quarta-feira, 11 de junho de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (De uma dúvida crucial).
Uma pessoa com determinada idade costuma-se dizer que ela está numa idade madura. Será que passando a tal idade ela fica com madureza demais? Ou, mesmo, vira a idade da podridão? Ou o quê? Quem souber, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação II
Com relação ao meu time aqui no meu estado, a gente foi deportada do Clube Atlético Ferroviário, ou como a gente abreviava, do Ferroviário, para o Colorado e deste para o êxodo do atual Paraná. Tudo leva a crer que já estamos chegando ao fim da linha. Pena!
Constatação III
O obcecado fez constar em todos os jornais da cidade o seguinte: “Comunicado importante. Comunico a quem interessar possa que eu sou uma pessoa facilmente seduzível, mormente por moçoilas lindas e com o corpo bem torneado e que se disponham a pagar nossas despesas, mormente às do motel. Obrigado pela atenção”.
Constatação IV
Quanto mais o povo clama por Educação, Saúde e Segurança mais os governantes não se mexem, não tomam alguma providência. É exemplo de inversamente proporcional.
Constatação V
“O que tinha de ser roubado, já foi”. Afirmação da filha de Ricardo Teixeira e neta de João Havelange, Tanto um como outro são acusados de falcatruas. VIGE!
Constatação VI
E já que falamos no assunto, na época que pretendiam cassar o então presidente Collor de Melo, a mídia mostrava extratos de conta-corrente dos envolvidos sem que houvesse reações de quem quer seja. Vale lembrar que, naqueles tempos, não havia proximidade de eleições... Dúvida crucial: Seria só por isso?
Constatação VII
Aquela sogra tratava bastante bem o cachorro do casal, por que era quem melhor a recebia naquela casa, externando uma alegria ‘raboabanante’.
Constatação VIII
Era um cara tão feio, tão feio, mas tão feio que achavam que fora ele que havia inspirado os autores das carrancas dos barcos que singram as águas do Rio São Francisco. Vige!
Constatação IX
Não se pode confundir pulula* com pílula até por que elas podem ser excludentes, mormente para quem toma a pílula.
*Pulular =  verbo  intransitivo
1          lançar rebentos (a planta); brotar
intransitivo
2          germinar com rapidez; brotar, nascer
Ex.: pulula a plantação
intransitivo
3          multiplicar-se rápida e abundantemente, espalhando-se profusamente; irromper, surgir
4          existir, ser ou concorrer em grande número; abundar, sobejar, fervilhar, formigar
Ex.: (Houaiss).
Constatação X (Dúvida crucial, através de pequenas comparações, na falta de maiores e melhores).
O gol contra corresponde o que nos bancos comerciais a gente entrar no negativo da conta corrente?
Constatação XI (De outra dúvida crucial).
A tropa de choque é gerada pela eletricidade através de uma descarga elétrica?
Constatação XII
Não se deve confundir abobrinha com a bobinha, muito embora uma pessoa que não coma abobrinha, pelas propriedades salutares que ela contém, poderá vir a ser considerada a bobinha. A recíproca é como é e tá acabado. Tenho dito!
Constatação XIII (Coitado!).
Comi um bolo de banana e canela. Não tinha gosto nem de banana nem de canela
E tinha gosto de quê?
De nada.
Como de nada?
É como você tivesse engolido uma golfada de ar.
Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer...
Constatação XIV
Não se pode confundir ente com ante, muito embora se você ficar ante um ente do outro mundo, inclusive um extraterrestre, é quase certo que você vai ficar com todas as cores do arco-íris de tanto medo que você vai sentir. A recíproca, como já foi dito, alhures, é como é. Tenho, mais uma vez, dito.
Constatação XV (Dúvida crucial).
Os livros autobiográficos tem a intenção de fazer dos seus leitores um psicanalista amador? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XVI
Não se pode confundir destino com desatino, que o dicionário Aurélio dá como “falta de tino, de juízo; loucura”, muito embora os nossos governantes cometam desatino e os ingênuos, que também se ferram por esse motivo, acham que é o destino deles. Coitados!
Constatação XVII
Quando nas eventuais desavenças, um casal diz coisas desagradáveis um para o outro e o que é dito – acusações recíprocas, por exemplo – é diferente entre si e se, porventura, o que fosse dito fosse igual, isso significaria que os dois pensam igual|? Aí não haveria necessidade do que foi dito, muito menos de desavenças? Os psicólogos, conselheiros e afins que souberem a resposta, sejam por experiência própria ou por intermédio dos seus pacientes, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XVIII
Quando o grande amigo Renato Emilio Coimbra se deu conta da minha coluna dominical no jornal O Estado do Paraná, me enviou o seguinte:
A. Quando os filhos são crianças, são carregados no colo; quando adultos, nas costas.
B. –“Você tem parente pobre?” –“Tenho, mas não os conheço”. –“E parentes ricos?” –“Tenho, mas eles não me conhecem”.
Constatação XIX (De uma obviedade absolutamente assaz conhecida, em certos países, em forma de quadrinha).
Toda barganha,
Com ou sem artimanha,
No jogo do perde e ganha
É uma patranha.
Constatação XX
Deu na mídia, mais precisamente no Estadão, logo após o jogo do Brasil contra a Sérvia: “Felipão disse que a seleção está pronta”. Com relação à Saúde, Educação e Segurança, além de infraestrutura, Felipão não se pronunciou.
Constatação XXI (Quadrinha para ser recitada antes dos discursos oficiais da abertura da Copa).
Patrioticamente vamos torcer
Pra que o Brasil venha a vencer.
E a Educação, Saúde e Segurança.
Continue a ser somente esperança.
Constatação XXII (Quadrinha para ser recitada na Câmara e no Senado da República, além dos Executivos Federais, Estaduais e Municipais).
Tomara que, do Brasil, os jogadores
Se empenhem para a nossa vitória.
Aí, os políticos serão os vencedores.
Pois para eles será creditada a glória.
Constatação XXIII (Atualíssima observações de certas partes do Hino Nacional Brasileiro).
Por um colosso impávido
A gente tá ávido.
O brado retumbante
Não é o bastante.
O sol da liberdade
É uma boutade*
Gigante pela própria natureza
Tem sido a única certeza.
Se ergues da justiça a clava forte
Se não te alcança é muita sorte.
De amor e de esperança a terra desce
E a fortuna dos ricos cada vez mais cresce.
*Dito espirituoso (Aurélio).
Constatação XXIV
Começa hoje o futuro de muitos políticos que estarão nas mãos, ou melhor, nos pés dos jogadores da seleção e, claro, nas mãos do goleiro.
ATOS E FATOS (Apenas, alguns poucos que podem abalar as eventuais convicções da fidelidade conjugal masculina. Quanto às convicções da fidelidade conjugal feminina, por favor, comentários no blog por quem de fato e de direito. Obrigado).
-Vizinha a quem se dá carona em dia de sol ou de chuva, vestida com uma saia curtíssima e que, ao adentrar no carro e se sentar faz subir ainda mais a saia, mostrando, pelo menos, aquele par de coxas monumental e abençoadas, digna de figurar em antologias best-sellerianas sobre tão fundamental e imprescindível anatomia, digo, assunto.
-Vizinha que troca ou veste a roupa na janela do seu – dela – apartamento em frente ao do nosso.
-Mulherão que no carro, durante a conversa, põe a doce, frágil e gentil mãozinha na sua perna e/ou não tira a perna dela quando você esbarra com a tua mão ao trocar de marcha. Aí você passa a trocar de marcha sem que o carro esteja pedindo e ela não move a dita cuja do lugar, muito menos nenhum musculo. É imprescindível que o teu carro não tenha o câmbio na direção e tampouco seja hidramático.
-Secretária que faz de conta que está a fim da sua autopresumida irresistível e, sem dúvida, diga-se de passagem, ingênua pessoa física e, na verdade, ela está somente interessada em tirar vantagens da sua pessoa jurídica.
-Secretária com decote pra lá de generoso.
-Secretária com “poupança” que, pelo seu esplendor, merece ser chamada de Sua Magnificência. Rumorejando está se referindo à “poupança”.
-As tenras coleguinhas de faculdade de teu filho ou filha que não te chamem de tio, nem de senhor e sim de você.
-Mulheraço que te dá beijinho no rosto roçando os lábios - sem querer, é claro - nos teus.
-Mulheraço – nada a ver com a anterior – que sentou no avião ao seu lado, evidentemente usando óculos escuros, se fizer parte da relação das famosas, mergulhada em alguma leitura, quando de repente, não mais que de repente, ela se dirige a tua humilde pessoa: “Qual é o título do livro que você está lendo?”
-Mulheraço, do tipo intelectual, gostosona e portando óculos com lentes fundo de garrafa que entabula com você uma conversa séria do tipo metafísico, ou melhor, um monólogo porque você não costuma falar desses assuntos por desconhecê-los e tampouco entender bulhufas. Depois ela envereda com uma conversa para boi dormir e outros invertebrados despertar.
-Mulheraço que te pergunta: “O que você tem feito de bom?” “O que é que você vai fazer agora?” “Não quer vir, agora, lá em casa tomar um cafezinho?” “Você já conhece o novo restaurante que semana passada foi inaugurado?” “Em que época você costuma ir para a praia sozinho”. “As suítes dos motéis estão cada vez mais sofisticadas”.
-Mulheraço do teu chefe que te pergunta se o seu – dela – marido está te tratando e bem e tem te prestigiado. “A gente tá se separando”.
RICOS & POBRES
Constatação I
Rico determina, ordena; pobre, solicita, pede.
Constatação II
Rico tem patota; pobre tem bando.
Constatação III
Rico dá seu douto parecer; pobre mete o bedelho onde não é chamado.
Constatação IV
Rico tem inquietude; pobre, é medroso.
Constatação V
Rico acaricia; pobre, bolina.
Constatação VI
Rico tem desestímulo; pobre, preguiça.
Constatação VII
Rico não é acusado de latifundiário; pobre, é acusado de invasor.
Constatação VIII
Rico tem um lapso de memória; classe média se equivoca; pobre, não tem o que lembrar.
Constatação IX
Rico é nobilíssimo; pobre, é pé-de-chinelíssimo.
Constatação X
Rico dispõe de uma Consultoria, cujos advogados conhecem os meandros das filigranas jurídicas; pobre, tem advogado, na maioria das vezes, de porta de cadeia, indicado pelo governo.

Site: www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: