quarta-feira, 21 de novembro de 2012

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Rico é reivindicador; pobre, é pedinchão.
Constatação II
Não se pode confundir prosar com soprar, até porque conversa ao pé do ouvido está mais para soprar do que prosar. A recíproca só é verdadeira no caso de que o cara, quando conversa, ele sopra, inclusive, algumas vezes, o sopro sai em forma de assobio.
Constatação III
Ficou comum que muitos políticos, economistas e outros usem a metáfora do futebol para expor alguma idéia, alguma justificativa, alguma explicação. Rumorejando, muito humildemente, ousa aderir ao esquema. É com relação ao resultado das eleições em algumas cidades, particularmente na minha Curitiba. Parodiando o que alguém, ligado ao futebol,  que já no final de uma partida que parecia perdida virou o jogo, explicou que o jogo só termina quando acaba. Nas eleições recentes para prefeito, o candidato que aparecia nas intenções dos votos em último lugar tanto no primeiro, como num eventual segundo turno, faturou as eleições. É isso aí: Analogamene, as eleições também só terminam quando acabam.

Constatação IV

Quando da rara melhora do desempenho (de vez em quando também empata e até ganha) do meu time, o Paraná, vale a máxima de David Ben Gurion: “Quem não acredita em milagres não é realista”.

Constatação V

Deu na mídia: “Banco Central não pode ficar obcecado pelo mercado”. Ao ler essa notícia o nosso já conhecido conquistador barato, ligado a uma ONG só de obcecados, deu, muito convencido, um sorriso de mofa: “Obcecado só se deve ficar por mulher”. E acrescentou, plagiando, com despudor, Rumorejando: “Tenho, com elevado conhecimento de causa, dito”.

Constatação VI

Quando o lateral correu pela linha de fundo e centrou a bola onde não estavam seus companheiros a torcida concluiu, num juízo assaz rigoroso, que ele era um cara totalmente descentrado.

Constatação VII

Quando o velhinho contou para os amigos que ia ser pai, alguém da roda perguntou se o nome do filho ia ser Gabriel García Márquez, ao que o velhinho questionou: “Por que Gabriel García Márquez ?” –Porque tal só poderia acontecer na base do “realismo mágico”...

Constatação VIII

Disse a mulher: “Caluda,
Gente da sua laia não muda”,
Quando ele se pôs a explicar
De modo pouco sintético
Porque chegara àquela hora;
E que ele era um cara ético,
Por isso, não pudera vir embora
Porque não dava pra abandonar,
O jogo, já que estava a ganhar,
Mas que no fim da jogatina
Ficara sem um mísero vintém
E que ela por ser gente fina
Deveria compreender essa situação,
Emprestando uma nota de cem
Pra ele poder conseguir recuperar
Todo aquele perdido dinheirão.

Constatação IX

Não se pode confundir lorpa, que quer dizer “grosseiro, boçal” com torta, até porque, no exemplo do Aurelião: “Temos vivido, e com a mais lorpa das inconsciências, a endeusar... os arautos e fomentadores... da partilha do Brasil (Alberto Rangel, Textos e Pretextos, pp 42-43)”, fica bem claro que se torna difícil dividir o bolo, a torta, conforme foi propagado por um ex-ministro das Finanças há cerca de 30 anos atrás. Taí a necessidade de programas tipo Fome Zero para atenuar a acentuadíssima distorção de renda em nosso sofrido país. Mas ele, o programa, não deve ser eterno. É aquela velha história que é preciso ensinar o sujeito a pescar...

Constatação X

E não se pode confundir caquético com catequético, muito embora o cara que está caquético se põe a dar uma de catequético, querendo catequizar os mais jovens, achando que ele sabe tudo e os jovens não sabem nada, o que, a bem da verdade, se encontra muito nesses casos. Esquece o caquético que todo aquele que faz proselitismo de qualquer espécie – principalmente religioso, político e ideológico – fatalmente é um chato, digno de figurar no Tratado Geral dos Chatos de Guilherme de Figueiredo, irmão daquele presidente da República que preferia o cheiro de cavalos a de gente. Já, os cavalos, tudo leva a crer, preferiam o cheiro das éguas...

Constatação XI

A galera,
Desde a velha era,
Sem um golzinho
Fica uma fera
E não “manera”
Gritando: “Timinho”.

Constatação XII

Te falta
A infra-estrutura
Apaixonadamente
Ressalta
A eternamente
Futura
Amante.

Constatação XIII

Tá na hora de se proibir – o que, aliás jamais deveria ter sido adotado como esporte, ou seja lá o que for – a luta de boxe e agora a vale-tudo que nunca deixou de fazer vítimas fatais, ou, digamos, parciais. Tenho dito!

Constatação XIV

Ele, sorrateiro,
Se esquivava
 E não dava –
A ela
Algum dinheiro.
Que esparrela*
Armou
A mãe dela
E o tempo fechou
Para o avarento,
Que levou um pito
Deixando
O dito
Descontento,
Amuado,
Obumbrado.
Coitado!
Coitado?
*Esparrela = substantivo feminino
 1. tipo de armadilha de caça (Houaiss).
Constatação XV (De uma dúvida crucial).
Por que será que não se pede mais Atestado de Bons Antecedentes para candidatos a cargos eletivos, evitando-se, assim, que pessoas, comprovadamente, com Maus se elejam, independente do voto limpo? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XVI (De uma dúvida crucial).
Será que os familiares dos banqueiros acham normal que os juros de cerca de 200% ao ano, cobrados dos tomadores e que causam quebradeira, com todos os dramas familiares daí decorrentes, desemprego, etc. não os sensibilizam, deixando, pelo menos eles, com dor de consciência, insônia, traumas psicológicos, taquicardia, etc.? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XVII
E já que falamos no assunto, essas taxas que os bancos cobram, inventando ou alegando nomes mais esdrúxulos – tomando as aplicações do pobre mortal e pagando uma taxa ínfima e cobrando juros do também pobre mortal tomador de um empréstimo). E mais, pelo pouco número de caixas por não contratar mais funcionários e cada vez mais obtendo lucros infinitamente pornográficos a cada trimestre pode ser representada pela frase resumida: Os bancos e, claro, os banqueiros, como tanta gente, privatizam o lucro e socializam, deixando as pessoas na fila e coisas desse jaez, o prejuízo. Vige!
Constatação XVIII
Não se pode confundir apinhado com abespinhado tendo em vista, como por exemplo, quando joga o meu Paraná o estádio não fica apinhado (basta ver a renda do jogo) de torcedores que geralmente fica abespinhado com o pífio desempenho do time.
Coitados!

Constatação XIX (De conselhos úteis).

Prezado
Leitor:
Para invalidar
Mau olhado,
Àquele acusador,
Da genitora
Da sua mulher
Ou de outra gente
Qualquer,
Que até fazem secar
Pimenteira,
É suficiente
Imaginar
Tal olhar
Como se fora
Neutralizado
Por uma benzedeira
Que vai funcionar
Como uma enfermeira,
Como uma boa pomada.
De nada!
Constatação XX
 E já que falamos no assunto vale lembrar a conversa entre as duas comadres bruxas:
-O que anda fazendo comadre?
-Como sempre, maldade.
-Bom isso eu bem sei. É como eu. Mas eu queria saber se dedicando a ela de que modo?
-Simples. To agindo com relação ao SUS, o tal Sistema Único de Saúde do governo.
-E ta fazendo a maldade contra os seus dirigentes?
-Não. Contra os que recorrem a ele, os que precisam dele.
-Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer, ah, bom mesmo. Afeta muito mais e melhor as gentes. Não tinha pensado nisso. O que eu considero imperdoável de minha parte.
-Pois é...
Constatação XXI
Quando a gaúcha ficou sabendo que um seu conterrâneo, um deputado foi quem apresentou o projeto para que os deputados faltem segunda e sexta-feira e que já foi aprovado, sem maiores delongas e vergonhas e sem qualquer ônus para os seus – deles – proventos, lamentou o fato e falou: “A única atenuante é que ele quer ficar mais tempo junto ao pago”...
Constatação XXII (Uma história um tanto quanto diferente das infantis).
No início o relacionamento era de modo tal que os eventos do bem bom se manifestavam com orgasmos múltiplos e simultâneos e eram definidos como entrelaçamento das auras, de enlevo espiritual, de paz interior e exterior, de levitação, de felicidade em consonância com o universo que os entendidos diriam que era motivada pela liberação da serotonina. Mais tarde, com o passar dos anos e as mudanças no casal, ela pela menopausa e ele com a queda do desempenho, o relacionamento foi declinando. Um dia no meio do já não tanto bem bom, com o término precocemente das suas – dele – condições, ela ficou a ver navios e como devia estar com algum TPM temporão, explodiu violentamente: “Fique sabendo, de uma vez por todas, que eu não sou simplesmente um repositório de esperma. Depois desse infausto incidente, os eventos cessaram de uma vez por todas e os dois viveram infelizes para sempre...

DÚVIDAS CRUCIAIS, VIA PSEUDO-HAICAIS

Dúvida I

Foi o pentavô
Que preparou um complô
Para sacanear o hexavô?

Dúvida II

Era a “poupançuda”
Que, paradoxalmente,
Chamavam-na de cabeçuda?

Dúvida III

É imprescindível a confissão,
Caso contrário a tortura
Precisará duma nova sessão?

Dúvida IV

A ética
É só uma questão
De estética?

Dúvida V

Ou a ética,
Para alguns,
Já está “escafolética”?

Dúvida VI

Quanto mais grandiloqüente
É o discurso do político
Mais ele mente?

Dúvida VII

É estar muito carente
Comer dez sonhos de valsa
Mesmo com dor de dente?

Dúvida VIII

Foi a Gata Borralheira
Que chamou a madrasta
De bruxa fofoqueira?

Dúvida IX

É muita displicência
Chegar em casa e não notar,
Da mulher, a ausência?

Dúvida X

É muita redundância
Achar que a boazuda tem
Predicados em abundância?

Dúvida XI

É por má consciência
Que não chamou a atenção da
Filha, vestida com indecência?

Dúvida XII

Político quando promete
É pra não executar o prometido
Mostrando, assim, que tem topete?
Dúvida XIII
Foi o ancião
Que fez das tripas coração
Para conseguir uma ereção?
Dúvida XIV
O que? O prefeito que não foi reeleito
E com um desapontamento e tal desilusão
Que sem mais amigos teve de guardar o leito?
Dúvida XV
Quem só fez o bem aí, na propalada reencarnação
Nasce em um dos desenvolvidos países nórdicos
Quem foi mal, na África, por exemplo, no Gabão?
Dúvida XVI
O partido Democrata, chamado DEM
Com a vitória de um único caso, no país,
Lá na Bahia não se deu mal, se deu bem?
Dúvida XVII
Ela se mostrou avessa à idéia
De acompanhar o velhinho pro motel
Achando que tal redundaria numa epopéia?

Um comentário:

Kuzma disse...

Hahahahahahahhahahahahhahahha, muito boa mesmo: Deu na mídia: “Banco Central não pode ficar obcecado pelo mercado”. Ao ler essa notícia o nosso já conhecido conquistador barato, ligado a uma ONG só de obcecados, deu, muito convencido, um sorriso de mofa: “Obcecado só se deve ficar por mulher”. E acrescentou, plagiando, com despudor, Rumorejando: “Tenho, com elevado conhecimento de causa, dito”