quarta-feira, 12 de agosto de 2015

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Eletronuclear? A gente nem sabia que existia. Pelo jeito, a operação Lavajato descobriu o moto perpetuo. Aguarde, prezado leitor, a próxima fraude que fatalmente virá. E não é preciso ser vidente para fazer essa assertiva. Vige!
Constatação II (De algumas dúvidas de imigrantes, aprendizes do nosso idioma tupiniquim).
-Compilar é trabalhar com pilão?
-Vigarice é quem concreta uma viga?
-Prazo que caducou tem que ir para o hospício?
-Banco de sentar tem complexo de inferioridade por não ter respaldo?
-A cascata tem complexo de inferioridade da catarata (Não a de olhos)?
Constatação III
Depois do Abominável Homem das Neves, do monstro do Lago Ness foi detectado o Abominável Homem das Trevas. Não se trata de alguém que não cuida para se evitar algum novo Apagão, mas se sabe que é um político. E, pelo que consta, tudo leva a crer que se trata de um brasileiro. Aguardem, pois.
Constatação IV
Efetivamente era um marido apaixonado. Até ela de bobes ele não se cansava de olhar amorosamente pra mulher.
Constatação V (Um tanto quanto mercosulense).
Os lindíssimos “senos”, (seios em espanhol, não confundir com seno ao quadrado mais cosseno ao quadrado é igual a um, da trigonometria), daquela hermana argentina só eram passíveis de serem tangentes pelo seu feliz namorado. Um cara de origem desconhecida que, por causa do relacionamento com ela, ficou magérrimo, ficou secante. Coitado! Coitado?
Constatação VI
Não se pode confundir velar com enlevar, até por que quem se põe a enlevar o seu time de futebol que vai muito mal no campeonato, indo assistir as suas partidas o comparecimento passa a ser velar pelo coitado.
Constatação VII
Barriga seca das famosas é àquela enxugada depois de sair do banho como de qualquer mortal?
ConstataçãoVIII (De uma dúvida crucial. Não deste assim chamado escriba).
E como ponderava o obcecado em suas – dele – lucubrações: “Não vejo mal algum no que, certa vez, aconteceu entre o Bill Clinton com a Mônica Levinski. Será que alguma alma piedosa, caridosa e beatífica poderia me explicar o porquê de, na época, tanta celeuma?”
Constatação IX (Dúvida crucial via pseudo-haicai).
É um xereta sexual
Também
O voyeur virtual?
Constatação X
Quem não lê, não tem assunto. Consequentemente, ficando falando dos outros. E, evidentemente, em condição (a)normal de pressão e temperatura, só mal...
Constatação XI (Dúvida crucial, via pseudo-haicai).
Foi o jacaré que ‘seliconou’
A sua – dele – “poupança”
E se sentou?
Constatação XII (De diálogos matrimoniais).
Disse o marido recém-casado pra mulher:
-“Um pedido teu pra mim é uma ordem”.
Respondeu a mulher:
-“Eu jamais faço pedido. Eu apenas dou uma ordem”.
-“Ah bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer, ah bom mesmo”.
Constatação XIII
A cera técnica no jogo de futebol pode fazer falta no final para quem estava todo o tempo fazendo. Mal comparado, às vezes, é o tipo do tiro (de meta ou de falta) que saiu pela culatra (chutado contra o próprio arco).
Constatação XIV
A gente pode não ter ganhado, até hoje um Prêmio Nobel, mas tem o fato de sempre estar inovando no nosso sistema democrático, representado pelo Executivo, Legislativo e Judiciário. Nas barbaridades e incongruências.
Constatação XV
Em homenagem ao Dia Mundial do Rock'n'roll passei o dia escutando Chorinho, mas com o pensamento respeitoso aos adeptos daquele ritmo. Se houver um Dia Mundial ou, ao menos, brasileiro do Chorinho vou passar o dia escutando os mesmos Chorinhos para lembrar a minha homenagem ao Dia Mundial do Rock’n’roll...
Constatação XVI (Reminiscências...)
O engenheiro Karlos Rischbieter lançou no dia 1° de abril de 2008 o livro Fragmentos de Memória, abordando, dentre outros, aspectos da sua vida profissional. Nele, há referência a sua participação na vinda da Volvo para Curitiba. O que me suscitou a lembrança de um fato, com relação à fábrica de ônibus e caminhões sueca que ocorreu quando eu era empregado do BADEP – Banco de Desenvolvimento do Paraná S. A. Vamos a ela, pois:
Lá pela década de 70 fui instado a atender dois funcionários, ligados à comunicação social da Volvo sueca, que chegaram a Curitiba. Do aeroporto Afonso Pena levei-os para a Cidade Industrial de Curitiba, a fim de mostrar o terreno aonde iria se localizar a fábrica, como de fato veio a acontecer. Também para que vissem as indústrias já implantadas ou em fase de implantação. Na volta, passamos pela CEASA – Centrais de Abastecimento do Paraná S.A., o terminal abastecedor de alimentos, onde foi explanado como uma provável fonte supridora para o refeitório da empresa. Quando estávamos circulando pelo pátio da CEASA, os suecos se puseram a gritar: “Um caminhão Volvo! Um caminhão Volvo!” Saltaram do carro e começaram a tirar fotos de todos os ângulos possíveis e imagináveis de um caminhão Volvo, modelo da década de 50, que se encontrava estacionado. Copiaram o número do motor, do chassi, da placa, do certificado de propriedade. Abriram o capô, examinaram por cima e por baixo. Fizeram mil perguntas ao proprietário. Após solicitar que fosse posto em movimento, auscultaram o ritmo do motor. Enfim, fizeram um estardalhaço tal que até o guarda em serviço veio ver o que estava acontecendo. Também ele não deixou de levar sua lembrancinha da Volvo, àquela altura distribuída em profusão. Mormente ao dono do caminhão que já estava ficando tonto com toda aquela inesperada atenção.
Em certo momento, o proprietário – um catarinense dono de uma simplicidade e simpatia irradiantes – me chama ao lado e me pergunta:
-“Mas afinal, quem são esses caras aí?”
-“Esses ‘caras aí’ são funcionários da Volvo. Não sei se o senhor sabe, a Volvo vai implantar uma fábrica de caminhões e ônibus em Curitiba”.
-“Ah é? E vai demorar muito?”, tornou a perguntar.
-“Não. Acho que daqui a dois anos deverá estar pronta”.
-“Então será que o senhor poderia perguntar se, quando os caminhões estiverem prontos, eles me dariam um novo de presente?”
Constatação XVII (Homenagem a todos os cartunistas).
Não se pode confundir gênios com gêmeos, exceto no caso mais conhecido por Rumorejando dos gêmeos Caruso, os cartunistas. Tenho dito!
Constatação XVIII (Ah, essa falsa cultura).
O Incrível Hulk, cujo nome verdadeiro é Dr. Robert Bruce Banner, é um personagem conhecido das histórias em quadrinhos, criado por Jack Kirby e Stan Lee, em 1962, que se inspiraram em Frederico Garcia Lorca que escreveu Romance sonâmbulo que começa “Verde que te quero verde”.
Constatação XIX
E como dizia aquela bisavó que ainda lembrava-se do tempo, contado por sua avó que falava no Marechal Deodoro da Fonseca: “Efetivamente, está havendo uma deterioração dos costumes. Depois dos vestidos e blusas ‘tomara que caia’, hoje em dia se vê as mocinhas usando calça comprida que dá pra chamar com o mesmo nome e que, acho que se inspiraram no ator Mario Moreno, mais conhecido por Cantinflas.
Constatação XX (Quadrinha para ser recitada para senhores da assim chamada Terceira Idade, como exemplo da Teoria da Relatividade para principiantes).
Uma prostatite
Não é melhor,
Nem pior
Do que uma uretrite.
(Perdão, jovens leitores e também os nem tanto).
Constatação XXI
Tenho que ser franco:
Sendo velho freguês,
É um tormento
Pagar, ao banco
Trinta por cento
De juros, ao mês.
Constatação XXII (Análise combinatória de: Arranjos, Permutações e Combinações).
Tem obcecado que faz do amor um teatro;
Tem obcecado que faz do teatro um amor;
Tem amor que é obcecado;
Tem amor que é teatro.
Constatação XXIII (Dúvida crucial via haicai).
É muito dolorido
Ter um amor
Desabrido?
Constatação XXIV
Fiz uma seresta
Pra ela.
A mãe enfarruscada,
Enfezada
Apareceu na janela.
Acabou a festa.
Coitada.
Dela*
*Não ficou muito claro se “dela” se refere à mãe ou à filha. Afinal, a mãe também deixou de escutar minha maviosa voz.
Constatação XXV
E já que falamos no assunto, não se pode confundir voz com vez, muito embora no mundo, de maneira geral, e em nosso país, em particular, os pobres não têm vez nem voz ao contrário dos ricos que possuem as duas condições retro mencionadas. E, segundo alguns, inclusive, indevidamente...
Constatação XXVI (Ah, esse nosso vernáculo).
Quando ela pisa no meu calo, eu me abalo e não me calo. Se não, eu me ralo e tudo acaba no ralo. Então, eu falo. E tudo culmina com prejuízo do que falo e, claro, do meu pobre e inocente fal, digo, ato falho...
Constatação XXVII
Quanto ao tempo acabado,
A gente é originado
De algum antepassado,
Provavelmente casado
E de papel passado.
Constatação XXVIII
O monólogo
Com si mesmo
Descambou
Prum diálogo,
Sem prólogo,
Pruma discussão
Acirrada
Onde até rolou
Palavrão
A esmo.
Obviamente,
Apenas, não ocorreu,
Não aconteceu,
Pescoção
Ou bofetada
Tão-somente.
Coitada!
Constatação XXIX
Deu, certa vez, na mídia: “BRASÍLIA - O presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse nesses dias que o vazamento de informações de processos judiciais está generalizado e que são necessárias medidas que inibam essa prática. ‘Há deputados e senadores que vazam mais que chuveiro, tem ministros de tribunais superiores que falam mais com a imprensa do que nos autos, tem Polícia Federal que age fora da lei, tem Ministério Público que às vezes também abusa de sua autoridade’, criticou Chinaglia”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que S. Excia. não lembrou dos vazamentos que permite que escritórios de advocacia liguem pra casa das pessoas oferecendo serviços (20 a 30% de honorários), a fim de recuperar as diferenças dos Planos Bresser, Collor, etc. Indubitavelmente, foram funcionários de bancos que vazaram a lista de pessoas que podem auferir esses montantes. Aliás, o governo teria que obrigar os bancos a devolverem essas diferenças, independente de ter que se entrar em juízo. Passado o prazo, o dinheiro fica e ficou com os bancos. Afinal, isso não é grave, os bancos estão, com os juros que cobram e com os poucos funcionários para atender os pacientes clientes, só praticamente dobrando o seu patrimônio a cada ano. E viva “nóis”... E os banqueiros, é claro...


Nenhum comentário: