quarta-feira, 9 de julho de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (Aparentemente paradoxal).
Ele passou a vida a dar conhecimento do seu desconhecimento.
Constatação II
Os radioamadores, tanto os brasileiros, como os Hermanos, principalmente estes, costumam se referir às esposas como “primeiríssima”. Na telegrafia com as letras “YL”. Às mães, como “super primeiríssima”. Este assim chamado escriba, que percorreu durante muitos anos as frequências, outorgadas pelo Ministério das Comunicações, onde, como radioamador, fez muitas amizades, ao ser informado que um ex-colega de rádio havia se separado e estava de nova mulher e que pretendia vir, com ela, a Curitiba, concluiu: “Ele vai vir com a sua “segundíssima”.
Constatação III
A posição decúbito dorsal de uma mulher é digna de encômios. Sua – dela – ‘poupança’ toma a forma de um coração em três dimensões, portanto espacial, o que faz a posição tender para algo também eivado de romantismo. Tenho artística e respeitosamente dito!
Constatação IV (De uma dúvida crucial).
Um prefácio que, de antemão, fala do passamento do personagem principal não deixa de ser uma espécie de posfácio? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação V (Rememorando boas lembranças).
Na Copa de cinquenta e oito,
Quando o Brasil foi campeão,
O sueco que marcou Garrincha
Cada vez mais e mais afoito
Até hoje quer ver se destrincha
Por que a bola foi sua perdição.
Constatação VI
Existem sonhos bons, tão bons, mas tão bons que quando você acorda se dá conta que você vive num eterno pesadelo.
Constatação VII
Rumorejando em respeito aos seus leitores, deixa de comentar o resultado de Brasil e Alemanha. Afinal, não se deve jogar sal nas feridas.
Constatação VIII
Será que este tal de Zuñiga, se estivesse disputando o lance com outro jogador que não o Neymar, teria entrado da maneira violenta e covarde como entrou? Ou já entrou para isso?
Constatação IX
“Dentro de campo temos que jogar com firmeza”, afirmou o jogador Zuñiga. Rumorejando, não querendo entrar numa área que pertence a cartolas, sociólogos, comentaristas esportivos, ex-jogadores e juízes de futebol que viraram, entendidos no assunto, sugere respeitosamente a Fifa que permita determinados jogadores poderem utilizar um tacape. Assim, utilizando pés e mãos, ficaria mais fácil quebrar os adversários. Não precisa agradecer pela sugestão. Aliás, ele disse que não tinha intenção de machucar Neymar. Com aquela entrada será que ele tinha intenção de fazer carícia?
Constatação X
As manifestações racistas contra o jogador Zuñiga, associada às vaias aos hinos de outros países, além de não guardar silêncio no nosso, revela que tem que se começar já, de uma vez por todas, de dar atenção à Educação e Saúde, sem descuidar a Segurança porque essas atitudes são sintomáticas.
Constatação XI (Passível de mal-entendido).
Ele achava que os humores dela eram com ph tal que interferiam na cura do seu resfriado.
Constatação XII
Não se pode confundir poético com patético, muito embora tenha muito texto poético que é irretorquivelmente patético. A recíproca não é necessariamente verdadeira: Tem muito cara patético que não tem nada a ver em ser poético. O seu texto pode chegar às raias de prolixo, ou pro lixo. Vige!
Constatação XIII
Quando a Maria Chuteira viu a propaganda do governo dessa empulhação da Previdência Privada, que também beneficia e enriquece pornograficamente o banqueiro, teve um ataque de riso – não necessariamente sardônico – e suspendeu de imediato o uso da pílula. Também a pílula do dia seguinte...
Constatação XIV
Não se pode confundir cavilação, que o dicionário Hoouaiis dá como:
n substantivo feminino
ato ou efeito de cavilar
1          trama ardilosa; astúcia
2          ironia maldosa; zombaria
3          razão falsa, enganosa; sofisma
4          Regionalismo: Nordeste do Brasil.
m.q. cavilagem com vacilação, até por que, em certos países, se o sujeito, na hora de fazer um negócio, acreditar em político, nas promessas dos governantes, através de uma vacilação, sem dúvida alguma ele cairá numa cavilação, daquelas que, normalmente não haverá retorno. Coitado!
Constatação XV
E como definia o obcecado a região pubiana das gatas: “É a adjacência do amor”.
Constatação XVI
Naquela mansuetude
Da verdejante campina,
Do sussurrante riacho,
Das borboletas coloridas
Esvoaçantes, exibidas
Ela teve uma atitude
De ave de rapina
De mandá-lo ao diacho
Que acelerou seu pulso.
Depois de sugá-lo,
De explorá-lo
Deixando-o sem um tostão
Mandou-o lamber sabão
E o chamou de insulso*.
*Insulso = n adjetivo
1          sem sal; insosso
2          Derivação: por extensão de sentido.
que não tem sabor; insípido
3          Derivação: sentido figurado.
sem graça; desenxabido, insípido (Houaiss).
Constatação XVII (De uma dúvida crucial).
Quando um Pai da Pátria usa palavras como Deus, Democracia, Povo, Liberdade ele está exercitando a retórica, a argumentação, a fraseologia e o domínio da semântica, sofismando, tergiversando ou o quê? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XVIII (De definições rimadas).
Quem contesta a sogra, tão-somente,
Conseguindo que ela feche a matraca
Sem chamá-la de jararaca
É um rebelde, um insurgente
E, claro, também um valente.
Constatação XIX (Quadrinha para ser recitada em Brasília para os três poderes da República, tão logo termine a Copa do Mundo, seja lá quem for o vencedor).
Prostituição moral no país?
Não é o que a gente sempre quis.
Afinal, do problema qual é o xis?
Certamente, a existência de vários brasis...
Constatação XX (Ah, esse nosso vernáculo).
E como gritou do quarto a jovem recém-casada, toda perfumada e babydollada, pro maridão que assistia, segundo ele, um jogaço de futebol, do seu bem-sucedido time, na televisão: “Bem! Seja um homem de bem, de bem-fazer e de bem-ouvido e venha até aqui, junto do seu bem-querer, seu bombonzinho pra gente manter em forma e em dia o nosso inadiável e já tradicional bem-bom”.
Constatação XXI
É um ótimo negócio
Ser deputado ou senador,
Pra quem gosta de viver no ócio
E que se cheire, não seja uma flor...
Constatação XXII (Rememorando comportamentos).
Não se pode confundir pândega com Mantega, o sobrenome do nosso ministro da Fazenda, Guido para os íntimos, até porque este, pelo que se saiba, não tem nada a ver, não tem caseiro e a mídia nada se pronunciou sobre algum condenável comportamento, segundo alguns, o que aconteceu com Antonio Palocci a quem Mantega substituiu na Fazenda. Já, para outros, como o obcecado, pândega, em ótimas companhias, fazem bem para quem participa e para as ótimas companhias, inclusive. Seja em Ribeirão Preto, ou seja lá onde for. Quanto à recíproca, não é de suma importância. O que é, efetivamente, é baixar os juros, conter a inflação, distribuir melhor a riqueza, investir em Educação e Saúde, estabelecer programas que criem empregos e atitudes outras desse jaez. O que, aliás, nessa época de eleições que se avizinha será repetido até a exaustão...
Constatação XXIII
Rumorejando está instituindo o concurso para ver quantas promessas destituídas de verdade, de realidade, de exequibilidade os candidatos – não necessariamente os paladinos da imoralidade, da corrupção e da ilegalidade, portanto qualquer dos candidatos –, proferirão com voltas às próximas eleições. As condições do concurso serão publicadas posteriormente. Aguardem, pois. Em tempo: Se alguém quiser ofertar os prêmios, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XXIV
iTunes tem música para todos os gostos. Vale a pena! Tenho dito!
Constatação XXV
No livro de autoria de Jane Fonda Minha vida até agora, autobiográfico, há um trecho em que ela cita o Brasil. Foi quando, em recepções de negócios, ela se mantendo ao lado do marido, em silêncio, ouvindo homens dos mais altos escalões de poder, falando como as coisas eram tão melhores, por exemplo, “no Brasil ou em algum outro país menos desenvolvido em que eu havia estado eu pensava: Será que eles não viram as favelas? Os cortiços? As pessoas veem o que precisam e querem ver. Percebi que esses homens, esses fazedores de política, designers de ajustes estruturais e ponderadores de conflitos, não se permitem ver qualquer consequência de sua políticas que possa balançar sua certeza de estarem fazendo a coisa certa. E de outros países também. Mais adiante, ela cita o Leste Europeu, mais precisamente a Checoslovaquia. “No sistema comunista”, as pessoas tinham tudo decidido por elas, pelo governo – e pelas instituições administradas pelo Estado. Quando surgiu a possibilidade de democracia, forçando-as a participar e a fazer escolhas, elas não se adaptaram com tanta facilidade. Eu me lembro de ter conhecido um compositor, em Praga, que me disse: “Passei a vida escrevendo letras para pessoas que se tornaram aptas para ler nas entrelinhas. Agora que podemos escrever claramente, não tenho certeza se sei como fazê-lo”.
RICOS & POBRES
Constatação I
Rico ofega; pobre, bufa.
Constatação II
Rico é piedoso; pobre, é indiferente.
Constatação III
Rico é esperançoso; pobre tem pesadelo mesmo acordado.
Constatação IV
Rico tem notoriedade; pobre, no máximo, pode a vir a ser um rosto na multidão.
Constatação V
Rico diz o maior insulto em linguagem de máxima cortesia; pobre, é malcriado.
Constatação VI
Rico é instado a discursar por ser considerado ineludível*; pobre, fala aos borbotões.
*Ineludível = n adjetivo de dois gêneros
de que não se pode esquivar ou furtar (diz-se de poder ou influência).
Obs.: cf. inelidível, inilidível e iniludível (Houaiss).
Constatação VII
Cachorro de rico vem a todo instante supervisionar o que o dono está fazendo, conferir o que foi comprado na feira ou no supermercado; cachorro de pobre não tem o que bisbilhotar.
Constatação VIII
Rico é celibatário por opção; pobre é solteiro por não ser um partidão.
Constatação IX (Colaboração do Amigo maringaense Edson Ferreira dos Santos).
-Rico tem cartão de credito,
Pobre tem cartão de ponto.
-Rico usa passaporte,
Pobre usa vale-transporte.
-Rico no exterior está passeando,
Pobre no exterior está trabalhando.
Constatação X
Rico torce pelo Brasil; pobre, só distorce os fatos.
E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br
Site: www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: