terça-feira, 23 de abril de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Deu na mídia: “Ladrões levam R$ 80 mil em cigarros”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas seria de bom alvitre não esquecer que o Ministério da Saúde adverte: “Fumar faz mal para a saúde”.
Constatação II
Rico retruca; pobre, gagueja, tentando retrucar.
Constatação III
Não se pode confundir premissa que o dicionário Houaiss dá como “ponto ou ideia de que se parte para armar um raciocínio” com preguiça, até por que tem muita gente que tem preguiça de armar até um raciocínio. Em alguns casos, poucos, não é por preguiça. É por não possuir ou não fazer questão de utilizar o saudável hábito de raciocinar. Coitados!
Constatação IV
Antes do invento de Thomas Edison da luz elétrica, o jantar a luz de velas não era necessariamente romântico. Era o que, na época quebrava o galho. Antes do fogo fica a dúvida crucial como será que o pessoal se virava à noite. Quem souber, por favor, esclarecimentos no blog para este assim chamado escriba que ficará eternamente agradecido.
Constatação V
Na França, quando as pessoas desfilam para reivindicar empregos, eles marcham, brandindo o livro O Horror econômico, de Viviane Forrester, que trata, entre outros, que o desemprego pode descambar para a eliminação de pessoas. Aqui, no nosso país, onde já estão ocorrendo, de alguma forma, tais casos, se houvesse desfiles semelhantes ao da França, o texto de Arnaldo Jabor, dentre tantos, intitulado “Não aguento mais!”, que já circulou pela Internet, poderia ser carregado, analogamente ao livro francês. Quem ainda não teve oportunidade de ler o livro da francesa Viviane Forrester e tal texto, bem como, outros do Arnaldo Jabor que o faça, urgentemente, pois vale a pena. Tenho dito!
Constatação VI
Rico só pode, eventualmente, ou raras vezes, ou de vez em quando estar rotundamente equivocado; pobre, estará, sempre, redondamente enganado.
Constatação VII (Assaz realista).
Não venha com esse enredo,
Com essa balela e não insista
Que não se deve ter medo
De ir ao médico e ao dentista.
Constatação VIII (Dos hermanos. Portanto, mercosulense).
O frango,
Repentino,
Que o goleiro
Argentino
Comeu,
Engoliu,
Que a torcida,
Tão sofrida,
Ferida,
Sentida
Não deglutiu,
Pareceu
Ao dançarino
De tango
Que, na bola,
Alguém havia
Passado,
Profusamente,
Óleo de canola
E esquentado
Em banho-maria,
Tão somente.
Coitado!
Constatação IX
E já que falamos nos hermanos, quem não está assistindo a atual safra do cinema argentino não sabe o que está perdendo. Afinal, nossa rivalidade com los hermanos é só no futebol.  E, sem patriotada, também é uma lástima quem estiver perdendo o cinema do nosso país. Cidade de Deus, O Invasor, As três Marias, O homem que copiava, Madame Satã, Abril Despedaçado são alguns poucos – muito poucos – exemplos da assertiva desse assim chamado escriba. Aliás, a maioria desses filmes brasileiros, principalmente A cidade de Deus, pela sua temática, é condição necessária assisti-los, ainda que não suficiente...
Constatação X
Ainda sobre o cinema brasileiro: Lamentavelmente, em uma porção deles se faz necessário legenda porque não é possível escutar os diálogos. Seja pela dicção do ator ou por razões técnicas. O som, data vênia, como diriam nossos juristas, ainda é o tendão de Aquiles do nosso cinema. Pena!
Constatação XI
A exigência,
E não é maledicência,
Cada vez maior
Do mulherio,
Baseado
No que a sexóloga prega,
De que o seu parceiro,
O tempo inteiro,
Seja o melhor,
Seja um portento
Tendo que virar,
A todo o momento,
Atleta sexual
Dá, no homem, calafrio,
Pois vai transformar
O relacionamento
Numa refrega
E em algum outro que tal.
Coitado!
Constatação XII
O convencido
Sempre crê
Que
Todo olhar
A ele
Dirigido,
Por mulher,
É embevecido
Seja inglesa,
Brasileira,
Magiar
Ou francesa,
Ou de qualquer
Outra fronteira,
Seja de noite
E de dia,
Querendo,
Pretendendo
Um pernoite
Daquele
Que supõe
Que nunca falha,
Graças ao seu charme,
Com jeito
De gendarme*,
Com medalha
No peito
E que se deveria
Constantemente
Louvar
A sua beleza,
Que a natureza
Dispõe
E sua pretensa,
Intensa,
Simpatia
Que nunca houve
E ele nem sabia,
Tão somente...
*Gendarme = Substantivo masculino.
1. Militar pertencente a um tipo especial de corporação, que tem o encargo de velar pela ordem e segurança pública na França e em alguns outros países.
2. Derivação: sentido figurado.
Instituição, nação, indivíduo(s) etc. que se dão por missão preservar uma certa ordem
Ex.: Os Estados Unidos se atribuem o papel de gendarme do mundo ocidental (Houaiss).
Constatação XIII (Com pouca rima).
MP, que significa
Ministério Público ou
Medida Provisória
Não implica,
Em Ministério Provisório
Nem em Medida Pública.
O que é de se lamentar
Já que é de ficar
Tiririca*...
*Nada a ver com o deputado federal que recebeu – merecidamente – a votação mais expressiva nas últimas eleições.
Constatação XIV
Deu certa vez na mídia: “O então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, afirmou que as vaias que havia recebido de um grupo de procuradores em greve durante a inauguração do Fórum Trabalhista de São Paulo, foram as primeiras de sua vida”. Já, os juízes, de futebol, acham que são coisas que, com o tempo, a gente acaba se acostumando...
Constatação XV
Deu na mídia: "90% dos médicos consideram a profissão desgastante”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha desgastante ficar doente...
Constatação XVI
Por mais que se ache que a morte é uma coisa natural, quem trabalha numa agência funerária, cemitério, coroa de flores e assuntos desse jaez não deve dizer, ao se despedir da gente: “Estamos as suas ordens”. Data vênia, como diriam nossos juristas, não pega bem. Inclusive poderá suscitar mal-estar.
Constatação XVII
E como dizia o conquistador barato: “A chama olímpica vai logo, logo brilhar no Brasil, mais precisamente no Rio de Janeiro e a chama do meu ardente amor, no meu pungente, confrangido coração, por você”.
Constatação XVIII
Não se pode confundir lixívia que quer dizer, segundo o Aurelião, “Água onde se ferve cinza e que é usada para branquear roupa” com lascívia que é, também segundo o Aurelião, “luxuria, libidinagem, sensualidade, cabritismo”, muito embora um esteja biunivocamente ligado com outro. Quanto à recíproca, não vem ao caso. Pelo menos, depois de...
Constatação XIX
Deu na mídia: “Quadrilha é presa com 1.200 pares de sapatos roubados”. Não ficou esclarecido se alguma centopeia esteve envolvida, participando no delito.
Constatação XX
Meu coração
Passou a palpitar
Pelo mulherão
– Que fazia jus
A essa denominação –,
De maneira tal,
Que eu imaginei,
Eu supus
E até cheguei
A pensar
Que ele,
O órgão
Muscular,
O coração,
Iria
Mudar
Aquele
Seu jeitão,
Sua anatomia,
Sua forma normal,
Poética,
Estética,
Para a forma faseolar. *
*Faseolar = “Que tem forma de feijão, como p. ex., o rim; faseoliforme” (Aurelião).
Constatação XXI
Não se pode confundir chantagem com vantagem, muito embora, em certos países, onde está vigendo o “tirar vantagem em tudo”, até e/ou, principalmente, a chantagem passou a vigorar em toda a sua, digamos, pujança. A recíproca para esses filhadapu...mente casos não é necessariamente verdadeira. Depende das leis, repressão policial e outro que tais...
Constatação XXII (De diálogos e queixumes entre amigos).
-“A minha mulher brigou comigo e está de mal comigo”.
-“Por quê?”
-“Porque ela me contou que teve uma discussão com uma conhecida”, me dizendo: “Aí eu falei pra aquela desclassificada uma porção de verdades e uma porção de impropérios que ela, há tempos, estava precisando ouvir e que eu já estava pretendendo, de há muito, dizer. E você sabe como eu sei ser bem nojenta quando eu quero e quando eu discuto”.
-“E ela ficou braba por você ter tomado partido pela conhecida dela?”
-“Não! Nada disso! Imagine se eu iria tomar partido contra a minha mulher. Eu não sou louco! Ela ficou braba porque eu não contestei, porque eu fiquei quieto, quando ela disse que a outra era nojenta. Veja se é lá possível entender a intrincada alma feminina”.
-“Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer...”
Constatação XXIII
Ela se abespinhou
Quando ele chegou
Todo “encervejado”,
Alegando que havia ficado
Até mais tarde labutando
No escritório
Do empório
Onde trabalhava.
“Vou te transformar
Num eunuco,
Seu safado”,
Ela vociferou.
“Você estava
Jogando
Um truco
Com o tal
De Juca,
Aquele infeliz,
Aquele plebeu,
Aquele mixuruca
Que sempre diz
Que não tem
Rival
E que nunca perdeu
Para ninguém”.
Coitado!
Constatação XXIV (De uma dúvida crucial)
Político honesto é uma espécie em extinção? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XXV
Rico insinua sutilmente; pobre mete os pés pelas mãos.
Constatação XXVI
Quando falaram para o covencido
Das sete maravilhas que há no mundo
Ele se sentiu magoado por não estar incluído,
E lhe sobreveio um mal-estar profundo.
DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.
Dúvida I
De muitas pessoas, o declínio,
Produz, em outras tantas,
Um baita fascínio?
Dúvida II
Já, no prefácio,
Dava pra ver que o
Autor era um pascácio*?
*Pascácio = Tolo.
Dúvida III
Foi o marinheiro
Que ficou com talassia*
No seu enésimo cruzeiro?
*Talassia = Enjoo de mar.
Dúvida IV
É muito polêmico
Dizer que o gordo
Estava anêmico?
Dúvida V
E também é muito polêmico
Dizer que enganar os outros
Virou um caso endêmico?
Dúvida VI
E, ainda, é muito polêmico,
Que a fala do político, mesmo
Não sendo professor, é acadêmico?
Dúvida VII
Ela teve a pachorra
De perguntar, no motel, por que
Ele estava naquela modorra?
Dúvida VIII
Será que alguém acredita
Na punição de deputados
Faltosos nas sessões, ou é fita?
Dúvida IX
Todo filho caçula,
Na hora de comer,
Faz muita firula?
Dúvida X
E todo filho mais velho
Por ser o primeiro
Nunca levou relho?
Dúvida XI
Você também franze o semblante
Quando ouve um pai da pátria
Dizer algo achincalhante?
Dúvida XII
Quem mantém o sangue frio,
Diante de tanto assalto,
Merece um baita elogio?
Dúvida XIII
É preciso muito juízo
Pra, circunstancialmente,
Não ficar só no prejuízo?
Dúvida XIV
Muita lentidão,
No trânsito,
Te induz ao palavrão?
Dúvida XV
Os tatames,
Onde lutavam os faquires,
Eram de pontudos arames?
Dúvida XVI
Era um beijoqueiro
Que punha fogo nelas, qual
Um fósforo ou um isqueiro?
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br 

Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 17 de abril de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Rico tem candidíase; pobre, sapinho.
Constatação II
O grau de tratamento que uma pessoa recebe dos que a circundam é diretamente proporcional ao seu grau da tolerância e em função do teor emitido pelo emissor ou pelos emissores...
Constatação III
Com certos governantes aflorando, dentre outros malefícios, a corrupção, ou a inépcia, ou o arbítrio ou ainda a boçalidade. Na espalhada maioria dos casos, todos esses danos, juntos. Cruzes!
Constatação IV
O clima de Curitiba está de modo tal que além de aparecer o sol só de vez em quando e raramente, o veranico que se apresentava nos anos anteriores já no outono, ou seja, nos meses de março, abril e maio. Agora, está se apresentando nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro no meio de um frio, às vezes intenso. Vige!
Constatação V (De uma dúvida crucial).
Também deu na mídia, coincidentemente quando a notícia da constatação anterior aconteceu: “Apesar da baixa atividade econômica das últimas duas décadas, o número de ricos no País mais do que dobrou”. Dúvida crucial: Será que a distorção de renda em nosso país é endêmica? Em caso positivo, existe vacina ou antídoto para tal? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação VI
Não se pode confundir patrimônio com matrimônio, muito embora, algumas vezes, o matrimônio dilapida o patrimônio de um dos cônjuges. Em tal caso, se constata que houve um dos seguintes casos: golpe do baú; má gestão financeira; efeito ostentação; crise econômica; inflação; desperdício ou todos eles, concomitantemente. A recíproca, no presente caso, não vem ao caso, sem que exista, por parte de Rumorejando, algum descaso para com tal trágico desenlace.
Constatação VII
Não se pode confundir solidária com solitária, muito embora tenha gente que come desmesuradamente, solidária com a sua solitária de autoestima. A recíproca para esses gastronômico-helminticos casos não é necessariamente verdadeira. Depende, essencialmente, do que e aonde o sujeito costuma fazer as suas – dele – opíparas* refeições.
*Opíparo = 2. Adjetivo. Que é feito ou apresentado de forma abundante; farto, abundante, lauto (Houaiss).
Constatação VIII
Quando se tem
Dezenove,
Dezoito
Também
Dezessete
Anos de idade
A gente
Não se comove
Com facilidade.
Se é muito afoito,
Vedete,
Impetuoso,
Imprudente,
Ansioso,
Despachado,
Tão somente.
Não imagina,
Não atina
Que um dia
Ele, incluso,
Ficará idoso,
Considerado
Sem serventia,
Sem uso.
Lamentavelmente...
Constatação IX
Este assim chamado escriba constatou que em matéria de corte de cabelo acha-se rigorosamente dentro da moda, pois, de acordo com os entendidos, a alta é cabelos desfiados, cabelos desalinhados, brilho com elevado predomínio do branco, o que, naturalmente, sem ter movido uma palha, ou melhor, um fio de cabelo, é o caso deste já retro mencionado escriba.
Constatação X
Deu na mídia: “Para reunir o necessário numerário para comprar a cesta composta por 13 alimentos básicos, o trabalhador paulistano precisa cumprir uma jornada de 153 horas e cinco minutos de trabalho”. Data vênia, como diriam nossos juristas, a mídia paulistana esqueceu de acrescentar viva “nóis”.
Constatação XI
Quando as mulheres alegam que não quererem nada com nada, por estarem com aquela indefectível “dor de cabeça”, elas não estão corroborando para que os maridos, mais propensos a tal, caiam em tentação? Quem tiver uma resposta explicativa, laudatória, irretorquível, por favor, comentários no blog. De posse deles, Rumorejando pretende preparar um dossiê e divulgá-lo para os quatro cantos do mundo, colaborando, assim, para a cura dessa pertinaz doença, já que ela, a tal dor de cabeça, parece ser endêmica. Obrigado pela pronta atenção.
Constatação XII
Rico dialoga; pobre, discute.
Constatação XIII
Deu, certa vez, na mídia: “Foi preso, em Belém, Paulo Roberto Mustafá Moraes, 48 anos, acusado de ser o homem que seduziu e se apropriou de dinheiro, talões de cheque e joias de dezenas de mulheres em São Paulo e no Rio de Janeiro, ganhando a fama de ser o Don Juan brasileiro”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que a vida imita a ficção e a ficção imita a vida num círculo perniciosamente vicioso. Basta ver as novelas na televisão. Quase sempre tem personagens dando o golpe do baú e coisas afins que não deixam de servir de exemplo, de escola, de vade-mécum para a criação de trampas, trampões e trapaceiros, que imitando a realidade nunca são punidos. Vige!.
Constatação XIV
Deu na mídia: “Planalto recua e vai rever salário de militares este ano”. Como já foi dito por uma grande filósofa que pediu para declinarmos o seu nome: “Quando os militares começam a reivindicar aumento de salários, eles, naquele momento, estão em disponibilidade ideológica”.
Constatação XV
Ela
Sentou,
De maneira
Escanchada*,
Na cadeira,
Virada
Para o espaldar.
O namorado,
Quando olhou,
Aquela
Posição
Fez um esgar,
Ficou
Assustado,
Atabalhoado,
De olho estanhado,
Meio perdido,
Com um ar
De bobalhão,
Achando
Aquilo anormal
E conjeturando,
Tentando
Calcular,
Até por trigonometria
E por geometria
Plana –
E não só euclidiana
Como espacial –,
Quem havia
Cometido
Essa aleivosia
Que tinha,
Tirado
A sua calcinha.
Coitado!
*Escanchar = “Abrir, alargar (as pernas), quando monta a cavalo, ou à maneira de quem o faz”.
Constatação XVI
Rico retruca; pobre, gagueja.
Constatação XVII
E como discorria didaticamente o obcecado na roda com os amigos: “Para mim, vida útil não se restringe somente o quanto dura uma máquina, um equipamento ou, ainda, alguns acessórios. Vida útil é o tempo que você despende prazerosamente com uma gata. Aliás, não só com uma, mas com várias porque, segundos os catedráticos no assunto, há que se variar de vez em quando o pitéu”. Pitéu? Coisa de machista. Vige!
Constatação XVIII
Quando a gente ouve certos políticos se manifestarem sobre determinados assuntos acha que o esquema de Ficha Limpa deveria se estender também ao Quociente de Inteligência, prova de conhecimentos, de uma cultura ao menos razoável, julgada por especialistas em cada área específica, não usar pronunciamentos religiosos na base de críticas para outras religiões, pois no Brasil o ensino é laico e assim por diante.
Constatação XIX
Deu na mídia: “Corruptos tomam R$ 20 bi por ano dos cofres municipais”. Dúvida crucial: O que é que é feito para recuperar esse dinheiro todo e o que acontece, face as penalidades da lei, aos que ficam com toda essa grana que não é nem para qualquer país rico botar defeito? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XX
Alguma acachapante,
Derrota,
Desestimulante,
Antipatriota
Incomum
E assaz inibitória,
Eventual
Do meu Paraná
–Que melhor não há,
Ou melhor, havia –
Algum dia
Seja por cá
Ou lá,
Digamos, na Bahia
Indubitavelmente,
Deixa qualquer
Mortal,
Homem, mulher
Ou criancinha
Passando mal
Até com aumento,
E agravamento,
Do colesterol.
E com a certeza
Que, efetivamente,
A todo momento,
Futebol
É uma caixinha
De surpresa.
Constatação XXI
Gente bangalafumenga, *
Não agüentou a lengalenga
Do político nada molenga
Com sua tradicional arenga
E armou uma pendenga
Que o deixou com uma cor verdolenga
E que fez ele sair meio capenga,
Dando a impressão de derrenga **
Na base do resmelenga.***
*Bangalafumenga = joão-ninguém.
**Derrengar = Requebrar-se; rebolar.
***Resmelenga = Resmungo; rabugice.
Constatação XXII
Deu na mídia: “O Brasil recebeu elogio dos dirigentes do sistema financeiro mundial (FMI e Banco Mundial), por seu esforço para manter a estabilidade fiscal”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas essa notícia lembra aquela outra, dada pelo médico ao sair da sala de cirurgia, dizendo aos familiares apreensivos: “A operação foi um sucesso, mas infelizmente o paciente está morrendo”...
Constatação XXIII
Não se pode confundir baeta, que quer dizer, dentre outros, “a parte que resta do charuto ou cigarro depois de fumados” com beata (“mulher que se dedica em excesso às práticas religiosas”), até porque, no primeiro caso se verifica o problema da falta e, no segundo, a solução, data vênia, em excesso. Quanto à recíproca, Rumorejando solicitou a ajuda de um linguista que ficou de dar uma resposta, enquanto ficou pitando uma guimba, quer dizer, uma baeta, perto de uma beata que falou a ele que fumar, além de fazer mal para a saúde, de acordo com a recomendação do Ministério correspondente, é pecado. Vige!
Constatação XXIV
Desconcertante,
Aterrorizante,
Atordoante,
Bestificante,
Acabrunhante,
Irritante,
Apavorante,
Seviciante,
Até broxante,
Escutar,
Ouvir
A secretaria
Falar,
Proferir:
“Só mais
Um instante
Que já iremos
Lhe atender
E faremos
Tudo
Para
bem lhe servir”.
E, contudo,
Tá na cara
Que jamais,
Ela vai deixar
De nos esquecer”.
DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.
Dúvida I
Para certos idosos
Certas reminiscências e recordações
São assuntos assaz dolorosos?
Dúvida II
Até cartola ganhar alto salário
Também está condizente
Com o anseio comunitário?
Dúvida III
A sua silhueta
Parecia, mais que tudo,
A dum próspero proxeneta?
Dúvida IV
O ministro do Trabalho,
Quando se escuta ele falar
É só um fatal atrapalho?
Dúvida V
Quem lê Ricardo Vélez ou Arnaldo Jabor
Sobre os nossos desgovernos descobre
A outra diferença entre medo e pavor?
Dúvida VI
Foi o glutão, o guloso,
Que engoliu um parafuso
E disse que tava gostoso?
Dúvida VII
Estar com a moral elevada
É passageiro, é efêmero ou fugaz,
Pois ali ela não fica parada?
Dúvida VIII
Dívida não se paga,
Mas se cobra. Seja aqui,
Ou em outra plaga?
Dúvida IX
Comissão dos Direitos Humanos,
Dependendo de quem a preside
Pode virar um festival de enganos?
Dúvida X
Quem não é digno do seu oficio
Só comete barbaridades,
Além de causar malefício?
Dúvida XI
Se hospedar, com comitiva, em hotel de primeira,
Em Roma, “para facilitar os trabalhos”,
É dilapidar o nosso dinheiro sem eira nem beira?
Dúvida XII
Sanear o Congresso impedindo a eleição
De candidato mau-caráter, sem Ficha Limpa,
Representará, em nosso país, uma revolução?
Dúvida XIII
A implantação de um grupo de trabalho
Com gente que nada sugere, nada resolve
Resulta numa escolha infeliz ou num ato-falho?
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 10 de abril de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (Esclarecimento assaz necessário ou adendo às recomendações papais).
Deu na mídia: “Papa ressalta a importância da confissão”. No entanto, o Papa não esclareceu que tal proceder deve ser feito para os padres da paróquia, já que estes mantém o segredo da confissão. Afinal, se o marido, ou a mulher, confessar ao seu cônjuge o que anda fazendo, poderá, até, dar bode.
Constatação II (De diálogos conjugais).
-“Eu queria comer uma manga, mas não queria comer uma inteira. Você come a metade?”
-“Como”.
-“Eu queria comer uma manga, mas não queria comer uma inteira. Você come a metade?”
-“Já disse que sim”.
-“Ah, bom. Eu havia entendido que você não havia escutado, já que nunca presta atenção ao que eu falo, pois não tira os olhos da tela desse maldito computador”.
-“Como?”
Constatação III (Teoria da Relatividade para principiantes).
É muito melhor que roubem os cabos telefônicos do seu bairro, impedindo, dessa maneira, que você possa se comunicar por esse meio do que você ser sequestrado, ficando, na melhor das hipóteses, incomunicável...
Constatação IV
Quem não conhece a Literatura de Cordel, particularmente um dos seus maiores autores, Antônio Gonçalves da Silva, mais conhecido pelo pseudônimo de Patativa do Assaré, ou do professor Paulo Roxo Barja (http://cordeisjoseenses.blogspot.com.br/) não sabe o que está perdendo. Tenho dito!
Constatação V
Ela fazia
Firula
Enquanto 
Ele, em pranto,
Lia
A bula
Do remédio
Contra assédio*.
* Perdão, estimados leitores, mas não foi possível detectar qual tipo de assédio. Tão logo Rumorejando se inteire do tipo providenciará incontinente o repasse para conhecimento dos seus estimados retro mencionados leitores.
Constatação VI
Rico tergiversa; pobre, enrola.
Constatação VII (De diálogos entre não revelados).
-“Qual a semelhança entre marginais e certos vizinhos pianistas?”
-“Não sei”.
-“Ambos agridem”.
-“Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer, ah ruim, mesmo”.
Constatação VIII (De uma quadrinha que pode ser recitada por aí, ou não. Você decide).
O leite de cabra é tão calórico
Que o cara que toma engorda
E fica um bonachão eufórico
Que por aí, pinta e borda.
Constatação IX
Rica rebola; pobre saracoteia.
Constatação X
Deu na mídia, mais precisamente na Sic Notícias (Portugal): “Em três meses de funcionamento, o sistema informático que permite a notificação de eventos adversos em instituições de saúde já registrou cerca de 80 erros médicos. As notificações mais recorrentes dizem respeito a "comportamentos", "quedas" e "infecções associadas aos cuidados de saúde". Os dados foram inseridos de forma anônima por qualquer cidadão, incluindo médicos, enfermeiros e farmacêuticos. O objetivo é analisar as situações relatadas e corrigi-las no futuro sem punir os profissionais de saúde em causa. A inscrição dos hospitais e centros de saúde neste sistema é voluntária, até ao momento aderiram apenas 11 instituições de saúde”. Novo comentário de Rumorejando: Vige!
Constatação XI
Rico usa de franqueza; pobre, fala mal.
Constatação XII (Recíproca semiverdadeira).
O orgulho desmesurado, fatalmente, transforma-se em burrice; a burrice desmesurada, eventualmente, se transforma em orgulho.
Constatação XIII
A jornada
Foi na base
De aguentar
O mau-humor
Do patrão,
Aquele estupor,
Aquele paspalhão
Que tava na fase,
Bastante adiantada,
De se separar
Do seu pretenso amor,
O empolado
Vice-diretor.
Coitada!
Coitado!
Constatação XIV
Deu, no mesmo dia, na mídia: “Grande São Paulo tem dois milhões de desempregados” e “Lula diz que ‘sem a pressa dos apressados’ cumprirá as promessas”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas isso faz lembrar aquela história, já contada anteriormente em Rumorejando, de que as galinhas foram falar com São Pedro, se queixando da maneira, diferentemente de outros seres, que elas tinham relações sexuais e pedindo a sua mudança. São Pedro coçou a carapinha e disse: “De fato, eu nunca tinha me dado conta disso. Vou criar um grupo de trabalho para tratar dessa reclamação e reivindicação de vocês”. “E enquanto isso como é que fica”, perguntaram as galinhas. “Enquanto isso, vocês continuam tomando no...”
Constatação XV
E já que falamos no assunto, os jovens brasileiros estão migrando para outros países, mormente Estados Unidos, Nova Zelândia e Austrália, em busca de empregos. Só quem foi obrigado a abandonar o lugar onde nasceu, suas raízes, seus familiares sabe o quanto é dolorida essa decisão. Tal fato induz que a frase fascistóide, que a incauta classe média colava nos seus carros, no tempo da ditadura militar “Brasil Ame-o ou Deixe-o” seja mudada para: Brasil, Ame-o e Deixe-o. Lamentável!
Constatação XVI (Ah, esse nosso vernáculo).
Ele meteu os pés pelas mãos quando foi aos pés e não lavou as mãos.
Constatação XVII
“Você é um portento”,
Provocou nela
Um descontentamento
E ela reagiu
De maneira
Que deixou
Sequela
No nosso relacionamento,
Pois ela redarguiu,
Amuada,
Sem mais nem o quê:
“Não diga asneira.
Isso é pura balela!
Vá pra pê que pê.
Que malcriada!
Constatação XVIII
Deu na mídia, mais precisamente na Google: “Um vazamento de milhões de e-mails e documentos da indústria financeira expôs as identidades de milhares de usuários de paraísos fiscais em todo o mundo – entre os quais ministros, presidentes e empresas”. Comentário de Rumorejando: Vige!

DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.

Dúvida I (Efetivamente crucial).
Patológico
É uma espécie de marreco
Digital ou analógico?
Dúvida II
Cochilou a defesa
Aí o gol já não foi
De tanta destreza?
Dúvida III
Ela, de tão empertigada,
Tinha um andar que
Parecia estar emperrada?
Dúvida IV
Ele, de tão empertigado,
Tinha um andar que parecia
Estar com o freio de mão puxado?
Dúvida V
Herança denominada maldita
É aquela que provoca num
Pretenso herdeiro muita grita?
Dúvida VI
Votou,
Com esperança,
E se ferrou?
Dúvida VII
Furacões, ciclones e tornados,
Em nosso sofrido país, não irá
Nos deixar ainda mais relegados?
Dúvida VIII
Quem o paraíso celestial
Promete, será que, também,
Fornece o respectivo aval?
Dúvida IX
Os campeonatos regionais
Despertam tanto interesse quanto
Aos curitibanos os carnavais?
Dúvida X
Ser deputado ou senador
É melhor ou pior negócio do que
Ser um comissionado vendedor?
Dúvida XI
“Língua de trapo”,
Ele chamou a sogra,
Antes de levar um sopapo?
Dúvida XII
Chamavam de “perna de pau”,
Não o pirata do carnaval,
Mas o jogador que jogava mal?
Dúvida XIII
O jogador que pisa na bola,
Literalmente, ele pisou na bola
Duas vezes? É o que por aí rola?
Dúvida XIV
A gente fica convencido
Que, cada vez mais e mais,
Está fod, digo, perdido?
Dúvida XV
Na era da escravidão, sem glória,
As pessoas achavam que
Perdiam a liteira da história?
Dúvida XVI
Chorava, em vão, a carpideira
Pelo leite derramado
Da nova leiteira?

FÁBULA CONFABULADA, INDIGNA DO GURU MILLÔR.

Numa pequena província chinesa, cuja localização geográfica, para orientação de nossos leitores, se achava não muito longe do rio Amarelo, mas também não tão perto, vivia uma família constituída pelo pai Voy Leh Men Shen, pela mãe Lah Teh She Mensh e pelo filho Kley Neh Nuz. O casal trabalhava a terra e o filho estudava e ajudava os pais. Pelo que auferiam labutando, os ganhos só eram suficientes – e tão somente – para a própria subsistência. Por isso, a família que não tinha muito tempo para entretenimento, lazer e coisas afins. Estes eram desfrutados, apenas, através de uma velha televisão, ainda em preto e branco, mormente acompanhado através de novelas que eram originarias de um longínquo país, chamado Brasil que eles, como todo chinês que não dispõe da letra erre em seu alfabeto, pronunciavam Blasil. Mas tal não tem nada a ver com a nossa história.
A Voy Leh Mensh não agradava o regime econômico-social chinês, principalmente após assistir as novelas que mostravam os personagens tomando o desjejum farto ou quando a cena se passava em hospitais, onde estes eram impecáveis em matéria de atendimento ao doente, em higiene e asseio. Quando a China de uma república socialista, governada pelo Partido Comunista sob um sistema de partido único introduziu novas reformas econômicas tornou-se uma das economias de mais rápido crescimento no mundo, se tornando um dos maiores exportador de mercadorias do planeta. Evidentemente ocorreu uma diminuição da pobreza de maneira tal que se retirou cerca de 150 milhões de camponeses da pobreza o que afetou positivamente a família de Voy Leh Men Shen. A melhoria de vida deixou-o obnubilado e as delicias do bem-estar subiu à sua cabeça e ele se candidatou a um alto cargo público. E como era bem visto por todos não teve problemas em ser o indicado. Diante de um elevado orçamento para gerir, cujo valor não estava familiarizado e com a ambição exacerbada começou, como acontece em certos países, a querer misturar o dele – que era bem razoável – com o dinheiro público. Em uma das novelas que continuava assistindo e, agora, em uma televisão em cores, descobriu a figura no Blasil, do “Laranja”. E cooptando vários amigos, ainda pobretões, aumentou a sua riqueza, mas em nome deles. Mais tarde, os assim chamados “Laranjas” se apoderaram do dinheiro, recusando a devolvê-lo ao seu ilegítimo dono. Quando a fraude foi descoberta, Voy Leh Men Shen foi a julgamento e instado a devolver o dinheiro. Voy Leu Men Shen alegou que parte dele estava em nome de terceiros. Estes, então, também foram presos e tiveram todos que devolver o dinheiro o que foi feito, ainda que não em sua totalidade, já que alguns não mais dispunham integralmente do numerário auferido. O juiz disse que, em fatos assim, na China, se condena as pessoas à morte, mas, no presente caso, como todos devolveram parcialmente o dinheiro e se comprometeram em devolver o restante, Voy Leh Men Shen foi condenado a 100 anos de prisão em regime fechado e os demais foram postos em liberdade. Ao proferir as sentenças o juiz – Loh Mah Tan Tzen, esse é o seu nome – justificou a liberdade dos “Laranjas”, afirmando categórico: “Ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão.
Moral: O crime, na China, para alguns, às vezes, compensa. Para outros, em certos países, sempre...
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 3 de abril de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Deu na mídia: “Certa vez, a ex-ministra britânica Clare Short denunciou em entrevista à BBC que o então governo de Tony Blair havia grampeado o gabinete do secretário-geral da ONU, Kofi Annan”. Quem diria que até na pudica Inglaterra acontecem filha da pu...ce, digo, molecagens. Dúvida crucial: Será que o ‘know-how’ foi brasileiro? Quem souber, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação II (Mea culpa).
Este assim chamado escriba já foi adepto do PT, acreditando que seria uma questão de apoiar um partido defensor da ética, a qual, como sempre e agora mais do que nunca, foi colocada de lado. A Oposição que aponta os desmandos do PT apregoa que está na hora de se rever posições que foram tomadas por tantos que votam no partido que se diz ser dos trabalhadores. Efetivamente, a Oposição está eivada de razão. Há que se mudar de partido. Tudo bem, ou melhor, tudo mal. Não existe partido da atual Oposição que seja confiável. Pelo passado quando foi Situação. Portanto, cabe a pergunta: Mudar para qual? Tudo isso faz lembrar a história que meu falecido pai contava: Um dia de muita chuva ia um sujeito, único passageiro, sentado num bonde em um lugar onde havia uma goteira. Aí, o cobrador perguntou: “Por que o senhor não troca de lugar?” E ele retrucou: “Porque não há com quem”...
Constatação III
O Brasil não tem batedor de faltas de fora da área. O único batedor brasileiro é o paranaense da cidade de Pato Branco, Rogério Ceni, que não será convocado para a seleção. Pena.
Constatação IV
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão do dia 25 de março de 2013: “Bairro nobre de São Paulo registra dois arrastões em menos de 24 horas” e “Número de homicídios sobe 14% em São Paulo”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que não só em São Paulo que tem havido bandidagem. A criminalidade está em todas as partes. E agindo no Varejo e no Atacadão. Vige!
Constatação V
Rico aventa; pobre, ameaça.
Constatação VI (De uma dúvida assaz crucial. Não minha, dela).
Por uma questão de inércia
Ela nunca conseguiu aclarar
Se a tal da lima da pérsia
Era um cítrico ou um lugar.
Constatação VII
Ela, um portento,
Um mulherão
Ele, assaz ciumento,
Um paspalhão.
“Aonde você vai?”,
Ele perguntava,
Questionava,
Inquiria,
Incomodado
Desapontado.
Ela ria,
Num riso
De artista
Da televisão
Que até aparecia
O siso
E retrucava,
Contestava,
Respondia:
Vou ao dentista,
À florista
E ao supermercado.
Quando ela saía,
Acabava
A sua alegria.
E ele a seguia,
Desvairado,
Preocupado
Atormentado,
Pra ver se ela
Não mentia,
Na vez aquela.
E ela, que tudo sabia
Que ele também
Viria
Fingia,
Como ninguém
Que não o pressentia.
Um dia
Ela, grávida,
Disse a ele
Que naquele
Lindo dia
Estava
Ávida
Para comer
Melancia
Com jaca
E milho
Que ele,
Pessoalmente,
Deveria
Colher
E lhe trazer.
“Difícil paca!
Aonde vou poder
Me abastecer ?
Há que encontrar
Uma melancieira,
Um milharal
E uma jaqueira.
Não dá
Pra
Comprar
Esse total
Tão somente
Na feira?”
Questionava,
Desconfiado
Se o filho
Seria
Dele
Já pensando,
Matutando,
Lucubrando
Num DNA.
“Não”, ela respondia.
“Por que
Você
Me contraria?”
E, ele, pálido,
Esquálido,
Sem achar válido
Aquele pedido
Saía, sentido,
Ensandecido,
Enlouquecido,
Endoidecido,
Sem deixar
De ficar
Acabrunhado,
Apatetado,
Atoleimado
Pra executar
A esdrúxula tarefa.
Só porque,
Segundo seu parecer,
Sem mais nem o quê,
A sua cara-metade
Que dizia que nunca blefa
Assim o queria
Assim exigia.
Quanta maldade!
Coitado!
Constatação VIII
Não se pode confundir natação com matação, até porque exista professor de natação cuja aula é uma matação, assim como aluno que, ao invés de executar a dita natação tão salutar, fica de papo, de matação da aula, com a pessoa da raia ao lado que não é necessariamente uma gatona o que, aí, nesse imprescindível caso, seria perfeitamente injustificável. A recíproca para esses desportivos-ociósos casos não é exata e necessariamente verdadeira.
Constatação IX
A gatona,
Que se apresentava
Na televisão
Deixava
A “macharada”
Doidona,
Eivada
De ilusão.
Até o idoso,
Que se achava
Glamouroso,
Qual um rapaz,
Ainda que senil,
E eternamente
Em tédio,
Ficava
Necessitado
De tomar
Um remédio
Efetivamente
Eficaz
A base
De cortisona*,
De amilase**
E perindopril***.
Coitado!
**Amilase = Substantivo feminino
Rubrica: bioquímica.
Qualquer uma das várias enzimas capazes de degradar o amido em maltose (Houaiss).
*Cortisona = Substantivo feminino
Rubrica: farmacologia.
Hormônio (C21H28O5) obtido da extração das glândulas suprarrenais de animais domésticos e também produzido sinteticamente [Ativo no metabolismo das proteínas e carboidratos, é usado no tratamento de artrite, febre reumática, alergias etc.] (Houaiss).
***Perinrodopril = Fármaco****: Produto para controlar a pressão arterial.
****Fármaco = Substantivo masculino.
Rubrica: farmacologia.
Qualquer produto ou preparado farmacêutico (Houaiss).
Constatação X
Não se pode confundir aquilino com inquilino, muito embora exista uma profusão de inquilinos com narizes aquilinos, sendo que, alguns deles costumam meter o apêndice nasal em tudo, principalmente para bisbilhotar a vida do senhorio, vizinhos, etc., mormente no etc.
Constatação XI
O sol envergonhado
Quase nunca aparece
Durante o ano.
Até parece,
Desmemoriado
Já que, amiúde,
Esquece
Da saúde
Do curitibano.
Constatação XII
Para o septuagenário,
Além da nostalgia,
A artrite
Não permite
Dobrar
O polegar.
Será que não daria
Pra ele mudar
De itinerário,
De lugar?
Constatação XIII
Era tão cara de pau, tão cara de pau, mas tão cara de pau que, após a barba passava, como loção, um produto contra cupim, um “cupimicida”.
Constatação XIV
Não se pode confundir saída com sadia, muito embora, na maioria das vezes uma saída dum quiproquó seja muito sadia. A recíproca, deixa pra lá...
Constatação XV
Transformou
Em desafeto
O maridão
Após tê-lo usado
Toda a vida,
Desmesuradamente,
Como homem-objeto,
E, nessa atitude
Ardida
Nessa “solicitude”
De tê-lo considerado
De somenos,
O botou
Incontinente,
Pra fora
Do lar
Mandando ele,
Tão inocente,
Outrora fremente,
Embora,
Assaz magoado,
Descontente,
Com a situação.
Pelo menos,
Aparentemente.
E mais,
Que ele não
Voltasse
Jamais
E que fosse
Tomar
Naquele
Lugar.
Decisão,
Aparentemente,
Nada doce,
Tão somente.
Coitado!
Constatação XVI
Deu na mídia: “O ministro Guido Mantega reconhece que está "preocupado" com as taxas de desemprego que poderão advir de menos de 1% do PIB, em 2012. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando supõe que, afora S. Excia., mais de 200 milhões de brasileiros também devem estar...
Constatação XVII
Rico é autêntico; pobre é esquisito.
Constatação XVIII (De uma dúvida crucial).
A alta moda baixa, cada vez mais, os decotes e levanta, cada vez mais, as saias. Será que haverá um dia que os dois irão infinitamente se aproximar, tendendo qual limites e derivadas, da alta matemática, a zero, ficando, consequentemente, reduzido a uma estreita tira de tecido? E, caso isso se verifique, o que será que ficará a mostra?  Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XIX (De outra dúvida crucial).
Sem dinheiro, ninguém é ninguém ou ninguém é de ninguém? Ou as duas hipóteses ? Quem souber a resposta, por favor, também comentários no blog. Obrigado.
Constatação XX
Rico tem convicção dos seus pontos de vista; pobre, é turrão.
Constatação XXI
Rico sofre de “desintumescimento”; pobre é broxa.
Constatação XXII
Rico é dinheirudo; pobre, buchudo.

DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS
Dúvida I
Reduzir-se a sua insignificância,
Pra muito político, seria um ato,
De extrema finura e elegância?
Dúvida II
Viver bem, hoje em dia,
É somente se o sujeito
Ganhar na loteria?
Dúvida III
E, hoje em dia, ser pessimista
É apenas uma questão
De ser assaz realista?
Dúvida IV
Cobrir qualquer oferta
É sinal de que o cara
Tem mão aberta?
Dúvida V
O resumo do resumo
É que a gente tem que
Aderir ao subconsumo?
Dúvida VI
É muito dissabor
Ver o nosso salário
Perder mais e mais o valor?
Dúvida VII
Afinal, caixa preta,
É só avião que tem
E/ou quem faz mutreta?
Dúvida VIII
Ele se achou bastante inserido
No meio ambiente e concluiu
Que também estava perdido?
Dúvida IX
O meu Paraná teve sorte
Ao terminar em primeiro
O tal Torneio da Morte?
Dúvida X
E o time passará a jogar
Com uma estrela e uma cruz, na
Camisa, que irá providenciar?
Dúvida XI
E ser o merecido campeão
Do Torneio da Morte revela
Também ter tido boa exibição?
Dúvida XII
Ou foram os adversários
Que ajudaram a percorrer
Tais almejados itinerários?
Dúvida XIII
Não ser cupincha
Do chefe do bando é um
Sinal de não ser caguincha*?
*Caguincha = Substantivo de dois gêneros e dois números.
Regionalismo: Portugal. Uso: informal, pejorativo.
Pessoa covarde, que se assusta facilmente; cagarolas, caguincha, caguinha (Houaiss).
Dúvida XIV
Ele já ficou inibido
Quando ela começou
A tirar o vestido?
Dúvida XV
Na receita de certos médicos,
A leitura do garrancho é só para
Farmacêuticos enciclopédicos?
Dúvida XVI
A esperança
De melhores dias é a
Afirmação da perseverança?
Dúvida XVII
O resumo de tudo
É que a gente
Não é sortudo?
Dúvida XVIII
Afinal, bala perdida
É toda aquela
Que só deixa ferida?
Dúvida XIX
Será que na próxima eleição
Também vai haver nhenhenhéns,
Falatórios inócuos e empulhação?
Dúvida XX
O Paraná, caindo ou não
Sempre tem garantido um lugar
Em alguma Divisão?
Dúvida XXI
Mudar de patrocinador
De cerveja ou de outro produto
É ser profissional ou amador?
Dúvida XXII
A cesta básica aumenta,
O dinheiro some, desaparece
E a gente finge que aguenta?
Dúvida XXIII
Gastar 1 bi em viagem
É pra trabalho, turismo
Ou simples malandragem?
Dúvida XXIV
O desmatamento da Amazônia
Não é combatido por uma
Mera questão de parcimônia?
Dúvida XXV
Do planetoide recém-descoberto,
O Sedna, será que vai vender
Área de terreno algum esperto?
Dúvida XXVI
Será que o meu Paraná
Escapará da Terceirona
Ou vai para lá?
Dúvida XXVII
E se conseguir escapar
Vai o desempenho melhorar,
Passando todas a ganhar?
Dúvida XXVIII
Emprego sem inflação
Possibilita ter dignidade
E, no prato, arroz com feijão?
Dúvida XXIX
Ela, toda rebolativa,
Até parecia
Uma sempre-viva?
Dúvida XXX
A tal Pedra de Roseta,
Para Champolion poder decifrá-la,
Ele teve que fazer até pirueta?