constatação XIX
Rico é concupiscente; pobre é tarado.
Constatação XX (Da dúvida de uma propaganda na televisão).
Ora – veja!
O quarteto
Da propaganda da cerveja
Virou esqueleto.
Que seja!
Será que a ‘loira’ tinha brometo?
Constatação XXI (Coisas da suposta feliz idade ou 3ª. idade).
Como esquece a relação das compras que a mulher pediu para ele comprar, toma nota e guarda o papel no bolso. Depois esquece onde guardou a lista de compras. Coitado!
Constatação XXII (Pequenas comparações machistas, na falta de maiores...).
Há muitos lustros atrás era muito raro ver, como hoje, as mulheres dirigindo automóveis. No bairro sempre passava uma senhora que dirigia com muita desenvoltura e eficiência. Um dos componentes da turma fez o seguinte comentário: “Aquela senhora dirige tão bem que até parece homem ao volante...”
Constatação XXIII (Vige!).
A propaganda política está em todo o nosso país tão ruim, tão ruim, mas tão ruim que não é mais meia-boca. É um quarto de boca, ou mesmo 1/8 de boca e até 16 avos de boca. Coitados! De nós todos!
Constatação XXIV
Não se pode confundir ambíguo* com umbigo, até porque: 1. Um político quando está em campanha ele faz promessas ambíguas, pois jamais irá cumpri-las. Portanto, fala como o que diz fosse uma verdade inconteste e, depois de eleito, tudo o que disse não passa de uma deslavada mentira. 2. Assumindo um mandato passa a achar que o mundo, qual a terra em relação ao sol, deve girar em torno do si, descrevendo órbitas elípticas no qual o seu – dele – umbigo é um dos focos. Vige!

*Ambíguo =  adjetivo
1 que tem (ou pode ter) diferentes sentidos; equívoco
Ex.: esclarecimento duvidoso, pois muito a.
2 que desperta dúvida, incerteza; vago, obscuro, indefinido
Ex.:
3 que admite interpretações diversas e até contrárias (diz-se do sentido)
4 Rubrica: gramática, lingüística.
que permite duas (ou mais) interpretações diferentes (diz-se de frase, locução etc.); anfibológico (Houaiss).
Constatação XXV
Há vários tipos de círculos viciosos. O da pobreza é um deles, onde um dos exemplos acha-se expresso no Google que sem pudor Rumorejando se dispôs a transcrever: “(...) o drama do círculo vicioso da pobreza persiste e manifesta-se sempre na ausência de crescimento econômico, para fomentar o crescimento é necessário estimular o desenvolvimento econômico, que somente pode ser alcançado se o país em causa estiver dotado de um tecido empresarial forte com capacidade para realizar investimento de capital (físico e humano); um segundo exemplo é o do comportamento dos políticos: Quando as eleições são ganhas pela Oposição, a primeira coisa é continuar criticando os perdedores, a até então Situação. Esta, por sua vez, passará a ser criticada pela nova Oposição, principalmente no que se refere à omissão de realizações que eles tampouco realizaram; outro círculo que Rumorejando apresenta, mercê de sua própria experiência, é o da velhice. Ela, a velhice, enseja a perda da memória. A perda da memória afeta o amor-próprio. A perda do amor-próprio implica em mais e maior velhice. E assim sucessivamente...
Constatação XXVI
Rico faz ouvidos moucos; pobre ensurdece nas máquinas barulhentas (e jovens escutando música no carro e/ou na balada com infinitos decibéis).
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

Um comentário:

DJALMA FILHO (twitter @djalmafilho68) disse...

Adorei essa: "Milionário é homoafetivo; rico é pederasta; classe média é baitola (ou perobo); pobre é viado." Abraço.