quarta-feira, 19 de março de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES NAFALTA DE MAIORES
Constatação I
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão: “PT x PMDB: entenda o impasse.
Se alguém não se der conta que “Principal partido da base aliada do governo federal tenta conseguir mais espaço no Planalto e na disputa eleitoral”, precisa urgentemente fazer um curso de acordar da sua ingenuidade, já que sempre existiu na política brasileira: O execrável ‘dá cá toma lá’. Elementar. Dúvida crucial: Será que o país aguenta por muito tempo esse butim*? 
*Butim = n substantivo masculino
1. Conjunto de bens materiais e de escravos, ou prisioneiros, que se toma ao inimigo no curso de um ataque, de uma batalha, de uma guerra.
2. Produto de roubo ou de pilhagem.
4. Uso: informal.
Proveito, lucro (Houaiss).
Constatação II
Não se pode confundir furto com fruto, muito embora em uma porção de casos, também ou principalmente envolvendo políticos, o fruto de uma ou mais de suas riquezas é devido ao furto de bens públicos, também conhecidos por pôr a mão no jarro, desvio de verbas, falta de licitação e outros epítetos que a mídia costuma utilizar.
Constatação III
"Deu também na mídia, também no Estadão, na coluna do jornalista Marcelo de Moraes: “Não queremos apoiar reeleição de Sarney para o Senado”, diz Joel Banha, presidente do PT no Amapá”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que se a votação para senador abrangesse todo o país e não só o Estado que lança o candidato, a população se manifestaria que está na hora do senador se aposentar. E, claro, já iria tarde! Bem tarde!
Constatação IV
Não se pode confundir ricos com riscos, até por que se continuar a situação que apenas 1% da população mundial continuar detendo 50% do PIB, os ricos vão correr  riscos de não ficar com nada diante de um levante dos outros 50%, onde, inclusive grassa a fome.
A ideia da Taxa Tobin, formulado por James Tobin, na qual as execráveis aplicações financeiras em todo mundo fossem oneradas com um pequenino percentual, até hoje não mereceram maior atenção dos países ricos e suas populações que vivem vidas tranquilas da especulação financeira. Filhos daquilo é que eles são. Tenho, p da vida, dito!
Constatação V (Gato escaldado tem medo de água fria...).
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: “Dilma e Blatter não farão discursos na cerimônia de abertura da Copa. Medida soa como precaução por causa das ameaças de protestos no Brasil durante o Mundial”. (“ameaças de protestos”, no caso, é eufemismo de vaias). [O grifo é de Rumorejando]. Tal fato me faz lembrar a história do sujeito que mediu a sua febre e como estava alta, irritado, despedaçou e jogou fora o termômetro. Vige!
Constatação VI
Também deu na mídia e também no site do Estadão: “PMDB obtém apoios, se une à oposição e impõe derrota ao governo na Câmara. Integrantes da base aliada combinam ação com partidos de oposição e fustigam Dilma com aprovação de requerimento que cria comissão externa para investigar a Petrobrás”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando não acha que seja ‘derrota ao governo na Câmara’. Afinal, quem não deve, ou não tem culpa em cartório, não teme e não precisa pagar. Não seria esse o caso do governo não impedir a investigação da Petrobrás? Cá entre nós, pobres mortais, por que impedir a investigação? Medo que algo venha à tona? E se o PMDB e outros componentes do assim chamado bloco que apoia o governo forem atendidos em suas, segundo eles, desinteressadas reinvindicações, aí a investigação cessa ou continua? Quem souber aclarar todas essas dúvidas cruciais de Rumorejando, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação VII (De um pseudo-soneto).

      Diálogos de como entrar na política.

Fazia declarações como se fossem únicas, infalíveis,
Verdade que não havia mínimas intenções de mentir
Não se dava conta que dizia coisas inexequíveis
Que ia contra a todas as leis, querendo persuadir.

Se a contestação fosse inegável e peremptória,
Começava a tergiversar, enrolando o interlocutor,
Menosprezando sua inteligência com essa história,
Que irritado, ficava com a cabeça com baita dor.

“Você tem vocação, ao menos, para deputado ou senador
E deveria se candidatar a uma dessas funções políticas,
Não interessando se, acaso, o partido já esteja com bolor”.

“Você não seria diferente dos que agora por lá estão,
Já que de modo algum essas eminências são autocríticas
E costumam legislar pra si em detrimento da nação”.

Constatação VIII (De outro pseudo-soneto).

                       Divagações
       (Dedicado aos meus amigos mineiros).

Existe uma determinada maneira
De se referir à palavra besteira
Sem que signifique bobeira
Ou que se está querendo dizer asneira?

Em Minas também quer dizer grampo de cabelo
Que as mulheres se preocupam com muito zelo
Afinal, as vaidosas não podem andar com desmazelo,
Caso contrário arrisca ficarem com dor-de-cotovelo.

Portanto quando você estiver em Minas,
Você pode dizer ocê, uai, oiá, bão, trem
Até pode elogiar a besteira das meninas.

Mas cuide do sentido onde coloca a frase,
A fim de que você não ofenda alguém
O que não fará com que você arrase.

Constatação IX
Está circulando na Internet, mormente no Facebook desafios para a feitura de poesias que devem ser repassadas a outras cinco pessoas e assim por diante dando andamento à uma corrente de poesias. Este assim chamado escriba vem de lançar o livro 150 Sonetos e 1 Sonetão (Pseudos) e esgotou o seu estoque de criação por que ninguém é de ferro. Ao contrário do seu costume, que raramente publica textos alheios, com exceção dos seus gurus Millôr Fernandes, Mario Benedetti e Mário Quintana, Rumorejando, que teme pela volta desse nefasto período, não poderia se furtar de publicar o escrito de Walmir Ayala, publicado na época da repressão e censura e que considera uma obra-prima e que, lamentavelmente, não perdeu a sua atualidade...

             Ode à Censura
                            Walmir Ayala*.

Censuremos a pornografia da fome,
do desemprego,
da indústria da educação,
da propaganda mentirosa.

A pornografia da violência policial,
da tortura,
das máscaras pré-eleitorais,
dos aumentos do leite e do pão.

A pornografia da irrealidade dos salários do Povo
e da irrealidade dos salários dos que decidem o mesquinho
salário do povo.

A pornografia da falta de solidariedade,
da demagogia com pés de lã,
da corrupção oficializada
do pseudomoralismo despistador.

A pornografia dos linchamentos,
da lentidão da justiça,
do olho vesgo da justiça,
do pedestal vazio da própria justiça.

A pornografia da justiça que se quer feita pelas próprias mãos.
A pornografia do medo, da insegurança,
das comissões que justificam o crime,
do variado preço da “cerveja”
com que se amansa o gato da fiscalização.

A pornografia do símbolo do leão
como carrasco dos que se equilibram perigosamente
na rede milionária dos impostos.

A pornografia da fábrica de mortos,
ou das mortes cinicamente adiadas
nos institutos da previdência social.

A pornografia das ricas reservas de ouro,
minério e petróleo,
caracterizando um país rico infestado de miséria.

Censuremos todas estas pornografias que nos aviltam
não a ingênua pornografia que pelos olhos ou pela imaginação
montam suas máquinas monótonas
no espaço supérfluo do nosso sonho.

*Walmir Ayala (Porto Alegre-RS, 4 de janeiro de 1933 - Rio de Janeiro-RJ, 28 de agosto de 1991), foi um poeta, romancista, memorialista, teatrólogo, autor de literatura infanto-juvenil e crítico de arte brasileiro (Google/Wikipédia).
Constatação X
E já que estamos embalados, Rumorejando agradece o que segue abaixo, escrito, de modo laudatório, por uma amiga bondosa que conheci no Banco de Desenvolvimento do Paraná S. A., BADEP, quando fomos colegas de trabalho. Ao contrário do que foi dito na constatação anterior – e não se trata de falsa ou verdadeira modéstia, mas da mais e irrefutável evidência dos fatos – a, digamos, ponderações de Claudia Chermikoski, lamentavelmente, vêm perdendo a atualidade...

 Querido Juca:

Pra falar das rimas
Vou esquecer-me das primas
Ambas adoráveis.

Os seus pensamentos
São marcas muito importantes
Que conheço agora.

Juca cidadão
Há quanto tempo um irmão
Sem "constatação".

Não sabe de mim
Afinidade sem fim
Nos sons e nos tons.

Letras tão letradas
Nos caminhos ou estradas
Nas rimas e primas.

Me deixa feliz
Suas palavras douradas
Em brilho de sol.

Expor pensamentos
Nem todos têm a coragem
Você tem de sobra.

Prazer em sabê-lo
Saber lidar com as palavras
Estou encantada!

Magia de fada?
De onde vem esse dom?
Parabéns Juca!

Abraço,
Claudia Chermikoski

Constatação XI
Deu na mídia, mais precisamente no site da Globo (só poderia ser...):Veridiana Freitas posa de biquíni e diz que fará reconstituição de hímen. Ela quer voltar a ser virgem: 'Estou superansiosa. Vou me guardar cinco meses e, quando encontrar meu príncipe encantado, quero que seja perfeito'”. Taí uma notícia, “superansiosa” esperada, de transcendental importância para o futuro da Humanidade. Vige!
Constatação XII (Quadrinha para ser recitada se o meu Paraná for campeão do campeonato paranaense [Segundo Davis Bem Gurion, “Quem não acredita em milagres não é realista”]).
Cuidem-se times do Campeonato Brasileiro
Que o Paraná, como quem não quer nada,
Está chegando todo valente e altaneiro
Pra mostrar para o Mundo sua esquadra apurada.

RICOS & POBRES.
Constatação I
Rico é afável; pobre dá pontapé até na própria sombra.
Constatação II
Filho de rico quando nasce vem ao mundo: pobre, é apenas expulso do ventre materno.
Constatação III
Rico tem vozeirão; pobre, poluição auditiva.
Constatação IV
Rica confidencia um segredo; pobre, faz fofoca.
Constatação V
Rico oferece colaboração; pobre cumplicidade.
Constatação VI
Rico ao expor é categórico; pobre, carece de fundamento.
Constatação VII
Rico realiza seus sonhos; pobre, tenta não realizar seus pesadelos.
Constatação VIII
Rico vive em eterna lua-de-mel com o mundo que o rodeia; pobre, só resmunga.
Constatação IX
Rico pesquisa; pobre, mete o nariz onde não é chamado.
Constatação X
Rico fica na fila para comprar sorvete no shopping; pobre, fica na fila do SUS.

Site: www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: