quarta-feira, 18 de novembro de 2015

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Para fechar as contas do governo não é necessário ser presidente da República como a senhora Dilma Rousseff, ser economista como o Ministro da Fazenda, senhor Joaquim Levy ou deputado como o relator do Orçamento para 2016, o Sr. Ricardo Barros. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que qualquer pessoa que conheça as quatro operações de adição, subtração, multiplicação e divisão, até bastando apenas as duas primeiras, estará, através do aumento dos impostos, apta para executar o mencionado fechamento das fossas profundas, digo, das contas, ocasionadas pelas escorregadelas aos bolsinhos* ocorridas...
*Bolsinhos = Quantia destinadas a pequenos gastos pessoais (Aurélio).
Constatação II (Dúvida crucial).
Será que a atual primavera em Curitiba está hibernando?
Constatação III
Deu na mídia: “Brasil é ‘exemplo para o mundo’ no combate à pobreza, disse, certa vez, o jornal dos EUA”, The Christian Science Monitor. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas “exemplo para o mundo” Rumorejando acha um bocado de exagero, ainda que se reconheça que jamais se viu algum presidente da República no nosso país, alegar estar preocupado com a pobreza a não ser em época de eleições. Aliás, analisando os últimos 10 presidentes do Brasil, antes e a atual, se pergunta o que foi que eles fizeram e estão fazendo mesmo?
Constatação IV
E já que falamos no assunto, vale lembrar o uruguaio Eduardo Galeano, lamentavelmente já falecido, que disse o óbvio: “Ao invés de se construir mais cadeias há que se construírem escolas”.
Constatação V
Ela tinha voz de soprano
Ele, de baixo.
Os dois, incluso,
Já cantaram
No HSBC, no coral,
Nas proximidades do Natal.
Casaram
Em dois altares
E logo, depois de um ano,
Ele confuso
Parecia faltar um parafuso.
Ela o achava obtuso.
Se separaram
Também por falta de programa,
De matéria-prima
Para os assuntos,
Na TV, falados.
E mais, a cama
Era de dois andares
E eles não dormiam juntos:
Ele dormia em cima;
Ela embaixo.
Coitados!
Constatação VI
A intensa desigualdade
No social e na Economia
Redunda em iniquidade,
Irmã gêmea da patifaria.
Constatação VII (Quadrinha de idade provecta).
Fui me exercitar na Academia Rabelo
Porque não se deve ficar estático.
Me deu câimbra nos olhos e no cabelo
E uma dor na unha e no nervo simpático.
Constatação VIII (Quadrinha desconsolada).
Joguei na megassena
Um punhado de dinheiro
De mim mesmo fiquei com pena
Só peguei um resfriado por inteiro.
Constatação IX (Quadrinha meio catártica).
Revi conceitos antigos
E cheguei a seguinte conclusão
Só tenho uma plêiade de inimigos:
Nove, zeros à esquerda e um bundão.
Constatação X
Foi o obcecado corvo
Que abordou a corva
Na curva: “Eu lhe estorvo?”
Constatação XI (Dúvida também crucial).
Marcha o pelotão.
Quem está de passo errado
Está no contrapé ou na contramão?
Constatação XII (Dúvida crucial assustadora).
Deu certa vez na mídia: “O São Paulo F. C. comprou Washington”. Será que o presidente Bush veio incluído no pacote?
Constatação XIII
E já que falamos nessa “otoridade”, ninguém havia se dado conta que para o lançamento de um simples sapato iria fazer tanto sucesso na população mundial de quase sete bilhões de pessoas...
Constatação XIV (Participação)
Participo, a quem interessar possa, que o meu time, o Paraná, ao ganhar de 1 a 0 do América de Minas Gerais, não corre mais risco para cair para a Terceirona. Outrossim e outro não, participo, também, que há 10 anos, aproximadamente, é a única alegria que o time me vem proporcionando. Sem mais para o momento sou Atos. Amos e Obos pela atenção. Respeitosamente. Juca.
Constatação XV (Dúvida crucial paradoxalmente quase certa).
Só jogar sapato nas ditas “otoridades” é um sonho de todas as gentes?
Constatação XVI
Ela se viu diante de uma charada:
Se desse, ficaria sem nada
Se não, ficaria com o mico na mão
Sem perspectiva de uma solução*.
*Rumorejando está averiguando exatamente o que ela estava a fim de dar. Tão logo saibamos, imediatamente daremos ciência aos nossos prezados leitores. Aguardem, pois.
Constatação XVII
Será que a máquina de calcular é neta da régua de cálculo e bisneta do ábaco?
Constatação XVIII
E já que falamos no assunto, prezado leitor, nunca esqueça e/ou vale lembrar que corrente de ar pelas costas e sogra pela frente faz muito mal à saúde.
Constatação XIX
Na Ucrânia o povo anda jogando políticos nas latas de lixo. Com toda a certeza, se lá como em certas cidades, existe a separação entre lixo que não é lixo e lixo que efetivamente é, Rumorejando acha, data vênia, é claro, que os políticos devem estar sendo jogados no lixo que efetivamente é...
Constatação XX (Dúvida não necessariamente crucial).
Uma péssima conduta
E/ou uma má permuta
Enseja palavrões,
Em profusão, aos montões
Nada batuta?
Constatação XXI
O candidato político joga flores a torto e a direito: Na época de eleições pra granjear votos junto aos potenciais eleitores; em outras épocas, em si mesmo.
Constatação XXII
E como elucubrava aquele cidadão de idade provecta com voz chorosa: “Mesmo quem tem o riso fácil, não acha graça na sua própria debacle”.
Constatação XXIII
E como elucubrava aquele outro cidadão de idade provecta com voz de timbre baixo: “Quando a gente fica velho adoece com facilidade e se cura com dificuldade”.
Constatação XXIV
E como elucubrava um terceiro cidadão de idade provecta que havia recém saído de um hospital e que já havia completado as bodas de ouro: “Quando a gente é liberado de uma hospitalização é por que recebeu alta. Quando eu terminei o serviço militar, eu recebi baixa; quando eu casei, recebi, durante mais de cinquenta anos, altas e baixas.
Constatação XXV
O Brasil para proibir a famigerada Farra do Boi, a Briga de Galo, de Canário de tirar animais do seu habitat demorou muito tempo. Falta, agora, proibir a prática da corrupção que já está demorando desde o seu descobrimento no ano de 1500... Vige!...
Constatação XXVI (Destrutibilidade).
E já que falamos no assunto, vale lembrar que, quando Saint Hilaire andou pelo nosso país, no começo do século XIX, cunhou a frase: “Ou o Brasil acaba com a saúva ou a saúva acaba com o Brasil”. Mutatis mutandis, como diriam nossos latinistas, ou o Brasil acaba com a corrupção ou a corrupção acaba com o Brasil. A Petrobrás, quase que estão conseguindo...
Constatação XXVII
E já que falamos em Saint Hilaire, ele, como botânico, tratou de repassar para a França os resultados que os nativos obtinham com a, digamos, fitoterapia e também o repasse de mudas da nossa flora, sem dúvida numa espécie de afano, o que convenhamos para um religioso ou para qualquer mortal não ornava nem um pouco... Vige!
Constatação XXVIII
Deu na mídia: “Perfume com cheiro de hambúrguer vira sensação nos EUA”. Data vênia, como diria nossos juristas, gosto não se discute, mas isso já é ser viciado em hamburguer. Sem dúvida, merecem ir para o Guiness Book de Recordes. De mau gosto, é claro...
Constatação XXIX
Estacionou o carro no motel
Prenuncio de felicidade a granel
Que se vive perseguindo sem quartel
Não no sentido de sargento ou coronel,
Mas para passar uma espécie de lua-de-mel
Sem casamento com grinalda e véu.
Constatação XXX
Será que os fantasmas quando vêem os vivos eles acham que estão vendo fantasmas?
Constatação XXXI
A chave de certos corações empedernidos
Estão em lugares incertos e não sabidos
Totalmente ocultos, furtivos e escondidos,
Esperando, talvez, por chaveiros destemidos
Que disponham de ferramental bem compridos
Passíveis de abrir até ferrolhos bem prevenidos.
Constatação XXXII
Foi o elefante
Que advertiu a manada:
“Não se aproximem, nenhum instante,
Da Dumba, minha namorada”?
Constatação XXXIII
E foi o cavalo,
Embevecido,
Que disse pra namorada,
Que ficou extasiada:
“Quando você rincha
No meu ouvido
Meu ego incha
E eu, comovido,
Me abalo,
Suspiro e me calo”.
Constatação XXXIV
A carne é fraca quando a tesão é forte. Portanto, inversamente proporcional; quando a tesão é fraca, a venda de farmacos é forte. Também inversamente proporcional; quando a carne é forte a venda de farmacos é fraca. Portanto ainda inversamente proporcional.
Quando a carne é forte e a venda de farmacos também é que existe um surto de alguma doença pela região. Diretamente proporcional, portanto...
Constatação XXXV
Vamos mais cedo pra cama?
Ele pelo telefone a convidou
Tenho que manter a minha fama
Que até hoje nunca se abalou.

Eis que ele fica perplexo
Com o que ela contestou:
“Você vive pensando em sexo
Só quando eu não estou”.

“Ledo engano, minha querida
Você está se esquecendo:
Na última vez deu uma dormida,
Quando eu estava me aquecendo”.

“Teu aquecimento de mais de uma hora
Não chegou nem um pouco a adiantar
Daí você se desculpou: vamos embora
Que o frio curitibano tá de rachar”.
Constatação XXXVI
Aí, o esquartejador explicou para os seus atentos alunos: “Essa história de que o corpo humano se divide em cabeça, tronco e membros é pura balela”.
Constatação XXXVII
A aprovação da aposentadoria dos deputados por eles mesmos deveria constar nos compêndios de moral e ética. E o corporativismo para não cassar um colega que, comprovadamente, pôs a mão no jarro, também. E novamente viva “nóis”!
Constatação XXXVIII
Entrou em litígio
Com a namorada
Alegou desprestígio.
Coitada!
Coitada?
RICOS & POBRES
Constatação I
Rico é cremnófobo*; pobre vive apoiado no vazio.
*Cremnofobia = “medo mórbido de precipícios, em geral seguido de vertigem”. (Houaiss).
Constatação II
Rico é capaz; pobre, ineficaz.
Constatação III
Rico é incorruptível; pobre é vendido.
Constatação IV
Rico é lépido; pobre é lento.
Constatação V
Rico tem medo de ser assaltado e se assusta com a própria sombra; pobre sofre de fofobia*.
*Fofobia = “medo dos próprios medos”. (Houaiss).
Constatação VI
Rico tá concernido no Sistema; pobre, tá por fora.
Constatação VII
Rico ofega; pobre, bufa.
Constatação VIII
Rico é cintilante; pobre é apagado.
Constatação IX
Rico é aerófobo*; pobre vive na corrente de ar.
*Aerofobia = “horror mórbido ao ar livre e às correntes de ar”. (Houaiss).
Constatação X
Rico sofre de claustrofobia; pobre, basta ficar só com a sogra para se apavorar.


Nenhum comentário: