quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
Este assim chamado escriba, que está próximo da idade provecta de 80 anos, ao se queixar ao seu médico algum desconforto, dor ou desempenho, escuta, às vezes, como resposta, que são fatos inerentes “aos encantos da velhice”.
No livro O Fim do terceiro Reich, de autoria de Ian Kershaw, é relatado que, em fevereiro de 1945, portanto já no fim da guerra, quando os soldados alemães começaram a debandar, prevendo a derrota, foi solicitado a alta cúpula providências de “esquadrões de interceptação” para recolher soldados em retirada, enviando-os de volta ao “prazeroso cumprimento do dever”.
Comentários de Rumorejando: “Encantos da velhice”, o caral, digo, o baralho. Quanto o comentário dos soldados alemães, deve ter sido o mesmo. Só que no idioma lá deles...
Constatação II
E como apregoava aquela viciada em assistir também o BBB na televisão: “Quem não assiste o BBB16 é quase certo que não vai para o céu. Vai para o inferno. Eu já garanti o meu lugar”. Comentário de Rumorejando: “Vige!”
Constatação III
Ao gracejo
Ela respondeu,
Rapidamente,
Como um meteoro,
Com um sonoro
Bocejo,
Tão-somente.
Aí ele perdeu
O rebolado.
Coitado!
Constatação IV
Com relação ao seu pedido de aumento,
Alegando a vinda próxima de um rebento
E o substancial e exagerado aumento
Do aluguel do seu apartamento,
Tenho a informar o seguinte argumento,
Que se refere ao posicionamento
Do meu Departamento:
Ultimamente o seu comportamento
De incitar os colegas a um movimento
De paralisação por um momento
Ou os trabalhos de retardamento
Da entrega das partidas de cimento
Revelando descumprimento
Da política de nosso enriquecimento,
Obriga-me a recusar o seu intento.
Sinceramente lamento.
Sem mais para o momento,
Apresento meu respeitoso cumprimento.
Antônio dos Anjos Sarmento
Ex - Primeiro Sargento
Do 2º. Batalhão de Provimento.
Constatação V
Aquele edifício,
Onde habitava
Gente não pontifícia,
Parecia um dentifrício:
Numa batida da polícia,
Rolava nada de carícia,
Pois ela apertava
A caterva
Aí, saía muita erva.
Nada a ver com erva-mate
O que seria um disparate,
Pois tomar um simples chimarrão
Absolutamente não é infração.
Constatação VI (Ah, esse nosso vernáculo ou como ensinar o a, e, i, o, u versejando, preferencialmente, para adultos).
Por causa de um perjúrio
De um mau augúrio
O cartorário
Teve um delírio,
Condenatório,
O que foi um martírio,
Além de um mistério
Que seu itinerário
Para o purgatório
Antes passava pelo cemitério.
Constatação VII
Encheu o bandulho
Com uma macarronada
Antes de visitar
A namorada.
A barriga se pôs a fazer barulho,
A roncar
Bem na hora de beijar
A idolatrada
A tão amada
Que caiu na risada
O que fez o encanto
Esmorecer.
Ficou chateado.
Estava nas preliminares
Naquela sublime ação
Da bolinação
Que afasta até azares
E que deveria acontecer,
Ou que se supõe suceder
Em todos os lares.
Pra não enroscar,
Já tinha tirado
Até os anéis e colares.
Teve que recomeçar
Com novo canto,
Com novos cantares.
Coitado!
Constatação VIII (Uma historieta).
A família era constituída pela mãe, o pai e quatro filhos, duas meninas e dois meninos. Tinham o habito de comerem todos juntos, ao contrário do que vem acontecendo na maioria das famílias. Mas isso já é outra história ou historieta que absolutamente, agora, não vem ao caso. A mãe mandou fazer uma mesa sextavada. Assim, cada um dos componentes sentava num dos lados do hexágono, no seu lugar já consagrado. Um dia, a filha mais velha trouxe o namorado para jantar. Era o professor da academia de ginástica, do tipo dois metros de altura por dois metros de largura. Quando começaram a comer, depois de dar um jeito de encaixar o namorado na mesa, se deram conta que teriam, nas próximas vezes, tirar os outros três filhos para irem comer na cozinha. É que o namorado comia com os cotovelos formando 90º com o corpo. Coitado! Coitados!
Constatação IX (Teoria da Relatividade para principiantes).
É muito melhor ter os olhos de rato e o sorriso da Mona Lisa do que os olhos da Mona Lisa e o sorriso de rato.
Constatação X (Pergunta ao meu amigo, o professor Luiz Gonzaga Paul).
Por que palavras como período, bugio, vazio e tantas outras a letra ‘o’ tem o som de ‘u’?
Constatação XI (De diálogos tipo mea-culpa).
-“A minha mulher é uma santa!”
-“Por que? Ela faz milagres?”
-“Sim. Ela faz o milagre de me aturar”.
-“Ah!”
Constatação XII
O eterno cordato
Acaba virando
Um pato
De quando em quando?
Constatação XIII
“Sinergia”, explicava o obcecado para a sua mais recente conquista, “é dizer sim com toda a energia para as minhas benévolas propostas”.
Constatação XIV (De diálogos meio confusos e consequentemente pouco esclarecedores).
-“Ela tirou o corpinho. Revelou assim todo o seu antológico corpinho. Que eu cobri com o meu corpão”.
-“Cobriu o corpinho ou o corpinho?”
-“O corpinho”.
-“Ah, bom!”
Constatação XV
Era um político duplamente baixo: De altura e de propósitos.
Constatação XVI
E como poetava aquele filho para a sua – dele – intrometida mãe: “Não me impinja uma calipígia como é o caso da Ligia; não infrinja meu direito de escolha. Não seja bolha”.
Constatação XVII
Não se deve confundir ritual com atual, muito embora, ficou, em certos países, um ritual nos três Poderes da República, no âmbito federal, estadual e municipal, inclusive de maneira desmedida no tempo atual, a corrupção, meter a mão no jarro, cobrar sobre preço em prestação de serviços para os governos, lavagem de dinheiro, propina e assim por diante. Basta ver as notícias diariamente onde se pode constatar que não há dia que não ocorram o acima mencionado. Até quando?
Constatação XVIII
E já que falamos no assunto, em certos países a corrupção, a violência, as faltas de investimentos na Educação e na Saúde passam a ser tratadas de modo extremamente trivial.
Não deixa de ser uma espécie de ‘Banalização do Mal’, expressão criada por Hannah Arendt (1906-1975), teórica política judia-alemã, em seu livro Eichmann em Jerusalém.
Constatação XIX
E ainda já que falamos sobre o assunto: Sugestão de slogan para o atual governo e alguns anteriores: Sorria, mesmo que você continue perdendo a tua cidadania e respectivos direitos...
Constatação XX
E já que falamos em slogan, o corruptor criou o seu: “A facilitação sobreviverá e continuará estoicamente”.
Constatação XXI
Ainda comentando sobre a corrupção e agregados: O que tem de governante catimbando –  mais do que jogador de futebol para não ser pego pela justiça e, na eventualidade de estar ameaçado de ser preso – não está escrito em gibi algum...
Constatação XXII
E como elucubrava aquele ancião, amante da matemática: “A disfunção erétil deveria ser inversamente proporcional à libido ou, se preferirem dizer de outra maneira, como, por exemplo, a ereção deveria ser diretamente proporcional à libido”.
Constatação XXIII (De uma dúvida não necessariamente crucial).
Quando um senhor idoso, sem ser rico, se mete com uma jovem, ele demonstra ser um otimista incorrigível?
Constatação XXIV (De mais uma dúvida crucial via pseudo-haicai).
Postura eminentemente destoante
É o cara de smoking ao invés de cinto
Amarrar as calças com um colorido barbante?
Constatação XXV
Algumas pessoas, pais e mães ameaçavam seus filhos, caso não obedecessem com o carro forte que assim era chamado, naquele tempo, o camburão. Eles achavam que era menos grave do que ameaçar com “o bicho-papão vem te pegar”. Talvez o estrago na criança fosse menor do que o bicho-papão. O trauma, nas duas opções deve ter ficado, mas o carro forte devia ter maior e melhor efeito por que era passível de ser visto. Já o bicho-papão... Vige!
Constatação XXVI
Vivia apreensivo.
A mulher, um dia,
Cortou a sua alegria,
Embora o seu empenho,
Face o seu pífio desempenho.
Chamou-o de morto-vivo,
Tendo acrescentado:
“Mais morto do que vivo”.
Coitado!
Constatação XXVII (De diálogos esclarecedores, embora inverossímeis).
Contou um obcecado velhinho para outro obcecado, também velhinho:
-“Aí ficamos uma semana na praia”.
-“Uma semana?! Puxa! E quantos felizes eventos por dia?”
-“Dois. Um de manhã e outro à noite”.
-“Barbaridade tchê! (Este velhinho era gaúcho). E foram todos os dias?”
-“Sim. Mas de vez em quando era uma vez e meia por dia”.
-“Uma vez e meia? Como assim?”
-“É que eu me esquecia de tomar o remédio”.
-“Ah bom! Quer dizer, ah ruim, quer dizer...”
Constatação XXVIII (Ah, esse nosso vernáculo).
Ele foi pilhado com uma pilha de pilhas de lanterna na mão. Que pilhantra, digo pilantra!
Constatação XXIX
Tenho um conhecido que, quando era pequeno, vinha, em companhia de sua mãe, na minha casa, a fim de que ela conversasse sobre assuntos culinários com a minha mulher. Ele, como acabava de ficar, diga-se, na moda usava dois brincos, um em cada orelha (poderia ser dois em uma orelha, como se vê por aí). A fim de enticar com o garoto, perguntei se havia aquele tipo de brinco para homem. Ele, na sua timidez, não soube o que responder. Aí, eu, num gesto altruísta, ensinei a ele as duas respostas inerentes a pergunta agressiva:
-“Olhe. Se você quer ser educado, você simplesmente responde: -“Não estes aqui foram os últimos”; se você quiser ser não tão educado, você responde, fazendo a seguinte pergunta: -“Por que? Você esta querendo dar para o seu?” Muitos anos mais tarde cumprimentei o ex-garoto que havia recentemente retornado da sua lua-de-mel. Na ocasião, contei a ele toda a história, relatada acima, citando da sua, na época, timidez. E ele, empostando a voz retrucou incontinente: “É mais agora eu não sou mais tímido”...

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico é caloroso; pobre, nebuloso.
Constatação II
Rico ganha cafuné; pobre, pontapé.
Constatação III
Rico fica fulo de raiva; pobre p. da vida.
Constatação IV
Rico exerce uma chefia; pobre tem um surto de megalomania.
Constatação V
Rico gargalha; pobre, sorri amarelo.
Constatação VI
Rico é galanteador; pobre, mete os pés pelas mãos.
Constatação VII
Rico pragueja; pobre diz palavrão.
Constatação VIII
Rico joga em cassino de Las Vegas; pobre, joga truco no intervalo de meia-hora do almoço.
Constatação IX
Rico viaja para assistir Real Madri x Barcelona; pobre, vai assistir o meu Paraná.


quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (De uma dúvida não necessariamente crucial).
Para quem é prepotente, pedir desculpas significa ter dobrado a coluna?
Constatação II
Não só o Brasil inteiro fica triste, compungido, macambúzio, infeliz com uma eventual derrota, preferencialmente acachapante, da Argentina. A América Latina inteira também.
Constatação III
Da Wikipédia: “Economista inglês Thomas Malthus elaborou uma teoria que afirmava que a população iria crescer tanto que seria impossível produzir alimentos suficientes para alimentar o grande número de pessoas no planeta. Dentre suas obras, a principal foi o Princípio da População. Para Malthus, a produção de alimentos crescia de forma aritmética, enquanto o crescimento populacional crescia de forma geométrica. Para ele, o mundo deveria sim ter doenças, guerras, epidemias, ele também propôs uma política de controle de natalidade para que houvesse um equilíbrio entre produção de alimentos e população”.
De Rumorejando: Em certos povos há controle de natalidade, há doenças, epidemias. Quanto a guerras, estas jamais cessaram no mundo. A produção de alimentos seria suficiente se não houvesse desperdício e não houvesse distorção da renda. E políticos, claro.
Constatação IV (Anúncio não obrigatoriamente da assim chamada Oposição que se finge de vestal, mas que também tem culpa em cartório).
Aguarde breve neste país novo escândalo com novas personagens.
Constatação V
Os caixas eletrônicos facilitam a vida das pessoas. Às vezes, para alguns, há que se ter um pouco mais de trabalho a fim de explodi-los.
Constatação VI
A lipoaspiração continua fazendo vítimas. Da violência, nem falar...
Constatação VII (De uma falácia comparativa).
E já que estão chegando os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, vale lembrar como ficou tão claro, tão óbvio, tão axiomático quando o americano Jesse Owens desmistificou, em 1936, nos Jogos Olímpicos, na Alemanha, a inferioridade da raça negra e a superioridade da raça ariana como Hitler apregoava elas serem, também naquele evento.
Constatação VIII
Postura
Com os políticos?
Sejamos analíticos:
Merecem compostura.
O que a mídia mostra
E pouco acentua
De falcatrua
É só uma pequena amostra.
As demais, caro leitor,
Conclua:
Quase ninguém
Se abstém.
É um pavor.
Constatação IX
Olhar no espelho, eu evito.
O meu grau de intolerância
Está beirando o infinito.
Constatação X
Plantava flores no seu jardim para ver borboletas, abelhas e besouros volutearem em torno delas. Queria aprender a voar. Real e efetivamente. Nada a ver com os seus sonhos...
Constatação XI
“Você é uma mulher
Ou uma ratazana”,
Disse a mãe pra filha
“Dê um chega pra cá
E não para lá
Naquele banana.
Pois é o que ele quer.
Com isso você não se humilha.
Bote uma roupa bem decotada
Que ele virá
Que nem louco pra essa empreitada”.
Constatação XII
Eu fiquei mudo
Quando, de despedida,
A fingida
Me deu um abraço
E disse: “Como na canção,
Eu descrente de tudo
Só me resta o cansaço.
Quer saber,
Não sou seu palhaço.
Vá lamber
Sabão”.
Constatação XIII
Esse que você chama,
Que você proclama
De seu preclaro amigo,
Que é cioso
Com seu próprio umbigo,
É um mafioso,
Um mentiroso
Que eu sempre desdigo.
Constatação XIV
Na Câmara Federal, aquele deputado era duplamente comissionado: Fazia parte de uma comissão e eventualmente ganhava a dita cuja por batalhar e conseguir a aprovação de algum negócio para si, para os parentes e amigos.
Constatação XV
Não se pode confundir característica com casuística, muito embora em certos países a característica do seu povo não seja uma questão casuística. É falta de ética, moral e outras “cositas” desse jaez.
Constatação XVI (De conselhos úteis).
Não queira transferir para outrem as tuas verdades só porque você as considera incontestes. Elas podem ter se revelado, no passado, deslavadas mentiras. Analogamente, no presente e no futuro. De nada!
Constatação XVII
O retruca só retruca o seu superior quando este permite que ele seja o quarto jogador de um jogo de truco e esteja jogando contra ele. Em outros casos será considerado indisciplinado e poderá até pegar uma cana por insubordinação.
Constatação XVIII
O religioso lia uma parábola; o professor de geometria analítica explicava aos alunos a equação da parábola; no campo de futebol, um jogador de futebol batia um escanteio e a bola descrevia uma parábola. Por outro lado (qual lado?), os planetas do sistema solar descreviam órbitas elípticas. No interior dos corpos moléculas, átomos, mésons, prótons e nêutrons não ficavam atrás. A hipérbole, sem tanta notoriedade, sofria, quase morrendo de inveja. Coitada!
Constatação XIX (Uma historieta).
Tão logo se formou em Direito, o jovem abriu um escritório na sua pacata cidade natal. Criou um slogan, usando o que lhe foi aconselhado por entendidos no assunto que era o seguinte: O Defensor das Causas Justas. Como gostava de se vestir com terno e gravata como é de praxe o uso de tal indumentária pelos advogados, usando as calças dos ternos bem justas, como era moda na cidade onde estudou e se formou, o povo logo passou a chamá-lo do Defensor das Causas Justas e das Calças Justas. Nos dois primeiros casos que interveio não foi feliz e o pessoal, maldosamente, sem que ele soubesse, passou a cognominá-lo de Defensor das Causas Perdidas. Era um sujeito com boa estampa e não faltou que as mulheres passassem a olhá-lo com interesse, tanto como bom partido para casamento – um doutor! – como um amante. Certa vez, estando na cama com uma senhora casada, eis que o marido aponta com o seu carro, mais cedo do que de costume, no portão para entrar com o carro na garagem que ficava nos fundos. “Vou me esconder no guarda-roupa”, ele disse todo aflito. “Não. Tá muito batido esse esquema. Pule a janela do quarto e saia pelo portão pra rua, pois ele costuma entrar pela cozinha, enquanto eu escondo tuas roupas”. E assim ele fez. Não faltou quem o visse sem as calças se esgueirando pela rua para chegar num terreno baldio com o mato cerrado para esperar que a cidade adormecesse para chegar a sua casa. Aí, sucedeu uma nova mudança no slogan-apodo: Defensor das Causas e das Calças Perdidas. Coitado!
Constatação XX
Segundo comentário de um amigo que trabalhou no Japão, o marido, quando chega tarde a casa, não leva bronca da mulher até por que o regime, de modo geral, é patriarcal independente de ela ter sido gueixa ou coisas afins. A exceção à regra, à semelhança de certos países e lugares é ele ser recebido qual um ‘tsunami’, pororoca e coisas afins... Vige!
Constatação XXI (De diálogos esclarecedores).
-Aonde que vocês almoçaram?
-Num restaurante vegetariano.
-Estava boa a comida?
-Estava.
-Era bufê?
-Era.
-E cobravam por quilo?
-Não. Podia comer a vontade.
-E tinha muita gente?
-Quando a gente chegou, não. Mas quando fui me servir pela sétima vez, aí já estava...
-Ainda bem! Sétima vez, você falou?
-Sim. Por que está perguntando?
-Nada, não. É só para ver se eu tinha ou não entendido direito.
-Ah, bom...
Constatação XXII
Vai começar o campeonato estadual
Aonde meu Paraná vai se apresentar
Torço para que ele não se dê mal
E alguma vez ou outra também ganhar.
Constatação XXIII
E já que citamos o nome Wanderley, logo abaixo, vale lembrar o que ocorreu com este assim chamado escriba com relação ao amigo Wanderlei Silva, o lutador, que durante certo tempo nadou numa escola de natação também por mim frequentada. Nunca deixei de dizer, ao cruzar com ele, que havia batido na bunda de cara mais forte do que ele. Wanderlei ria e me ameaçava arrancar minha barba, mas isso já é outra história. Visitando a minha filha que mora nos Estados Unidos resolvi estender a visita para Quebec, a fim de visitar um grande amigo haitiano e sua mulher chinesa que lá vivem. Ao retornar aos Estados Unidos, após uma semana no Canada, o policial que me atendia, olhando meu passaporte, solicitou um papel que eu teria de ter preenchido. Contestei que no avião só me deram outro de determinar cor. Quando o policial constatou que eu era de Curitiba, ele me perguntou se eu conhecia Wanderlei Silva. Aí, contei que tínhamos sido colegas de natação e a história das ameaças recíprocas. Daí, em diante, o policial pediu ao seu colega para me acompanhar até determinado local onde havia o documento a ser por mim preenchido. Os comentários que o policial fez a Wanderlei foram extremamente laudatórios, revelando o quanto ele era seu admirador. Ao nos despedirmos ele fez questão de me acompanhar até a saída, fazendo questão de carregar a pequena valise que eu portava. Até hoje não cruzei mais com o amigo Wanderlei para poder relatar a ele todos esses fatos. Se alguém puder me ajudar a encontrar suas coordenadas ou transmitir o acima escrito agradeço, desde já, a gentileza.
RICOS & POBRES
Constatação I
Rico fica circunspecto; pobre não abre a boca.
Constatação II
Rico disserta sobre assuntos relevantes; pobre fala abobrinha.
Constatação III
Rico tem adversários; pobre, inimigos.
Constatação IV
Rico é empreendedor; pobre, é batoteiro.
Constatação V
Rico semeia uma rosa, dos ventos, e colhe uma brisa de pétalas; pobre, semeia uma rosa, dos ventos, e colhe uma tempestade de espinhos.
Constatação VI
Pobre dá nome para o filho com letras incomuns, como, por exemplo, Wanderley assim mesmo com W e Y, ao invés de com V e I; rico não usa o nome Wanderley por achar que é nome de pobre...
Constatação VII
Rico se fecha em copas; milionário em ouros; classe média, em espadas; pobre, em paus.
Constatação VIII
Obcecado rico diz para a gata que hesita em acompanhá-lo ao motel: “A oportunidade é careca”; obcecado pobre, educado, diz para a vizinha de barraco que hesita em atender o convite de visitá-lo no seu: “Relação amorosa adiada, é relação amorosa perdida”. Comentário de Rumorejando: “Será que foi mesmo relação amorosa que ele disse? Realmente, se foi, não é um cara educado, mas, sim, educadíssimo”.
Constatação IX
Rico tem priapismo*; pobre brochura.
* Priapismo = Excitação sexual excessiva (Aurélio).
Constatação X
Rico ri à-toa; pobre ri, colocando a mão na boca para que não vejam que é banguela. 


quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (De uma dúvida crucial).
Sirigaita é o siri que toca acordeom e/ou bandônion?
Constatação II (Ah, esse nosso vernáculo).
Eu não sabia se o sabiá sabia se a sabiá sabia, ou não sabia, “assobiá”.
Constatação III (Cultura Geral).
Deu na mídia: Batman X Superman; Capitão América X Homem de Ferro. Eles se enfrentam em 2016 no cinema. Portanto, pode-se ter esperança de um confronto entre o Príncipe Submarino contra o Tocha Humana e/ou o Centelha. Vale lembrar aos leitores de Gibi que nas Razões e Proporções Matemáticas que o Tocha Humana está para o Centelha, assim como Batman está para o Robin. Bem, tomara que não sobre para a gente.
Constatação IV (Dúvida crucial, via pseudo-haicai).
De hora em hora
O saudoso
Rememora?
Constatação V
Deu na mídia: “Temer age para não perder comando do PMDB na Câmara”. Taí uma notícia de transcendental importância para o futuro da Humanidade. Vige!
Constatação VI
Quem autorizou as mudanças nas tomadas elétricas deveria estar na cadeia com prisão perpetua.
Constatação VII
Não se pode confundir dragoa, que, segundo o dicionário Houaiss, é o feminino de dragão com dragona que, segundo o dicionário Aurélio, é “Substantivo feminino.
1. Galão, com franjas ou sem elas, ou peça de metal amarelo, que os militares usam no ombro, como distintivo”, até por que nunca alguém viu um dragão, ou uma dragoa, e muito menos, usando uma dragona.
Constatação VIII (Aparentemente paradoxal).
Há pessoas que para se sentirem feliz elas têm que estar ou, pelo menos, aparentar que estão infelizes, na tentativa de compartilhar sua – delas – infelicidade.
Constatação IX
E como justificativa o obcecado o seu proceder de ter várias amantes, pretendendo mostrar, inclusive, cultura na alocução: “Elas são todas muito meigas. São antípodas da minha mulher”.
Constatação X
Não se pode nem deve confundir menina-moça com menina-dos-olhos, muito embora tenha muita menina-moça que é uma menina-dos-olhos para todos, exceto para as invejosas. Vige!
Constatação XI
Era um cara tão implicante, tão implicante, mas tão implicante que se acontecia de elogiar alguém a proporção já tinha alcançado os píncaros de até fazer parte do Livro Guinness de Recordes de 1:1000. Vige!
Constatação XII
E como comentava o velhinho para os seus amigos, também velhinhos: “A próstata é, maldosamente, a responsável e a irresponsável pela interrupção do sono e dos sonhos”.
Constatação XIII
Não se pode confundir vincar com fincar, até por que, como, aonde e o quê se fincar, corre-se o risco de deixar uma preocupação em pessoas que até podem chegar a vincar, como a testa, por exemplo, em pessoas notoriamente cismáticas e/ou incrédulas.
Constatação XIV
No filme Um coração no Inverno, o personagem do ator Daniel Auteil fica impassível, imperturbável, refratário às investidas amorosas da personagem, interpretada por Emmanuelle Beart. O enredo suscitou do obcecado uma indignação tal que ele comentou o seguinte numa roda com os amigos: “Se eu cruzasse com esse cara, eu daria uma bordoada nele. Onde já se viu não atender a pobre da moça. Vige!”
Constatação XV
O livre arbítrio, o dogma e outros conceitos explicados e/ou estabelecidos pelas religiões judaicas e cristãs devem ter sido adotados para justificar certos fatos e procedimentos inexplicáveis à luz da razão. Data vênia, como dizem os nossos juristas, mas para este assim chamado escriba tais respostas não deixam de parecer a solução mais simples de algo questionável  que é algo ainda sujeito a chuvas e trovoadas e, com perdão dos que creem, esdruxulo.
Constatação XVI (Falando da frágil paz ou dos preparativos das guerras).
Os tratados
Antes solidificados,
Foram abandonados,
Mal falados,
Vilipendiados,
E acabaram liquidificados.
Constatação XVII (Meio ambiente).
Dizia o jardineiro,
Poetando:
“O pinheiro
Solta grimpas*
Supimpas;
Solta pinhão
Que é uma obra-prima
De formatação
Da mãe natureza
Ou Daquele lá de cima.
Com toda a certeza,
Foi gerado com poesia
Com rima
Que, nos campos,
Naquela era
Havia
Outra atmosfera:
Pirilampos
Piscando;
Sapos coaxando;
Corujas crocitando;
Cigarras cantando;
Grilos
Com seus estrilos.
É, tudo isso,
Toda essa cena,
Algum dia,
Ainda se via.
Pena!
*Grimpa = Ramo do pinheiro.
Constatação XVIII
A frequência
Naquele bar
É uma indecência,
Disse a solteirona,
Sentada na poltrona,
Olhando pela janela
Do quarto dela.
Só tem homem acompanhado,
Com cara de enfastiado,
Que comigo não daria par.
Constatação XIX (Tragédia do cotidiano).
Com o passar do tempo, com o avanço cronológico da idade, os cônjuges continuaram a dormir na cama de casal. Mas havia como uma espécie de muro de Berlim virtual no meio do assim chamado leito nupcial: Ele nem, ao menos, chegava a passar a mão na abundância dela; ela nem chegava a roçar no seu maior patrimônio. Coitados!
Constatação XX
Desacato a uma autoridade é quando você não chama:
-Um juiz de meritíssimo;
-Um reitor de magnífico;
-Um cardeal, ou bispo de reverendíssimo;
-Um deputado ou senador de Vossa Excelência, ao invés de nominar, como os franceses, que se reportam a todos os cidadãos, sem distinção, de senhor e senhora.
Constatação XXI
Estava num baita dilema,
Sem dúvida um problema,
Queria provar por teorema,
Sem ser apelativo,
Se uma prevaricação
Ajudaria
A reciclar a libido, ou não
O que seria,
Em caso positivo,
Uma excelente solução.
Constatação XXII (Poeminha atrapalhado, aloprado sem muito pé e muito menos cabeça).
Constrito,
Depois de ouvir
Um grito
Sair
Da boca do lobo
Ou da boca-de-lobo
Já nem me lembro mais
Ando esquecido demais
Confuso,
Meio bobo,
Obtuso
Será que é o fuso?
Ou o horário de verão
Puxa! Que confusão
Vou ficar é calado
Antes que eu seja internado
Em vários asilos,
Por causa dos meus grilos,
Sem
Que alguém
Tenha pena de mim.
Fim.
Constatação XXIII
E como dizia a solteirona – nada a ver com a outra solteirona, citada acima – para uma terceira solteirona, sua amiga: “O carnaval está se aproximando. Aguardemos, pois, a indecência da profusão de bundas e seios que estarão à mostra. E, com toda a certeza, para que nenhum obcecado botar defeito. Vige!”
Constatação XXIV
Um dos exemplos de humanismo, amizade e paixões do povo italiano é o que se pode encontrar nos livros do escritor Giovanni Guareschi, principalmente naqueles cujos personagens principais são o padre Dom Camilo e o comunista Peppone. Leitura obrigatória, como diriam os críticos.
Constatação XXV (De dúvidas cruciais).
Foi o concerto para a mão esquerda, de Maurice Ravel, que foi vetado pelos políticos da assim chamada Direita? E foi durante a execução de Os pinheiros de Roma, de Ottorino Respighi, que caíram umas grimpas na cabeça do regente? E, mais ainda, foi na Valsa das flores, de Piotr Ilich Tchaikovsky que a rosa brigou com o cravo, debaixo de uma sacada?
Constatação XXVI (De uma dúvida crucial via pseudo-haicai).
Mudança de atitude
Da regra do jogo, durante
O seu transcurso, é ilicitude?
Constatação XXVII
Foi a polva que, no bem-bom, disse pro polvo:
“Bem, isso de agora passar um dos tentáculos
Na minha bun, digo, nuca, depois eu resolvo”?
Constatação XXVIII
Foi o caminhante,
Seguindo a trilha,
Que, de repente,
Apareceu
Numa ilha
E nada mais entendeu?
Constatação XXIX (Ah, esse nosso vernáculo).
O rei quando estava sentado no trono lhe deu vontade de sentar no trono e com voz tronante pediu licença à corte e saiu correndo numa velocidade de um mésotron.
Constatação XXX
Ela clareou os dentes como soe acontecer com os atores e atrizes globais. No entanto, ela era por natureza azeda, digna de se candidatar a um concurso de Miss Azedume. Jamais, em tempo algum, se permitia um simples sorriso. Quando muito, um amarelo. Rir, então, nem pensar. Quando lhe perguntavam por que nunca ria, até para mostrar os dentes clareados, ela respondia que sim. Que ela ria. Mas, por dentro.
Constatação XXXI
Há vários tipos de surra que a gente leva na vida. Mormente àquelas antes das novas leis vigentes no país que em criança não se pode bater. As físicas e as psíquicas. As físicas, por exemplo, se enquadram naquelas de chinelo e/ou tapa na poupança, como castigo de uma traquinagem e/ou maldade feita. A da professora que dava “bolo” que consistia em bater coma régua na palma da mão se a gente não houvesse feito a lição. Ainda pode-se citar o trote – alguns violentos – e o malfadado bullying que também deixa sequelas para o resto da vida. A do leão de chácara, normalmente um cara duplamente quadrado. Explica-se: por burrice e por medir 2m x 2m, ou seja 2 metros de altura por 2 metros de largura que acha que você não está se comportando devidamente ou em outros locais similares, mas condenáveis pela moral da vizinhança.
Com relação às psíquicas, pode-se citar:
A do chato que quer te doutrinar, fazer proselitismo, convencer de algo seja no futebol, na religião ou na política e, pior, não te dando chance de você se esgueirar, tendo em vista que não põe ponto, vírgula ou ponto e vírgula na sua enfadonha peroração;
A do vizinho que trata mal o piano e do adolescente que instalou na garagem da sua casa um jogo de bateria e tenta acompanhar uma música que colocou no equipamento de som na altura de decibéis que em país desenvolvido daria cadeia;
Da maioria dos programas da televisão;
De certos locutores e comentaristas esportivos;
Do técnico de futebol que tenta explicar, tergiversando, por que o seu time foi derrotado;
Do vendedor que quer te empurrar um produto, o qual você absoluta e definitivamente não está interessado. 
(Continua indefinidamente...)

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico cria expectativa; pobre se atrasa.
Constatação II
Rico é colaborador, pobre delator (Colaboração de Marina da Silva : “Juca estava assistindo "Entre aspas" sobre a medida provisória da corrupção e me lembrei de Pobres e Ricos para o ministro que defendia a medida. Rico é colaborador, pobre delator (o ministro chama delação premiada de colaboração e lei anticorrupção de lei da empresa livre).
Constatação III
Rico dá conselho; pobre, é palpiteiro.
Constatação IV
Rico sensualiza; pobre é pervertido.
Constatação V
Rico tem coluna; pobre, espinha.