quarta-feira, 30 de abril de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
A atitude de Daniel Alves, ao comer a banana que foi jogada pelos torcedores do Villarreal e a sua afirmação de que “é preciso rir dos retardados” foi um tapa de luva de pelica na cara dos racistas não só da Espanha como de todas as partes do mundo. Foi um gesto inusitado que, data vênia, como diriam nossos juristas, este assim chamado escriba acha que deverá entrar para a história. A afirmação do técnico Pep Guardiola, um cara que é de um vedetismo incomensurável, de que foi um “gesto estúpido” e de que “com educação nós podemos curar isso”, demonstra uma necessidade de aparecer e fazer média perante seus conterrâneos espanhóis. É factível educar certas pessoas que compõe a Humanidade? Antes que eu me esqueça, o Pep Guardiola que vá junto com os racistas para os quintos do inferno. Como o leitor poderá constatar, Rumorejando, a semelhança da atitude do Daniel Alves, está se comportando de maneira educada e respeitosa, não mandando os racistas e o consagrado técnico à pqp. Tenho educadamente dito!
Constatação II
Não se pode confundir legado, que o dicionário Houaiss dá, como entre outras definições, “disposição de última vontade pela qual o testador deixa a alguém um valor fixado ou uma ou mais coisas determinadas” com delegado, até porque se forem vários herdeiros poderá ocorrer, como é praxe nesses casos, brigas de tais intensidades que acabem de ter que contar com a interferência de um delegado. De polícia, é claro!
Constatação IV
E como elucubrava aquele filósofo de bar depois de ingerir uma e outras: “A gente não é tão burro como supõe não ser e tampouco tão inteligente como a gente supõe ser”.
Constatação V (Colaboração do grande Amigo maringaense Edson Ferreira dos Santos).
Não se deve confundir "Barbatimão", que é uma planta medicinal, com baba Timão, (Meu Corinthians), que no segundo caso ficou fora da disputa final do campeonato paulista e começou mal o Campeonato Brasileiro, babando pelo titulo. (Meu também, Edson, mano velho. [ ]’s Juca).
Constatação VI
Quando um jogador de futebol anuncia que vai se aposentar da seleção será que ele tomou como parâmetro o caso dos deputados que pedem demissão quando sentem que serão cassados e, com isso, poder usar dessa imoralidade de se candidatarem novamente, já que zera, para eles, a patifaria cometida? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação VII (Coisas difíceis de entender. Quem entender, por favor, comentários no blog. Obrigado).
-Por que será que os supermercados não convencionam entre si que a colocação das mercadorias deveriam ser sempre na mesma posição?
-Por que será que uma determinada medida em determinado município que apresenta excelente resultado, não é acampado por todos os demais do país?
-Por que será que a mídia não é imparcial?
-Por que será que o trote, entre militares, estudantes, etc. não é proibido em todos os lugares? E a fiscalização para impedir a farra do boi, a briga de galo e por aí afora?
-O que será que pensa uma pessoa física e/ou jurídica quando falsifica um remédio e o coloca no mercado, pondo em risco a vida de pessoas?
-E o que será que pensa do seu cargo um ministro ou secretário da Saúde que faz, como seus antecessores, as pessoas ficarem numa fila, desde a madrugada para pegar uma senha, com um atendimento marcado para uma data de longo prazo? E enquanto isso, como é que fica a saúde do doente? E as vagas em hospitais? E as faltas de UTI’s?
-Por que será que as entidades financeiras, como bancos e outras te afirmam que vão creditar na tua conta um determinado valor, proveniente de algum crédito, até determinada data e não o fazem? E por que um banco, em nosso país, precisa ter um lucro tal que dobre o seu capital em um ano? Por que banco não paga imposto de renda compatível com o seu lucro pornográfico?
-Como pagar a dívida do país que já chegou na casa do trilhão de dólares? E quem vai ter que pagá-la?
Constatação VIII (Colaboração antiga do grande Amigo Renato Emilio Coimbra, lamentavelmente já falecido).
Você já viu?
-Um japonês pedindo esmolas?
-Um deputado honesto depois de eleito? (antes, todos são...)
-Um médico com letra legível?
-Um craque de futebol não casar com loura?
-Um advogado cumprir o juramento de falar toda e somente a verdade?
-Um médico dizer ao cliente que o tratamento anterior com outro médico estava correto?
-Um dentista, idem?
-Um político cumprir todas as promessas de campanha?
-Um político dar a mão, beijar e abraçar os pobres após a eleição?
-Um político apresentar um projeto que não o recompense com $$$$ ou votos?
Constatação IX (De um pseudo-soneto).

 Há males que vem para o bem. O bem-bom.

Ela me enxotou, me expulsou
Do ninho de amor do seu barraco
-“Você é adepto da pinga e de Baco
E toda a minha adega você secou”.

Achei que eu havia feito um grande favor
De tomar o vinho. Aquele de garrafão
Que produz no fígado estrago e muita dor
E ela: “Melhor que o francês de tão bom”.

Saí numa boa sem bronca e sem bater a porta,
Pois já estava de olho numa recém-nova ricaça
Que me havia convidado para ver sua horta.

Antes, ela fez questão de mostrar o dormitório.
E como a vida da gente é muito curta e escassa
Achei o convite amável, gentil e assaz laudatório...

Constatação X (De outro pseudo-soneto).

               Aula de Física

Para driblar a minha frequente solidão
E o vazio que eu sempre sinto no coração
Arrumei um amor daqueles sem ilusão
Mesmo que se tratasse de uma mera paixão.

Porém a parte pudenda ficou sem reação
Diante da viva nudez daquele mulherão
Aí eu fiquei totalmente estático sem ação.
A Terceira Lei de Newton até no bem-bom?

Seria também a Primeira Lei, a inercial, ou não?
Ou talvez a Segunda Lei = massa x aceleração?
O fato que o caso, gravíssimo, me deixou na mão.

Pedi pra a mina o seu beneplácito, o seu perdão.
E que ela tivesse paciência, calma e resignação,
Que na próxima vez eu melhoraria minha atuação.

Constatação XI
Não se pode confundir bairro com barro, muito embora, dependendo do prefeito, que tenha seu interesse desviado de suas funções e obrigações, deixa o bairro sem receber pavimentação seja asfáltica ou de qualquer outro material, a fim de que a rua não represente perigo de escorregões, quedas dos pedestres ou de carros se atolarem no mencionado barro.
Constatação XII (Quadrinha que pode ser recitada por pessoas de provecta idade, cuja única vantagem, naquela altura da vida, é ter atendimento especial na fila dos bancos, juntamente com mulheres grávidas e outras mais pessoas).
Brochura é o símbolo da decadência humana,
Mormente se ocorre amiúde ou toda semana.
Quando acontece não dá para dizer Hosana*.
Tampouco apregoar por aí que é algo bacana.

*Hosana = n substantivo masculino
1. Rubrica: liturgia católica.
Hino de ação de graças, especialmente aquele cantado nas cerimônias católicas no domingo de Ramos.
2. Rubrica: liturgia católica.
Ramo que os fiéis levam para benzer no domingo de Ramos
3. Rubrica: música.
Composição ou cântico sobre esta seção do texto do Benedictus e do Sanctus
4. Derivação: por extensão de sentido.
Saudação jubilosa, aclamação ou cântico de louvor
Interjeição
5. Exclamação de alegria, de triunfo; salve (Houaiss).
Constatação XIII (Quadrinha dedicada para quem não tem determinados hábitos).
O sujeito era considerado o rei do empirismo.
Nunca havia lido um livro sequer na p da vida.
Suas perorações e divagações eivadas de achismo.
E a participação nos papos de maneira intrometida.
Constatação XIV (Quadrinha que me foi enviada por um obcecado, que me pediu anonimato, utilizada em suas abordagens e que, segundo ele, com uma estatística de quase 100% de sucesso).
“Se você viesse pra cama comigo
Eu poderia morrer muito feliz.
Seria uma morte gloriosa, te digo
Como eu sonhei e sempre quis”.
Constatação XV (Quadrinha, também utilizando o, digamos, sufixo em ão, para ser recitada por todos os habitantes do nosso país, principalmente logo após o hino nacional que acertadamente é executado antes das partidas de futebol, muito embora, na maioria dos lugares sem a respectiva letra o que, se introduzida, ajudaria a gente decorar, uma vez por todas, o nosso hino).
O que chama da nossa abandonada gente a atenção
A inconsciência dos governos para a Educação,
Também para a Saúde que está uma negação
E a Segurança que não assegura a população.
Constatação XVI (Quadrinha para ser recitada para si mesmo quando for o caso de se sentir frustrado por uma peremptória negativa).
Ela não quis ser hóspeda do meu coração
Alegando que já se achava comprometida.
Quando me inteirei que era com um vilão
Concluí que ela era uma mulher destemida.
Constatação XVII
A candidata ao governo do Estado do Paraná, pelo Partido dos Trabalhadores, Gleisi Helena Hoffmann declarou que “a Oposição não tem proposta”. Data vênia como diriam nossos juristas, mas este assim chamado escriba, septuagenário, quase octogenário, não se lembra de quaisquer candidatos para quaisquer cargos políticos, de alguma proposta objetiva e exequível que não tenha se perdido em promessa e/ou mentira. Mais uma vez, pode-se afirmar com toda convicção: O roto está falando do esfarrapado. Lamentável! E, claro, viva “nóis”.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico tem coirmão; classe média tem rival; pobre, tem desafeto.
Constatação II
Rico está concernido na relação dos que pagam ou deveriam pagar imposto de renda; pobre faz parte dos que estão isentos, mas, de uma forma ou de outra são os que mais pagam. Também, o pato.
Constatação III
Rico é imaginativo; pobre é mal intencionado.
Constatação IV
Rico é idiossincrático; pobre, maníaco.
Constatação V
Rico é contabilista; pobre, guarda-livros.
Constatação VI (Outra colaboração do grande Amigo maringaense Edson Ferreira dos Santos).
Rico passa as férias no Candeias (clube); pobre passa as férias nas cadeias.
Constatação VII
Rico é minucioso; pobre, carece de fundamento.
Constatação VIII
Rico é iluminado; pobre, é desbotado.
Constatação IX
Rico saboreia; pobre, tem gosto estragado.
Constatação X
Rico é animado; pobre, é songamonga.

Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 23 de abril de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
No livro 150 Sonetos & 1 Sonetão (Pseudos), que este assim chamado escriba lançou em dezembro de 2013, consta um pseudo-soneto que foi dedicado ao escritor colombiano, Prêmio Nobel de Literatura, Gabriel Garcia Márquez, recentemente falecido (e tanto fdp que não morre...) e que em sua homenagem, transcrevo a seguir:

                    A espera e a esperança*

A época, ele declarou à, então, gata que por ela sentiu
Um comboio de amor infinito, de muito afeto e de paixão.
Por ‘empréstimo’, levou seu economizado dinheiro e sumiu,
Deixando, como não poderia deixar de ser, a coitada na mão.

Ela, parecendo de Gabriel Garcia Márquez o personagem
Do livro O Amor nos tempos do cólera, o Florentino,
Que esperou mais de 53 anos pela Firmina, com coragem
Numa inimaginável fidelidade ao trampa**, àquele vivaldino.

Analogamente ao Firmino, foi um tempo muito largo
Onde ela ficou sofrendo uma imensa e terrível solidão
Que, evidentemente, deixa qualquer mortal muito amargo.

Eis que depois de tanto tempo e tanta espera ele quis voltar.
Ela achou que foi por sua causa e, claro, pra pedir perdão.
Qual o quê! Ele voltou pra mais um ‘empréstimo’ solicitar...

*Dedicado ao latino-americano, prêmio Nobel de Literatura, apodado Gabo.
**Trampa = Engano doloso; trapaça, velhacaria (Houaiss).

Constatação II (Relembrando Copas do Mundo anteriores [I]) Esta constatação e outras sobre futebol como homenagem a Luciano do Vale, recentemente falecido.
Leitura labial
Do Parreira,
No Fantástico,
Como se fosse banal.
Deixou-o, pu, digo
Contrafeito,
Bombástico,
Pouco amigo.
Que besteira,
Que desrespeito
De invadir
Sua privacidade
De infringir
Com tal iniquidade.
Constatação III
Absolutamente não é despeito, mas que jogo chato uma final, na base de pênaltis, dos campeonatos regionais deste ano de 2014. Cáspite!

Constatação IV (Relembrando Copa das Confederações, recente [I]).

A apatia de o time titular da seleção começou quando Mano Menezes era, então, o técnico da seleção. Na Copa das Confederações, já com o Felipão, a seleção venceu na final a Espanha por 3 X 0. Este assim chamado escriba que, ao contrário do seu hábito, assistiu a partida e, como recorrente, desde tempos idos, em constatações, inferiu que a Espanha entregou o jogo. Primeiro com o jogador espanhol, batendo aquele pênalti, quando o jogo estava 0 x 0, colocando, visivelmente, a bola para fora; depois o fraco empenho dos jogadores espanhóis e, finalmente, comentários, pouco divulgados na mídia brasileira, de que o presidente da Fifa havia pedido aos espanhóis que entregassem o jogo, face o momento político-social que o Brasil estava vivendo.
Constatação V
Com esse escândalo da Petrobrás e outros tantos que vêm pipocando constantemente em nosso país, envolvendo ministros, deputados, senadores, ex-diretores de órgãos públicos e até presidentes da República, com a provável instalação de CPI´s, vale lembrar que, há anos atrás, o jornal O Estado do Paraná, onde este assim chamado escriba colaborou cerca de 13 anos, publicou o seguinte: “Brasília (ABr) - O procurador da República Lucas Furtado fez uma representação ao Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo a suspensão do pagamento aos deputados cassados ou que renunciaram ao mandato para fugir da cassação. A ação ainda depende de julgamento. No ano passado, o deputado Orlando Desconsi (PT-RS) também apresentou um projeto à Câmara proibindo a aposentadoria nesses casos”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando, sem utilizar estatísticas, curvas de tendência, gráficos, cálculo vetorial e infinitesimal, derivadas e integrais, máximos e mínimos achou que jamais em tempo algum a ação seria julgada e que o projeto do deputado gaúcho algum dia seria aprovado, com de fato não foi. Quanto as CPI´s, como é tradição, cá na nossa terra, ninguém tem mais dúvida como irá gastronomicamente acabar...
Constatação VI (Relembrando Copas do Mundo anteriores [II]).
Dizem que um atleta que disputa uma partida não deve dar atenção às provocações do adversário ou da torcida. A verdade é que determinados esportes, além da técnica e do talento, incorporaram a guerra de nervos e a violência de alguns. Basta lembrar o time de vôlei feminino de Cuba contra as rivais brasileiras.
Um dia após a vitória da Itália sobre a França a mídia questionou o que o jogador Materazzi deve ter dito para o Zidane que o fez perder a cabeça com a cabeçada? Talvez tal atitude tenha custado o campeonato para a França. Talvez. Mas até onde dá para aguentar uma provocação, uma tortura física e mental, uma opressão? Bertoldo Brecht disse: “Do rio que tudo leva se diz que é violento, mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem”. A sorte de Materazzi, um dos esteios da vitória italiana, foi que a cabeçada foi no seu peito. Tal revide, pelo correu na mídia, em face o que foi dito, até que foi, como diriam alguns, “light”...
Constatação VII (De uma dúvida não necessariamente crucial).
Se houvesse no Brasil uma casa de apostas, como existe em Londres e que, segundo o jornalista e escritor Marcelo Duarte, no seu ‘Blog do Curioso’, informa que é lá que se encontra a maior casa de apostas do mundo, será que eles aceitariam apostas nas quais o apostador jogaria que as CPI´s terminariam em pizza?
Constatação VIII
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão, na página do repórter Fausto Macedo: “Polícia Federal vai abrir novos inquéritos da Lava Jato para investigar corrupção e fraudes em licitações. Investigadores querem identificar em quais órgãos públicos se infiltrou organização criminosa de doleiro e de ex-diretor da Petrobrás”. Comentário de um frequentador da Boca Maldita, cá em Curitiba: “Do jeito que o mundo está indo, em geral, e no Brasil, em particular logo, logo a mídia poderá noticiar só desgraças e barbaridades. E do jeito que a Polícia Federal tem trabalhado, as férias dos seus componentes devem ter sido suspensas para sempre”...

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico seduz no shopping romanticamente; pobre, assedia no metrô acintosamente.
Constatação II
Rico pesquisa; pobre, plagia.
Constatação III
Rico é dono de si mesmo; pobre, é escravo.
Constatação IV
Rico participa de degustação; pobre, de salivação.
Constatação V
Rico vive eufórico; pobre, vive azedo.
Constatação VI
Rico se locomove de um lugar para outro, curtindo férias, viagens, conhecimento de lugares turísticos novos; pobre, é estático.
Constatação VII
Rico acorda a hora que quer; pobre, é obrigado a assistir o raiar do dia.
Constatação VIII
Rico toma a iniciativa; pobre participa de uma penúltima etapa.
Constatação IX
Rico tem proporção harmoniosa; pobre, tem dentadura 1001.
Constatação X
Rico tem constituição atlética; pobre, sofre de raquitismo.

FÁBULA CONFABULADA (INDIGNA DO GURU MILLÔR).

Numa província chinesa vivia uma família chinesa. O que parece perfeitamente normal e natural. O pai Mah Leh Zan; a mãe, Ha Voy Leh e o filho Nuh Kym Shoyn. Ainda moravam com a família as consogras Fah Dus Teh e Par She Veh. Esta fez questão de mudar o nome que anteriormente era com erre para Pas Kuz Tzve, a fim de que a letra erre, tão comum no Ocidente e que não existe no alfabeto chinês, consta-se do seu nome. Puro esnobismo. Mah Leh Zan, o pai, tinha um alto cargo no governo; a mãe era uma espécie de gerente num grande supermercado. Desnecessário se torna dizer que as consogras se odiavam entre si, também o genro e a nora. No entanto, bastava que uma elogia-se um dos cônjuges para que, pasmem, a outra imediatamente passasse a discordar, ainda que fosse o seu filho ou filha, sangue do seu sangue, como se costuma dizer por aí. Daí, as discussões intermináveis, com agressões verbais recíprocas de fazer até um elefante ficar ruborizado no nariz, digo, na tromba.
Quando o neto de ambas, Nuh Kym Shoin, se preparava para sair, fosse para o colégio, ou para desfrutar um lazer com os amigos e colegas, lá vinha nova querela entre as avós com relação ao tamanho do cabelo, da trança, cor da roupa; se fosse para visitar alguma namorada, a linhagem da escolhida tinha que ser de determinada dinastia, os pais deveriam ter boa capacidade financeira, o grau de instrução, comportamento social ser elevado, o que, é bom que se diga, não era o caso de ambas, e por aí afora... Mas isso, agora, não vem para o caso.
Por outro lado (qual lado?), Mah Leh Zan, tratava muito mal os seus subordinados. As chamadas de atenção, com ou sem razão, tradicionalmente eram ditas de maneira rude e grosseira. Ainda que fosse subserviente aos seus superiores. É o que se chama, no decadente capitalismo do Ocidente, às voltas com a globalização, se agarrar com unhas e dentes ao seu cargo, mesmo que se tenha de pisar e atropelar quem se atravesse no seu caminho. O que também já é outra história.
Ha Voy Leh, então era a megera personificada. Os seus subordinados apelidaram-na de “Bruxa”, dizendo que só faltava sair voando com alguma vassoura das muitas que havia no supermercado. Efetivamente, ela era tão má, que até daria para compará-la com as vilãs das novelas de um país que ficava do outro lado do mundo, chamado Brasil. Mas isso já é outra história, o que, no momento, também não vem para o caso.
Um dia, estavam todos sentados à mesa, comemorando o aniversário do rapaz. Aí, como soe acontecer em reuniões familiares, iniciou-se uma briga de todos contra todos e todos gritando com todos, ao mesmo tempo, cada vez mais alto, cada qual querendo impor sua presumível abalizada opinião. Ninguém se dispunha a obtemperar. A gritaria foi tal que os vizinhos assustados chamaram a polícia e todos tiveram que se explicar ao delegado que também não era digno de trabalhar no corpo diplomático e que proferiu, como os demais, palavras impróprias e impropérios, inclusive ameaçando meter todos na cadeia para esfriar os ânimos.
Moral I: A prática de dizer coisas desagradáveis entre as pessoas das famílias, ou não, independe do seu nível econômico, social e hierárquico.
Moral II: Vige!

Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 16 de abril de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Você com essa lindura
E com outros que tais
Faz ressaltar ainda mais
A minha “ataviada” feiura.
Constatação II
Se o deputado federal André Vargas deve ou não renunciar é de interesse dos candidatos à próxima eleição, mormente os do Partido dos Trabalhadores (sic). Afora isso, a sua atitude, seja ela qual for, é de transcendental importância para o futuro da Humanidade. Isso sem falar do aspecto ético, legal e moral. Vige!
Constatação III
A ternura,
Demonstrada,
Revelada
Por um candidato,
Ao abraçar
E beijar
Uma criança,
Na época de eleição,
É uma destemperança,
Uma defraudação,
Uma impostura.
Mas tem “pato”
Que teima em acreditar
Na sinceridade
Dessa demonstração
De afetividade.
Constatação IV
Deu na mídia, mais precisamente no site da Globo: “Valesca Popozuda não está mais contente com o tamanho avantajado do seu bumbum. Nos bastidores, o que se comenta é que a loura já está disposta a diminuir ou retirar as próteses de silicone. Valesca tem 550 ml em cada nádega”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando ficou muito feliz com a notícia por esta ser de transcendental importância para o futuro da Humanidade...
Constatação V
Rumorejando, no dia 30 de março, próximo passado publicou a seguinte constatação: “Rumorejando nunca entendeu qual a razão que as manifestações racistas contra os afrodescendentes nunca foram punidas com a Lei Afonso Arinos, prendendo o infrator ou infratores nas torcidas de futebol. E tampouco entendeu a razão que a punição vai para o time ao qual o torcedor faz parte que, não tem culpa alguma se o torcedor é um débil mental, ou um imbecil, ou um marginal. As punições ao time são também se um torcedor atira algo no campo. Se alguém puder me explicar o porquê que é o time que é punido, por favor, comentários no blog. Obrigado”.
Agora que dois torcedores do Paraná ofenderam um jogador que foi expulso de campo o time está ameaçado pelo STJD de punições severas. Não é por ser torcedor do Paraná que Rumorejando publicou em 30 de março, data bem anterior a atitude ignóbil dos dois torcedores, é por ser válido e surpreendente que não se aplica a mencionada Lei Afonso Arinos nos torcedores, pondo-os em prisão. Será que a CBF não se dá conta de que os times não são culpados pelo comportamento de torcedores?
Constatação VI
Não se pode confundir aliado com aliviado, até porque ninguém fica aliviado se, por exemplo, um aliado, seja lá do que for, seja submetido a uma prisão, a um castigo e naturalmente se ela, em quaisquer circunstâncias, for considerada injusta.
Constatação VII
Por falta de opção,
No Dia do Beijo,
Beijei a própria mão.
Constatação VIII (De um pseudo-soneto).

De filantropias,
Ainda que trágicas.

Para apimentar
A nossa insossa relação
Até um mero roupão
Ela deixou de usar.

Aí piorou sobremaneira a situação:
Seus provectos noventa e dois anos
Me exigiram esforços sobre-humanos
E não foram indispensáveis e boa solução.

Para não criar constrangimento
E não pifar em nenhum momento,
O remédio, a solução foi apagar a luz.

Me sacrifiquei e por falta de melhor opção
Para não ser um cara de criar nela decepção
Fui obrigado a tomar cachaça com mentruz.

Constatação IX
Não se pode confundir agrega com a grega, não só porque foneticamente o primeiro é com e aberto e o segundo com e fechado, mas porque não tem nada a ver. Mas, por outro lado (qual lado?), nada impede que a grega, uma professora, por exemplo, no seu país ensine cultura aos seus alunos. Isso agrega conhecimento, coisa que, em certos países, o ensino está relegado a um plano secundário, se não terciário ou quaternário. E a televisão não agrega bons exemplos para a grega, para a brasileira, para até a conchinchinesa população. Para ninguém, enfim. A recíproca, para esses casos helênico-educativos, ou não, até pode ser verdadeira. Dependem das prioridades dos dirigentes das nações, donos de estações de televisão, pesquisa de opinião pública, patrocinadores, etc.
Constatação X
Deu, certa vez, na mídia de autoria de Ricardo Brandt: “Tucanos preparam plano para seduzir mais pobres”. “Intenção do PSDB é popularizar discurso, aumentar militância e divulgar seus programas sociais, de olho nos setores que hoje dão apoio a Lula”. “O PSDB quer deixar para trás o estigma de partido das elites”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que, quaisquer partidos, em qualquer lugar, para seduzir quem quer que seja é só fazer um bom e sério governo. Quem souber aonde isso é possível, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XI
Com o craque,
Dialoga
Vestido, o cartola,
De fraque.
Constatação XII (Teoria da Relatividade para principiantes).
Mais vale ser campeão na primeirona do que último colocado na segundona.
Constatação XIII
Não se pode confundir Bossa Nova com Balsa Nova – sendo que essa simpática cidade, onde este assim chamado escriba morou, quando ainda era distrito da não menos da simpática Campo Largo, já se chamou João Eugenio –, muito embora nada impeça que os moradores de Balsa Nova sejam adeptos da Bossa Nova. A recíproca, se não é, deveria ser verdadeira, pois sendo adepto ou não da Bossa Nova, dificilmente alguém resiste aos encantos deste pequeno grande município.
Constatação XIV
O obcecado,
Safardana*,
Contador de lorota,
Convencido,
Metido
A janota,
A bacana
Petulante,
Pedante,
Fugiu,
Chispando,
Se quebrando
Do motel.
Da cama
Com dossel.
A mulher,
Despistando
Que estava exasperada
Decepcionada,
Desapontada,
Saiu
Com o conhecido,
Tão batido,
Assaz proclamado:
“Esquece.
Não esquenta,
Nem tenta
Novamente.
Isso acontece.
E é comum
Para qualquer
Um.
Basta ser vivente”.
Coitado!
Coitada!

*Safardana = n substantivo masculino.
Indivíduo sem escrúpulos; safado, canalha, pulha (Houaiss).
Constatação XV (De uma quadrinha para ser recitada alhures).
Votar em qualquer um, a esmo
Nos chamados representantes do povo
“Por serem todos iguais, mesmo”
É pedir para se ferrar de novo.
Constatação XVI (De uma quadrinha para ser recitada em nosso sofrido país).
A eleição tá chegando depressa
E os candidatos se preparando
Para dizer mentira e promessa
Com muito trouxa acreditando.
Constatação XVII (De uma quadrinha para ser recitada durante o Campeonato do Mundo).
Se eu torcer para o time brasileiro
E o Brasil levantar o campeonato
Por um lado me sentirei altaneiro
Por outro, ajudará todo candidato.
Constatação XVIII (Quadrinha para ser recitada nas proximidades do Congresso).
Respeitosos senhores congressistas
Que ocupam raras vezes a tribuna
Enquanto somos reles malabaristas
V. Excias amealham uma fortuna.
Constatação XIX (Via pseudo-haicai).
Comeu um “Jesus me chama”
Ali no boteco da esquina.
Quando arrotou, saiu uma flama.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico coopta; classe média faz apostolado; pobre é convocado na marra.
Constatação II
Rico é movido pela paixão; pobre, por obrigação.
Constatação III
Rico é estratégico; pobre, é oportunista.
Constatação IV
Rico é voltado para altos investimentos; pobre, é trambiqueiro.
Constatação V
Rico investe para criar empregos; pobre, só pensa na sua – dele – aposentadoria.
Constatação VI
Rico tem libido; pobre, apelo da carne (carne?)
Constatação VII
Técnico rico treina time grande; técnico pobre treina o meu Paraná.
Constatação VIII
Rico é hematófago, pobre é sanguessuga.
Constatação IX
Rico tem opinião própria; pobre é turrão.
Constatação X
Rico alardeia; pobre, se exibe.

Coisas que precisam ser inventadas, com urgência urgentíssima.
-Deputados e senadores que não legislem em causa própria.
-Pessoas desconhecidas que não liguem, a cobrar ou não, na madrugada.
-Políticos que cumpram com a palavra empenhada durante a sua – deles – propaganda     
política.
-Países ricos que não façam reuniões para deliberarem inocuidades, na base do “deixa      tudo como está para ver como é que fica”, ou, em outras palavras, “os países pobres, com suas respectivas populações carentes, que se lixem”.
Gente séria, nos países, mormente os ricos, que imponham uma taxa sobre operações financeiras, como a sugerida pelo Prêmio Nobel de Economia, James Tobin.
Político quando flagrado em falcatruas não diga que está sendo atacado por um “massacre midiático”, ou coisas desse jaez.
-Países que não invadam outros países, não os colonizem, porque sim e tá acabado, sob       quaisquer
pretextos.                                                                         
-O sistema capitalista deixe de descambar para a selvajaria.
-A Belíndia (Os ricos que podem viver como na Bélgica + a pobreza, caracterizada pela grande maioria da população da Índia), epíteto criado pelo economista Edmar Bacha, deixe de existir, ao se referir ao Brasil, a fim de resgatar milhões de brasileiros que estão excluídos da dignidade humana, para incluí-los num processo de cidadania, através de uma correção, da distorção da riqueza, e que não seja substituída por outra do tipo Noríti (Noruega+Haíti).
-Líderes de partidos que não afirmem a deslavada mentira já sabida por todos que não pedem cargos para dar apoio ao governo e que os seus interesses são apenas para ajudar a nação.
-Líderes de governos federal, estadual e municipal que terminem as obras iniciadas por seus antecessores sejam de que partido forem, a fim de que o investimento já efetuado não seja perdido.
-Aparelhos de saúde que foram importados sejam imediatamente liberados e postos em uso, evidentemente para quem depende deles para auxiliar a cura de doenças.
-O ‘dá cá toma lá’, apenas para casos de resolução de problemas afetos à Educação, Saúde, Segurança, principalmente e para demais itens de infraestrutura, sem o benefício de empresas envolvidas para evitar, por exemplo, a compra de remédios pelo governo extremamente muito maior pelo custo do mercado.
-Destravamento da burocracia em todos os setores que impedem a formação de empresas.
-Fiscalização automática de bancos, cartões de crédito, empreiteiras, comunicação, eletricidade, saneamento básico, hospitais por comissões onde participem os Conselhos como de Medicina, Odontologia, Engenharia, Direito, Economia, da Sociedade Civil, enfim e assim por diante.

Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 9 de abril de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Não se trata de ser reacionário e/ou conservador, mas este assim chamado escriba com seus 77 anos já completados, cujo desempenho de um modo geral e, principalmente, particular não vem sendo digno de elogios, se estivesse com intenções de alguma outra mulher, que não a legítima, e essa outra estivesse tatuada e/ou com piercing seja , ou lá onde for, fatalmente, ficaria com o seu frágil desempenho ainda pior. Vige!
Constatação II (Quadrinha para ser recitada depois da realização da Copa do Mundo no nosso país).
Quem se encontra em um apedeutismo*
Esta numa boa, numa excelente situação.
Ou está próximo, ou junto de um abismo,
Dependendo do cargo na próxima eleição?

*Apedeutismo = n substantivo masculino
qualidade, condição ou estado de apedeuto**; nescidade***, insciência****, ignorância.
**Apedeuto = n adjetivo e substantivo masculino
Que ou o que não tem instrução; ignorante, apedeuta (Houaiss).
***Nescidade = n substantivo feminino
1. Ato, dito ou afirmação que traduz falta de inteligência ou ignorância; nescidade
2. Dito ou ação ilógica, absurda ou fora da realidade; contrassenso, disparate (Houaiss).
****Insciência =n substantivo feminino
1. Ausência de conhecimento; ignorância.
2. Falta de habilidade ou de capacidade; inaptidão, imperícia (Houaiss).
Constatação III (De dúvidas bem mais do que simplesmente cruéis).
Por que será que o roubo, a fraude, a corrupção foi quase por inteiro institucionalizado, mormente em algumas áreas do nosso país? Será que é por causa dos exemplos que vem de cima? Quem souber explicar, por favor, comentários no blog. Obrigado!
Constatação IV (Coitado).
Ele teve um reles desempenho,
Quando quis se mostrar ferrenho
A mulher tocou-lhe no lombo o lenho
De gritar de dor ele ficou rouquenho.
Constatação V
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: “Onze meses depois, lei para tratamento de câncer na rede pública não funciona”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando, até hoje, não conhece alguma que funcione. Se alguém conhecer alguma, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação VI
Quando o Atlético levou uma surra de 4x1, do Londrina, já no comecinho da partida, talvez logo aos dois minutos, o goleiro atleticano começou a fazer cera. Quando a situação já estava trágica e o gandula se evaporou, o goleiro corria na linha de fundo para buscar a bola, já que não tinha quem o fizesse, na intenção de que o Atlético fizesse os gols necessários para não ser desclassificado como de fato foi. Outro tipo de, digamos, castigo para um jogador é quando o seu time está perdendo de, por exemplo, 1x0 e ele é expulso por jogo violento. Aí, mesmo com o time jogando com 10 jogadores, vira o placar para 2x1, o que demonstra que o time melhorou com a sua saída. Coitado? Coitado, coisa nenhuma. Que lhe sirva de lição! Que aprenda a jogar sempre e apenas na bola! Cera? No começo da partida?!
Constatação VII (De uma dúvida crucial, recitada em quadrinha para os governos que não obedecem a decisão da Justiça).
Os esperados precatórios
Porque estão atrasados.
E nunca são quitados,
Serão pagos nos purgatórios?
Constatação VIII
Eles experimentaram nova posição
Não aprovaram. Deu contração
Muscular súbita no maridão
E até nos lençóis e no edredom.
Constatação IX
Já existe o Dia do Sogro, da Sogra, do Amigo, dos namorados, do pai, da mãe, da avó e assim por diante. Já foi instituído pelos paulistas, com repercussão em outras cidades, o Dia da Pizza. Segundo consta, Brasília comemora duplamente, independente da data que, salvo engano, é dia 10 de junho. É também em quaisquer outros dias quando do encerramento das CPI´s...
Constatação X
Essas rivalidades entre os grandes times como Corinthians com São Paulo, ou Palmeiras, ou Santos e estes analogamente entre si. E, igualmente, no Rio Vasco, Flamengo, Botafogo, Fluminense, no Rio Grande do Sul entre Grêmio e Internacional, em Minas entre Atlético Mineiro e Cruzeiro e assim por diante nos demais Estados da Federação. Aqui em Curitiba os maiores rivais são Coritiba e Atlético. Este assim chamado escriba – que participa no facebook e fica vendo seus amigos trocarem farpas e gozações com relação a uma derrota do time antagônico – numa típica filosofia de bar, chega a conclusão que a maioria deles, quando o rival perde para algum terceiro time se põe a troçar do time rival o que se poderia dizer, sem medo de errar, eufemisticamente, gozando com certa parte do corpo alheia. Vige!
Constatação XI (Quadrinha para ser recitada por quem assim o desejar e evidentemente para quem se dispor a ouvir).
Seu desempenho bisonho
Deixou-o tristonho
Com um temor medonho
De se tornar enfadonho.
Não foi possível, a este assim chamado escriba, averiguar a qual desempenho a quadrinha se refere. Se alguém souber informar, por favor, comentários no blog para poder aclarar aos nossos prezados leitores. Obrigado.
Constatação XII (De dúvidas cruciais, sofridas).
Disseram todos os técnicos que, nos últimos tempos, orientaram o meu Paraná:
-“Nós não impusemos o nosso jogo”.
E nós, pobres torcedores, inquirimos o que ficou e que parece continuará no ar:
-“Que jogo?”
Constatação XIII (De outra dúvida crucial).
Quem não faz lá na frente, leva atrás? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XIV
Ainda o meu Paraná: Alguns técnicos disseram “não se arrepender da estratégia adotada nas partidas”. Quem souber qual estratégia eles se referiram, por favor, comentários no blog. Obrigado, mais uma vez.
Constatação XV
Se o Brasil não for campeão, no meio da tristeza, haverá um consolo: Os políticos não poderão tirar proveito da seleção como sempre fizeram nas vitórias, tirando a atenção dos infinitos problemas não resolvidos e/ou das acusações de falcatruas e legislação em proveito próprio.
Constatação XVI
Havia
Combinado
Com a cara-metade
Um programa
Daquele
Que, normalmente,
É praticado
Na cama.
Na hora
Julgada
Aprazada,
Ele
Tomou
Um medicamento
Assaz recomendado
Pra não piorar
A qualidade
Do desempenho.
Inda mais, agora,
Na sua idade,
Passível
–E não impossível –
De acontecer
E que provoca estresse,
Que é de fazer
Tanto mal ao coração.
Aí, ele franziu o cenho:
Eis que aparece
Uma visita
Inesperada,
Que parecia
Ter tomado
Não pouca birita,
E que queria
Bater
Papo,
Naturalmente,
Furado.
E “só um instantinho,
Só um momento,
Tão somente”.
Ah, que vontade
De dar
Uma surra de relho,
Um sopapo
No pentelho.
E isso quando já havia
Começado
A troca de carinho,
As preliminares...
E a visita que perorava,
Que monologava,
Que falava
Sem parar,
Só mentirada.
E até sem ares
Tomar.
E, pior, sem fazer
A mínima menção
De ir embora.
E ele, enviagrado,
Viu o efeito passar.
Que tormento!
Foi-se o bem-bom!
Ó vida malvada
Não adianta fazer nada,
Como diz a canção.
Coitado!
Coitada!
Constatação XVII (Quadrinha para ser recitada por qualquer país que não pegar nada nesta e noutras Copa do Mundo e que saiba o idioma português ou cuja tradução mantenha a rima. Quando for o caso, naturalmente).
O ataque não ataca
A defesa não defende
A seleção é meio fraca
E o técnico nada entende.
Constatação XVIII
Deu, certa vez, na mídia: “O presidente da Câmara, Aldo Rebelo, disse que a convocação extraordinária da Casa foi uma das mais produtivas da história. Mas, nos últimos 45 dias do recesso, o plenário não conseguiu atingir o quórum mínimo nenhuma vez nas sextas-feiras. Com isso, o Congresso acabou vazio e algumas decisões foram proteladas”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que S. Excia. estava se referindo que foi produtiva em relação ao valor embolsado por cada parlamentar. (Perdão, o cacófato “por cada”, prezados leitores. Por incrível que possa parecer, foi intencional...).
Constatação XIX (Ainda marcado pela situação do meu Paraná que volta e meia tem dificuldades de montar um time e/ou pagar o salário dos jogadores).
Não se pode confundir apático com sorumbático, muito embora o desempenho apático do meu time, o Paraná, mormente no jogo contra o time sub-20 do Atlético, tenha deixado este assim escriba, como os demais torcedores, sorumbático, acrescido de obumbrado, desvairado, macambúzio, amargurado, desanimado, deprimido, desolado, triste, taciturno, p. da cara. A recíproca não é verdadeira. Como, por exemplo, o sujeito não ficar apático e chegar às raias do contentamento com a notícia de que a sogra virá passar uns meses na casa da família. Vige!
Constatação XX
Ela achou
O colega
De trabalho
Uma bodega,*
Quando ele pifou
Depois do malho.
E a linda ilusão
Tão bem elaborada,
Tanto ansiada,
Esfumou-se.
Esboroou-se
Com a má atuação
Do azarado.
Coitada!
Coitado!
* Bodega = “Bras. Gír. Coisa insignificante, reles ou imprestável” (Aurélio).
Constatação XXI (de um pseudo-soneto).

          Comportamento

Ele vivia na maioria das vezes silente
Onde se encontrasse em todo lugar
Parecia bem comportado, parecia estar
Por fora, completamente ausente.

Mas não era um silêncio molestável
Como acontece com alguns poucos.
As pessoas o apreciavam como notável
Por que existem os que parecem loucos.

Um dia soltou um palavrão
E deu uma baita cuspida no chão
O que não era do seu feitio.

Diante dos olhares interrogadores
Pra saber o porquê de tais dores.
"Não deixou pra mim a herança, o meu tio".

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico fica educadamente danado da vida; pobre, fica grosseiramente p da vida.
Constatação II
Rico tem comportamento de bom senso; pobre, tem comportamento inaceitável.
Constatação III
Rico vive na abundância; pobre, vive na insignificância.
Constatação IV
Rico é um poço de serenidade; pobre, tumultua.
Constatação V
Rico recebe empréstimo para expandir os negócios das suas empresas mesmo que sejam fantasmas; pobre é acusado de receber propina.
Constatação VI
Rico tem grandeza de sentimentos; pobre, não tem nem um pingo.
Constatação VII
Rico dá assistência; pobre, erra passe.
Constatação VIII
Rico, se não casa até determinada idade, é considerado celibatário; pobre, solteirão.
Constatação IX
Rico é investido em um cargo importante e/ou que tenha uma renumeração elevada; pobre, tem que fazer hora extra para tentar equilibrar as despesas.
Constatação X
Rico tem vida agradável; pobre vive num pesadelo.

Site: www.rimasprimas.com.br