quarta-feira, 13 de março de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (Notícia dos assim chamados civilizados e civilizadores).
Deu na mídia, mais precisamente no site da Globo: “Gigante Stefan Struve tem o maxilar quebrado em derrota para Mark Hunt.
Holandês é nocauteado no terceiro round, tem que ser levado para o hospital por causa da fratura e pede morfina pelo Twitter ainda na ambulância”. Em outra luta, um japonês quebrou a mão. Rumorejando acha que ta na hora de parar com as mortes e deixar seqüelas nas pessoas e animais nesses tipos de espetáculos e se dedicar a outros tipos de entretenimentos. E sem data vênia, como dizem nossos juristas. Pelo jeito, logo, logo a assistência vai sinalizar com o dedo, como nos tempos dos combates entre gladiadores romanos, para que se mate o adversário. Vige!
Constatação II
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Berlusconi será acusado de comandar rede de prostituição”. Dúvida não necessariamente crucial de Rumorejando: Quem será que vai pagar o pato por essa acusação contra, dentre outros, o dono do Milan (Nada a ver com o paranaense pato-branquense Alexandre Pato, namorado da filha do ex-ministro da Itália, atualmente jogando no meu Corinthians? Quem souber, por favor, comentários no blog, a fim de comunicar aos nossos prezados leitores por se tratar de assunto de transcendental importância para o futuro da Humanidade. Obrigado pela atenção.)
Constatação III (De uma quadrinha um tanto quanto surrealista).
Restam poucas vagas
Apregoa a publicidade
Pra preencher nessas plagas
Sem citar em qual especificidade.
Constatação IV (De conselhos úteis. De nada!).
Nunca leia a bula do remédio
Que você está tomando
Pois o efeito colateral
Sempre será um promédio
De uma freqüência tal
Que você vai se sentir piorando.
Constatação V (Quadrinha eternamente atual).
Não foi nenhuma casualidade
O político, no comício,
Mostrar falsa bondade
Pra quem ouviu foi um suplício
Constatação VI
Rico dá sempre sua abalizada opinião; pobre, jamais é solicitado para dar opinião.
Constatação VII
Ele foi julgado
Completamente maluco
Quando tomou
Um baita pifão
Só porque a sua amada,
Que vivia sendo cantada,
Lhe chamou
De eunuco,
De falastrão,
Depois de uma pifada.
Coitado!
Coitada!
Constatação VIII
Não se pode confundir chinelo com chileno, muito embora, certa vez, a seleção brasileira de futebol, que pretendia ir para Atenas, para disputar os jogos olímpicos, foi colocado no chinelo não necessariamente pelo time chileno, o anfitrião das partidas realizadas.
Constatação IX
Ela, toda empertigada,
Botava aquela panca
Depois duma desanca,
No maridão, de pancada.
Constatação X
Rico leva as soluções para a cama; pobre, os problemas.
Constatação XI
Rico tem hábitos; pobre, vícios.
Constatação XII
O pessoal não tá manjando coisa alguma. O meu Paraná, segundo alguns entendidos, está se resguardando para disputar o torneio paralelo entre os times que deverão cair para a segundona e para o sul-americano...
Constatação XIII
E já que falamos no Paraná, por que será que a atual diretoria do meu time ainda não pediu demissão ? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado. Aliás, se fosse no Japão, onde a vergonha e o opróbrio levam dirigentes até a gestos tresloucados, pelo menos, a demissão já teria ocorrido...
Constatação XIV (Teoria da Relatividade para principiantes).
E já que abordamos esse terrível e ignominioso assunto, é muito melhor cair para a segundona do que para a terceirona.
Constatação XV
E como poetava o renitente conquistador, nosso já tão conhecido:
Sou devoto,
De coração,
De Nosso Senhor
O Amor,
Não, mil vezes, não
A um simples amorico
E de Nossa Senhora
A Paixão
A quem dedico
O meu voto
E a uma pletora
De minha fãs:
Jovens ou maduras,
Sinceras ou caraduras,
Polonesas ou alemãs,
Italianas ou dos Balcãs.
Todas louçãs.
E, claro,
Como não sou avaro,
Nem faço besteira,
Ou asneira.
Dou amparo
A incomparável,
Amável,
Afável,
Agradável
Altaneira,
Fagueira,
Assaz companheira,
Seja falsa ou verdadeira,
Discreta ou bisbilhoteira.
A Mulher brasileira.
Constatação XVI
Rico tem simptose *; pobre é broxa.
*Simptose = “S. f. Patol. Debilidade ou enfraquecimento de um órgão ou de todo o organismo”.
Constatação XVII
Deu na mídia: “O governo vai propor a criação de uma taxa municipal contra enchentes[...]”. Do jeito que a coisa vai indo, aguarde breve, prezado leitor, outras taxas até para... Deixa pra lá...
Constatação XVIII (De uma dúvida crucial).
A extraordinária convocação
Do Congresso
Foi uma excelente solução
Ou não seria melhor o recesso?
Constatação XIX
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Senado lança animações para explicar o que é orçamento público”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que na explicação sobre o orçamento público, nas animações, os senadores deveriam deixar bem enfatizado que o orçamento público não é orçamento particular. Mormente deles...
Constatação XX
Vacilou na hora agá
Aí ela disse: Assim não dá.
Resolva de uma vez*
Que eu vou ficar resfriada
Com a minha nudez.
Coitada!
*Não ficou claro o que é que ele tinha que resolver. Se alguém tiver essa informação, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XXI (De uma dúvida crucial).
Saber quem é melhor, se o argentino Leonel Messi ou o português Cristiano Ronaldo,
como tantos internautas, na internet, ponderam ou discutem, é de transcendental importância para o futuro da Humanidade? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog, a fim de que Rumorejando, com a presteza de sempre, possa informar aos seus leitores. Obrigado!
Constatação XXII (Teoria da Relatividade para principiantes).
É muito melhor perder para os argentinos na escolha do novo Papa do que no futebol.

DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.
Dúvida I
Era um baita simulacro
A banda de roque pauleira
Tocando, na festa, sacro?
Dúvida II
Ele vivia aéreo,
Depois que ela se mandou
Deixando-o com um ar funéreo?
Dúvida III
Foi o conhecido idoso
Que caiu do cavalo ao querer
Dar uma de impetuoso?
Dúvida IV
Ainda existe donatário,
Em certos países,
Embora digam o contrário?
Dúvida V
Sem que haja uma doação,
Ser donatário
Quer dizer que houve apropriação?
Dúvida VI
Ele saiu chamuscado
Mesmo com o fogo dela
Totalmente apagado?
Dúvida VII
Ficou restrita,
Por expressa proibição médica,
A ingestão horária de birita?
Dúvida VIII
Este problema do transgênico
Está deixando muita gente
Totalmente neurastênico?
Dúvida IX
Neste nosso ano bissexto
Ele vai escrever vários versos
De amor num palimpsesto?
Dúvida X
E já que falamos em diaulo,
Essas derrotas do meu Paraná,
Se deve quando técnico era o Saulo?
Dúvida XI
Pra variar, o Ministro do Planejamento
Demonstrou a precária situação
Ao falar sobre o Orçamento?
Dúvida XII
Ninguém fala na fruta calaburo,
Que a maioria desconhece, com
Medo de ser chamado de burro?
Dúvida XIII
Quando o carnaval passar
É que vai ter emprego
Pra gente trabalhar?
Dúvida XIV
Ou vai ficar
Pras calendas
A coisa deslanchar?
Dúvida XV
Não está havendo “solucionática”,
No nosso governo, para essa
Profusão de problemática?
Dúvida XVI
Será que a desclassificação
Alteraria o risco Brasil após
Um mal desempenho da seleção?
Dúvida XVII
E causou celeuma
Quando ele agiu
Com fleuma?
Dúvida XVIII
Existem similitudes
Entre a sutileza da pata dum
Elefante e certas atitudes?
Dúvida XIX
Hei, PT!
Igual aos demais partidos!
E os honestos, cadê?
Dúvida XX
O leão do imposto de renda
É para destinar às escolas a merenda
Ou dar aos políticos uma prebenda*?
*Prebenda = 4. Derivação: sentido figurado.
Ocupação rendosa e de pouco trabalho; sinecura, veniaga**
**Veniaga = 3. Derivação: sentido figurado. Uso: pejorativo.
Negócio em que há trapaça; negociata, tramóia (Houaiss).

                                   FÁBULA CONFABULADA (INDIGNA DO MILLÔR)
Num povoado chinês, às margens do rio Amarelo, vivia um casal e um filho. O pai e marido (nem sempre o pai é o marido e vice-versa), Man Deh Ven, um sujeito mandão, porém muito honesto; a mãe e esposa Jah Lhe Ven (mãe é sempre mãe) que economizava sempre, evitando o desperdício e juntando todo yen que fosse possível e o filho Pes Teh Ven que não queria nada com nada. Os pais trabalhavam arduamente a terra, tirando dela, com sacrifício, o necessário para viver. O filho, que achava ter somente direitos e haveres sem a contrapartida de obrigações e deveres era o que se poderia chamar de “nasceu-só-para-o-ócio-e-o-lazer”. A lei do menor ou nenhum esforço era a sua lei. E assim Pes Teh Ven foi crescendo até atingir a idade que se poderia dizer apto para fazer parte da força de trabalho. No entanto, Pes Teh Ven, além de não se conscientizar das suas responsabilidades ainda se deu a alguns hábitos condenáveis como a prática do jogo que, na China, como se sabe, é totalmente proibido. Evidentemente, por essa razão, o jovem passou a freqüentar lugares escusos, onde o jogo era escamoteado nos fundos de uma livraria que vendia o Livro Vermelho de Mao e outros desse jaez para despistar a polícia.
O dinheiro, Pes Teh Ven arrecadava fazendo um ou outro biscate, já que não tinha emprego fixo. Afinal, ninguém queria contar com ele para algo mais sério. E, como todo jogador, vivia atolado em dívidas, tendo em vista os empréstimos que tomava e que pagava a muito custo.
Certa vez, Pes Teh Ven achou uns parceiros que julgava serem muito broncos e vislumbrou a possibilidade de ganhar uma razoável quantia. Passou a jogar com eles que, na verdade, de broncos não tinham absolutamente nada. Eram profissionais que sabiam representar muito bem e que, após perderem inicialmente algumas rodadas para o jovem, passaram a ganhar invariavelmente. Pes Teh Ven passou a assinar vales que os “broncos” aceitaram. Entretanto, a cobrança dos ditos vales parecia nada valer, já que Pes Teh Ven sempre tinha uma desculpa qualquer ou simplesmente tratava de se esconder ao divisar a presença de um dos seus infatigáveis cobradores. Reaver o dinheiro do débito de Pes Teh Ven passou a ser uma espécie de ideal, uma quase obsessão dos seus credores. E assim foram se passando anos e quase séculos, pois, como é de conhecimento geral, os chineses, à semelhança de outros povos orientais, são longevos.
Moral: Ao contrário dos Provérbios, 22: 7 de “quem pede emprestado é servo de quem empresta”, mas na quase totalidade dos casos e situações quem empresta é que fica servo de quem tomou emprestado...

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: