quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (De um pseudo-soneto).

 Fofoquinhas e ‘Fofoquonas’.

Sentiu um incomodo comicho
Na ponta do seu baita nariz.
Era a vizinha na base do cochicho
Com a comadre que com ele nada quis.

Também um desconforto na orelha
Parecia que ela estava pegando fogo
De cor ela havia ficado vermelha:
“Acho que ele vai dar às de vila-diogo*”.

“A mulher sempre foi de um capricho”.
“E ele sempre metido na boca-do-lixo
Com rufiões,** viciados e alcaguetas”.

“Ela o sustenta desde que se casaram,
Mas eu não sei por que nunca se separaram”.
“Tampouco o que dá nos jovens, nas suas venetas”.

*Dar às de vila-diogo = fugir (Google).
**Rufião = n substantivo masculino
1. Aquele que se mete em brigas por causa de mulheres de baixa reputação;
2. Indivíduo que se envolve em brigas com frequência; brigão;
3. Indivíduo que vive à custa de mulher pública, a quem simula proteger; gigolô, proxeneta;
4. Intermediário entre amantes; alcoviteiro;
5. Regionalismo: Sul do Brasil.
Indivíduo que está sempre a fazer conquistas amorosas; conquistador, namorador;
6. Regionalismo: Sul do Brasil. (Houaiss).
Constatação II
Não se pode confundir escuna, que o dicionário Houaiss dá como: “n substantivo feminino. Rubrica: termo de marinha. Embarcação de dois mastros, em que as velas principais são latinas, e que geralmente dispõe de vergas apenas no mastro de vante (a parte da frente do navio, entre a caverna-mestra e a roda de proa, também. Houaiss)”, com escuma (espuma), muito embora quando uma escuna, ou barco, ou navio singra o mar, rio, lago, etc., vai deixando um rastro de escuma. Às vezes a escuma é originada pelos detritos que os ditos animais racionais vão jogando nas águas, anteriormente referidas. Vige!
Constatação III (De mais um pseudo-soneto).

           Dramas funéreos conjugais

A viúva alegre fingindo estar compungida
Enxuga uma invisível lágrima fingida
“Hosana! Finalmente me livrei deste traste!”
E as amantes dele chorando! Que contraste!

De manhã ele dizia para ela: “Bom Dia!
E mentalmente agregava: Miss Antipatia!
E ela de pronto respondia: “Muito boa tarde!”
E pensava: Só de te olhar minha vista arde.

Pela noite, sem combinar, pensavam iguais,
Sem saber o pensamento do outro jamais:
“Para você, meu cordialíssimo boa noite!”

Evidentemente as saudações não eram sinceras
Diferente das anteriormente em pristinas* eras.
“Gostaria de te dar uma baita surra de açoite”.

*Pristino = adjetivo
Uso: formal.
Relativo a um estado, a uma condição ou a uma época anterior; antigo, prisco (Houaiss).

Constatação IV
O carioca fala carioquês; o paulista, paulistês; o nordestino, nordestinês; o nortista, nortinês; o mineiro, mineirês; o catarinense, catarinês; o gaúcho, gauchês. E o curitibano? Fala o leite-quentês, também podendo ser chamado de curitibanês. Vejam só: O lei-te-quen-te me deu dor de den-te e não há quem aguen-te. Que calor, minha gen-te. Não falei?
Constatação V
Não se deve confundir sensualidade com serenidade, até por que a primeira, revelada por uma gatona, pode tirar a segunda de muito marmanjo, seja jovem, de meia-idade ou de idade provecta. Vige!
Constatação VI
Quando o obcecado leu na mídia, mais precisamente no Estadão que: “Os britânicos começam a fazer sexo mais cedo e mantêm vida sexual mais longa. A média de parceiras sexuais na vida aumentou para os homens de 8,6 (em 1990-1991) para 11,7 em (2010-2012). No mesmo período, as mulheres saltaram de 3,7 para 7,7 parceiros. Elas (e não eles) foram as que sofreram mudanças mais importantes em seu comportamento sexual”, ponderou, com a sua – dele – sapiência: “Acho que eu deveria imigrar para a Inglaterra. Um cara como eu, com o meu impecável desempenho, fatalmente, estaria inserido, ou aumentaria o percentual nessa elevação dos parceiros das mulheres que lá vivem”.
Constatação VII
Não se pode confundir astuto com estatuto, muito embora exista muito astuto que modifica ou não cumpre um determinado estatuto para poder se locupletar. Grande filho daquilo que ele é!
Constatação VIII (Mais um pseudo-soneto).

            Que família!

 Ela teve uma alegria esfuziante
Pelo grito raivoso e estridente
Que a sogra deu no filho tenente
Por ele andar sob o sol escaldante

Ela já o havia bem antes advertido
Quando, ele, em posição de sentido,
Com a mão direita perto do ouvido
Fazia continência com cara de sofrido.

Acontece que a mãe dele era major
O que na hierarquia, de tenente, é maior.
E isso, qualquer militar sabe de cor.

O pai dele que tinha o posto de general,
No mesmo quartel dessa gente tão legal,
Repreendeu o tenente de modo paternal.

Constatação IX
Na Feira Orgânica do Passeio Público, que acontece todos os sábados pela manhã, uma porção de feirantes costuma tomar chimarrão e muitos fregueses costumam aceitar uma sorvida que é oferecida com toda a prestimosidade*
Dentre os feirantes, se encontra a família Marfil adepta do chimarrão. Este assim chamado escriba se encontra entre os tomadores. Mas para enticar** com o Marfil sempre crítica o chimarrão, alegando as observações mais comuns do tipo: a erva já está lavada, a água está fria, mesmo que esteja supimpa. A última vez, quando me foi ofertada uma cuiada, aleguei que o chimarrão, por estar lavado, o amigo Marfil havia posto Omo para fazer espuma. Um cidadão que estava mateando na roda que havia se formado, incontinente, exclamou: “É verdade, mas o Omo que ele pôs é orgânico”...

*Prestimosidade =  substantivo feminino
1. Qualidade do que é prestimoso; obsequiosidade.
2. Ação prestimosa; favor, obséquio, ajuda (Houaiss).
**Enticar = verbo
Transitivo indireto
2. Regionalismo: Brasil, Portugal, Açores.
Tomar implicância com (alguém ou algo); aborrecer (Houaiss).
Constatação X (De novo pseudo-soneto).

              Bazófias

Ele contou uma baboseira
Pra lá de mirabolante
Ela: “Deixe de falar besteira,
Pelo menos por um instante”

Foi uma incrível história
Como herói ele aparecia
Inclusive eivada de glória
Onde teve muita pancadaria.

“Tive sozinho que enfrentar,
Sem ninguém pra me ajudar,
Seis sujeitos mal-encarados”.

“Bati neles sem dó, nem piedade,
Que de mim eles não vão ter saudade
Tampouco dos seus rostos amassados”.

Constatação XI (Perdão leitores pelo uso do idioma da maior potência da terra. Afinal, o fato tem acontecido lá na terra deles e não na nossa que, aliás, não é bem nossa...)
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “A cada três dias um turista brasileiro é furtado em Miami ou Orlando”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que provavelmente por conterrâneos dos brasileiros, pelo “know how” e pela facilidade do idioma. Vige!
Constatação XII
Também deu na mídia, no dia 31 próximo passado e igualmente no Estadão: “São Paulo - Em apenas um dia a campanha de doações para pagar a multa imposta ao ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares contabilizou mais de R$ 600 mil. Com a arrecadação registrada nesta quinta-feira, 30, o total de doações, que até então somava pouco mais de R$ 400 mil, chegou a R$ 1,013 milhão em oito dias”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que as doações foram dadas somente por anônimos e provavelmente através do caixa dois. Se fosse para instituições que tratam de idosos e crianças e mesmo para a Sociedade Protetora de Animais não seriam tão vultosas e tampouco anônimas. Como é de conhecimento geral ou parcial, contribuições a instituições de caridade são dedutíveis do Imposto de Renda. José Genoíno e Delúbio Soares devem ter feito algo benéfico para merecer tanta bondade e atenção. Vige!
Constatação XIII
E já que falamos no assunto, deu na mídia, também no Estadão:BRASÍLIA - Preso em novembro após ter sido condenado no processo do mensalão, o empresário Marcos Valério tem uma dívida com a União que supera a negociação do atacante Neymar com o Barcelona, tida, após a divulgação recente de informações, como a maior da história do futebol. Dados da Lista de Devedores da Dívida Ativa da União consultados pelo Estado revelam que Valério possui, pessoalmente ou em conjunto com pessoas próximas dele ou empresas usadas no esquema, débitos no valor de R$ 293 milhões. A transação de Neymar custou R$ 283 milhões ao time catalão. A dívida do operador do mensalão pode crescer em breve, pois ele não pagou os R$ 4,4 milhões da multa imposta pelo Supremo Tribunal Federal. O prazo para o pagamento terminou no dia 20. Se não quitá-la, Valério também terá essa multa inscrita na Dívida Ativa da União”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que, se houver doações, não poderá ser através de qualquer simples mortal. Terá de entrar no esquema pesos pesados do tipo dos que entram no ranking dos ricos do país ou fora deles (dos que tem aplicações nos paraísos fiscais), constantes de listas da revista Forbes e por aí afora. Vige!
Constatação XIV
E ainda deu na mídia, no jornal dos Mesquita: “SÃO PAULO - O engenheiro argentino Gonzalo Firvida, de 44 anos, foi morto após uma tentativa de assalto em uma Rua do Morumbi, bairro nobre da zona sul da cidade, na segunda-feira, 27, por volta das 21h, quando estava acompanhado da esposa, María, das duas filhas, Josefina e Mora, e de uma amiga da filha”. Com o prezado leitor pode constatar a pena de morte, em nosso país, continua vigendo, continua a pleno vapor, como já tem acontecido há muito tempo...

RICOS & POBRES.
Constatação I
Rico, fantasia; pobre, inventa.
Constatação II
Rico é obstinado; pobre, é teimoso.
Constatação III
Rico faz caminhada; pobre, segue cortejo.
Constatação IV
Rico é benfeitor; pobre, malfeitor.
Constatação V
Rico é confiável; pobre, é tratante.
Constatação VI
Time de rico sempre tem quase sempre vitória; time de pobre é sempre derrotado.
Constatação VII
Rico emana cheiros; pobre, sua.
Constatação VIII
Rico foge para país que não tem tratado de intercâmbio de prisioneiros com o Brasil; pobre, é achado na casa de parentes.
Constatação IX
Rico anda com carro do ano; pobre, recolhe material reciclável no carrinho puxado por ele.
Constatação X
Rico tem total liberdade; pobre, só restrições.
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: