quarta-feira, 15 de julho de 2015

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (Recado gratuito aos jovens).
Livro não morde. Podem pegar para ler.
Constatação II (Aparentemente paradoxal)
Ela tinha uma face radiante, olhos brilhantes e uma antipatia irradiante.
Constatação III
Não se pode confundir o Tratado de Latrão com o tratado de ladrão até porque o Vaticano, que é o menor em extensão territorial do mundo, dotado de apenas um quilometro quadrado, ficou, depois do Tratado com o governo da Italia, soberano, neutro e inviolável e governado pelo papa. “Para aceitar o reconhecimento do novo Estado, a Igreja Católica abriu mão dos territórios que possuía desde a Idade Média e reconheceu Roma como a legítima capital da Itália”. Como se pode constatar tudo foi negociado. Ninguém roubou ninguém, ao contrário do que vem acontecendo em certos países.
Constatação IV
Deu na mídia: Inacreditável, Evo Morales "presenteia" o Papa Francisco com um crucifixo em formato de foice e martelo! Muita impropriedade e desrespeito de Morales para os cristãos! O Papa deixou o “presente” na Bolivia. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que, mal comparando seria algo semelhante como a Orquestra Sinfônica da Russia se apresentar na França e colocar no programa a 1812 de Piotr Ilitch Tchaikovsky. Vige!
Constatação V (Ah, esse nosso vernáculo. Com a participação, imprescindível, do Dicionário Houaiss).
Depois de pechar [“dar ou receber um encontrão; abalroar(-se), chocar(-se)”] com o meu carro a loiraça teve a coragem de pechar (“pedir dinheiro a”) minha pobre, inculpável e inocente pessoa para que eu pagasse os prejuízos dos dois carros. Que pechado, digo, que pecado!...
Constatação VI
Um dos mais famosos advogados de Curitiba, que este assim chamado escriba considera como irmão, ainda que ignorando se a recíproca é verdadeira, mandou confeccionar no pé de papel de carta da sua pessoa física mais ou menos os seguintes dizeres: “Fulano de Tal desde o ano tal sem interrupção”. Há muitos anos atrás um médico também famoso de Curitiba, ao dar entrada no hospital para atender os seus doentes fez uma parada cardíaca. Os médicos que lá se encontravam, aplicaram massagem cardíaca com intensidade tal que chegou a quebrar uma de suas costelas e ele, digamos, voltou. Evidentemente, com a costela quebrada, se deu conta do que havia acontecido e, inclusive, achou graça no fato de que havia morrido e ressuscitado. Este médico, como muitos casos semelhantes, não poderia escrever o que o advogado escreveu...
Constatação VII
Não se pode confundir cara falso com cadafalso, muito embora nossos políticos, com suas promessas compridas e não cumpridas se enquadram no primeiro caso, deixando os eleitores no segundo, isto é, com a corda no pescoço. Informaremos, e não é apenas uma vã promessa igual à retro mencionada, sobre a recíproca em época oportuna. Aguardem, pois.
Constatação VIII
Na calada
Da noite
Mesmo com medo
Do açoite
Da mulher,
Uma fera,
Uma megera,
Ele foi até a geladeira
E sem um ruído qualquer
Comeu toda a salada,
De pepino azedo.
Foi a maior asneira.
Deu-lhe uma baita azia
Que há muito não sentia.
Que o deixou estuporado
Até noutro dia.
Coitado!
Constatação IX
O septuagenário, quase octogenário, consequentemente ex-sexagenário, ex-quinquagenário, etc, mesmo com essa idade, nunca se considerou um velho (rico é idoso; pobre, é “veio”), até a hora que seu médico prescreveu um remédio, chamado gerioton que é essencialmente constituído de ginseng. Caiu do cavalo, digo, em si. Coitado!
Constatação X
Deu certa vez na mídia: “Ônibus do Corinthians é pintado de roxo”. Como já disse o ex-presidente Fernando Color de Mello, de triste memória: “Tem que ter certos negócios roxo”. Será que ele também é corintiano como o penúltimo presidente da República de memória triste? Quem souber a resposta, por favor, não se comunicar que este assim chamado escriba, também corintiano sofredor, não tem interesse algum em saber pra quem o ex-presidente torce. Obrigado!
Constatação XI
Não se pode confundir calor com colar, muito embora aquela dondoca, quando se deu conta que ninguém havia falado do seu colar de pérolas – verdadeiras, diga-se de passagem – que havia custado uma fortuna, disse no meio do chá filantrópico: “Com este aquecimento global, está tão forte o calor que eu vou ter que tirar o meu novo colar”. A recíproca para esses casos ostentativos-arriscados pode até ser verdadeira. Desde que não ocorra numa praia, no verão, quando todo mundo usa roupas mais despojadas. A alguns afetos ao naturismo, segundo os moralistas, despojadas até demais...
Constatação XII (3ª Idade).
O septuagenário, nada a ver com o citado anteriormente, ex-sexagenário, ex-quinquagenário, etc. esquece-se de soltar totalmente o freio de mão que meio puxado e, depois, conclui que o motor do carro não tá puxando o suficiente. Vige!
Constatação XIII
Mulher, certa vez, lendo jornal: “Praxedes, aqui tá escrito que um médico removeu duas manchas da têmpora esquerda do presidente norte-americano, George W. Bush”.
Marido, assistindo futebol na televisão sem desviar os olhos: “E ele vai colocar elas aonde?”
Constatação XIV (De uma dúvida crucial).
Por que será que as mulheres gostam tanto de buzina, já que elas costumam buzinar não só no trânsito como também no ouvido dos seus respectivos maridos?
Constatação XV (Ah, esse nosso vernáculo).
O esforço dela para encher o balde furado foi debalde?
Constatação XVI
Deu na mídia: “Países mais felizes têm menos problemas de pressão”. Data vênia, como diriam nossos juristas e, no caso, talvez os médicos também, mas Rumorejando acha, então que, em nosso país, pelo menos no carnaval, a pressão do pessoal deveria baixar e, no entanto, com aquela escassez de roupas, ela sobe a níveis assustadores... Se alguém souber explicar o fenômeno, por favor, cartas ao escriba, via e-mail ou outro meio, (josezokner@rimasprimas.com.br). Obrigado.
Constatação XVII (Quadrinha para ser recitada rememorando velhos relacionamentos).
Tinha uma pele esbranquiçada
De tanto tomar purgante
A todo e qualquer instante
A base de limonada.
(Coitada!)
Constatação XVIII (Quadrinha para ser recitada depois que acabar o foro privilegiado, aposentadoria com poucos anos de exercer um cargo, voto secreto, concessão do governo para os ditos de rádio e televisão, trabalho de poucos dias da semana, salário compatível com quem ganha salário mínimo, fim dos privilégios, etc. etc.)
Senador, governante ou deputado
Têm o mesmo comportamento
Deixam o povo inconformado
De tanta falcatrua a todo o momento.
Constatação XIX (Quadrinha para ser recitada numa reunião importante com a presença de garotas, preferencialmente, adolescentes).
Se elas não fazem, de casa, a lição.
Tampouco, vão para o colégio
Arriscam casar com um toleirão,*
Inclusive perdendo algum privilégio.
*Toleirão = “que ou aquele que é muito tolo; pateta, palerma” (Houaiss).
Constatação XX (Quadrinha para determinados arrependimentos).
“Desfeito está nosso trato”,
Disse ela para o namorado,
Que o motel já havia pagado,
Deixando ele obstupefato*.
*Obstupefato = “tomado de espanto, de surpresa; pasmado, estupefato (Houaiss).
Constatação XXI
Pelo corpo inteiro
Passou um perfume barato,
Querendo a mina impressionar
“Você tem que ir, de fato,
Sem ser retardado,
Sem se atrasar
Correndo, já, agora, ao banheiro.
Pra desse e do seu natural
Como sempre, habitual,
Aliás, tradicional
Mau-cheiro,
Se separar”.
Coitado!
Constatação XXII
Quando viu a mulher
“Nos braços dum qualquer”.
Ficou atoleimado
Aplacou seus estupores
Com pouco desvelo,
Com remédio contra as dores
De corno e de cotovelo.
Coitado!
Constatação XXIII (Ah, esse nosso vernáculo).
E como dizia aquele banqueiro para o filho de 40 anos que só vivia “mordendo” o pai: “Eu juro que te esconjuro se você não me pagar com juro”.

COISAS QUE PRECISAM SER INVENTADAS.
-Método de ensino de matemática de modo que todos, sem exceção, aprendam e, consequentemente, ninguém, jamais em tempo algum, seja reprovado.
-Leis de Mercado que não descambem para a selvageria.
-Leis econômicas que eliminem, de vez, a pobreza, através de programas que reduzam substancialmente a diferença entre ricos e pobres.
-Método democrático que dispense os inócuos Congressos. Se não for possível,     deputados e senadores com vergonha na cara.
 -Cavalheiros distintos; damas, que se comportem como tal.
-Reputação ilibada.
-Ufanismo e vaidade que não seja imbecil.
-Jovens que não se orgulhem de não ter lido um livro sequer em todas suas vidas.
-Governantes não demagogos e operantes.
-Ministros que, em tempo algum, não falem incongruências do tipo “relaxe e goze”, “Não existe caos aéreo. É que houve aumento de passageiros” e coisas desse jaez.
-Mídia, de qualquer espécie, que não bisbilhote a vida alheia e se atenha, a ajudar na resolução dos problemas sociais.
-Relógios, todos de casa, que marquem horas mais cedo, quando a gente chega mais tarde para que não se leve bronca da cara-metade, quando ela der uma espiada pra ver a que horas a gente tá chegando.
-Abolição definitiva da demagogia.
-Demandas judiciais que recebam um parecer de quem de direito, julgados no Direito, em prazo compatível, isto é, em curto prazo.
-Contador de causos que não fuja dos fatos verdadeiros.
-Jogador de truco que ganhe deste assim chamado escriba, várias vezes campeão do referido jogo (Perdão a imodéstia, leitores).

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico refreia os maus impulsos; pobre dá plena vazão a eles.
Constatação II
Rico determina; pobre, solicita.
Constatação III
Rico admite; pobre, confessa.
Constatação IV
Rico desfruta a vida; pobre, sobrevive.
Constatação V
Rico adverte; pobre, ameaça.
Constatação VI
Rico faz profecias; pobre não tem futuro.
Constatação VII
Rico se apaixona; pobre, convive.
Constatação VIII
Rico tem alergia; pobre, ataque de coceira.
Constatação IX
Rico sente a ausência; pobre se acostuma.
Constatação X
Rico maneja seja lá o que for com perícia; pobre, com estultícia.*
*Estultícia = “atributo, característica do que é ou se apresenta de modo estúpido; tolice, parvoíce, estupidez” (Houaiss).


Nenhum comentário: