quarta-feira, 28 de maio de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
O masoquista
Ficou
Entorpecido
De tão enternecido,
E compungido
Quando ela mostrou
O chicote
Que estalou
Abaixo do seu congote.
Depois, lamentou
Ressentido,
Com ar sofrido,
Magoado,
Desacorçoado
Quando ela parou,
Estancou
De bater.
Aí a chamou
De sadista,
De banana,
De sacana,
De má samaritana.
Vá lá um entender,
Compreender
A intrincada
Alma humana.
Coitada!
Coitado!
Constatação II
O cartola que não paga o salário dos jogadores e quer rendimento do time pode ser comparado mutatis mutandis (mudando o que tem que ser mudado) ao banqueiro que não contrata mais funcionários para ter um lucro maior em cada trimestre?
Constatação III
Rumorejando não costuma se expressar com rudeza. Quando aparenta fazê-lo está se referindo aos políticos que por mais que queiramos ser benevolentes e tecer elogios não conseguimos por razões óbvias. E observando o comportamento da Humanidade, constata-se que há pessoas que não conseguem se sentir bem se não disserem pelo menos meia-dúzia de grosserias por dia. Vige!
Constatação IV
Foi o pão dormido que acordou meio megalômano se achando brioche, mas, evidentemente, não o do mau-caráter Maria Antonieta?
Constatação V
Consulta aos nossos prezados leitores: Se os ET´s invadissem a Terra, você acha que ficará pior, ou melhor, para nós terráqueos? Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que pior do que já está não haveria condições de ficar...
Constatação VI
Para quem tem o hábito de tomar um mate amargo, como este assim chamado escriba, não existe nem tempo, nem remédio ruim, principalmente este último...
Constatação VII (Para ser recitado, caso não tenha crianças no recinto. Tampouco pessoas com pudor exacerbado).
Ela me desdenha,
Pois nunca me fornece
A sua senha
Nem quando amanhece
Ou anoitece
Tampouco, nua, me diz: “Venha!”.
Constatação VIII
Não se pode confundir cortina de fumaça com cortina de voile, até porque o primeiro vocábulo o Aurelião, dentre outros, define como “qualquer expediente adotado com fim despistador”; já o segundo, o mesmo dicionário dá como “Substantivo masculino. 1.Tecido leve e fino, em geral transparente: cortina de voile de algodão; vestido de voile de seda”, o que não é exatamente o que acontece com os nossos governos, como, por exemplo, que, constantemente, fazem uso da cortina de fumaça principalmente para instalar uma CPI ou durante  a instalação da mesma. A recíproca é para esses casos, digamos, de resguardo pode até ser verdadeira. Depende do país, dos governantes, da existência ou não de mensalões da vida, de um contra sol, persiana e assim por diante. Enfim, de fatores endógenos e exógenos... Elementar, caros leitores!
Constatação IX (Ah, esse nosso vernáculo).
Sinto sinceramente e é sintomático que é um acinte não usar cinto.
Constatação X
Na época da ditadura militar, este assim chamado escriba trabalhava no Banco de Desenvolvimento do Paraná – Badep. Além dos telefones estarem grampeados, um polícia do Dops, que também chegou a ser delegado, e seu ajudante, veio “trabalhar” no Banco. Todos os funcionários tinham conta no Banestado, onde era depositado o salário do pessoal. Os policiais tinham acesso às contas correntes dos funcionários e chegaram a questionar alguns colegas para que justificassem eventual saldo que fosse maior do que o salário. Era a época da caça indiscriminada às bruxas em que os caçadores estavam acima do bem e do mal. Um dia repercutiu na mídia a truculência dos mandantes. Nada a ver com os funcionários do Badep que sempre tiveram comportamento ilibado. E quando ocorria algum caso, a estrutura tratava de expulsar o infrator. Bem, os mandantes de plantão, um dia, tiveram acesso à conta de um cidadão, que trabalhava como caseiro, chamado Nildo e do seu pai biológico. Claro que os mandantes, cuidando do caso, também se revelaram estar em um esquema acima do bem e do mal... Nildo provou que havia recebido a importância, considerada não condizente com o seu salário, do seu pai. A justificativa de toda a celeuma ocasionada foi, qual o regime nazista, que os julgadores, envolvidos, atenderam ao pedido, ou ordem, de instância superior. Atitude execrável, lamentável e imperdoável de todos os envolvidos. Sem data vênia...
Constatação XI (De uma quadrinha para ser recitada logo depois do término da Copa, concomitantemente com o início efetivo da propaganda política, mesmo já se sabendo, de antemão que é utópica e/ou de efeito totalmente inócuo).
O resumo do resumo
É que todo governante
Não deveria sair do prumo
Nem por um instante...
Constatação XII
E já que falamos no assunto, certa vez o ator Marcelo Mansfield, pseudônimo de Jackson Pacheco, (São Paulo, 7 de setembro de 1956), ator e humorista brasileiro se apresentou em uma peça, na qual ele era o único ator, intitulada Como Entrar Mudo e Sair Calado. Pena que o horário político não costuma seguir o título da peça. Vige!
Constatação XIII (De uma inconteste verdade rimada, sem pretensões de qualquer espécie de se arvorar em poeta, com relação às pesquisas de opinião pública).
Acho que não faz sentido
Eu nunca ser escolhido
Pra opinar aos pesquisadores
Sobre o triste desempenho
Dos nossos governadores
Que me fazem franzir o cenho.
Constatação XIV
Não se pode confundir inserido, no sentido de introduzido, com enxerido que o Aurelião dá como “Que se intromete naquilo que não lhe diz respeito; intrometido”, embora haja muito enxerido que acaba inserido numa família, na maioria das vezes, rica e que, também na maioria das vezes, frequenta a dita alta sociedade, com o intuito de gozar as benesses dessa, para muitos, elevada condição socioeconômico-financeira. A recíproca para esses casos de provável golpe do baú depende da resposta de quem nasceu antes: o ovo ou a galinha. Elementar, minha gente.
Constatação XV
Deu na mídia, mais precisamente foi publicado no facebook: “Há ETs na Terra trabalhando com os EUA, diz ex-ministro canadense. Paul Hellyer afirmou reconhecer ao menos quatro espécies de seres extraterrestres que habitariam o planeta”. E Segundo Karen Hudes, uma  ex-executiva do Banco Mundial, alienígenas de cabeça alongada e inteligência excepcional controlam o Vaticano e a economia...” Data vênia, como diriam nossos juristas, não faltarão antissemitas que dirão que os alienígenas são judeus. Vige!           
Constatação XVI
Não se pode confundir paisagem com passagem, muito embora se você tiver condições de pagar uma passagem, seja lá através de qual meio de transporte for utilizado, você poderá visitar um lugar com bela paisagem, inclusive frequentado por gatas em trajes sumários, ou não, inseridas na paisagem com vistas para outra espécie maravilhosa de natureza, como rio, mar, montanha, etc.
Constatação XVII
E já que falamos no assunto, Rumorejando sugere, com todo o respeito aos filólogos, o seguinte: Que se passe a escrever palavras com s que têm o som de z com esta letra. Assim, por exemplo, paisagem passaria a ser escrito com z, ficando paizagem; aí, eliminar os dois esses, usando apenas um, como, em outro exemplo, passagem passaria a ser escrito pasagem. Eventualmente poder-se-ia escrever com ç (ce cedilha), dependendo se com um s ou com ç em função da etimologia da palavra. Elementar, minha gente.
Coisas que precisam ser inventadas ou reinventadas.
-Remédio, digamos pandêmico, que se espalhe pelo Planeta Terra contra a corrupção.
-Remédio que cure o execrável “dá lá toma cá” dos acordos políticos.
-Político que não diga, só por dizer, que “serei sempre oposição, mas não deixarei de apoiar projetos de interesse do Brasil”.
-Remédio que combata o nepotismo nos três Poderes da República.
-Convocação extraordinária do Congresso sem remuneração, destinando o dinheiro principalmente para Educação, Segurança e Saúde.
-Remédio contra a propaganda enganosa tanto do Setor Privado como Público.
-Carro que não funcione quando acionada a partida por alguém que ingeriu bebida alcoólica.
-Provedor que não envie e-mail’s com até 96 horas de atraso.
-Cartões de crédito a prova de clonagem e cuja empresa não lance débitos indevidos.
-Idem, idem, bancos comerciais e as empresas que administram as contas de luz, água,     telefone.
-Pessoas que não se julguem acima do bem e do mal.
-Proibição e controle efetivo da figura do cambista.
-Programas de televisão que incentivem a cultura e os bons costumes.
-Que não se ultrapasse os decibéis permitidos pela legislação quanto a casas de espetáculos, propaganda comercial, trios elétricos, etc.
-Restaurante quando inaugurado e que passa a vender comida feita na hora e gostosa, para os paladares mais exigentes, e que cobre barato e que, depois, não cobre caro, baixando sumariamente a qualidade.
-Que a corrupção seja abolida da face da terra, juntamente com o corruptor (sonhar, não custa).
-Além da corrupção, que seja abolida da face da terra as guerras.
RICOS & POBRES
Constatação I
Rico determina, ordena; pobre, solicita, pede.
Constatação II
Rico tem patota; pobre tem bando.
Constatação III
Rico tem inquietude; pobre, bicho carpinteiro.
Constatação IV
Rico, quando está se expressando, pode ficar inefável*; pobre, fica entupido.
*Inefável = “que não se pode exprimir por palavras; indizível” (Aurélio).
Constatação V
Rico tem cabeça; pobre, cachola.
Constatação VI
Rico tem cachimônia*; pobre, tem coco.
*Cachimônia = n substantivo feminino
Uso: informal.
1. Cabeça ('centro do intelecto'); inteligência; mente.
2. Agudeza de espírito; sagacidade, perspicácia.
3. Capacidade de lembrar-se; memória.
4. Calma, paciência (Houaiss).
Constatação VII
Rico tem cisma; pobre, é criador de casos.
Constatação VIII
Rico tem cuca; pobre, bestunto*.
*Bestunto = n substantivo masculino
Uso: informal, pejorativo.
Capacidade mental limitada, inteligência curta (Houaiss).
Constatação IX
Rico tem quengo*; pobre, tem grimpa**
*Quengo = Substantivo masculino
4. Derivação: por metáfora.
Capacidade intelectual; inteligência, talento.
**Grimpa = Uso: informal.
Extremidade superior do corpo; cabeça (Houaiss).
Constatação X
Rico ordena peremptoriamente; pobre pede humildemente.

Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 21 de maio de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (De uma dúvida crucial).
Será que uma reunião de sereias a gente também chamaria de um cardume? E se no papo delas correr uma fofoca será que seria para falar mal de determinadas focas. Não os dos jornais (Perdão, leitores).
Constatação II
Depois de ter aprendido com a filha como se faz para achar o nome de uma pessoa como seu respectivo número que já está gravado no celular para telefonar para ela sem que seja necessário repetir os números como sempre fazia, o pai agradeceu e disse: “Minha filha, nunca se meta com gente burra para não perder o seu tempo”. A mulher que estava escutando, exclamou: “Puxa vida, ninguém me deu este conselho há quarenta e tantos anos atrás...”
Constatação III
Este assim chamado escriba, confessando a sua ignorância dos termos e expressões que assaltaram alguns meios de comunicação, em idiomas que não correspondem ao que aprendeu aqui no nosso país, chamado língua portuguesa, solicita encarecidamente que se retorne ao nosso rico idioma. A razão do pedido é por não conhecer as expressões que estão sendo usadas – e que não são necessariamente as técnicas – a fim de que pessoas, a nossa semelhança, possam participar de conversas, papos, diálogos e assim por diante. Humilde e confessadamente agradece as providências que se fazem mister.
Constatação IV
Dois fatos antológicos voltados ao futebol: A frase de Romário se referindo a Pelé que o havia criticado: “Calado é um poeta” e a atitude do jogador Daniel Alves ao comer a banana que foi atirada por um torcedor do Villa Real. Aguarda-se um terceiro, porém nada do tipo “vamos levantar a cabeça” ou “futebol é uma caixinha de surpresas”. Vige!
Constatação V
Não se pode confundir cópula com cúpula, muito embora a cúpula que nos governa e os que nos governaram sempre nos fod, digo, usaram a cópula em cima do povo brasileiro, excetuando-se os amigos, parentes, partidários naquele velho esquema: aos amigos tudo. Vige!
Constatação VI
Será que os bancos não contratam mais pessoal para ter lucros de cerca de quatro bilhões por trimestre, recorrendo a expedientes mentirosos que, por falta de caixas, alegam que o sistema caiu e só atende nos caixas eletrônicos? Mas os caixas eletrônicos não estão ligados ao dito sistema? Banqueiros: Cambada de filhos daquilo!
Constatação VII (Quadrinha para ser recitada quando se fizer necessário).
Não faça conjecturas maldosas,
Pensando aleivosias de mim.
Eu ando fazendo parte de prosas,
Mas eu não sou um cara chinfrim.
Constatação VIII (De uma dúvida crucial, via pseudo-haicai).
Será que algum bondoso voluntário,
Quando terminar a Copa, vai ouvir,
Pelo menos, ‘obrigado’ como salário?
Constatação IX
E como elucubrava aquele velho voyeur* que já estava, há muito, na idade provecta: “Recordar é viver e recordar é, também, vim ver”...
*Voyeur = n substantivo de dois gêneros
Rubrica: psicopatologia.
Indivíduo que experimenta prazer sexual ao ver estímulos sexuais, objetos associados à sexualidade ou o próprio ato sexual praticado por outros (Houaiss).
Constatação X
Não se pode confundir preceito, que o dicionário Houaiss, dentre outros, define como “aquilo que se recomenda praticar; regra, norma” com preconceito, que o mesmo dicionário se refere como “qualquer opinião ou sentimento, quer favorável quer desfavorável, concebido sem exame crítico”, já que o preconceito não deveria ser um preceito, uma norma, muito embora tenha muita gente que o pratica com relação a sexo, religião, cor e outras filhasdap...ce. A recíproca é verdadeira, como por exemplo, o caso de dogmas, opiniões pré-concebidas e coisas desse jaez.
Constatação XI (Para ser declamado, preferencialmente, em festinha da Terceira Idade, a fim de não criar ilusão, em qualquer desavisado cristão).
Preste muita atenção:
Libido em profusão,
Mas sem ereção
É como um canhão
Sem munição
Que só faz um papelão
E despedaça o coração.
Constatação XII (De uma eterna dúvida crucial).
Quantas vezes o prezado leitor, ao longo de sua vida, já ouviu, da boca dos políticos, mormente em época de campanha, que é preciso investir em Educação? E de criar Empregos? E de construir casas para a população de baixa renda? E acabar com o mau atendimento na Saúde?
Constatação XIII
Não se pode confundir perversa com reversa, até porque a assim chamada Esquerda chama a Direita de perversa e assim chamada Direita chama a Esquerda de reversa. A recíproca, nesses sentidos casos é ao contrário da vice-versa, tendo em vista que uma e outra não fazem nada a não ser por seus respectivos adeptos, parentes, amigos, correligionários e assim por diante, ou melhor, e assim por atrás. Elementar, minha gente.
Constatação XIV
Rumorejando está promovendo uma pesquisa de opinião pública para determinar qual será a nova pessoa física que recebeu um dinheiro, através do caixa 2, do partido do atual governo, de uma empreiteira, de fornecedoras de produtos superfaturados. E, evidentemente, de governos anteriores também.
Constatação XV
Deu na mídia: “O site Happnews.com quer mostrar que o mundo não é só tristeza e dor, mas também alegria e solidariedade”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que o que o site representa é uma gotícula pra lá de infinitésima de segunda ordem num pu, digo, baita oceano.
Constatação XVI
Não se pode confundir baço com braço, até porque o prezado leitor já ouviu falar em queda de braço, mas dificilmente em queda de baço. A recíproca, por tal razão, não é verdadeira. Salvo engano e/ou omissão. O que daria a impressão de não se querer dar o baço, digo, o braço a torcer.
Constatação XVII
Circulou na mídia, o texto. “A arte de não adoecer”, de autoria do médico Dr. Dráuzio Varella. Um deles é “Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna. Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer. Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados. O dialogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas o Dr. Dráuzio não previu que quem recebe o desabafo pode estar se prejudicando. Basta ver o que acontece quando a gente cumprimenta uma pessoa com “tudo bem” ou “como vai” e ela despeja sua – dela – desdita, de alguma doença, ou para entrar no assunto com um “agora já estou melhor”, preparando-se, invariavelmente, para relatar, narrar, discorrer com detalhes, às vezes mórbidos, que antes estava. Vige!
Constatação XVIII
Quando na exposição do afamado pintor, constatou-se que ele, como bom retratista, havia pintado também a sua sogra, todos ficaram muito admirados, pois ele sempre dizia em alto e bom tom para quem quisesse ouvir: “Minha sogra, eu nunca mais quero ver ela nem pintada na minha frente”.
Constatação XIX
E como me disseram os meus mecânicos, os irmãos Caron, que me atendem desde 1974. Gente fina – é bom que se assinale – como profissionais e honestidade: “Apareça! Venha! Se não puder fazer outra coisa”.
Constatação XX
Como é do conhecimento dos meus caros leitores, Rumorejando lançou, em dezembro do ano passado, seu segundo livro, intitulado 150 Sonetos & 1 Sonetão (Pseudos). Este, e mais o primeiro, chamado Rimas Primas & Outras Constatações, deverão anteceder o terceiro que está sendo preparado. Em face da provecta idade e o comportamento dos neurônios, a publicação de um quarto livro se caracteriza por uma insondável e irresoluta incógnita... Ambos, os já publicados, estão com relativa boas vendas na Livraria da Vila, que se localiza no Shopping Pátio Batel. Pela manifestação dos leitores para este assim chamado escriba, foi possível determinar as seguintes reações:
Quem não te conhece passou a te achar, relativamente, inteligente;
Quem te achava, relativamente, inteligente passou a te achar, relativamente, mais inteligente;
Quem te achava, relativamente, mais inteligente passou a achar que você ficou burro... Não, relativamente, mas em sentido absoluto...

Constatação XXI

Diálogos conjugais acerbos.

 Mal carregava sua carcaça
Tão cheio estava de cachaça
“Você vai dormir na praça.
Lá, você poderá fazer arruaça”.

Ele achou que caíra em desgraça
Ela não achara a mínima graça
Vê-lo naquele estado não era pirraça
E pensou: “Na vida, nem tudo passa”.

Pediu perdão: “Não me desfaça
Eu nunca levei uma vida devassa.
Me dê um beijo e vê se me abraça”.

“Suma-se! Não venha com chalaça
Eu já te aturei sem qualquer rechaça
Mas um dia é do caçador; outro, da caça”.

Constatação XXII (Conjugação de verbo em tempo de eleições).
Eu engabelo
Tu enganas
Ele promete
Nós descumprimos
Vós enrolais
Eles mentem
Constatação XXIII (Quadrinha para ser recitada por quem assim desejar).
Acreditei num político
Que prometeu dias melhores
O resultado foi apocalíptico.
Não poderia haver coisas piores.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico conjumina; pobre, engata.
Constatação II
Rico come mondongo; pobre, bucho.
Constatação III
Rico usa a expressão: “nada”; pobre, usa a expressão: “porra nenhuma”.
Constatação IV
Rico é favorável à paz e amor; pobre, é pistoleiro.
Constatação V
Rico vai criticar, dentre outros, no Hyde Park de Londres; pobre, na Boca Maldita de Curitiba.
Constatação VI
Rico sofre de monofobia*; pobre, tem medo da própria sombra (vive encag...sado).
*Monofobia = Substantivo feminino.
1.Psiq. Horror mórbido à solidão (Aurélio).
Constatação VII
Rico é necrófobo*; pobre tem medo de fantasmas.
*Necrófobo = Que tem horror mórbido à morte (Aurélio).
Constatação VIII
Rico é cenofóbico*; pobre, assiste comício político em qualquer lugar, mesmo com chuva (Aurélio).
*Cenofóbico = Substantivo feminino.
1.Psiq. Que tem medo patológico de grandes espaços abertos (Aurélio)
Constatação IX
Rico acha que o pobre ganha em demasia; pobre, acha que o rico é fdp.
Constatação X
Rico é pantófobo*; pobre tem medo até da sua – dele – própria sombra.
*Pantófobo = n substantivo feminino
Rubrica: psicopatologia.
Que tem medo de tudo; temor mórbido de um mal desconhecido; panfobia, panofobia (Houaiss).

Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 14 de maio de 2014

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.  
Constatação I
Não se pode confundir efemeridade que os dicionários Houaiss e Aurélio dão como “qualidade do que é efêmero” com temeridade, até por que a temeridade que a gente sente ao sair na rua, ou mesmo em casa, de ser assaltado, absolutamente não é uma efemeridade, muito antes pelo contrário. Sinal dos tempos. Pena...
Constatação II
Tenho pejo
Do meu lampejo
Que num segundo
Some do meu mundo
E me deixa num dissabor
No coração, uma dor.
E assaz meditabundo.
Constatação III
Não se pode confundir enturmar com enfurnar, muito embora haja políticos, normalmente deputados, senadores e vereadores, para aprovar assuntos pessoais do interesse deles mesmos, através de acordos entre Oposição e Situação que criam um bloco único, ou seja, após se enturmar, em detrimento dos benefícios da população. Depois, grande parte deles vão enfurnar os ganhos auferidos, recorrendo, muitas vezes, a pessoas que emprestam seus nomes. São os terceiros, os consagrados pelo cognome de ”laranjas”. Estes, quando reveladas suas participações, às vezes, se dão conta que seus nomes foram usados indevidamente ou o caso que jamais teriam o dinheiro que auferiram com os ganhos normais dos seu proventos, através de suas ocupações em empregos ou por conta própria. Vige!
Constatação IV
E como filosofava aquele matemático, amante das definições da língua portuguesa, da qual ele era um admirador incondicional: “Lugar comum, tão mencionado por escritores, jornalistas, por simples mortais e, principalmente, por políticos é o máximo mínimo comum do nosso rico vernáculo”.
Constatação V
Segundo o Aurélio o feminino de paspalhão é paspalhona. Não esqueçam, hein! No entanto, vejam bem, qualquer semelhança com determinadas pessoas é mera coincidência.
Constatação VI
E como ponderava o obcecado: “Conquistar a mulherada, o tão carente mulherio, além de ser um ato caritativo, filantrópico é, para mim, também, terapia ocupacional”.
Constatação VII
Está se tornando comum em nosso sofrido país a prática de um governante seja federal, estadual ou municipal deixar de realizar obras durante seus três primeiros anos de administração para no último mostrar serviço com vistas a sua reeleição. Prestem atenção se não é assim que tem acontecido para constatar se Rumorejando não tem, como sempre, razão. Vige!
Constatação VIII (Fatos que se tornaram corriqueiros. É apenas constatação. Rumorejando não entra no mérito de ética, moral, condenação e coisas desse jaez. Isso cabe a grande mídia que atinge maior número de pessoas).
-Cantoras nacionais e estrangeiras apelando para a sensualidade dos seus corpos;
-As BBB´s sendo escolhidas numa condição, sine qua non, de serem liberadas  
sexualmente; uma virgem e que quisesse permanecer nessa condição por suas – dela – razões, não poderia participar desse abominável programa ‘educativo’;
-As ditas famosas usando cada vez mais roupas que mostram cada vez menos seus corpos cobertos;
-Em face de a impunidade, através das leis o aumento da “justiça” pelo povo que não suporta o aumento da criminalidade com todos os riscos de cometer atos como o de Guarujá.
-Em um campo de futebol, atirar um vaso sanitário mostra que este não deveria estar devidamente chumbado onde deveria estar; mostra também o nível do atirador que não deve ter recebido educação em sua casa. Aliás, o que atual governo espera para iniciar atender a Educação, a Segurança e a Saúde?
-Depoimento onde alguém confessa determinado ato e depois modifica totalmente o depoimento anterior;
-A firula jurídica que permite o julgamento ser transferido para o futuro enquanto quem está sendo julgado fica em liberdade.
Constatação IX
Se houvesse um Prêmio Nobel para um gesto, uma atitude, este assim escriba torceria para que fosse outorgado ao jogador Daniel Alves por haver comido a banana que lhe foi atirada. Tenho, com repudio aos fdp dos racistas, dito!
Constatação X
Quando uma pessoa diz que ninguém a atura, suporta, aguenta ela está se queixando, se vangloriando ou o quê?
Constatação XI
Perscruto o céu
Em busca dum ET.
Neca! Em vão!
Lá não estão.
Fico ao léu.
Pior, sem você.
Constatação XII (De uma dúvida crucial via pseudo-haicai).
Um palavrão,
Dependendo a quem é dirigido
É elogio ou palavra de baixo calão?
Constatação XIII
Ele não teve do seu gerente respaldo
Que cortou seu crédito, por defraudo,
Quando a mulher entornou o caldo
Gastando todo seu dinheiro sem deixar saldo.
Constatação XIV (De diálogos dicotômicos).
-“Emengardina, eu quero ir para a cama com você”.
-“Puxa vida, Escolástico! Faz trinta anos que eu sou tua secretária e você sempre se comportou como um cavalheiro. O que é que houve com você?”
-“Nada. Eu continuo o mesmo de sempre. Só que agora que estou trinta anos mais velho, eu estou externando igual sentimento que eu venho sentindo desde o começo, quando você começou a trabalhar na minha empresa”.
-“Ah, bom, quer dizer, ah ruim”.
-“Ruim, por quê?”
-“Porque talvez nos próximos trinta anos eu queira ir para a cama com você. Por ora, não tenho a mínima vontade”.
-“Ah, ruim! Azar meu! Talvez teu também”.
-“É. Talvez...”
Constatação XV (De um pseudo-soneto).

3ª. Idade. A da desrazão...

Foi apavorante, dantesca,
Na sua cuca, jamais fresca
E já com poucos neurônios,
A dança dos demônios.

De flores, havia comprado um buquê,
Porém, não lembrava mais para quê,
Para quem oferecer, para quem dar
De tanto refletir, até ficou sem ar.

Quanto mais pensava, mais se perdia,
O que lhe sucedeu e de maneira geral,
Aí, de viver estava perdendo a alegria.

Eis que onde trabalhava, havia uma diarista
Que as demais pessoas a notavam mal e mal.
Ofertou a ela e se sentiu um feliz socialista.

Constatação XVI (Protesto).
Injustiça o Felipão não convocar o Sururuca, o Sabugo e o Avati. A mim, nem falar...
Constatação XVII
E como versejava o convencido metido a conquistador:
“Dar vazão
A um amor reprimido
Deixa o astral erguido
O que é muito bom”.
Constatação XVIII
E como achava que versejava racionalmente outro convencido conquistador de meia-tigela que nada tem a ver com o anterior:
“Uma mulher
Que tá a fim da gente
Não nos faz sentir como um qualquer,
Mas sim como um cara decente”.
Constatação XIX
Na época da repressão, este assim chamado escriba conversava com um amigo, na Praça João Candido, em Curitiba, quando se aproximaram dois policias que nos disseram “que era proibido fazer reunião de mais de um”. Vige!
Constatação XX (Para as famílias Zanchetta, Marfil, Escher e outras tantas, feirantes de produtos orgânicos).
A “poesia” que segue é uma “dupla quadrinha”, portanto de mais de quatro estrofes... Vale assinalar que não há a intenção de querer fazer proselitismo, porque todo aquele que o faz é um chato. Rumorejando, como uma maneira de homenageá-los, dedica aos feirantes, amigos deste já cognominado escriba, pessoas, é bom e obrigação que se diga, com alto grau de valores e saber.
Fui comprar produto orgânico,
No Passeio Público, sábado pela manhã,
Aí, me dei conta o quanto é satânico
O que vinha consumindo, até então,
Afinal, com agrotóxicos algum produto
É só para quem é bambambã,*
Ou quem quer levar uma no cocuruto,
Ou sofre de burrice, “pamonhice” e obtusão.
*Bambambã = “Bamba”.
Constatação XXI
E como dizia um determinado deputado, admirador de Arquimedes, defensor de uma melhor distribuição da riqueza: “Dai-me a alavanca de um mensalão e um ponto comercial, de apoio, que eu moverei o mundo... dos meus negócios”.
Constatação XXII
E como dizia aquele senador também admirador do grego Arquimedes que saiu gritando totalmente pelado pela rua “Eureka, Eureka”: “Todo corpo pecuniário, mergulhado numa carteira, bolso, cueca, ou paraíso fiscal recebe um impulso, debaixo do pano, pra cima do poder aquisitivo, igual ao peso do volume do total líquido, para os retro mencionados lugares, deslocado”.
Constatação XXIII
Deu na mídia: “No Brasil, trabalhador precisa de 100 anos para dobrar renda”.
"Se o Brasil mantiver o atual ritmo de crescimento econômico levará um século para conseguir dobrar a renda per capita e chegar próximo à atual renda per capita da Coréia do Sul ou de Portugal", afirma o estudo da Confederação Nacional da Indústria - CNI”. Data vênia, como diriam nossos juristas, porém o trabalho não lembrou que a renda per capita, no Brasil, cada vez mais, é pessimamente distribuída e esqueceu-se de acrescentar, a sua pesquisa, viva “nóis”.
Constatação XXIV
E o economista Armínio Fraga que declarou que “o salário mínimo no Brasil está alto”.
Digamos que a palavra é livre em nosso país e que vivemos numa democracia, o que não é verdade, mas, digamos, apenas, digamos. Rumorejando só não entende por que a renda no Brasil é uma das mais distorcidas no mundo (O economista Armínio Fraga deve ter uma renda alta). E já que estamos falando em determinados assuntos, por que as autoridades não se tratam pelo SUS e sim nos hospitais mais consagrados? Como diz a sabedoria popular: “Pimenta nos olhos dos outros é refresco”. (Só nos olhos?).
Constatação XXV (De uma quadrinha, óbvia, para ser recitada, por simples leitura, mas preferencialmente interpretada, inclusive com gestual. Poderá, desde que se faça mister, ser decorada).
Resumindo, das CPI’s, o resultado
Chega-se à triste conclusão
Que houve um baita atentado
De governistas e da Oposição.
Constatação XXVI
O septuagenário quase octogenário elucubra que com a sua – dele – idade já adquiriu o direito de, eventualmente, dar – sem querer, é claro – uma, ou mais, de gagá.
Constatação XXVII
Folha de espinheira santa
Botei no meu chimarrão
Ela veio parar na garganta
Como veio, não sei não.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico participa do Fórum Econômico Mundial de Davos; pobre, do Fórum Nacional dos Sem-Terra e Sem-Teto.
Constatação II
Rico tem cabeleireiro; pobre, barbeiro.
Constatação III
Rico troca de carro todo o ano; pobre, fica, para sempre, com seu carrinho de mão.
Constatação IV
Rico(a) fica enlevado(a) com o seu amor; pobre é levado(a)* longe do seu amor.
*Não foi possível determinar exatamente para onde foi levado, mas que não foi enlevado tem-se certeza...

Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 7 de maio de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Não se pode confundir afetiva com efetiva, até por que a sua namorada afetiva, por circunstâncias diversas, não poderá ser efetiva. No Dia dos Namorados, lá no motel, muito provável que ela seja, na hora do bem-bom, considerada afetiva. Veja, se quiser, é claro, o soneto a seguir, que consta no livro mais recente desse assim chamado escriba, intitulado 150 Sonetos e 1 Sonetão e que fala com muita propriedade do assunto, escrito na data de 8 de março de 2013, um dos demais 364 dias do Dia Internacional da Mulher ou 365 dias, para o ano bissexto.

                   Recordando...

Houve entre nós muita lubricidade,
Quase excesso de voluptuosidade,
Chegando às raias da licenciosidade
Sem a existência da mínima castidade.

E mais, não pouca libidinagem.
Até mesmo algo de libertinagem.
Alguma ou outra, digamos, sacanagem
E claro, indispensável bolinagem.

Bastantes beijos, uma profusão.
E no ar uma forte sensação
De bem-estar. Tudo, sem censura!

E no auge de tantos abraços
Sobrou e não foram pedaços,
Um mar, um mundo de ternura!

Constatação II
As discussões em torno de se Pelé foi melhor ou não do que Maradona e se Messi é melhor ou não do que Cristiano Ronaldo sempre foram, são e serão de transcendental importância para o futuro da Humanidade. Vige!
Constatação III
E como dizia o obcecado se despedindo, pelo telefone, da gata que pretendia conquistar:
“Beijos! Provisórios, hein!”
Constatação IV
E como dizia o faquir, explicando a teoria da relatividade para principiantes, depois de jejuar um largo período de tempo: “Mais vale um sonho na mão do que dois chineques na vitrine”.
Constatação V
Crônicas da Natureza, volumes I e II de autoria do Engenheiro Civil e Físico Prof. Vicente Roberto Dumke, com a coordenação de Sérgio Mascarenhas e ilustrações de Ademir Paixão são dois livros para serem degustados, como um bom vinho e para aprender um pouco de ciência de maneira sutil e divertida. O Professor Dumke é prata da casa. Formou-se em engenharia civil pela então Escola de Engenharia da Universidade do Paraná. Doutorou-se pela USP de São Carlos. Fez pós-doutorado em Princeton. Como diriam os críticos: “Leitura imperdível”.
Constatação VI
E como recomendava, ensinando para os mais jovens, o obcecado: “Nunca deixem de levar para o motel amanhã quem vocês podem levar hoje”.
Constatação VII
Não se pode confundir currículo com cubículo, muito embora o currículo da maioria dos políticos seja digno de colocá-lo na cadeia preferencialmente em um cubículo para que fique longe das suas – dele – malévolas e condenáveis intenções.
Constatação VIII
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: “Sentença do mensalão foi 80% política e 20% jurídica, afirma Lula”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que o ex-presidente deve ter um medidor automático de rigor para medir percentuais para chegar a tal grau que só ele supõe ser de precisão. Ainda bem que ele foi contestado pelo Desembargador Joaquim Barbosa, muito embora, data vênia, como diriam nossos juristas, Rumorejando acha que não seria necessário tal é a estapafúrdia afirmação do ex-presidente da nossa sofrida República. Vige!
Constatação IX
Liguei pro celular dela
Só pra dar uma olhadela
Se eu podia dar uma chegadinha.
Ninguém me atendeu.
Será que ela esqueceu
Que, conforme combinado, eu vinha
Ou de pagar a conta que venceu?
Constatação X (De uma dúvida crucial)
E já que Rumorejando vem falando sobre determinados assuntos, um cara empírico, do alto da sua autossuficiência, é àquele que enuncia leis, que ele considera axiomaticamente evidentes, mas que só ele é quem entende e mais ninguém?
Constatação XI
Quando
Me dei
Conta
Do que vinha
Supondo
E realizei
Que aquela gatinha,
Adorável,
Sempre afável,
Tão sozinha,
Se entregou
A mim,
Num amor,
Num ardor
Sem fim,
Apaixonadamente,
De corpo e alma
E me amou,
De maneira
Inenarrável,
Somente
Por aquilo que sou,
Daí,
Até a calma
Perdi;
Muita asneira
Cometi
E, claro, me senti
No paraíso,
O mais feliz dos mortais.
Aí,
Me lamentei
Que havia chegado
Ao fim
E de saudade,
Copiosamente,
Chorei,
Alternando,
De vez em quando,
Àquela felicidade,
Como um sobreaviso
Daqueles transcendentais.
Coitado...
De mim...
Constatação XII
Quem foi que disse
A insana tolice
Que a meiguice
É apenas uma pieguice?
Constatação XIII (De uma quadrinha para ser recitada em festa infantil, como apologia daquela outra: Batatinha quando nasce...).
Mensalão quando renasce,
Se esparrama pelo congresso
Os pais da pátria entram em recesso
Ganhando uma nota sem mostrar a face.
Constatação XIV
Quando o obcecado leu na mídia que os canadenses gostam mais de televisão e internet do que de sexo, cuspiu para o lado, com enfado, e proferiu meio que versejando na sua presumida sapiência: “Efetivamente a Humanidade está decadente. Eles precisariam conhecer como é um país tropical e, particularmente, o magnificente desempenho deste humilde mortal”. 
Constatação XV
O Congresso, em certos países, dividido entre Situação e Oposição, vive se digladiando. Claro que, primordialmente, por razões político-físicas. As políticas são para ganhar eleições e deter o Poder. As físicas se referem à Lei de Newton. Aquela que diz que a toda ação corresponde uma reação igual e em sentido contrário. Basta a Oposição ameaçar por um lado em investigar determinado proceder da Situação que esta ameaça estender a investigação para a época que a Oposição era Situação. Aí, entram, digamos, as pessoas dos panos quentes. São os que, absolutamente, não querem ver o circo pegar fogo. Afinal, o que tem de gente com o rabo preso por aí, não está nem na Enciclopédia Britânica. Enquanto isso, o prezado leitor pode imaginar o que acontece com os interesses da Nação. Os interesses do povo. Quem não conseguir imaginar deve ter algum interesse oculto...
Constatação XVI (Quadrinha para ser recitada alhures, evidentemente, desde que tenha gente disposta a escutar).
Juntei os meus trapos com ela
Afinal, era um grande amor.
Um dia quis dar uma escapadela
Não tenho culpa se nasci assediador.
Constatação XVII
Quando o conquistador barato, obcecado e convencido leu, na mídia, que o dia 31 de julho é o Dia Internacional do Orgasmo disse com ar de desprezo: “Para mim, todo o dia é o Dia Internacional não apenas de um orgasmo, mas de vários, para não dizer de infinitos”.
Constatação XVIII (Conjugação do verbo ladroar no presente do indicativo. Talvez algum dia, imediato ou pelo menos em prazo curtíssimo ele seja abolido e considerado para ser conjugado somente no particípio passado, como os impessoais, por exemplo, chover, latir, etc... Sonhar é preciso...).
Eu roubo
Tu surrupias
Ele afana
Nós gatunamos
Vós fraudais
Eles empalmam
Constatação XIX
Do meu amicíssimo Sérgio Antunes de Freitas: “Eu não tenho medo de morrer. Tenho medo é de ser esquecido por quem eu quero ser lembrado. Ou de ser lembrado por quem eu quero ser esquecido”.
Constatação XX
Maduro ainda estava verde quando passou a presidir a Venezuela? (Perdão, leitores).
Constatação XXI
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: “Rio: 45 ônibus foram queimados em incêndios criminosos neste ano”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando supõe que os incêndios só podem ser causados apenas por pessoas que são mais adeptas do metrô como meio do transporte... Vige!
Constatação XXII (De uma quadrinha para ser recitada por um obcecado convencido em uma roda de amigos através de um laivo de bazófia).
“Parodiando Luis XV que disse ‘depois de mim, o dilúvio’,
Depois de mim, ninguém, já que faço tanto bem pra seu hormônio.
Afinal, não tenho culpa de ser gostoso e de ter um ótimo eflúvio
E de usar com proficiência o meu maior e invejável patrimônio”.
Constatação XXIII (De outra quadrinha também para ser recitada por algum outro obcecado, também convencido, com ou sem bazófia, mas certamente com egolatria).
Parodiando Luis XIV que disse ‘O Estado sou eu’
E que amava as mulheres e teve duas amantes.
Eu tive bem mais que duas fora o meu himeneu
Sem contar as súditas que eu tive bem antes.
Constatação XXIV
Falou a sua lindíssima atendente da banca:
“Quem ama o feio, bonito lhe parece.
Acho você muito feia com a sua carranca”.
E ela, rindo as pencas: “Vê se me esquece”.

Constatação XXV (De outro pseudo-soneto).

          Terapia também ocupacional

Vivia com uma cara circunspecta, enfarruscada,
Até que conheceu um sujeito bem apessoado
Era um probo cavalheiro com quem acabou casada
E viveu tão feliz que ficou com medo de mau-olhado.

Essa felicidade foi perene, eterna, quase ilimitada,
O cara era de gênero, número e grau obcecado,
Que comparecia todo dia na sublime empreitada
Sem jamais ficar com fadiga, exausto, extenuado.

Ela achou em emprego de elevado cunho social,
Orientando noivas, moças casadoiras em potencial.
Ensinando na sua faina com júbilo de viver a vida,

As orientadas não captavam o porquê de tanta alegria,
Que não cessava, não era atenuada, sempre com simpatia
Por que será que ela se mostrava de um jeito tão querida?

Constatação XXVI (De uma dúvida crucial).
Ah, esse nosso vernáculo: Por que o plural de pão é pães e o de salão é salões? Quem souber, por favor, comentários no blog. Obrigado.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico é insistente; pobre, é chato.
Constatação II
Comerciante rico tem colega; comerciante pobre tem concorrente.
Constatação III
Beber, pra rico, é salutar; pra pobre, mal-estar.
Constatação IV
Rico tem fibra; pobre nem vibra.
Constatação V
Rico é empírico; pobre, enrolado.
Constatação VI
Rico gosta de aparecer; pobre trata de sumir.
Constatação VII
Rico incessantemente se locomove; pobre, vive eternamente estático.
Constatação VIII
Rico liga o som do carro em muitos decibéis; pobre, não abre nem a boca.
Constatação IX
Rico vai à praia ou à montanha quando faz calor; pobre, continua a usar a mesma roupa que usou no inverno.
Constatação X
Rico divaga no meio das vagas de um passeio em um cruzeiro marítimo; pobre, procura uma vaga para preenchimento de emprego.

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br