quarta-feira, 24 de setembro de 2014

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Disse ela: “Me emocionei até as lágrimas com a festa que me fizeram os meus cachorros quando entrei em casa.”.
Disse ele: “Lágrimas são salgadas. As tuas devem ser doces. Como você! E como os teus cachorros!”
Constatação II (Homenagem ao mestre Ariano Suassuna que fez retornar aspectos culturais da Paraíba – seu Estado Natal – e de Pernambuco onde viveu).
Data vênia, como dizem nossos juristas, mas quem nunca escutou o Quinteto Armorial, tocado por instrumentos típicos da sua época, não sabe o que está perdendo. Tenho, mais uma vez, dito!
Constatação III (Pequenas definições, na falta de melhores).
O comentarista de futebol é um entendido no assunto, que ele supõe ser e que se torna aprendiz de técnico, incontinente, ao analisar e comentar um lance passado.
Constatação IV (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
Negligente
É o político
Com a gente?
Constatação V (De outra dúvida crucial via pseudo-haicai).
De um jogador o maior destaque
É marcar um gol lá da defesa
Quando o time está sem ataque?
Constatação VI (De mais uma dúvida crucial, mas sem ser por via pseudo-haicai).
Cunhado (a) e sogro (a) são parentes da gente por vias tortuosas?
Constatação VII (De nova dúvida crucial. Como o prezado leitor pode constatar nem toda constatação este assim chamado escriba tem certezas e segurança nas afirmações...)
Se o vicariato é a “residência do vigário”, como afirma o dicionário Aurélio, o ‘pastoriato’ é a residência do pastor?
Constatação VIII (De complementaridade de convergências).
Inequivocamente existia sempre uma relação biunívoca perfeita entre aqueles dois: A filhada p...ce de um complementava a do outro...
Constatação IX
O obcecado
Tinha nele,
Sem os descontos,
Mais de mil pontos
Erógenos.
Aí vai que a mulher,
A dolorida,
Cansada,
Extenuada,
Toda ardida
Da. Ester
Pediu ao esculápio,
O Dr. Patrápio,
Para dar a ele
Estrógenos
Pra mantê-lo,
Com muito desvelo,
Sossegado,
Tranquilo
Para manter aquilo
Acalmado.
Coitado!
Constatação X
Quem não conheceu a Filarmônica Orquestra Show de Antonina, ramificação da Banda Musical de Antonina, cujo maestro Denis da Silva e componentes eram e são quase garotos não sabe o que está perdendo. Tenho modestamente dito!
Constatação XI
Poucos caixas nos bancos. Filas enormes. Lucros pornográficos. Será que os pobres dos banqueiros não ficam com consciência pesada e consequentemente com insônia, gastrite, úlcera, depressão e outras doenças psicossomáticas, ou não, por tais corriqueiros fatos? Quem souber a resposta, por favor, comentários no blog. Obrigado.
Constatação XII
O cara estróina,*
Metido a bamba,
Vestiu
Uma bóina**
E saiu
Por aí,
Como no samba
Da camisa amarela,
Gastando aqui e ali
O dinheiro dela.
Quando ela,
Ciente,
Informada,
Por um inimigo
Dele, do maridão,
Que já tinha sido bom,
Caiu,
Ou melhor, tombou
Doente
De tão pu, digo,
Enfezada
Que ficou.
Coitada!
*Estróina = “Extravagante, doidivanas, boêmio”.
**Bóina = “Boina”.
Constatação XIII (Quadrinha para ser recitada por quem quiser e por quem quiser escutar, preferencialmente em festa infantil).
Caminhei o dia inteiro
E não cheguei a lugar algum
Era um terreno vagueiro*
Impossível brincar de trinta-e-um.
*Vagueiro = “Terreno escalvado**, em que não houve plantações”.
**Escalvado = “árido, estéril, calvo”.
Constatação XIV (De uma quadrinha para ser recitada no Congresso).
Quais serão os novos escândalos
Que deverão estourar no país?
O que tem por aqui de vândalos
Não está escrito nem nos gibis.
Constatação XV
Esclarecimento: Rumorejando, a fim de que não pairem dúvidas em quem quer que seja, toma a liberdade de esclarecer que Vara da Família não tem nada a ver com a vara de marmelo que muita família adotava para impor ordem e progresso com algum filho que não se comportasse dentro da vontade onisciente dos pais, com ou sem razão.
Constatação XVI (E como poetava o obcecado, nada a ver com o obcecado anterior):
“Sou um poço de sensualidade,
Que quer apenas dar vazão
A minha sublime sexualidade
Sem entrar na contramão”...
Constatação XVII Alguns poucos lugares-comuns ditos por técnicos, jogadores e comentaristas de futebol.
-O juiz nos prejudicou;
-Com um carrinho daqueles de quebrar a perna do adversário, o cara nem cartão amarelo recebeu;
-Minha expulsão foi injusta;
-Fomos vergonhosamente roubados;
-A gente dominou toda a partida, mas não transformou esse domínio em gols;
-Eu vou dar o melhor de mim.
-O bandeirinha demorou muito para levantar a bandeira e o juiz para apitar;
-Ele caiu dentro da área para ludibriar a arbitragem;
-O time deles é o favorito.
-Esse juiz tá na gaveta.
-Tivemos muitas chances, mas não transformamos em gols.
-Faltou mais um pouquinho de sorte.
-Aquele goleiro pegou tudo.
-Ele inventou aquele pênalti.
-Vamos levantar a cabeça;
-E, claro, a clássica: Futebol é uma caixinha de surpresas.
-Vamos trabalhar durante toda esta semana para melhorar ainda mais o time;
-Não ganhamos nada ainda porque temos o segundo jogo na casa do adversário;
-Com este placar elástico, os ataques sobrepujaram as defesas;
-Só o juiz não viu que o zagueiro cortou a trajetória da bola com a mão;
-Com este placar em branco, as defesas sobrepujaram os ataques;
-O mérito não foi meu. Foi de toda a equipe;
-Com a nossa torcida nos apoiando, em nosso campo, a história vai ser diferente;
-Eu e meus companheiros faremos tudo para proporcionar a nossa torcida um belo espetáculo;
-Ainda que perdendo quatro jogos seguidos, o time vem em ascensão;
-No meu entender, não foi pênalti;
-No meu entender, foi pênalti;
-Ele ainda não mostrou porque pagaram tanto pelo seu passe e pelo seu salário.
Constatação XVIII (Nova dúvida crucial. Vige)
E já que falamos no assunto o agarramento na área, quando vai ser batido um escanteio ou uma falta é uma questão de marcação ou Freud explica?
Constatação XIX
Deu na mídia, mais precisamente no site da Globo: “Mulher Melão investe no bumbum: 'Quero ser reconhecida indo e vindo'. Musa do fio-dental tem se dedicado exclusivamente a malhar os glúteos e quer ser valorizada tanto de frente quanto de costas”. Data vênia como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que eis aí mais uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade. Vige!
Constatação XX
E já que falamos neste assunto de transcendental importância, vale lembrar que rico tem quadril, classe média tem nádegas e pobre tem bunda mesmo.
Constatação XXI (Quadrinha para ser recitada no dia das eleições).
A gente fica quebrando a cabeça
Para votar em quem for o melhor
E por mais incrível que pareça
Entre todos não há algum no ror.
Constatação XXII (Quadrinha para ser recitada no dia seguinte das eleições).
Fiquei um tempão numa fila quilométrica
Demorou pacas para chegar a minha vez
Se eu me envolvesse uma tabua trigonométrica
Eu não me ficaria com tamanha desfaçatez.
Constatação XXIII (Homenagem póstuma + um pingo de biografia).
No dia 3 de abril de 1964, em pleno início de o movimento militar que redundou na ditadura, comecei a trabalhar na Companhia de Desenvolvimento do Paraná – Codepar que, mais tarde, passaria a se chamar Banco de Desenvolvimento do Paraná S.A. – Badep. Era meu segundo emprego profissional e o ambiente era quase que sagrado, pois a Codepar havia sido criada para granjear recursos para a infraestrutura do Estado que estava por fazer e também para destinar recursos à sua industrialização. O seu corpo técnico abrigava, dentre outros, engenheiros e economistas. No ambiente se respirava idealismo e, efetivamente, era o que mais persistia. A insegurança de minha parte, com relação ao novo emprego, era notória e não deve ter escapado ao engenheiro Renato Emilio Coimbra que iria para Porto Alegre para seguir o curso da Cepal – Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe que “foi criada em 1948 pelo Conselho Econômico e Social das Nações Unidas com o objetivo de incentivar a cooperação econômica entre os seus membros. Ela é uma das cinco comissões econômicas da Organização das Nações Unidas (ONU) e possui 44 estados e oito territórios não independentes como membros. Além dos países da América Latina e Caribe, fazem parte da CEPAL o Canadá, França, Japão, Países Baixos, Portugal, Espanha, Reino Unido, Itália e Estados Unidos da América (transcrito da Wikipédia)”. O então novo colega Coimbra me passou, com relativa paciência, as tarefas com as respectivas dicas da função que eu estava herdando. Eu fiquei muito agradecido pelo tratamento recebido do Coimbra e passei a admirá-lo pela sua constante iniciativa no trabalho e fora dele. Acrescente-se a tudo isso os empréstimos de curto prazo que ele sempre atendeu a uma minha eventual solicitação...
Ao prestar, mais uma vez, minha homenagem ao Coimbra, que lamentavelmente já faleceu, transcrevo um texto escrito por ele que vale pela proximidade das eleições e que vale a pena ressaltar o seu aspecto social que também era uma suas características.

ORAÇÃO DE UM MENINO POBRE.
Renato Emilio Coimbra
“Amado Pai que está no Céu, queremos te agradecer toda a felicidade e as bênçãos que recebemos neste Natal. Agradecemos a todas as pessoas bondosas que nos mandaram comida, e brinquedos para as nossas crianças. Nunca duvidamos da bondade que existe nos corações dessas pessoas. Amanhã já vamos começar a rezar para que o próximo Natal chegue logo, para podermos comer novamente, para ver novamente o sorriso nos rostos de nossas crianças sem fome. Este ano vai ser maravilhoso para nós, pois vamos ter eleições, que é quando os homens olham mais para a nossa pobreza, nos dão cestas básicas, promessas de melhora em nossas vidas, empregos, saúde. Esperamos que o Senhor permita que aguentemos esse período até lá, que a fome e o frio não nos vença e possamos no próximo ano estar aqui rezando mais uma vez em agradecimento. Como é lindo o Natal, como as pessoas ficam mais caridosas. O Natal deveria ser comemorado todos os dias e as eleições todos os meses. Assim teríamos comida, alegria, agasalho e saúde o ano inteiro. Obrigado Meu Deus. Abençoe todos os homens e mulheres caridosos deste meu Brasil”. (Natal de 2003).

Site: www.rimasprimas.com.br

Nenhum comentário: