quarta-feira, 26 de agosto de 2015

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Essas alegações das empreiteiras, dizendo que se não dessem propinas não pegariam as obras, lembra as alegações dos nazistas que fizeram o que fizeram porque obedeciam as ordens de cima...
Constatação II
Perguntou um velhinho para outro velhinho:
-“Como foi de Paris?”
Respondeu o outro velhinho para o um velhinho:
-“Mal. Muito mal”.
-“Mal, por quê?”
-“Porque Paris induz ao amor! E eu já não dou mais no couro”.
-“Ah, bom, quer dizer, ah ruim. É mesmo. Eu também tô fora do sublime esquema. Até já havia me esquecido...”
Constatação III (De conselhos úteis rimados).
Nunca meta o bedelho,
Onde você não é chamado
Você arrisca de ser apodado
Sua Excelência o senhor pentelho.
Constatação IV
Deu na mídia, mais precisamente no site do Estadão: “Adoniram e os cachorros. Sambista cuidava deles como se fossem filhos”. Alguma dúvida?
Constatação V
Quando a minha mulher me diz algo com falta de respeito, com desrespeito eu faço de conta que não me diz respeito.
Constatação VI
Não se pode confundir enfestado que o dicionário Houaiss dá como:
“Adjetivo. 2. Bras. Fig. De compleição robusta; dobrado, reforçado” com enfezado, até porque se o cara for enfestado não convém, por razões óbvias, deixá-lo enfezado. A recíproca até pode ser verdadeira, pois um cara contrariado e, consequentemente enfezado pode se por a comer, como compensação, por exemplo, chocolate, ficando, em consequência enfestado.
Constatação VII
E também não se pode confundir nariz empinado com bumbum empinado, senão vejamos: Nariz empinado, no caso de verbo pronominal, se refere a “ensoberbecer-se, enfatuar-se, empavonar-se” (Houaiss) e, no presente caso do bumbum, como adjetivo quer dizer “direito, erguido, levantado” (Houaiss). Elementar minha gente!
Constatação VIII
O meu grande amigo e ex-colega do BADEP – Banco de Desenvolvimento do Paraná S.A., Renato Emilio Coimbra, lamentavelmente já falecido, um dia, após ler o jornal, me perguntou o que queria dizer Yom Kipur. –“É o dia do Perdão”, respondi. “Nesse dia, os religiosos vão à sinagoga, a fim de pedir perdão a Deus pelos pecados cometidos durante o ano”. E a pergunta veio rápida: “E chega só um dia?”...
Constatação IX
Cada vez que um novo governo assume a liderança do nosso país e novos deputados, senadores e demais são eleitos, tem-se a impressão que o pessoal vem com o intuito de que “agora é a nossa vez”*.
*Fica a critério dos meus prezados leitores a interpretação do que se refere a tal da “nossa vez”...
Constatação X
E como elucubrava aquele obcecado: “A erectilidade é tão importante, se não mais, do que a liberdade, igualdade, fraternidade da revolução francesa”.
Constatação XI
Não se pode confundir Hong Kong com King Kong, muito embora Hong Kong possua prédio alto, como Nova Iorque, que King Kong podia alcançar como ficou provado no filme realizado no país que é a maior potência do Planeta.
Constatação XII
E, ainda, não se pode confundir chuncho com funcho, até porque funcho é uma erva aromática que, evidentemente, cheira bem e chuncho sempre envolve determinado tipo de erva que cheira mal, muito mal...
Constatação XIII (Perdão, antecipadamente, caros leitores, por Rumorejando se ocupar desses assuntos).
Não se pode confundir ocupado com culpado, até porque o cidadão que tenha ocupado o banheiro público, anteriormente às necessidades de quem veio depois, não é culpado pelos apuros de quem vem a posteriori eventualmente ocasionado. A recíproca é como é. Tenho espontânea e didaticamente dito.
Constatação XIV (De matemática concernente ao bem-bom).
Dependendo da idade da parceira e da gente mesmo, espelho no teto não resolve o objetivo colimado. Há que se valer dos remédios. Diretamente proporcional, portanto.
Constatação XV
Deu na mídia: “Vítimas de violência sobrecarregam hospitais no país”. Data vênia como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que as cadeias, nem tanto...
Constatação XVI (De diálogos repetitivos, passíveis de mal entendido).
-“Doutor. O senhor não acha que essa minha dor de cabeça pode ser algum tumor que eu tenha na cabeça?”
-“Não. Eu acho que o senhor botou minhoca na cabeça”.
Constatação XVII (De diálogos políticos mentirosos [político mentiroso é pleonasmo...]).
-“Deputado. Não tenho lhe visto mais na nossa rua”.
-“É que mudei de casa”.
-“Quer dizer que não somos mais vizinhos?”
-“Ah! Isso não. Gente como vocês serão sempre meus vizinhos, porque morarão, eternamente, junto ao meu coração”.
Constatação XVIII
Errar é humano; perdoar é induzir a pessoa que errou novamente ao erro...
Constatação XIX (De diálogos matrimoniais).
Comentou a paulista pro marido, depois de ouvir o noticiário na televisão:
-“A Polícia apreendeu, aqui em São Paulo, mais de 11,5 milhões de produtos falsificados, importados sem nota fiscal. A maior parte, veio da China”.
Disse o marido, sem tirar os olhos da página esportiva, quando o Corinthians estava ameaçado de rebaixamento como de fato veio a acontecer, lá por meados de 2007:
-“É. Parece que nisso nós também somos bons. E a China, hein? Anda estourando a sua – dela – balança de pagamentos em matéria de exportação”.
Constatação XX
Não se pode confundir opacidade, que o dicionário Houaiss define como “qualidade, estado ou propriedade do que é opaco; ausência de transparência”, com capacidade, até porque muito deputado e senador que, no seu mandato passa numa opacidade total, tem a capacidade de faturar uma nota alta, usando o que instituiram ser de direito através dos seus altos proventos – ainda que à custa do povo –, acrescido de outros negócios não necessariamente transparentes. A recíproca não é verdadeira. Tem gente que, com sua elevada capacidade, recebe proventos compatíveis a ela. Como exemplo, os ganhadores de prêmios científicos, literários, artísticos, etc.
Constatação XXI (“Poesia”, dedicada aos jovens da atualidade).
Era um sujeito empírico
Metido a satírico.
Livro, nunca havia lido
Sem, da vista, ter sofrido.
O máximo era ler gibi
Que fazia desde guri.
E nisso estacionou.
Um dia se enamorou.
Por uma jovem formosa
Que lembrava um botão de rosa.
Ela era exatamente o inverso:
Tanto em prosa como em verso,
Lia com sofreguidão de tudo
Mesmo aquele livro maçudo
Que no cara daria arrepio.
Afinal, ele era vazio!
E ela se deu conta na hora
E mandou ele embora.
“Vá pastar”, ela exclamou
Ele de dor quase gritou,
Quase soltou um urro.
“Quando fala parece um zurro.
Seu burro!”
Ele ficou casmurro.
“Você só dá na gente enfado!
Seu abobado.”
Coitado!
Constatação XXII (Quadrinha didática de mau exemplo).
Cada um se serviu regiamente
Três baitas pratos de feijoada.
Aí, foram pro motel ali em frente.
Quase acaba mal a patuscada*.
*Patuscada = 1. reunião festiva para comer e beber.
2. folia animada, divertida e barulhenta; pândega, farra (Houaiss).
Constatação XXIII (Reminiscências).
Quando os cursinhos, a fim de preparar candidatos, para enfrentar essa excrescência que se chama vestibular, eram específicos para os cursos de engenharia e medicina, por exemplo, no do Dom Bosco havia uma turma de 70 rapazes e uma única moça para o de engenharia. Evidentemente que os tiques e o vocabulário dos rapazes, mesmo que a vestibulanda assim não o desejasse, acabaram se incorporando ao seu. O palavreado nos dias de hoje, então, nem falar: cheio de gírias, ainda que mais, digamos, espontâneo, nem por isso, para a velha geração, muito mais passível de enrubescimento. Um dia a moça entra na sala e, já da porta, grita para os mais íntimos: “Gente! ‘Sentei’ em física”...
Constatação XXIV (De uma dúvida crucial).
Será que as sogras, quando assiste as novelas elas torcem em favor dos vilões?
Constatação XXV (De outra dúvida crucial).
Foi o jovem padreco
Que no sermão,
Por um momento,
Usou baixo calão
Ao se referir ao paramento
Como aquele treco?
Constatação XXVI (De mais uma dúvida crucial).
E foi a macaca
Que fez fuxico
Com a comadre,
Soltando a matraca
Que o compadre,
O seo Mico,
Com cara de panaca,
Andava de banzé
Com uma jovem chipanzé?
Constatação XXVII
E o polvo,
Num baita revolvo
Deu um amasso,
Ao agarrar a polva,
Que transcendia perfume,
Com seus tentáculos,
Que pareciam aço
Dando espetáculos,
A tardinha,
A um cardume
De sardinha
Que por ali passeava,
E alguém gritava:
“Que ninguém se envolva.
Essa coisa indecente,
Com tanto pé e mão
Enroscado,
Embaralhado
Algum beliscão
Pode sobrar pra gente”.
Constatação XXVIII (Pseudo-haicai).
Em lugar onda há futrica
Muita gente curiosa
Não arreda o pé. Aí, fica...
Constatação XXIX
Ficou a má lembrança:
O truco aquela vez:
Foi uma lambança,
Uma sordidez
Na última carteada
Apareceu naquela jogada
O mesmo três,
Um ilustre conhecido,
Que, na primeira, já havia saído.
Constatação XXX (Quadrinha para ser recitada onde mais convém).
Perdi minha lapiseira,
Mas não me importei.
Eu só escrevia asneira
Como certo decreto-lei.
Constatação XXXI
Deu certa vez na mídia: “Maradona é comunista da boca para fora, afirma Chilavert, o ex-goleiro da seleção paraguaia”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas será que alguém poderia ser comunista da boca pra fora, pra dentro, pro lado, pra cima ou pra baixo, mormente, no tempo das ditaduras da Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Brasil para citar as da América do Sul que participavam da Operação Condor?
Constatação XXXII (Passível de mal-entendido).
Ela vivia mergulhada tanto nos seus pensamentos de casar com seu namorado, um oficial da marinha, que até passou a sofrer de enjoo.
Constatação XXXIII
E como ponderava o obcecado: “Eu gosto muito de tirar a minha roupa. Evidentemente, depois de ter tirado a dela”.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico faz acontecer; pobre faz desaparecer.
Constatação II (Balanço e Balancete de Pessoa Física).
Rico sempre tem na coluna “Ativo”: Realizável a Curto e Longo Prazo; pobre, na coluna “Ativo”: quase nada e na coluna “Passivo”: Exigível a Curtíssimo Prazo.
Constatação III
Rico tem lesão parcial do complexo ligamentar lateral do tornozelo esquerdo; pobre, pisa na bola.
Constatação IV
Rico sempre é bem-vindo; pobre, é malvisto.
Constatação V
Rico é sempre imune a...; pobre é sempre suscetível a...


quarta-feira, 19 de agosto de 2015

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
E como filosofava, enquanto degustava algumas ostras e bebericava um vinho, culminando com um chá a base de catuaba, o obcecado: “Não ter um amor todo o tempo é um desperdício das horas, dos minutos, dos segundos e até mesmo dos décimos de segundos”. 
Constatação II (Passível de mal-entendido.
E como comentava aquela consumista contumaz com as amigas: “Eu sempre estarei totalmente aberta e receptiva para grandes e variadas novidades”.
Constatação III (De uma declaração de amor, via pseudo-haicai, escrita antes do aquecimento global

                    Saudades

Acordei já não me lembro em qual cidade
E senti falta da minha Curitiba cinza
Dela me deu uma imensa saudade
Que até me deixou meio ranzinza.

Por causa do calor abafado, dormi pouco
Tive maus sonhos, terríveis pesadelos
Eu tava num asilo, tinha ficado louco
O que arrepiou todos os meus cabelos.

Alagado em suor, coração opresso
Na boca, gosto de chá de corrimão
De uma repartição pública, eu padeço.

Quero pro meu torrão voltar correndo,
Minha amada fria do meu sofrido coração
Não! Não quero mais viver sofrendo.

Constatação IV
Não se pode confundir solidário com solitário, muito embora a gente possa ficar o único, solitário, incausado* com certas causas, ao contrário do corporativismo solidário dos deputados e senadores com relação ao despautério de um colega que, comprovadamente, usou de falcatrua para seu – dele – próprio benefício ou de seus familiares. A recíproca, como toda a recíproca pode ser verdadeira ou não. Obviamente elementar, minha gente...
*Incausado = “que não tem causa; que não tem explicação; desmotivado, inexplicável” (Houaiss).
Constatação V
E já que falamos no assunto, não se pode confundir furtos com frutos, muito embora, em certos países, há uma infinidade de pessoas colhendo os frutos de roubos, assaltos, furtos, sequestros, executados por bandos, quadrilhas, assaltantes, súcias, governantes, deputados, senadores. A recíproca é verdadeira, porque há muitos frutos que são motivos de furtos, exceto no caso de frutos, como no caso, antológico, da “laranja madura na beira da estrada tá bichada Zé ou tem marimbondo no pé”, segundo nos fala o grande e imortal mestre Ataulfo Alves.
Constatação VI (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
Não ter brincado com a prima
De médico, quando criança, pode
Ter afetado a tua autoestima?
Constatação VII (De uma dúvida crucial)
Edi Lima, mano velho, amigão ainda do tempo do jornal O Estado do Paraná e da Tribuna, quando ainda não usava barba: Você que também é chamado de Ferrugem, me esclareça, de uma vez por todas, algo: Existe a ferrugem que dá nas plantas e a ferrugem de que dá no ferro. Você, por acaso, é do tipo CDF?
Constatação VIII (Quadrinha, para alguns, masoquismo; para outros, puro sadismo).
Um amor não correspondido
É um martírio, um padecimento,
Como se você nunca tivesse tido
Qualquer outro tipo de tormento.
Constatação IX
Deu, certa vez na mídia, quando o CR7 ainda não tinha se transferido para o Real Madrid: O jogador português Cristiano Ronaldo, do Manchester United, é o jogador "mais apaixonante" do Campeonato Inglês, segundo o diretor-executivo da Associação dos Jogadores Profissionais da Inglaterra, Gordon Taylor”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas qual era essa do então diretor-executivo, não deu para ficar sabendo...
Constatação X (Dúvida crucial, em forma de quadrinha, de um pobre genro).
Parecia um iracundo vulcão,
Da terrível sogra a explosão,
Quando entrava em erupção?
Ou assemelhava-se a um tufão?
Constatação XI (Em certos países, é claro).
A governadora,
Já em idade madura,
Nada impoluta,
Impostora,
Pouco positiva,
Impôs,
Apôs
Impostos
Num proceder,
De não se enaltecer,
Numa impostura
Impositiva,
Nada batuta.
Constatação XII
Quis fazer um papagaio
Pra pagar minhas contas.
O gerente me olhou
De través, de soslaio
E disse que não seria possível
Mas com cara-de-pau me forçou
A comprar ações do banco
E destarte,
Reter uma parte
Por um tempo na conta corrente
Tão-somente.
O líquido que eu receberia,
Que me competiria
O, digamos, ajutório
Era tão irrisório
Que até fiquei meio às tontas
E quase tive um desmaio.
Ele alegou,
Dizendo ser muito franco,
Por causa da indefectível
Reciprocidade.
Já viram tamanha maldade?!
Tanta iniquidade?!
Constatação XIII (Dúvida crucial).
Será que, quando Aristóteles, se referindo aos supostos racionais, proferiu “O homem é um animal político”, a frase não suscitou protestos dos animais?
Constatação XIV (De um preconceito).
“Ele é o único argentino que eu conheço que não parece ser argentino”.
Constatação XV (De uma dúvida crucial, via quadrinha).
A corneta
De certos quartéis
Soa como lambreta
Por causa dos decibéis?
Constatação XVI
Deu na mídia:Um ano depois de ter escapado do sequestrador que a manteve em cativeiro por oito anos, a austríaca Natascha Kampusch diz estar cada vez mais triste com a morte dele”. Vá lá alguém procurar entender a intrincada alma humana.
Constatação XVII (Teoria da Relatividade para principiantes).
É muito melhor cantar uma gata do que cantar ‘Parabéns pra você’, numa festa infantil, àquela que tá cheia de balões e outras crianças, que você foi obrigado a ir porque era da filha do teu chefe. Nem a possibilidade de você poder levar um balão colorido pra casa pra você levar à tua neta, nem a presença da secretaria boazuda da empresa atenua o atazanante programa.
Constatação XVIII
Quando o obcecado leu na mídia que a China havia fechado 44 mil sites pornográficos, em 2007, exclamou indignado: Isso é um acinte contra a liberdade de expressão e, daria pra dizer, até da imprensa.
Constatação XIX
Um dos fatos que sempre chamou a atenção deste assim chamado escriba é o investimento de ricaços em jogadores de futebol e, assim, passarem a ser o dono, parcial ou total, do passe do jogador. Segundo alguns, o ricaço estaria ajudando o seu time do coração; segundo alguns outros, ele estaria tentando fazer um negócio; e segundo, terceiros, as duas coisas. Seja como for, para Rumorejando soa como uma espécie de trabalho escravo tal tipo de “investimento”. Fica-se imaginando o cartola falando para o “seu” jogador: “Olha, vê se você dá um pouco mais de você, se esforça mais, porque “nós” temos que ganhar esse jogo e os demais. É tua chance de passar a jogar num time grande do eixo Rio São Paulo e mesmo ser adquirido por um time da Europa que paga em euros, o que é uma maneira de você conseguir a tua independência financeira”. E por aí ele vai. Naturalmente, sem citar o lucro que ele teria. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas para Rumorejando soa, também, como mais uma forma de capitalismo selvagem e de filhadap...ce. Por favor, cartas por e-mail, telegrama, pelo blog (http://rimasprimas.blogspot.com.br), etc., opinando sobre o assunto. Obrigado.
Constatação XX
E como elucubrava o obcecado, mostrando estar por dentro do que se passa na maior potência do Planeta e suas repercussões: “Nem a turbulência do mercado mundial, nem a desaceleração em setores da economia, tampouco as altas e baixas da Bolsa de Valores irão afetar a elevação do que mais me interessa”...
Constatação XXI
O filme “Saneamento Básico” é tão bom quanto os já citados anteriormente por Rumorejando. Dá, mesmo com o comportamento dos políticos, para proferir a frase, já conhecida, “porque me ufano do meu país”. Tenho, sem patriotada, dito!
Constatação XXII
E o programa Certa Vez, apresentado pelo Amigo Beto Guiz, na rádio e-Paraná, antiga Radio Educativa, sábado, as seis da matina, não é para nenhum boêmio, que tá chegando essa hora em casa ou quem acorda cedo, botar defeito. E Revivendo, da mesma emissora, que foi apresentado aos sábados, às 4 horas da matina, pelo radialista Ubiratan Lustosa, seria o mesmo caso.
Constatação XXIII (De uma definição catastrófica).
Sinistrose*, teu nome é dengue, febre amarela, vaca louca e os políticos.
*Sinistrose = “1. Tendência a alardear a iminência de colapsos e perigos terríveis, individuais ou sociais, a vaticinar desastres, ruínas, grandes perdas materiais, catástrofes em empreendimentos, planos econômicos, projetos políticos”.
“2. a inquietação causada por tais riscos e perigos sinistros”. (Houaiss).
Constatação XXIV
Deu certa vez na mídia: “O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, considera possível que a inflação já tenha parado de subir”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Sua Excelência, aparentemente, não deve algum dia frequentado algum supermercado. Pelo menos em nosso sofrido país...
Constatação XXV (De diálogos agrícolas).
Disse o obcecado: “Você é uma senhora mulher, uma mulherona, em você sobra mulher. Te amo, mulher! O que você vai fazer hoje à tarde?
Respondeu a mulher, mulherona e demais predicados alardeados e mencionados: “Vou cuidar das minhas plantas do meu jardim e da minha horta. A propósito, por que você não vai plantar batata?”
Constatação XXVI
E como também dizia, didaticamente, o obcecado, mencionado acima: “Quaisquer notícias que se refiram à troca de silicone, ou aumento ou diminuição de silicone das gatas, ao contrário do que se propala em certa coluna, intitulada Rumorejando, que circula semanalmente por aqui, é efetivamente de transcendental importância para o futuro da Humanidade pelo aumento da população que, sem dúvida, acarretará”.

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico tem um atraso temporário; pobre, perde o metrô. (O bonde da história nem falar). 
Constatação II
Rico come caviar; pobre, bóia-fria.
Constatação III
Rico fala com convicção; pobre, enrola.
Constatação IV
Rico se atrasa no tráfego; pobre perde a hora.
Constatação V
Rico é badalativo; pobre, puxa-saco.
Constatação VI
Rico se acostuma; pobre, vicia.
Constatação VII
Rico tem a capacidade de memorizar; pobre, impossibilidade de lembrar.
Constatação VIII
Rico dá sugestão oportuna; pobre, palpite errado.
Constatação IX
Rico se preocupa com a alta ou baixa da Bolsa de Valores; pobre, com os baixos valores do seu bolso sempre furado...
Constatação X
Rico é sensível; pobre, é casca grossa.

Site: www.rimasprimas.com.br

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Eletronuclear? A gente nem sabia que existia. Pelo jeito, a operação Lavajato descobriu o moto perpetuo. Aguarde, prezado leitor, a próxima fraude que fatalmente virá. E não é preciso ser vidente para fazer essa assertiva. Vige!
Constatação II (De algumas dúvidas de imigrantes, aprendizes do nosso idioma tupiniquim).
-Compilar é trabalhar com pilão?
-Vigarice é quem concreta uma viga?
-Prazo que caducou tem que ir para o hospício?
-Banco de sentar tem complexo de inferioridade por não ter respaldo?
-A cascata tem complexo de inferioridade da catarata (Não a de olhos)?
Constatação III
Depois do Abominável Homem das Neves, do monstro do Lago Ness foi detectado o Abominável Homem das Trevas. Não se trata de alguém que não cuida para se evitar algum novo Apagão, mas se sabe que é um político. E, pelo que consta, tudo leva a crer que se trata de um brasileiro. Aguardem, pois.
Constatação IV
Efetivamente era um marido apaixonado. Até ela de bobes ele não se cansava de olhar amorosamente pra mulher.
Constatação V (Um tanto quanto mercosulense).
Os lindíssimos “senos”, (seios em espanhol, não confundir com seno ao quadrado mais cosseno ao quadrado é igual a um, da trigonometria), daquela hermana argentina só eram passíveis de serem tangentes pelo seu feliz namorado. Um cara de origem desconhecida que, por causa do relacionamento com ela, ficou magérrimo, ficou secante. Coitado! Coitado?
Constatação VI
Não se pode confundir velar com enlevar, até por que quem se põe a enlevar o seu time de futebol que vai muito mal no campeonato, indo assistir as suas partidas o comparecimento passa a ser velar pelo coitado.
Constatação VII
Barriga seca das famosas é àquela enxugada depois de sair do banho como de qualquer mortal?
ConstataçãoVIII (De uma dúvida crucial. Não deste assim chamado escriba).
E como ponderava o obcecado em suas – dele – lucubrações: “Não vejo mal algum no que, certa vez, aconteceu entre o Bill Clinton com a Mônica Levinski. Será que alguma alma piedosa, caridosa e beatífica poderia me explicar o porquê de, na época, tanta celeuma?”
Constatação IX (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
É um xereta sexual
Também
O voyeur virtual?
Constatação X
Quem não lê, não tem assunto. Consequentemente, ficando falando dos outros. E, evidentemente, em condição (a)normal de pressão e temperatura, só mal...
Constatação XI (Dúvida crucial, via pseudo-haicai).
Foi o jacaré que ‘seliconou’
A sua – dele – “poupança”
E se sentou?
Constatação XII (De diálogos matrimoniais).
Disse o marido recém-casado pra mulher:
-“Um pedido teu pra mim é uma ordem”.
Respondeu a mulher:
-“Eu jamais faço pedido. Eu apenas dou uma ordem”.
-“Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer, ah bom mesmo”.
Constatação XIII
A cera técnica no jogo de futebol pode fazer falta no final para quem estava todo o tempo fazendo. Mal comparado, às vezes, é o tipo do tiro (de meta ou de falta) que saiu pela culatra (chutado contra o próprio arco).
Constatação XIV
A gente pode não ter ganhado, até hoje um Prêmio Nobel, mas tem o fato de sempre estar inovando no nosso sistema democrático, representado pelo Executivo, Legislativo e Judiciário. Nas barbaridades e incongruências.
Constatação XV
Em homenagem ao Dia Mundial do Rock'n'roll passei o dia escutando Chorinho, mas com o pensamento respeitoso aos adeptos daquele ritmo. Se houver um Dia Mundial ou, ao menos, brasileiro do Chorinho vou passar o dia escutando os mesmos Chorinhos para lembrar a minha homenagem ao Dia Mundial do Rock’n’roll...
Constatação XVI (Reminiscências...)
O engenheiro Karlos Rischbieter lançou no dia 1° de abril de 2008 o livro Fragmentos de Memória, abordando, dentre outros, aspectos da sua vida profissional. Nele, há referência a sua participação na vinda da Volvo para Curitiba. O que me suscitou a lembrança de um fato, com relação à fábrica de ônibus e caminhões sueca que ocorreu quando eu era empregado do BADEP – Banco de Desenvolvimento do Paraná S. A. Vamos a ela, pois:
Lá pela década de 70 fui instado a atender dois funcionários, ligados à comunicação social da Volvo sueca, que chegaram a Curitiba. Do aeroporto Afonso Pena levei-os para a Cidade Industrial de Curitiba, a fim de mostrar o terreno aonde iria se localizar a fábrica, como de fato veio a acontecer. Também para que vissem as indústrias já implantadas ou em fase de implantação. Na volta, passamos pela CEASA – Centrais de Abastecimento do Paraná S.A., o terminal abastecedor de alimentos, onde foi explanado como uma provável fonte supridora para o refeitório da empresa. Quando estávamos circulando pelo pátio da CEASA, os suecos se puseram a gritar: “Um caminhão Volvo! Um caminhão Volvo!” Saltaram do carro e começaram a tirar fotos de todos os ângulos possíveis e imagináveis de um caminhão Volvo, modelo da década de 50, que se encontrava estacionado. Copiaram o número do motor, do chassi, da placa, do certificado de propriedade. Abriram o capô, examinaram por cima e por baixo. Fizeram mil perguntas ao proprietário. Após solicitar que fosse posto em movimento, auscultaram o ritmo do motor. Enfim, fizeram um estardalhaço tal que até o guarda em serviço veio ver o que estava acontecendo. Também ele não deixou de levar sua lembrancinha da Volvo, àquela altura distribuída em profusão. Mormente ao dono do caminhão que já estava ficando tonto com toda aquela inesperada atenção.
Em certo momento, o proprietário – um catarinense dono de uma simplicidade e simpatia irradiantes – me chama ao lado e me pergunta:
-“Mas afinal, quem são esses caras aí?”
-“Esses ‘caras aí’ são funcionários da Volvo. Não sei se o senhor sabe, a Volvo vai implantar uma fábrica de caminhões e ônibus em Curitiba”.
-“Ah é? E vai demorar muito?”, tornou a perguntar.
-“Não. Acho que daqui a dois anos deverá estar pronta”.
-“Então será que o senhor poderia perguntar se, quando os caminhões estiverem prontos, eles me dariam um novo de presente?”
Constatação XVII (Homenagem a todos os cartunistas).
Não se pode confundir gênios com gêmeos, exceto no caso mais conhecido por Rumorejando dos gêmeos Caruso, os cartunistas. Tenho dito!
Constatação XVIII (Ah, essa falsa cultura).
O Incrível Hulk, cujo nome verdadeiro é Dr. Robert Bruce Banner, é um personagem conhecido das histórias em quadrinhos, criado por Jack Kirby e Stan Lee, em 1962, que se inspiraram em Frederico Garcia Lorca que escreveu Romance sonâmbulo que começa “Verde que te quero verde”.
Constatação XIX
E como dizia aquela bisavó que ainda lembrava-se do tempo, contado por sua avó que falava no Marechal Deodoro da Fonseca: “Efetivamente, está havendo uma deterioração dos costumes. Depois dos vestidos e blusas ‘tomara que caia’, hoje em dia se vê as mocinhas usando calça comprida que dá pra chamar com o mesmo nome e que, acho que se inspiraram no ator Mario Moreno, mais conhecido por Cantinflas.
Constatação XX (Quadrinha para ser recitada para senhores da assim chamada Terceira Idade, como exemplo da Teoria da Relatividade para principiantes).
Uma prostatite
Não é melhor,
Nem pior
Do que uma uretrite.
(Perdão, jovens leitores e também os nem tanto).
Constatação XXI
Tenho que ser franco:
Sendo velho freguês,
É um tormento
Pagar, ao banco
Trinta por cento
De juros, ao mês.
Constatação XXII (Análise combinatória de: Arranjos, Permutações e Combinações).
Tem obcecado que faz do amor um teatro;
Tem obcecado que faz do teatro um amor;
Tem amor que é obcecado;
Tem amor que é teatro.
Constatação XXIII (Dúvida crucial via haicai).
É muito dolorido
Ter um amor
Desabrido?
Constatação XXIV
Fiz uma seresta
Pra ela.
A mãe enfarruscada,
Enfezada
Apareceu na janela.
Acabou a festa.
Coitada.
Dela*
*Não ficou muito claro se “dela” se refere à mãe ou à filha. Afinal, a mãe também deixou de escutar minha maviosa voz.
Constatação XXV
E já que falamos no assunto, não se pode confundir voz com vez, muito embora no mundo, de maneira geral, e em nosso país, em particular, os pobres não têm vez nem voz ao contrário dos ricos que possuem as duas condições retro mencionadas. E, segundo alguns, inclusive, indevidamente...
Constatação XXVI (Ah, esse nosso vernáculo).
Quando ela pisa no meu calo, eu me abalo e não me calo. Se não, eu me ralo e tudo acaba no ralo. Então, eu falo. E tudo culmina com prejuízo do que falo e, claro, do meu pobre e inocente fal, digo, ato falho...
Constatação XXVII
Quanto ao tempo acabado,
A gente é originado
De algum antepassado,
Provavelmente casado
E de papel passado.
Constatação XXVIII
O monólogo
Com si mesmo
Descambou
Prum diálogo,
Sem prólogo,
Pruma discussão
Acirrada
Onde até rolou
Palavrão
A esmo.
Obviamente,
Apenas, não ocorreu,
Não aconteceu,
Pescoção
Ou bofetada
Tão-somente.
Coitada!
Constatação XXIX
Deu, certa vez, na mídia: “BRASÍLIA - O presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse nesses dias que o vazamento de informações de processos judiciais está generalizado e que são necessárias medidas que inibam essa prática. ‘Há deputados e senadores que vazam mais que chuveiro, tem ministros de tribunais superiores que falam mais com a imprensa do que nos autos, tem Polícia Federal que age fora da lei, tem Ministério Público que às vezes também abusa de sua autoridade’, criticou Chinaglia”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que S. Excia. não lembrou dos vazamentos que permite que escritórios de advocacia liguem pra casa das pessoas oferecendo serviços (20 a 30% de honorários), a fim de recuperar as diferenças dos Planos Bresser, Collor, etc. Indubitavelmente, foram funcionários de bancos que vazaram a lista de pessoas que podem auferir esses montantes. Aliás, o governo teria que obrigar os bancos a devolverem essas diferenças, independente de ter que se entrar em juízo. Passado o prazo, o dinheiro fica e ficou com os bancos. Afinal, isso não é grave, os bancos estão, com os juros que cobram e com os poucos funcionários para atender os pacientes clientes, só praticamente dobrando o seu patrimônio a cada ano. E viva “nóis”... E os banqueiros, é claro...