quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
De repente, não mais que de repente, um político e um banqueiro se deram mal. O fato, pelo seu ineditismo, chamou a atenção geral. Afinal, desde o ano de 1500, como se sabe, ano do descobrimento do Brasil, ninguém deste, digamos, quilate havia ficado abaixo do bem e do mal. Vige!
Constatação II
O politicamente correto efetivamente é correto? Se é, tem se mostrado como tal? Para este assim chamado escriba o politicamente correto, quando defendido por políticos, demonstra que, sempre, eles estão redondamente, ou melhor ‘quadradamente’ enganados. Por favor, comentários no blog dos nossos prezados leitores. Obrigado!
Constatação III
O assim chamado Trio de Ferro, constituído pelo Atlético, Coritiba e Paraná, em 2015, andou meio correndo o risco de ficar enferrujado?
Constatação IV
Data vênia, como diriam alguns juristas, absolutamente não todos, mas Rumorejando acha que alguns advogados que estão sendo presos vão precisar de outros advogados para defendê-los. Dependendo do caso, poder-se-á, desse modo, inventar uma das maneiras do sempre pesquisado e almejado moto-perpétuo. Vige!
Constatação V (Diálogo entre dois obcecados).
-“Ele deu vazão
Ao seu amor represado.
Aí, passou a mão”...
-“Aonde?! Aonde?!
-“Calma! No violão
E tocou um xaxado.
Foi um achado.
Ela abriu”...
-“O que?! O que?!
-“Peraí. A tampa do piano
E o acompanhou no teclado.
O sarau acabou na grama
E continuou na cama
Como era o seu* plano.
Ele sorriu,
Como um aristocrata barão;
Ela riu,
Não um riso amargo,
Mas um riso bem largo
Sem um senão.
-“Do quê? Do quê?”
-“Calma! Do rangido musical,
Semitonal
Das molas.
Ora bolas!”
-“Como é bom,
Puxa! Como é supralegal
Quando a gente ama!”
*Não ficou claro se o plano de acabar na cama foi dele, dela, ou, coincidentemente, dos dois. Quem souber, por favor, informações para o e-mail deste assim chamado escriba para podermos dar ciência aos nossos prezados leitores. Obrigado!
Constatação VI
Foi a pernilonga
Que disse para o pernilongo:
“Antes de, vamos dançar uma conga”?
Constatação VII
E foi o encabulado
Que fez um gesto obsceno
Desmesurado?
Constatação VIII (De razões e proporções matemáticas).
O capitalismo não evita o capitalismo selvagem e o comunismo não evita a utopia. Daí pode-se inferir que o capitalismo está para o selvagem, assim como o comunismo para a utopia. Donde se conclui que o capitalismo é igual ao comunismo multiplicado pelo selvagem e dividido pela utopia e o comunismo é igual ao capitalismo multiplicado pela utopia e dividido pelo selvagem. Elementar, minha gente!
Constatação IX (Dedicado aos meus caros amigos Marina da Silva, Sergio Gugisch Moreira, Paulo Roxo Barja, Helio Rodriguez e a minha neta Giovanna Zokner Gonçalves).
E já que estamos no terreno da matemática, o sinônimo é o inverso do antônimo e vice-versa. Logo se pode escrever que sinônimo = 1/antônimo ou antônimo = 1/sinônimo. Donde se infere que sinônimo multiplicado por antônimo = 1. Por outro lado (qual lado?), sabe-se, pela trigonometria, que sen²x + cos²x = 1. Portanto sen²x + cos²x = sinônimo.antônimo. Também elementar, minha gente.
Constatação X
O magriço
Engordou,
Depois que passou
A comer chouriço.
E de tanto comer
Ficou doente
E voltou a emagrecer,
Ficou depauperado,
Abatido,
Esgotado,
Enfraquecido.
Definhou
Combalido.
Coitado!
Constatação XI
Amor que começa
Em idade prematura
E depois atravessa
A idade madura
E ainda sem usura
Tanto perdura
Que até parece loucura.
Mas não. Não é. É candura.
Constatação XII
Foi o pulgo que disse pra pulga: “Vamos dar uma plugada?”
Constatação XIII
Deu na mídia: Depois do recesso parlamentar os congressistas e os vereadores voltarão para trabalhar. Nunca fica claro em benefício de quem...
Constatação XIV (Diálogo inverossímil, mas um tanto quanto catártico).
-“V. Excia. me permite um aparte?”
-“Como não. V. Excia. é amigo. E não um amigo urso”.
-“Antes que, com sua ladainha, eu me farte,
V. Excia. não quer encerrar o seu discurso?”
Constatação XV
Quem joga paciência,
Na hora do expediente,
Não precisa mais ciência
Pra chegar à presidente?
Constatação XVI (Pré-natalino).
O giro financeiro
Deixou-a meio tonta.
Mas que azar!
No mês de janeiro
Só apareceu conta.
Pra pagar.
Constatação XVII
Pais liberais,
Filhos bestiais;
Pais intransigentes,
Filhos gentes.
Constatação XVIII
Foi a tabua de logaritmo
Que perdeu
Status e ritmo
Quando apareceu
A máquina de calcular
Científica no seu lugar?
Constatação XIX
E como apregoava, poetando, o obcecado:
“É preciso ter um desempenho
Impecável, pecável e exemplar
Com muito empenho
Na hora de amar”.
Constatação XX
Na garrafa, o conteúdo
Era tão pouco
Que era só de pagar miúdo
E ainda pedir o troco.
Constatação XXI (Quadrinha mediática, quer dizer para fazer média).
Das loiras, fala-se mal,
Maldosamente, é claro.
Mas dos homens, em geral,
Falar bem é muito raro.
Constatação XXII
Hélio Leites, quem não o conhece não aquilata o que está deixando de curtir da inteligência deste artista. Tenho dito!
Constatação XXIII
Engendrou
Um golpe de mestre.
Se ferrou.
Ela o chamou
De burro,
De dar um zurro
De ser um equestre.
Constatação XXIV (Ah esse nosso vernáculo).
Gazeou a aula para gazetear, isto é ler a Gazeta dos Esportes.
Constatação XXV
Botou uma pitada de sal,
Ao invés de algo mais suave
No relacionamento amoroso
Isso ocasionou um grande mal:
A bola não entrou. Bateu na trave.
E ela: “seu pseudoparenquimatoso”.*
*Pseudoparenquima = “massa de hifas densamente entrelaçadas, própria dos fungos, e que, em corte transversal, apresenta aspecto semelhante ao dos tecidos das plantas superiores” (Houiass). [Elementar, prezados leitores!]
Constatação XXVI (Autoelogio).
“Um portento”,
Disse o centro-avante,
“Esse meu tento
Aí, no fundo do barbante”.
Constatação XXVII
Este assim chamado escriba, chimarrólatra, desde os tempos imemoriais, está se dando conta que até a erva-mate está sendo manipulada com produtos, digamos, alienigenas, estranhos, fora do contexto. E viva “nóis”.
Constatação XXVIII (Ah, esse nosso vernáculo).
Onde anda indo?
Constatação XXIX
Deu certa vezna mídia: “O banco Bradesco teve um lucro líquido de 7,620 bilhões em 2008. O diretor-presidente do banco, Sr. Márcio Cypriano, disse que o spread – diferença entre a taxa de captação e os juros cobrados nos empréstimos – não é absurdo nem exagero”. Data vênia, como diria nossos juristas, mas Rumorejando acha que banqueiro não pensa como nós, simples mortais. O pensamento de um banqueiro é bem mais elevado...
Constatação XXX
“Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade”. Existe?
Constatação XXXI
Quando iam para o motel,
Levando um baita farnel,
Constituído por empada,
Coxinha e pastel,
O carro atolou
Num banhado.
Ele empurrou
Ficou
Todo molhado,
Todo sujo
E enlameado
Pra tentar
Desencalhar
O dito cujo.
E ela, ainda,
Muito linda,
Toda assanhada,
Tirou
Um sarro
O que o deixou
Amuado,
Emburrado,
Contrariado.
Coitado!
Coitada!
Constatação XXXII (Ah, esse nosso vernáculo).
A rapariga, muito da pândega, saiu, trêfega, na hora da bátega* e de uma forte refega**. Molhou uma nádega. Coitada!
*Bátega = ”pancada de chuva; aguaceiro” (Houaiss).
Refega = “pé-de-vento tormentoso e veloz” (Houaiss).
Constatação XXXIII (De uma dúvida crucial).
Caminhos cruzados é o título de um livro do escritor Érico Veríssimo ou é quando te aborda um cara mal-encarado com uma arma na mão tão logo você sai do banco, ou, talvez, os dois?
Constatação XXXIV
E já que falamos no assunto, a expressão bala perdida, sob a ótica de um malfeitor, é indevida já que acertou em alguém?
Constatação XXXV
Quando o obcecado
Descobriu
Que o seu amigo
Havia abjurado
De sexo
Ficou
Perplexo.
Induziu
Que o infeliz
Era um perigo
E o considerou,
Como nunca quis,
Proscrito
E um apóstata.
E refletiu,
Com um esgar:
“Deve estar
Num dilema
Ou desviado
Ou com um problema
Na próstata”.
Constatação XXXVI (Ah, esse nosso vernáculo).
O Supremo Tribunal Eleitoral opô-se a posse. O candidato ficou possesso e ainda responde a um processo.
Constatação XXXVII
Foi o pão dormido que teve um sonho que havia virado um croissant?
Constatação XXXVIII
E como altercava com o namorado aquela torcedora de Flamengo:
Você ë um carrasco,
Só me dá asco,
Deve ter casco.
Com você só me lasco
E ainda é torcedor do Vasco.
Constatação XXXIX
Não se pode confundir impelir com impedir, até porque cada uma destas palavras também pode ter o mesmo sentido que a outra. Basta ver no dicionário Houaiss ou Aurélio ferramentas de trabalho deste assim chamado escriba.
Constatação XL
Foi a lua cheia que cruzou com a nova no quarto crescente e a chamou de minguante*? Ou foi o sol a pino que na alvorada marcou novo encontro com a noite no crepúsculo?
*Minguante = “perda da antiga prosperidade, poder, beleza, saúde, etc.; decadência, declínio” (Houaiss).
Constatação XLI (Dúvida crucial meio confusa).
O retrato falado foi o sucessor do cinema mudo?
Constatação XLII (De outra dúvida crucial).
As famosas de quaisquer nacionalidades que são flagradas “mostrando demais”, será que na ótica delas e de obcecados ou não, todos não podem estar achando que elas mostraram de menos? Quem souber a resposta para tão imprescindível assunto, do qual depende o futuro da Humanidade, por favor, também comentários no blog. Obrigado!

RICOS & POBRES
Constatação I (Colaboração do meu grande amigo Sérgio Antunes de Freitas, de Brasília).
“Mulher rica fica nua; mulher pobre fica pelada”.
Constatação II
Rico é indulgente; pobre, intransigente.
Constatação III
Rico abusa do poder; pobre, da sorte.
Constatação IV
Rico utiliza oxímoros*; pobre, frases incoerentes.
*Oxímoros = “figura em que se combinam palavras de sentido oposto que parecem excluir-se mutuamente, mas que, no contexto, reforçam a expressão (p.ex.: obscura claridade, música silenciosa); paradoxismo” [Houaiss].
Constatação V
Rico é assaz silencioso; pobre é extremamente ruidoso.
Constatação VI
Rico faz altos negócios; pobre, escusos trambiques.
Constatação VII
Rico é calmo; pobre é briguento.
Constatação VIII
Rico é imponente; pobre, é insignificante.
Constatação IX
Rico é insubstituível; pobre é dispensável.
Constatação X
Rico merece consideração; pobre faz por desmerecer.



Nenhum comentário: