quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I
A palestra
Foi um soporífero
Quando o conferencista,
Nada frutífero,
Nada de aproveitável falou
Depois de uma horinha
Só dizendo abobrinha
E demonstrou
Ser bairrista
E segregacionista
Aí, expressou
O seguinte:
“E pra terminar” –
O que fez a plateia vibrar,
Já que não podia mais aguentar –
“Caras senhoras, paciente ouvinte”
E discorreu
Mais uma hora
Extra.
Uma senhora,
Que não parava de suspirar,
Interrompeu
O orador,
No meio da sua – dele – peroração
E disse: “Sou a encarregada
De fechar
O salão.
Tome a chave-mestra
Já que estamos, agora,
Só nós dois
E eu tenho que ir embora,
Caso contrário
Perco minha condução
Do último horário.
E o senhor,
Ao se retirar,
Por favor,
Chaveie a porta, depois,
Obrigado”.
Coitado!
Coitado?
Constatação II
Não se pode confundir confundido com contundido, muito embora tenha muito jogador que, para ganhar tempo, faz cera, se fingindo de contundido, deixando o juiz confundido. Enquanto isso, o time que está perdendo fica fod, digo aborrecido.
Constatação III
Juras de amor
Eles trocaram
Com muito ardor
“Até a eternidade”.
Vinte anos depois
Surgiram as mazelas,
Com elas,
As querelas.
Brigaram.
De dia e até meia-noite
As desavenças,
Entre os dois,
Só eram ofensas,
Agressões verbais,
Piores do que com açoite,
Viraram
“Feijão com arroz”,
Tal a periodicidade,
Que redundaram,
Como jamais.
Bem maiores que os carinhos,
Benzinhos, amorzinhos
Anunciados,
Proferidos,
Ditos,
Trocados.
Coitados!
Constatação IV
Foi o seno que perguntou com ar de superioridade pro co-seno “tem variado muito pra menos um, ultimamente? Comigo, isso não tem acontecido. Modéstia a parte, só tenho variado para mais um”.
Constatação V (De uma quadrinha para ser recitada em certos países).
O político caradura,
Que se apropria do dinheiro público, preso ele não vai.
É que ele adquire pra sempre um alvará de soltura,
Já que ele balança, balança, mas não cai.
Constatação VI
Não se pode confundir barra com berra, muito embora tenha muita esposa que quando berra, com razão ou não, é porque a barra pra cima do marido tá pesada e, em alguns casos, pesadíssima. Coitado!
Constatação VII (Ah, esse nosso vernáculo).
A Paula, paladina do estudo, atina, que levou pau no exame da língua latina, enquanto lava, paulatina, a tina.
Constatação VIII
O tenor bigodudo
Soltou um agudo
O que foi considerado
Grave e destoante
Naquele instante.
Coitado!
Constatação IX
A polenta
Tava suculenta;
O feijão
Muito bom;
A salada
Bem condimentada
O repolho,
Refogado,
Com molho,
Tava bem temperado;
A sobremesa
Uma beleza.
Aí ela falou:
“Se você terminou
De comer
Pode desaparecer.
Já comeu até demais.
Outrossim,
Nunca mais
Apareça
E me esqueça”.
Coitado!
De mim.
Constatação X (De um comentário um tanto quanto arbitrário de um(a) aluno(a) medíocre).
O estágio
De docência
Não admitia
Indolência.
Por tal,
Nele havia
Inserido
Um sentido
De indecência,
Um presságio
De uma imoral
Excrescência
Tanto sob a ótica,
Antipatriótica,
Nacional,
Como a psicótica
Estadual
E a esclerótica
Municipal.
Constatação XI (De elucubrações sensoriais trigonométricas meio confusas).
As emoções são
Como um senoidal
Carimbo:
Algumas te enlevam,
Sem conexão
Ou baldeação,
Ao limbo;
Outras, infinitamente,
Ao inferno tangencial,
Ou co-tangencial,
Elas te levam;
Aos insensíveis
Elas, fatalmente,
São impossíveis
De existir.
A eles nem dissuadir
Ou persuadir
Daria para interferir,
Interagir,
Tão-somente.
Constatação XII
E como filosofava o obcecado: “Paris induz ao amor. Tá impregnado no ar que lá se respira. Minha querida Balsa Nova, também. Vá alguém entender a intrincada alma urbana...”
Constatação XIII
“Desembucha,
Desentupa”,
Disse a assim chamada,
Por ele, de megera, de bruxa.
“Teu mutismo
Me preocupa”,
Quando ele chegou
De madrugada,
Todo desleixado,
Com bafo de onça
Trazendo, como se fosse um trabalho,
Uma geringonça
Que guardava um baralho
Com marcador de truco.
E ele pensou:
“Que totalitarismo,
Que fundamentalismo!
Daqui a pouco ela amansa,
Depois da tempestade
Vem a bonança”.
Na verdade
Ele ganhou uma vassourada
Na moleira
“Vou fazer de você suco,
É pra não fazer mais besteira.
Seu desclassificado,
Mal-ajambrado,
Mal-agourado”.
Coitada!
Coitado!
Constatação XIV (Reminiscência).
No meu tempo – expressão que denota que estamos ficando velho ou envelhecendo (rico é idoso; pobre, é velho) o futebol era jogado num 4 2 4, onde o alfo esquerdo e o meia-direita faziam o meio de campo e, é bom que se diga, davam conta do recado. A marcação era homem a homem: o centro-avante era marcado pelo beque (hoje zagueiro) central, os alfos direito e esquerdo marcavam os pontas esquerdo e direito e assim por diante. Os pontas corriam pela linha de fundo e centravam. O centroavante e o meia-esquerda eram os artilheiros (hoje matador). Dificilmente, um jogo terminava zero a zero. Ninguém jogava na retranca. Bons tempos!
Constatação XV (De conselhos úteis via pseudo-soneto. De nada!).

Regime para emagrecimento

O que te deixa eufórico
Frequentemente é a ingestão
De um produto calórico
Sem mensuração.

Depois vem o arrependimento
Ao verificar teu peso na balança
Aonde eu tava com a cabeça naquele momento?
Foi pras cucuias emagrecer a tua esperança.

Por isso, caro leitor e cara leitora
Trate de se controlar pra manter a linha
Feche a boca e a caixa de Pandora*

Procure sempre ficar com estômago meio vazio.
Não abra a geladeira nem passe pela porta da cozinha
Coma muita sopa de vento e pastel de assobio.
*A caixa de Pandora é uma expressão muito utilizada quando se quer fazer referência a algo que gera curiosidade, mas que é melhor não ser revelado. (Google).

Constatação XVI
Deu certa vez na mídia:  “A ministra do Interior da Grã-Bretanha, Jacqui Smith, se desculpou por ter pedido ao Parlamento reembolso de despesas com um serviço de televisão que incluía filmes pornográficos vistos por seu marido”. Data vênia, como diram nossos juristas, mas Rumorejando acha que tal pagamento com os cofres públicos não é grave. Se o marido recarrega a bateria em usufruto da ministra, ela, assim, poderá desempenhar bem melhor o seu papel no governo e trabalhar diligentemente e mais feliz em pról dos cidadãos ingleses. Coitada!
Constatação XVII
E como ponderava didaticamente aquele economista obcecado já idoso: “Os benefícios do uso de viagra, cialis e levitra, que por sinal o preço anda pela hora da morte, não se recomenda pra ser canalizados, literalmente, em usufruto da legítima. É uma pura questão de otimizar o custo/benefício...”
Constatação XVIII
Deu certa vez na mídia: “MIAMI - Um ‘lugar relaxante, calmo, lindo’, opinião da atual Miss Universo, Dayana Mendoza, da Venezuela, que visitou Guantanamo, a base naval norte-americana no leste cubano”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando, que já escutou de uma pessoa que não gostou de Paris, a capital do amor, porque tinha muito cocô de cachorro na rua, acha, respeitosamente, que tem (des)gosto pra tudo...
Constatação XIX
Ela me olhou de soslaio
Quando a convidei pro motel
Que por pouco não tive um desmaio
“Só vou a tal lugar se for com um donzel”*.
*Donzel = “que é puro, sem mácula; virginal” (Houaiss).
Constatação XX
“Pra começo de conversa,
Em princípio,
Você é do passado
E do particípio
Não tergiversa”,
Disse a gata
Pro idoso
Que fazia voltas,
Todo cerimonioso,
Em torno dela
Qual uma lemniscata*,
De Bernouilli
Que tem a forma,
Segundo se informa,
Não da nota mi ou si,
Mas de um oito deitado,
Por sinal
Mais bonito
Do que o visual
De infinito,
Provocando nela
Revoltas.
Coitado!
*Lemniscata = “lugar geométrico dos pés das perpendiculares traçadas de um ponto fixo às tangentes de uma hipérbole equilátera em relação ao seu centro”. (Elementar, meus prezados leitores).
Constatação XXI
Não se pode confundir preço com preso, muito embora se comente por aí que para não continuar preso existe relacionado um preço. Isso acontece apenas em certos países...

DÚVIDAS CRUCIAIS TAMBÉM VIA PSEUDO-HAICAIS E VIA DUPLO PSEUDO-HAICAI.
Constatação I (Via duplo-haicai).
Solicitude,
Nos dias de hoje,
Virou excesso de atitude.
No trânsito caótico
Tá difícil gentileza
Tá todo mundo neurótico.
Constatação II (Pseudo-haicai).
Me deu uma amnésia:
Onde mesmo fica a Rodésia
E a Polinésia?
Constatação III
Foi o parafuso que perguntou para a chave de parafusos: “Querida, você não vai me atarraxar, hoje?”
Constatação IV (Pseudo-haicai).
“Somente com a verdade,
Nós temos compromisso”,
Disse o político com serenidade?
Constatação V
Será que para beneficiar os pobres, como nos últimos tempos foi propagado pelas presidências da nossa República o custo da corrupção e a quebra do país compensou o presumido bem efetuado?
Constatação VI
E já que falamos no assunto, vale lembrar que, em certos países a redistribuição da renda não é feita dos mais ricos para os mais pobres. Basta ver o balanço trimestral dos bancos, por exemplo. É feita por órgãos do governo para empreiteiras, normalmente com sobrepreços e destes para os corruptos. Depois, para tapar os déficits, oriundos dos preços elevados corrigidos através de adendos aos contratos e outros artifícios venha a tapar os déficits dos órgãos do governo, consequentemente do país, mudando-se as alíquotas do imposto de renda, aumento dos impostos, sobrecarregando a classe média que é a grande pagadora dos impostos, já onerada pela inflação que esteja vigendo. Os ricos, ora os ricos... Deixa pra lá... Idem os corruptos?
Constatação VII (Três dúvidas cruciais via pseudo-haicai que já estavam elaboradas antes de começar o campeonato, sem imaginar que em cinco partidas o Paraná obteria 100% de aproveitamento. Por enquanto...).
Será que o meu Paraná
Não acha um Ronaldo mesmo gordo
Para vir jogar por cá?

E o Pelé mesmo septuagenário
Será que não poderia vir jogar
Naquele que foi o antigo Ferroviário?

E não daria pra ressuscitar
O falecido centroavante Izaldo
Pra no Paraná vir cabecear?

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico, pro imposto de renda, junta documentos; pobre, é isento.
Constatação II
Rico é benigno; pobre, é indigno.
Constatação III
Rico tem comportamento irrepreensível; pobre, indefinível.
Constatação IV
Rico tem boa performance; pobre, mau desempenho.
Constatação V
País rico faz intercâmbio; país pobre, escambo.


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (De um pseudo-soneto).

            Vige!

Na maior potência do Planeta
Também tem sonegador,
Trambiqueiro e picareta
E de carteiras, batedor.

Qualquer solução
Pra não pagar o leão
É uma mera ilusão
De um ingênuo cidadão.

Mas os caras lá temem a lei
Que, como o Rambo, não perdoa,
Pelo que se fala e pelo que sei.

Parece que há, por todo lado,
Não só leão brabo como também leoa.
Lá, quem não paga vê o sol nascer quadrado.

Constatação II
A bula
Pelo seu linguajar
Deixou-a fula
Pois não deu para decifrar.
Constatação III
Não se pode confundir submisso com sumiço até porque, em uma profusão de países, quem não é submisso ao poder vigente arrisca tomar um chá de sumiço pra sempre.
Constatação IV
Além do vazio no coração,
A saída da mulher deixou sequela.
Ficaram espalhadas pelo chão
Algumas calcinhas dela.
Constatação V
Quando Arquimedes, entusiasmado,
Saiu correndo pela rua pelado
Gritando “Eureka! Eureka!”
A solteirona falou pra vizinha:
“Ele se esqueceu de vestir a cueca.
E veja, ele não tem como a tua ou a minha.
O dele, não é perereca”.
Constatação VI
Quando o carioca anunciou para a mãe que ele tinha que ir até o Largo da Carioca, ela recomendou: “Se você ver alguém se dirigindo em tua direção com ar suspeito lá no Largo da Carioca, passe ao largo e se afaste com passos largos”.
Constatação VII
Disse o feirante para o velho freguês: “Muito prazer em vê-lo!”.
Provocou o velho freguês o feirante, respondendo: “Pena que eu não possa dizer o mesmo em relação a sua pessoa”.
Retrucou o feirante ao velho freguês: “Então faça como eu: Minta!”
Constatação VIII
Não se pode confundir ciclista com cientista, muito embora, em certos países, os dois precisam se equilibrar para não cair, ter razoável apoio e coisas desse jaez. Vige!
Constatação IX (“Ah, bom, quer dizer, ah ruim, quer dizer, ah ruim, mesmo”).
Ela franziu o sobrolho,
Ressaltando suas sobrancelhas hirsutas
Quando ele deu uma piscada
No meio da renhida trucada.
Os adversários mandaram ver
E ele se pôs a tremer,
Pois não tinha nada.
“Só pego parceiros birutas.
Por que você me deu sinal do gato?”
Ela perguntou
Totalmente chateada.
“Eu não dei sinal. De fato
É que me entrou
Um cisco no meu olho”.
Constatação X (Eufemismo).
E como comentava a comadre supereducada para a sua afilhada: “Ela ganhou o prêmio novamente. O sorteio mostrou mais uma vez que ela nasceu com certa parte do corpo voltada para o nosso satélite natural”.
Constatação XI
Como quem sai aos seus não degenera. O celular, fruto do casamento da televisão com o computador, também leva as pessoas ao hospital de doentes nervosos (Rico vai para o hospital de doentes nervosos; pobre, para o hospício).
Constatação XII (Depois de algumas vitórias seguidas...)
Rumorejando, após uma investigação minuciosa, chegou à conclusão que não existe caveira de burro enterrada no Estádio Dorival de Brito e Silva, o campo do meu Paraná, que, mesmo lá jogando, vivia perdendo. O que existia por lá era burro mesmo.
Constatação XIII
E como poetava o septuagenário,
Quase octogenário:
Além, muito além
De uma cantada
Há sempre um porém,
Necessitando de uma gemada.
Constatação XIV
O carteiro,
Bem ligeiro,
Trouxe um telegrama
Pra sua – dele – mulher
“Você ainda me ama?
Você ainda me quer?”
Ela contestou
Da mesma maneira:
“Não diga asneira.
Sua metade eu sou.
Hoje, na cama,
Vou te oferecer pro teu deleite
Algo que você nunca provou:
“Vou te fazer um arroz-de-leite”.
Constatação XV (De um pseudo-haicai).
Era um amor varonil:
Havia casado
Sob a mira de um fuzil.
Constatação XVI
E como dizia aquele corruptor para o corrupto; “Essa nossa parceria também é uma forma de distribuição de renda”.
Constatação XVII
Não se pode confundir escambos, o plural de escambo, que o dicionário Houaiss dá como “troca direta de mercadorias sem interveniência da moeda” com escombros, que o mesmo dicionário dá como “entulhos, destroços, ruínas”, muito embora, em alguns casos, quando um ricaço vai construir um imóvel, desmanchando o que estava ocupando o terreno, ele, eventualmente, oferece aos pedreiros os escombros, os entulhos, para que os pedreiros levem embora. Dificilmente, nesse tipo de escambo o ricaço se disporá em pagar o frete do transporte, obrigando os pedreiros a se virarem com algum amigo que possui um caminhão. Vige!
Constatação XVIII (De uma quadrinha para ser declamada num evento que envolvesse determinado ato funerário).
Ele fez questão de que na sua lápide estivesse escrito com giz
Aqui jaz alguém que amou tanto na sua curtíssima vida
Que almejou viver novamente, ainda que tristonho e infeliz
Mesmo se a sogra viesse a viver junto a sua querida.
Constatação XIX (De outro pseudo-soneto).

Conselhos aparentemente úteis

Tomou um vinho espumante
Em companhia da amante
E outro vinho de garrafão
Na casa do seu irmão.

Vejam só que disparate
O espumante foi um dislate*
No seu estômago já combalido
Sentiu-se tão mal, que se achou perdido.

Já o outro vinho lhe fez tanto bem
Que apreciou o irmão por isso também.
E passou a visitá-lo com mais frequência.

Quanto a amante, não teve culpa alguma.
Sugeriu que tomasse remédio de guaxuma**
E que lhe proporcionaria melhor abrangência.
*Dislate = Asneira (Aurélio).
**Guaxuma = 1. Planta da família das malváceas (Urena lobata), de fibras têxteis, e dotada de propriedades medicinais: guaxiúma, guaxima, guanxuma, uaicima (Aurélio).
Constatação XX (Quadrinha para ser recitada para o psiquiatra e/ou psicanalista).
O meu psique ‘descalibrô’
De tanto que se ‘evaporô’.
Felizmente ninguém ‘notô’
Inclusive o meu ‘dotô’.
Constatação XXI
E como explicava o professor de matemática para o seu filho que não era muito dado ao estudo e que ficava o tempo todo nos joguinhos no celular e que pretendia enfrentar um vestibular sem fazer esforço: “Veja bem. Passar no vestibular, em nosso país, não é fácil, porque o numero de candidatos é muito grande em relação ao número de vagas. Desse modo, você deve levar em conta a seguinte expressão matemática”:
PNV = f(B/C/H), em que:
P = passar
N = no
V = vestibular
F = função
B = bunda
C = cadeira
H = hora
“Quanto mais tempo você passar sentado, estudando, maior será a tua probabilidade de lograr êxito no vestibular, seja lá qual curso você optar”.
Constatação XXII
Deu na mídia: Muitos times estão interessados na contratação do jogador brasileiro Neymar, se propondo a pagar altas somas em dinheiro para poder contar com o craque nas suas fileiras. Taí uma notícia de transcendental importância. Para o próprio e para sua – dele – família, claro.
Constatação XXIII (Quadrinha para ser recitada na devida época).
Quando chega a quaresma, após o carnaval,
Me dá uma tristeza infinda e fico meditabundo
Depois de ter visto uma profusão de fio dental
E eu com os terríveis sintomas de moribundo.
Constatação XXIV (Quadrinha para ser recitada com o início do ano para a compra do material escolar, IPVA, IPTU e outras barbaridades que não levam absolutamente em benefício da população).
Vou pedir um empréstimo ao meu banco
Já que o gerente vive me oferecendo crédito
Talvez a fundo perdido eu consiga, eu arranco,
O que, indubitavelmente, seria um fato inédito.
Constatação XXV (Quadrinha para ser recitada em festa de septuagenários, octogenários, nonagenários e, se possível, centenários e bicentenários).
Não sou um cara abonado, muito menos um milionário.
Portanto, quando elas me proporcionam aquela atenção,
Não acho, nem creio que elas estão dando uma de salafrário.
É por causa do meu charme que, felizmente, tenho em profusão.
Constatação XXVI (Quadrinha para ser recitada em festa de quem estiver propenso a proporcionar aos amigos e parentes, principalmente aqueles).
Preparei um tira gosto, cerveja e vinho
Para os meus queridos convidados;
Eles tomaram pouco, sempre muito educados.
Pobre de mim. Tive que tomar tudo sozinho.

DÚVIDAS CRUCIAIS. ALGUMAS, VIA PSEUDO-HAICAIS.
Constatação I
Será que a leitura dinâmica foi inventada por um leitor compulsivo devorador de livros?
Constatação II
Bumbum perfeito é aquele que sabe rebolar em quaisquer circunstâncias?
Constatação III
Com quatro vitórias seguidas, será que os dirigentes do meu Paraná, agora, são uns clarividentes já que, anteriormente, não tinham o mínimo de discernimento?
Constatação IV
Gol legal é aquele que o jogador do nosso time marca em qualquer circunstância, mesmo estando em flagrante impedimento?
Constatação V
Nem sempre alguns produtos farmacêuticos, determinadas fitoterapias, algumas sessões de psicanálise fazem a curva de desempenho mudar a sua assíntota, seu ponto de inflexão descendente?
Constatação VI
Foi o paquiderme que deu uma trombada
Quando a formiga deu uma freada
Quando estava próxima da lombada?
Constatação VII
O pulha
Sempre os outros
Embrulha?
Constatação VIII
Das dívidas,
A cobrança,
Deixa as pessoas lívidas?
Constatação IX
Pessoa que afana
É mau-caráter
Ou doidivana?
Constatação X
O mentiroso contumaz
Só diz o que lhe apraz
Não importando o que vem atrás?
Constatação XI (Esta, não necessariamente crucial).
Excesso de pudor
É andar sempre vestida
Com uma calça comprida
Na frente do seu grande amor
Sem tirá-la jamais
Pros dois
Ficarem depois
Bem naturais?
Constatação XII
Sua digestão
Virou uma pororoca
Depois que ele comeu um pratão
De pipoca?

RICOS & POBRES
Constatação I
Rico é inflexível; pobre, cabeça dura.
Constatação II
Rico vive na maciota; pobre, sobrevive dando cambalhota.
Constatação III
Rico é expansivo; pobre, fugitivo.
Constatação IV
Rico vive na comodidade; pobre, na possibilidade.
Constatação V
Rico vai direto ao assunto; pobre, fica torcendo as mãos.
Constatação VI
Rico queima calorias na academia; pobre, no batente.
Constatação VII
Rico tem alacridade*; pobre vive emburrado.
*Alacridade = Substantivo feminino.
1. Qualidade de álacre; vivacidade, jovialidade, alegria (Aurélio).
Constatação VIII
Rico é a sentinela do ‘progresso’ do dístico da nossa bandeira; pobre, da desordem.
Constatação IX
Rico assiste o carnaval, na avenida, de camarote; pobre, cuida do asseio e limpeza do camarote para o dia seguinte do desfile.
Constatação X
Rico se expressa através de sons harmoniosos; pobre, coloca a viola no saco (cala-se).