quarta-feira, 29 de maio de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Rico tem cóccix; pobre, sambiquira.
Constatação II (Coisas assaz recomendáveis que não se deve fazer).
-Chamar leão de chácara para brigar;
-Dizer ao garoto que não precisa cuidar do carro;
-Por mais cuidado que se tenha para ver se alguém esteja olhando e mesmo com bigode e barba postiços, jamais entrar em certos tipos de inferninhos nem que seja somente “para ver como é que é”;
-A fim de evitar acidentes irreparáveis, cortar melancia, abacaxi, jaca e outros produtos comestíveis de casca grossa, apoiando a dita no colo e/ou próximo deste;
-Contrariar o chefe imediato e/ou a mulher dele;
-Querer ganhar no truco deste assim chamado escriba;
-Não dizer “grande m.”, se o sujeito disser: “o senhor sabe com quem está falando?” Pode efetivamente ser uma “otoridade”;
-Chegar tarde em casa transcendendo vapores etílicos, manchas comprometedoras na camisa e não ter condições de “comparecer”;
-Vestir a camisa do seu time do coração e entrar por engano ou para provocar no meio da torcida do adversário em dia de jogo;
-Esquecer-se de tomar os remédios.
Constatação III
Rico tem discopatia (“afecção de um ou mais discos intervertebrais”. [Houaiss]); pobre, bico de papagaio.
Constatação IV
Rico é perseverante; pobre é teimoso.
Constatação V
Ricaça tem penugem; pobretona, bigode.
Constatação VI (Dúvida crucial de razões e proporções matemáticas).
Será que o Brasil está para a Copa das Confederações assim como o meu Paraná está para o Brasileirão Série B?
Constatação VII
Não se pode confundir aplacar com aplicar, até porque se você se deixar alguém te aplicar algum golpe por te levar no papo, a fim de extorquir algum dinheiro e você, ao se dar conta, ficar com raiva não adianta tentar aplacar nem que fosse seja daqueles que perdoam quando te fazem uma sujeira que não vai conseguir. Tampouco reaver teu dinheiro, mesmo fazendo um Boletim de Ocorrência na polícia...
Constatação VIII
Sugestão aos cariocas. As palavras: mixuruca, enxurrada, enxada, enxame, muxoxo, maxixe, piche, paxá puxa, caixa, coxa, deixa, graxa, ameixa, nicho, mecha, mixê, e tantas outras dispensam a pronúncia com “ch” já que já que elas vêm naturalmente como tal, como fazem com as palavras com ‘s’. Essas mencionadas já vêm prontas.
Constatação IX (De um pseudo-soneto).

Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço.

Ela era de uma grosseira tal, mas tão grosseira,
Que até um simples cumprimento de “bom-dia”,
Ela não conseguia dar resposta afável, com cortesia,
Achando que seria uma bobagem, uma besteira.

O fato suscitou uma ideia espontânea já que era o seu costume
Por pessoas, baseadas em que lhes era dado a ouvir e ver,
Sugeriram que no país fosse instituída a eleição de miss azedume
Que a eleição estaria garantida e a cidade iria na mídia aparecer.

Com isso o turismo local cresceria e, com isso, deveria aumentar,
Criando riquezas, empregos, já que na cidade havia tal carência,
Aí foram falar com ela, para tentar convencê-la a participar.

Quando falaram com ela sobre o assunto, sem a cumprimentar,
Temendo uma bronca, de serem atendidos com insolência,
Ela falou a eles: ”Vocês vêm falar comigo sem antes me saudar?”

Constatação X
E como dizia o obcecado convencido: “Cara que paga uma mulher para fazer amor com ele é um incompetente. VIGE!”
Constatação XI
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “Jersey manda 1,45 mi de libras de empresas de Maluf para Prefeitura de SP. Segundo a Justiça, quantia faz parte do que deputado desviou de grandes obras viárias em sua gestão.
 “A quantia faz parte do montante global de US$ 28,3 milhões – a cifra atualizada com juros e correções, além de multas – que a Corte de Jersey mandou as empresas Kildare e Durant, controladas pelos Maluf, devolverem até junho aos cofres públicos municipais. O dinheiro das ‘offshores’ está bloqueado em uma instituição financeira e será todo transferido para São Paulo”.
“Maluf foi condenado em Jersey por "fraude em ampla escala" – segundo o Ministério Público paulista, quando exercia o cargo de prefeito de São Paulo, entre 1993 e 1996. Maluf desviou dinheiro de grandes obras viárias, como a Avenida Águas Espraiadas. Maluf sempre afirmou que nunca possuiu ativos no exterior. Ele nega ter desviado recursos públicos de obras em sua gestão”. VIGE!
E já que falamos no assunto, não é que Rumorejando queira se meter na política de outras plagas, mas a mídia noticiou que Maluf, quando candidato pela enésima vez ao cargo de governador, prometeu acabar com as enchentes em São Paulo. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando gostaria de saber por que o candidato já não havia feito nas suas – dele – administrações anteriores. Quem souber a resposta, no caso específico de São Paulo e de casos similares em outras plagas, por favor, comentários no blog. Obrigado.

Constatação XII (De um pseudo-soneto).

Conselhos úteis

Em incertos e determinados países,
Que estão volta e meia em crises
Não é muito comum, muito regular,
Não acontecer infecção hospitalar.

Em alguns casos, corre-se o risco
De ter operado, do joelho, o menisco
Com pequenino engano: do pé direito,
Quando o esquerdo é que tava com defeito.

Se o prezado amigo tem plano da saúde,
Certas doenças não têm enquadramento
E, isso, é pena, vem acontecendo amiúde.

Portanto, caríssimo amigo e meu leitor,
Trate de ficar doente no que você é isento
Caso contrário você sofrerá de dupla dor...

Constatação XIII
E como lucubrava o septuagenário: “Com a idade tudo aparece. E, também, desaparece...
Constatação XIV
Todo déspota esclarecido logo, logo, passa para déspota obnubilado. O Poder é que deixa-o obnubilado. Que, aliás, deixa obnubilado, também, quem não é déspota.
Constatação XV
Rico faz aniversário; pobre faz anos.
Constatação XVI
Ela perdeu
A ponta
Do retrós
Quando deu
Uma maçaroca,
Sem conta,
No novelo,
Que sucedeu
Se encher de nós
Enquanto
Assistia,
Com encanto,
Com devoção
A novela
Boboca,
Vazia,
Sem miolo,
Uma profusão
De abobrinha,
Onde a mocinha,
Naquele momento,
Com dor-de-cotovelo,
Vivia
Um sofrimento
Atroz.
Ela,
Desconsolada,
Caiu em pranto.
O marido,
Meio perdido
E com espanto,
Quis dar consolo
E foi repudiado.
Coitado!
Coitada!*
*Não ficou claro para esse assim chamado escriba se a “coitada” foi a mocinha da novela ou a esposa que estava às voltas com a ponta do retrós e caiu em prantos. Se alguém tiver alguma ideia, por favor, entre em contato com Rumorejando, através do blog, ou por telefone. Obrigado.
Constatação XVII
Em certos países, indivíduo desavergonhado é todo aquele que é pego em flagrante.
Constatação XVIII
Não se pode confundir colaço, que o Aurelião, além de “irmão de leite”, define da seguinte maneira: “Fig. Diz-se de indivíduo que tem muita amizade, afinidade ou intimidade com outro” com golaço, muito embora um atacante, amigo do goleiro adversário não possa fazer um golaço nele. A recíproca, nesse caso, só é válida para o goleiro de Pato Branco, no meu estado do Paraná, Rogério Ceni, que costuma fazer gol batendo falta de fora da área ou de pênalti.
Constatação XIX
Artilheiro, hoje em dia, chamado de matador, de time grande, quando volta a fazer gols, depois de um período de jejum, deslancha; já, jogador de time pequeno, em idênticas condições do retro mencionado colega, desembesta. É aquela velha questão de “Ricos & Pobres” que Rumorejando tem publicado, tentando explicar a diferença.
Constatação XX
Ela ficou lívida
Quando ficou ciente
O que o marido,
Eternamente
Com ar sofrido,
O careca,
Feio e barrigudo,
Aquele indecente,
Eterno tormento,
Eterna amargura.
Pro seu coração,
Uma chacina.
Vejam o que ele fez
De dívida,
Gastando tudo
Com a divorciada
Amante.
Dessa vez,
Deu a ela,
Tão viva e sapeca,
Um diamante,
Um apartamento
De cobertura,
Com piscina
E um carrão
De marca sueca
Tão-somente.
Coitada!
Constatação XXI
Rico apalpa; classe média alta xumbrega; classe média, média, patola; pobre, bolina. (Se o caro leitor não estiver de acordo com essa divisão de ordem social, por favor, comentários no blog que, desde que devidamente justificáveis, Rumorejando providenciará as medidas cabíveis. Obrigado).
Constatação XXII
A pena de morte esta institucionalizada em nosso país. Basta ver, por exemplo, os casos de latrocínio e também quando o ladrão se irrita com o pouco dinheiro que a vitima detém na hora do assalto. Em alguns casos, mesmo recebendo um valor alto, mata o assaltado. E já que falamos no assunto, por que será que não há governante que resolva os problemas da Segurança, da Educação e da Saúde no Brasil? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XXIII
O meu Paraná, na estreia do Brasileiro, série B, onde já está indo para o sexto ano como tal, venceu o ABC, em João Pessoa, isto é, na casa do adversário por 2X0. Além de algo para o qual a gente não estava habituado, vale a máxima, proferida por David Ben Gurion, que foi o primeiro Ministro de Israel, em 1948, se referindo a criação do país: “Quem não acredita em milagres não é realista”.
Constatação XXIV
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), se envolveu numa confusão na calçada de um restaurante japonês no bairro Horto, na zona sul do Rio, na madrugada de domingo. Após ser xingado por um músico e escritor, o prefeito reagiu com soco”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando vem se dando conta que o que corre na Internet com o, digamos, slogan “Acorda Brasil” está começando a acontecer...

Constatação XXV (De outro pseudo-soneto).

Saudades de um pobre interiorano.

De nossa parte é muita ingenuidade
Não se dar conta, tampouco imaginar
Que a gente está sujeito a se estressar
Com o atual transito na nossa cidade.

Além do aumento do número de carros
Há que se levar em conta as barbeiragens
E as colisões, não necessariamente esbarros,
Nem sempre consideradas reles bobagens.

Por tal razão sinto falta de Balsa Nova,
Das lindas flores amarelas da guavirova
E onde passei parte da minha infância.

Na verdade, tenho espírito provinciano
E no interior passa mais lento cada ano
E é bem maior o nosso grau de tolerância.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Rico tem ergofobia*; pobre, é vagabundo.
*Ergofobia = substantivo feminino
Horror mórbido ao trabalho (Houaiss).
Constatação II
Do jeito que o meu Paraná vinha jogando não era mais o caso de perguntar contra quem seria o próximo jogo, mas, sim, para quem que ele iria perder na quarta-feira ou no sábado, podendo, o que dependesse da escala dos jogos, também vir a ser na quinta-feira ou no domingo. Pena. VIGE.
Constatação III
Este assim chamado escriba tem muitos amigos argentinos e evidentemente tem admiração por muitas coisas relacionadas a eles. Alguns exemplos: o nível de politização e escolaridade; as músicas do compositor Ariel Ramirez, mormente na sua antológica Misa Criolla; as milongas, recitativos do autor e compositor José Larralde; os tangos, principalmente os clássicos como La cumparsita, por exemplo; o atual cinema argentino que, juntamente com o nosso, apresenta filmes que não perdem em qualidade técnica, roteiro, argumento, etc. para os de qualquer outro país; Bariloche, é uma das belezas naturais dignas de serem visitadas, assim como as Cataratas del Iguazu, do lado argentino para, também, melhor apreciar a Garganta do Diabo do nosso lado. E assim poderia citar uma infinidade de exemplos a ver com los hermanos. E, claro: Amigos, amigos, futebol, a parte. Nada a ver...
Constatação IV
E como dizia o obcecado metido a poliglota: “Atrás de uma grande mulher sempre deve haver um grande homem. Na frente e no lado também. Tudo depende do que recomenda o Kama Sutra ou mais precisamente das positions e das positions”. (Nota de Rumorejando: O primeiro positions deve ser lido “posiciôn” porque o obcecado fez questão de nos explicar que estava se referindo ao “idioma de Corneille, Racine e Voltaire”; já, o segundo, deve ser lido “pozichon” porque causa do “british accent” (perdão, leitores, mas esse obcecado é o tipo do cara esnobe que usa uma profusão de termos em idioma estrangeiro, a fim de impressionar os incautos, ou melhor, as incautas).
Constatação V
Não se deve confundir quinhão com pinhão, até porque com esse desmatamento todo e particularmente da Araucária Angustifólia não sobrará pinhão para que alguém possa ter o seu quinhão. A recíproca para esses casos e para outros também é verdadeira já que com a distorção eterna da renda só os eleitos poderão ter o seu – deles – quinhão.
Constatação VI
Rico sofre de afronesia*; pobre, de loucura.
* Afronesia = substantivo feminino
Rubrica: psicologia.
Desequilíbrio das faculdades mentais, loucura, demência (Houaiss).
Constatação VII
Depois de escutar um Abismo de Rosas de autoria de Américo Jacobino e que se liga imediatamente a execução de Dilermando Reis e em seguida a Mulher Mangaba cantar a ‘Solteirinha da Pompéia’ corre-se o alto risco de ter um choque anafilático e partir desta para melhor ou, dependendo dos pecados cometidos para a pior onde será submetido a fervuras de azeite e entidades, portando tridentes, os estarão esperando e espetando. VIGE!
Constatação VIII (Quadrinha de uma dúvida crucial*).
Era a antipática donzela
Que vivia fazendo simpatia
Para arrumar um marido pra ela
Que se topasse iria entrar numa fria?
Constatação IX (De outra dúvida crucial*).
É só o time, cuja direção parecia uma zona, que acabou ficando na zona de rebaixamento ou há outros também que ficaram nessa incômoda situação? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação X (De uma terceira dúvida crucial*).
Começou a propaganda dos partidos políticos. Será que, por isso, Deus contabiliza para nós, simples mortais, obrigados a aguentar, como o pagamento de nossos eventuais pecadilhos, pecados e pecadaços?
*Pedimos escusas aos nossos leitores por apresentar somente essas três dúvidas cruciais. É que Rumorejando, sem querer dar a impressão que sabe tudo, ficou nessa semana sem tantas dúvidas. Obrigado pela compreensão.
Constatação XI
Rica faz ensaio sexy; classe média, ensaio sensual; pobre, ensaio pornográfico.
Constatação XII
E como dizia o outro obcecado, só que este já quase batendo nos setenta anos: “Viagra, efetivamente, tem me dado excelentes resultados. Só que me dá a impressão, na hora do bem-bom, que eu estou com certa parte do corpo em uso, emprestada de terceiros”.
Constatação XIII
A música lírica
Sempre me pareceu
Totalmente empírica,
Tão somente,
Pois quando
Sucedeu
Do fidalgo
Dar uma facada
Na donzela,
Incontinente,
Ela,
Coitada,
Se pôs a cantar
Como houvesse algo
A comemorar.
E o coitado,
Parecendo perdido,
Que havia sido
Por ela enganado,
Também cantando,
Passou a acompanhar,
Não destoando
E, pasmem,
Nem blasfemem
Sem
Desafinar.
Constatação XIV (Ah, esse nosso vernáculo).
A Ana com ingestão de anabolizante e com aquela anágua era um anafrodisíaco que quase me induziu a tomar um analgésico e vir a ser um anacoreta*.
*Anacoreta = Substantivo masculino.
1. Monge cristão ou eremita que vive em retiro, solitariamente, especialmente nos primeiros tempos do cristianismo
2. Derivação: sentido figurado.
Pessoa que escolhe viver recolhida, afastada do convívio social; monge (Houaiss).
Constatação XV (De ditados adaptados).
Em briga de marido e mulher
Não se deve meter qualquer talher
Mormente faca e garfo, pois poderá
Generalizar num salve-se-quem-puder
Num Deus-nos-acuda, ao Deus-dará.
Constatação XVI
A Dona cabra,
Lá, no rebanho,
Com voz macabra,
Deu um ultimátum
Ao maridão
Para tomar
Um banho
Para ficar
Oloroso,
Formoso,
Sem bodum,
Sem opilião*,
Sem fortum**
E para mastigar
Capim-cheiroso,
Caso contrário
Ela iria querer
Tomar
Outro itinerário
Se divorciar
Ainda no entardecer
Ou, no mais tardar,
Ao anoitecer
Fosse com céu estrelado
Ou nublado
Coitado!
*Opilião = Substantivo masculino
Rubrica: aracnologia. Regionalismo: Brasil.
Designação comum aos arácnidos da ordem dos opiliones, que se notabilizam pelo corpo oval e compacto, pelas patas extremamente finas e longas e pelo forte cheiro desagradável que exalam (Houaiss).
**Fortum = substantivo masculino
1. Cheiro intolerável de ranço; bafio.
2. Odor desagradável de alguns animais; bodum
3. Derivação: por extensão de sentido.
Qualquer cheiro nauseabundo (Houaiss).
Constatação XVII
Deu na mídia: “Toureiro fica ferido ao ser chifrado na França”. Nada a lamentar!

FÁBULA CONFABULADA (INDIGNA DO GURU MILLÔR). 
                                                                                                                                                                                                                            
Um chinês chamado Zing Hen, economista, morador de Hong Kong sempre ao discutir com seus clientes da sua Assessoria Empresarial levava em conta o custo/benefício, já que Hong Kong, que foi devolvido pelos ingleses, o que não foi mais que obrigação, ainda que negaceando, é um país capitalista e os chineses não trataram de mudar por terem inferido que o capitalismo está mais facilmente para certas delícias do que o comunismo lá deles. Na sua consultoria trabalhava uma secretária, divorciada, Gue Zang Hen, sua parente por achego, pois havia casado com um seu primo de segundo grau, que de tão gostosona que era até mancava... Ela jamais havia concordado com os assédios dele, alegando que ele era um homem casado, muito embora ela, que havia se divorciado não fazia muito tempo se esforçava nos seus rechaços porque ninguém é de ferro... Ele, depois de certo tempo, recebeu um telefonema no seu celular onde ela o convidou para vir ao seu apartamento para explicar o tal custo/benefício, já que estava cursando administração de empresas e não tinha entendido bem a explicação do professor que já havia marcado uma prova sobre o assunto. Na realidade, ela não precisava de explicações porque os chineses são um povo inteligente – quiçá um dos mais inteligentes do nosso sofrido e maculado planeta –, pois havia perfeitamente compreendido as explicações do professor. Bem, como soe acontecer nesses hierárquicos casos, acabaram sendo amantes e as fugidas que ele dava para o apartamento dela eram muito rápidas e só aos sábados, quando ele tinha as melhores condições de apresentar um álibi para a sua – dele – mulher.
Um dia, ela pediu para levá-la a um motel. Ela queria que ele a levasse para um motel de alto luxo, cuja propaganda mostrava na televisão o quão luxuoso ele era inclusive com cascatas nos apartamentos. Ele vivia despistando, ludibriando, dando desculpas, segundo ela esfarrapadas, mas na realidade com medo de ser visto já que era muito conhecido na praça não só pela vida social que levava, mas também pelos inúmeros clientes que possuía. Em verdade, ele sabia que o tempo de permanência no motel teria de ser efêmero, para logo voltar para casa e dessa maneira teria que abrir mão da banheira para duas pessoas com banho de espuma como se via em décadas passadas nos filmes antigos americanos e que a televisão mostrava em horários da madrugada por causa das crianças; dos chuveiros individuais ainda que contíguos, a fim de que cada um pudesse regular a temperatura da água independente do outro; dos filmes, digamos, eróticos, do almoço de primeira linha que estava incluído no preço, dos espelhos espalhados por toda a parte e que permitia ser visto por todos os ângulos que se olhasse e outras vantagens e benesses mais. Evidentemente, ele, não só pelo receio de ser visto, como também pelo custo/benefício, já que o preço daquele motel, com todas aquelas prazerosas ofertas, era, como se diz por aí, um tanto quanto salgado... Um belo dia ela o reptou, dizendo peremptoriamente: “Ou você me leva ou não quero mais nada com você”. Evidentemente, diante dessa chantagem, até então não revelada, ele com pesar – não muito –, é bom que se diga, acabou levando. Também é de bom alvitre que se diga que ele, ao ver ela se superando no seu – dela – desempenho e toda aquela sua – também dela – felicidade, absolutamente, não se arrependeu...
Moral: Nem sempre ter que ir a um motel depende do nosso alvedrio, do nosso bom talante. Tampouco do custo/benefício. Às vezes, pela ameaça de greve...

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 15 de maio de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Rico diz uma ou outra inverdade; pobre, sempre mente.
Constatação II (Coisas que precisam ser inventadas)
Sapato que possa ser regulado em, pelo menos, três tamanhos tanto no comprimento como na largura.
Constatação III (De um pseudo-soneto, em um ineditismo municipal, estadual, federal e mundial, a invenção de estrofes livres, em dobro, por causa da alta da inflação, puxada pelo tomate, na base das estrofes em oito, oito, seis, seis, ao invés do consagrado quatro, quatro, três, três, inclusive no título).

Tragédia infeliz.
Em busca de final feliz.


Ela meu tratou tão mal
Que eu me considerei,
Ou melhor, eu constatei
No meu estado geral
Como se tivesse feito
Numa bariátrica operação
Um vulcão extinto no peito
No meu cataplético coração.

Depois de determinado tempo,
Quando sobreveio o oblívio*
Senti um put, digo, um baita alívio,
Pois eu era um mero passatempo
Para aquela, digamos, patricinha
Que me usava como lhe convinha,
Sem levar em conta meu sentimento
Por um instante, ou por um momento.

Me pus em campo a procura de alguém
Que tivesse apenas e não mais que virtudes
Que fosse carinho e um poço de ternura
Que tratasse bem animais em suas atitudes,
Afagando cachorros, gatos e a mim também
Sem que no sábado me negasse alvará de soltura.

Essa minha insignificante ínfima reivindicação
É para que joguasse um truco com o parceiro amigo,
Acompanhado de uma eventual inocente cervejinha
Porque truco com água mineral não dá combinação.
E quando eu voltasse para casa, ela me desse abrigo
Nos seus braços sem queixas e sem falar abobrinha.
*Oblívio = Substantivo masculino. Esquecimento, olvido (Houaiss).
Constatação IV
Rico tem pequeníssimos laivos de neurastenia; pobre tem frequentíssimos ataques de esquizofrenia.
Constatação V
Rico janta a luz de vela; pobre, também.
Constatação VI
Deu na mídia, mais precisamente no site da Globo: “Ronaldo Fenômeno e a namorada fizeram compras em Londres, na Inglaterra. Nesta terça-feira, 7, o ex-jogador de futebol e a DJ Paula Morais foram a uma famosa loja de calçados na capital inglesa, onde permaneceram por mais de uma hora e meia, segundo a agência "Grosby Group". Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando também acha essa notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade. VIGE!
Constatação VII
Deu na mídia, também no site da Globo: “Pastor suspeito de estuprar seis fiéis dizia que vítimas estavam 'possuídas'. Ao ser preso, Marcos Pereira afirmou não saber quais eram as acusações. Religioso comanda a Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias no Rio”. Conforme Rumorejando já se pronunciou em blog anterior, “A pedofília é ecumênica”. Agora, Rumorejando está se inteirando que o estupro também é uma das maneiras de uso terapêutico, a fim de exorcizar o demônio quando a pessoa está ‘possuída’. VIGE!
Constatação VIII
Deu na mídia. Também no site da Globo: “Depois de 16 horas em salão, Valesca Popozuda exibe seu novo visual. Na madrugada desta quinta-feira, 9, funkeira usou uma rede social para mostrar o passo a passo de sua transformação”. Não só uma notícia de transcendental importância, como também de interesse para a cultura geral de uma nação carente de eventos desse jaez. VIGE!
Constatação IX
Rico usa jeans; pobre, brim coringa.
Constatação X
E como ponderava o obcecado: “Desde que não tenha mulher envolvida, porque ninguém é de ferro, eu sigo rigorosamente as escrituras, mandamentos e outras santas recomendações religiosas”.
Constatação XI (Para, eventualmente, ser declamada em festa de fim de ano escolar, àquela que a gente só curte quando nossos filhos ou netos participam. Caso contrário, essas comemorações são dose de elefante, rinoceronte e/ou outros mamíferos e quadrúpedes de grande porte).
O rinoceronte,
Aquele brutamonte,
Que metia
O nariz
Onde não lhe competia
Por um triz,
Quase ficou a ver
Navios
Sem o nasal
E dizer,
Com muita propriedade:
“Quase que dispenso
A necessidade
De atavios
E de usar lenço
Rendado
Ou de papel jornal”.
Coitado!
Constatação XII
Libertino é todo o cara que é flagrado...
Constatação XIII
A grande manchete,
Que deu no jornal
Argentino
– Facciosamente,
Diga-se de passagem –,
Foi que o goleiro,
“Um cretino,
Todo fiteiro,
Jogou de meia soquete,
De calcinha
De seda e de tergal,
Com florzinha
E babado,
Embaixo do calção,
Ao invés de sunga”.
Evidentemente,
Passou
A ser chamado,
Em linguagem
De baixo calão,
Pela torcida
Adversária,
Contrária,
Ensandecida,
Diuturnamente
Reprimida,
– Que eternamente
Xinga, apupa, resmunga –,
De gabola,
De cabotino,
Principalmente
Quando pegou,
Agarrou,
Defendeu com firmeza,
E com muita destreza
A bola
Num penal,
Aliás, muito mal
Chutado.
Coitado!*
* Não ficou devidamente esclarecido se o “coitado”, acima referido, destinou-se ao goleiro ou ao atacante que chutou mal o pênalti. Se alguém, que assistiu esse disputado jogo, tiver essa transcendental informação, por favor, repassar para Rumorejando, aos cuidados do blog. Obrigado!
Constatação XIV
Rico tem pantofobia (medo de tudo;  temor mórbido de um mal desconhecido; panfobia, panofobia. [Houaiss]); pobre, não tem mais o que temer.
Constatação XV (De conselhos úteis, mui respeitosos, diga-se de passagem, aos vice-campeões dos campeonatos regionais por este Brasil afora e alhures. De nada!).
Tem certo tipo de pessoa
Que se julga numa redoma
Principalmente
Quando o assunto
É futebol.
Mas a empáfia se escoa
E de toda àquela tororoma*
Fica restando tão somente
Um pessoal super bestunto**
Que só ganha em fazer farol.
* Corrente fluvial forte e ruidosa.
** Cabeça de curto alcance, ou estúpida.
Constatação XVI
E como lucubrava o septuagenário: “A necessidade de ser excitado para atingir determinados nobres objetivos é diretamente proporcional aos de idade avançada (rico é idoso; pobre é velho) e inversamente proporcional aos jovens. Estes se excitam até com o ar que respiram; com o vento, nem falar...”
Constatação XVII
E já que falamos em septuagenário, há a história daquele um, quase octogenário, que contava, pela centésima oitava vez para os circunstantes na Boca Maldita, em Curitiba: “Pois é, quando eu pedi ela em casamento, ela me disse que não e eu interpretei, como a vida me ensinou, como talvez; mais tarde, eu repeti o meu pedido e ela disse talvez e eu, naquela mesma linha de raciocínio, interpretei como sim. Mas, nada ocorreu. Bem mais tarde eu tornei a fazer meu pedido apaixonado e, finalmente, ela disse sim. No entanto, esse “sim” não levou a nada porque fiquei esperando indefinidamente sem que ela se decidisse de vez. Mais sorte teve o personagem do livro O Amor Nos Tempos Do Cólera, de autoria de Gabriel García Marquez, Florentino Ariza, que esperou 51 anos, nove meses e quatro dias para ficar com a mulher que amava, Fermina Daza”. Coitado!*
*Não sabemos se é “coitado” ou “coitados”, ou nenhum dos dois. Como as estações de televisão costumam fazer com os seus – deles – espectadores, aguardamos o pronunciamento dos nossos prezados leitores a respeito. Obrigado!
Constatação XVIII
Rico reside; pobre mora.
Constatação XIX
Rico compra automóveis; pobre, financia, na melhor das hipóteses, uma bicicleta.
Constatação XX
O noivo, excitado,
Teve um tremelique
E ficou
Meio desmaiado.
Aí, viu-se obrigado
A cheirar sais.
Não é que deu nele
Um chilique,
Daquele,
Bem na noite dos esponsais?!
Coitado!
Constatação XXI
E outro nubente
Teve um faniquito.
Não é que ele
Foi picado
Por um mosquito,
Bem naquele
Delicado
Lugar fremente,
Na hora antecedente
Do assim chamado
Bem-bom.
Que papelão!
Coitado!
Constatação XXII
Se o meu Paraná
Não mudar
Já, já
A sua maneira
‘Acanhadona’
De jogar
Parecendo
Como sendo
De brincadeira
Vai continuar
Na segundona.
(Acanhadona?)
Constatação XXIII
Não se pode confundir aparente com ‘a parente’, muito embora, foneticamente, fique soando igual e que algumas pessoas achem que sogra não é a parente como ela costuma reivindicar. Alguns genros e noras chegam até a considerar de modo aparente que ela efetivamente é. Principalmente quando ela é bem abonada... VIGE!
Constatação XXIV (De um pseudo-soneto).
           
          Desejo profundo.

Ela me chamou de velho rabugento
De gagá, de caduco, de caquético,
Só porque eu, nem por um momento,
Quis assistir o jogo do seu Atlético.

Assistir partida de qualquer time fraco
Não faço a mínima ou máxima questão.
Já basta o meu Paraná que é um saco
Que só perde e eu sofro até a exaustão.

“Um jogo contra o Coritiba, você torce para quem?
 – E você sabe que eles são um dos nossos rivais –
Para nós ou para eles, ou talvez para ninguém?”

“Não perco o meu tempo quanto a outros times.
Só quero que o meu caro Paraná não perca jamais.
Aí, volta meu apetite e, para emagrecer, os regimes.
Constatação XXV (De uma quadrinha dedicada às convictas).
Indubitavelmente,
Às vezes eu sinto
Que até chegar aos finalmente
É estar num labirinto.
Constatação XXVI (Deu na mídia).
Além da Mulher Mangaba também estão chegando por aí as seguintes: Mulher Saputá, Mulher Pupunha, Mulher Jambolão e Mulher Pau de Jacú. VIGE!

DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.
Dúvida I
É muito padecimento
Uma negativa quando
Se pede um aumento?
Dúvida II
É muito sofrimento
Uma outra negativa quando
Se tenta um adiantamento?
Dúvida III
E é muito tormento
Ver o meu Paraná,
De vitórias, lazeirento?
Dúvida IV
É muito deslumbramento
Achar que é possível se virar só
Na base de autofinanciamento?
Dúvida V
É ser muito cara de pau
Andar na base do vento a favor
Na temperatura de menos 1 grau?
Dúvida VI
É muito adorno
Flagrar o cônjuge e não
Ficar com dor-de-corno?
Dúvida VII
Ser assexuado
É sinal que o cara
Anda sempre desarmado?
Dúvida VIII
Em Pamplona, na corrida de touros,
Será que os chifrados consideraram
Que receberam, da vitória, os louros?
Dúvida IX
É falta de benevolência
Não dar um amasso nela
Quando ela está com carência?
Dúvida X
Será que o estrume
Tem o cheiro que tem
Por não ingestão de perfume?
Dúvida XI
Ser cordato
Em tudo que acontece
É estar bancando o pato?
Dúvida XII
Toda essa sangria
Nos cofres da nação
Deixa o país com anemia?
Dúvida XIII
A Seleção do Brasil,
Até o presente momento
A ninguém seduziu?
Dúvida XIV
O povão irá descer à terra
Se o Brasil na Copa
Pelo jeito se ferra?

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 8 de maio de 2013

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (De um pseudo-soneto).

                       Idades provectas.

Ela, lá em casa, flambou meu sofrido e compungido coração,
Achando que eu era uma pessoa sem iniciativa, um banana,
Quando dançou a dança do ventre mesclada com um baião
Completamente nua achando que estava na casa-de-mãe-joana*

Daí, eu me vi na obrigação de mostrar com quem ela tava tratando.
Tirei toda a minha roupa e convidei-a para dançarmos de rosto colado.
“Mas aí, assim, a gente ficará perdendo o ritmo e os passos errando”,
Ela disse. O que me deixou atônito, perplexo, surpreso, atoleimado.

E por que você tirou toda a tua roupa? Não foi para me provocar?
Perguntei. E ela: “Não. Lá fora ta quente e eu estou com muito calor.
E eu não quero nada com você. Na hora H, você sempre costuma murchar”.

Também, você continua insaciável. Quase igual a uma deusa nos seus dezoito anos.
Agora, com oitenta e cinco e com vários botox e várias recauchutagens no motor.
E eu com noventa já me ressinto por fazer parte dos simples e pobres humanos.

*Casa-de-mãe-joana = substantivo masculino.
Lugar ou situação em que cada um faz o que quer, onde impera a desordem, a desorganização (Houaiss).
Constatação II
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: PF suspeita que seita em MG use discurso religioso para atrair mão de obra escrava. Reportagem do jornal investigou a seita "Jesus A Verdade que Marca", que reúne seis mil pessoas em fazendas no Sul de Minas Gerais. Os integrantes do grupo trabalham sem receber salário”. VIGE!
Constatação III
Ele ficou
Encoscorado,
Encarquilhado,
Enrugado,
Encrespado
Com o frio
Curitibano
Que lembrou
O minuano.
Aí, sentou
Na chapa
Do fogão
E do forno
A lenha
Para se esquentar.
Quase virou
Pavio
Ao chamuscar,
Crestar,
Tostar
A “poupança”,
Onde ficou esboçado
Um contorno
Dum mapa
Qual santo-e-senha,
Que originou
Uma chança*
Da Dª. Ester,
Sua mulher,
Aliás, um mulherão.
Coitado!
*Chança = substantivo feminino
1. Dito zombeteiro ou mordaz; troça, gracejo.
2. Atitude prepotente; prosápia, vaidade, soberba.
3. Regionalismo: Trás-os-Montes:
Ato ou efeito de responder, replicar (Houaiss).
Constatação IV
Deu na mídia: “O governo criou o Parque Nacional da Serra do Itajaí. O parque, segundo informações do Ministério do Meio Ambiente, possui a terceira maior reserva da Mata Atlântica, com 57 mil hectares. A criação de uma unidade de conservação da Serra da Itajaí já vinha sendo discutida há 25 anos, segundo informações do Ministério”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que nem as discussões de paz entre povos conflitantes demoram tanto tempo...
Constatação V
O uso do artigo feminino “a” seguido de laranja, com o advento de “o”, também seguido de laranja, passou essa deliciosa e terapêutica fruta a uma condição de dois gêneros gramaticais, ainda que com significados distintos. Sinal dos fraudulentos tempos.
Constatação VI (De uma dúvida crucial).
Quem legisla em causa própria vai, quando morrer, para o inferno ou contribui para que nós, pobres mortais, cá na terra, padeceremos como se lá estivéssemos? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Mais uma vez, obrigado!
Constatação VII
A diminuição
Da quantidade
De vereadores
Em nosso país
É uma solução,
Ainda que parcial,
Que a gente
Sempre quis,
Pois, na nossa idade,
Não dá para lembrar,
Recordar
Ou rememorar
O que de bom,
De eficiente
E de valores
Os atuais
E seus antecessores
Realizaram.
Só restou,
Só ficou,
Só sobrou
Nas nossas mentes
O que eles aprontaram...
E, pasmem, vocês:
Em Curitiba
Ainda aumentaram
Em mais três,
O que vai aumentar
O que vai deixar
Ainda mais
As obras da Prefeitura,
De recursos sempre carentes,
Para infraestrutura,
Sociais
E de cultura,
Apenas para exemplificar,
Na pindaíba.
Constatação VIII
Não se pode confundir instinto com distinto, muito embora tenha muito distinto que comete arbitrariedades, por instinto, sem que sofra alguma penalidade prevista em lei. A recíproca para esses ilustre-eminente-impulsos não é necessariamente verdadeira. Depende, muitas vezes, das condições atmosféricas, do humor, da vestimenta com que a mulher passou a noite na cama, etc. Principalmente do etc.
Constatação IX (De outra dúvida crucial).
Quando um técnico de futebol mantém em segredo, até a hora do jogo, a escalação da sua equipe, inclusive não permitindo a presença de quem quer que seja nos treinos, durante a semana que antecede a partida e o time, depois, leva uma acachapante derrota, essa pantomima toda quer dizer que ele estava, apenas, despistando para favorecer o adversário? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Ainda, mais uma vez, obrigado.
Constatação X (De um fato policial surrealisticamente trigonométrico ou trigonometricamente surrealista).
No retrato falado,
Muito bem desenhado,
Bem delineado
Do assaltante,
Ficou constatado
Um rosto quadrado
Com nariz recurvado
Parecendo uma co-secante.
Constatação XI (Essencialmente didática).
E já que falamos
Em assunto tão,
Efetivamente,
Delicado,
E, também,
Assaz complicado,
Constatamos
Que a resolução
De triângulos,
Sem, entretanto,
Usar a geometria
Euclidiana ou espacial,
Portanto,
Só por trigonometria,
Requer,
De antemão,
Que saibamos
Que a adição
Dos ângulos
Internos de quaisquer
Triângulos é igual
A muitos catataus,
Mais precisamente
Ao expressivo total
De 180 graus,
Tão-somente.
Constatação XII
Sem, absolutamente, tirar o mérito profissional do mestre Felipão, mas pelo que nos foi dado a ver no Palmeiras, parece que ele nasceu com certa parte do corpo voltado para o nosso satélite natural...
Constatação XIII (Teoria da Relatividade para principiantes, abusando, mais uma vez, da palavra “jaez”).
É muito melhor que Once Caldas, Santo André, Paulista de Jundiaí, São Caetano e times desse jaez disputem e sejam campeões e/ou vice do que os meus times Paraná, Corinthians e Botafogo disputarem Torneios da Morte, Segundona e coisas desse gravíssimo jaez.
Constatação XIV
E já que falamos no assunto, será que o técnico Péricles Chamusca, com esse nome, nunca teve alguma ligação com o meu atual campeão invicto Botafogo?
Constatação XV (De uma dúvida crucial).
E sem querer abusar da paciência do leitor, nem querer dar uma de mais um técnico, dentre os outros 200 milhões que abundam o nosso país, mas será que os jogadores Messi e Christiano Ronaldo teriam lugar no Bayern de Munich, no meu Paraná ou no Borussia Dortmund? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado!
Constatação XVI
Enquanto esperava
Pela nova namorada
Que não aparecia
Ele matutava:
“Está só 4 horas atrasada.
Acho que entrei numa fria”.
Constatação XVII
Quando o mordomo anunciou que pretendia escrever suas memórias, o pânico se espalhou entre todos os membros da família, de maneira tal, que, unanimemente, todos pensaram em assassiná-lo. Foi o único caso em que o mordomo, de eternamente suspeito, virou o móvel, potencial, de um crime. Para alivio geral, inclusive deste assim chamado escriba, ele desistiu do seu intento. É o que se poderia chamar uma probabilidade de inversão de valores e de fatos históricos consagrados.
Constatação XVIII
Deu na mídia: “Brasil treina para disputar campeonato de futebol de robôs”.
“Campinas - Três jogadores, robôs, de cada lado, de formas geométricas e um tanto atabalhoados. Mas conquistaram uma torcida animada durante uma demonstração de futebol feita no ano passado, no dia primeiro de junho, no Ginásio de Esportes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que, se houver maior participação do que apenas três jogadores, alguns políticos poderiam perfeitamente integrar o tal time de robôs...
Constatação XIX
A Ciência evolui; o Homem, não. Basta ver um filme americano para comprovar essa assertiva com carros voando e dando cavalo de pau, vidros se estilhaçando e todos esses cacoetes que eternamente se repetem.
Constatação XX
Quando, ao se despedir, disseram para o sujeito que tinha dupla personalidade: -“Então, um abraço para você”, ele, incontinente, respondeu “Será dado”.
Constatação XXI (De uma dúvida crucial).
Afinal, foi a pílula, ou o comprimido, ou a drágea, ou, ainda o Zagalo que disse: “Vocês vão ter de me engolir”? Quem souber a resposta, por favor, etc.

DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.
Dúvida I
Clinton disse que a relação
Com Monica foi um “terrível erro”.
Será que não foi bom?
Dúvida II
Mesmo com lentidão,
Não se deve trafegar
De ré ou na contramão?
Dúvida III
Dar uma pirueta no ar,
Quando se faz um gol, não
Arrisca, de focinho, aterrar?
Dúvida IV
Foi o caranguejo retrocedente
Que liderou uma corrente
Para trás, ao invés de para frente?
Dúvida V
Ser um tipo lacônico
É uma característica de certas
Pessoas, ou é sofrer de um mal crônico?
Dúvida VI
Ser um tipo histriônico
É uma característica de certos
Caras, ou é sofrer de um bem crônico?
Dúvida VII
Quem ganha 40 milhões,
Na megassena, só, não poderia
Se pôr a distribuir alguns tostões?
Dúvida VIII
Foi a Operação Anaconda
Que sustou o barato de alguns
Cortando a sua – deles – onda?
Dúvida IX
A retífica
Do visual e dos etc.
Deixou-a magnífica?
Dúvida X
O tratamento dentário
Deixou seu orçamento
Totalmente deficitário?
Dúvida XI
É muita inacessibilidade
A Gatona da TV ao vivo e em
Cores, fazendo a nossa vontade?
Dúvida XII
E se houvesse inadmissibilidade
Daquela Gata, não daria para
Substituir por outra notabilidade?
Dúvida XIII
E não seria um transtorno
A Gata ao vivo
Num dia de bochorno*?
*Bochorno = substantivo masculino
Rubrica: meteorologia.
1. Vento abafadiço e insalubre.
2. Calor sufocante somado a alta umidade e nebulosidade que ocorre geralmente no verão (Houaiss).
Dúvida XIV
É a Dialética Racionalista da Razão
Que preconiza que a saudade
Mora na cabeça e não no coração?
Dúvida XV
A Sociedade de Consumo
É, e sempre será, considerada,
Por muitos, como o suprassumo?
Dúvida XVI
E a Sociedade dos Amigos do Alheio
Está deixando o lugar de reuniões
E de atuação cada vez mais cheio?
Dúvida XVII
Consumar o ato
Foi, é e sempre será
O nosso desiderato?
Dúvida XVIII
Afinal, o ato, acima referido,
Não é o falho e sim o
Ansiosamente pretendido?