quarta-feira, 4 de maio de 2016

RUMOREJANDO

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.
Constatação I (De uma duvida crucial).
A propaganda enganosa do comércio, indústria e prestação de serviços foi inspirada nas promessas dos políticos? Quem souber, etc. Obrigado!
Constatação II
Mordida de cobra se cura com veneno de cobra. O Butantã que o diga. Mas só o Butantã? Vejamos: Como no filme Borsalino, o policial diz que enquanto as gangues, as máfias brigam entre si, a polícia não interfere. Enquanto Eduardo Cunha comandava o impeachment, ninguém deveria interferir e há, inclusive, os que acham que ele deve ser anistiado. No entanto, ele cobrou e recebeu propina. Sem data vênia, como dizem os nossos juristas, Rumorejando acha que ele deve pagar por isso e ser cassado. Tem culpa em cartório. Lula apregoa que tirou milhões da pobreza. O PT quebrou a Petrobrás. Lula está entre os que ajudaram a quebrar. Tem culpa em cartório. Deve pagar por isso. O deputado Borsaro defendeu e homenageou um torturador. Isso representa conivência com o torturador. Tem culpa em cartório. Deve pagar por isso. Deputados que votaram a favor ou contra o impeachment da presidente Dilma, respondem por processos judiciais por má conduta e continuam lépidos e desgraciosos, opinando sobre os rumos da política quando deveriam estar afastados e até presos e só não estão por que no país o Judiciário anda, entre outras, para atrás e ‘lesmaticamente’. Será que algum dia tudo isso será corrigido? E a propósito, o PT fez algo pela reforma agrária tão necessária?
Constatação III
A torcida do Paraná, quando começou o campeonato estadual, contra vários times chegou a gritar olé. É. Quem nunca come melado, quando come chega até a esquecer de que pode se lambuzar na próxima. Mas, afinal, a gente estava acostumado a apenas levar olé... Ser derrotado nos pênaltis numa semifinal, como aconteceu contra o Atlético, já foi algo que também não se estava acostumado. Me refiro chegar até a semifinal, não o de perder bisonhamente nos pênaltis...
Constatação IV (E já que falamos no assunto, vamos externar nossa modesta e abalizada opinião):
A possibilidade do Paraná ser campeão
E ascender pra Primeira Divisão
É inversamente proporcional
A eu encontrar um adversário local,
Nacional ou mundial
Que me ganhe no truco.
Mesmo me deixando maluco.
Enfim, um cara bom...
Constatação V
Deu, certa vez, na mídia:O senador Artur Virgílio, que protocolou ações contra o então presidente do Senado José Sarney, admitiu que mantivesse em seu gabinete um funcionário que estudava na Espanha. O líder do PSDB negociou com a diretoria do Senado o ressarcimento do dinheiro pago, R$ 210 mil em quatro parcelas”.  Ele esqueceu que I: Quem tem telhado de vidro não joga pedra no telhado do vizinho;
II: Em certos países os desonestos são sempre os outros; III: Aparentemente, os dois não estavam do mesmo lado. A nossa relativa suposta sorte é que eles estavam se digladiando entre eles. Até a hora que sobreveio a tradicional e não surpreendente pizzada: “Eu não mexo com V. Excia. e V. Excia. não mexe comigo”. E viva “nóis” que não somos V. Excias...
Constatação VI (Classe é classe...).
Deu, certa vez, na mídia: “SÃO PAULO - O senador Fernando Collor de Melo (PTB-AL) disse, em discurso em plenário dia 10 de agosto de 2009, estar "obrando" na cabeça do jornalista Roberto Pompeu de Toledo, da revista Veja”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando supõe que na bacia sanitária seria bem mais cômodo e confortável (Perdão, leitores).
Constatação VII (Quadrinha para ser recitada em algum Fórum Mundial, daqueles que não levam absolutamente a nada).
Se eu fosse o presidente
Da República do Burundi
Eu viveria por lá, somente.
E não viveria por aqui.
Constatação VIII (Quadrinha de cinco estrofes [pentinha?] para ser recitada no Senado ou na Câmara dos Deputados).
Conversa vai, conversa vem,
Sempre haverá alguém
Que jamais, na vida, fará um bem.
E, qual um líquido, outro alguém,
Tomará a forma do vaso que o contém...
Constatação IX
O coringa ensejou
Que ele batesse
No jogo de canastra.
Aí, ela a roupa tirou,
Conforme combinado
De quem perdesse.
Ela, de tão magra,
Parecia uma pilastra.
Eis que o pai entra na sala
E, os dois, flagra.
Brande sua bengala.
Em sua direção.
“Seu safado!”
Ele nem se despede,
Se escafede
E na escuridão
Do jardim
Cai numa vala.
E rasga sua túnica
E sua única
Calça de brim.
Coitado!

Constatação X (Pseudo-soneto da série Ah, o Amor...)

          Nostalgia

Chegamos ao motel rotundo.
Fechamos a porta do apartamento.
E ficamos separados do mundo.
Nos olhando por um momento.

Trocamos beijos e abraços
No estilo “finalmente sós”.
Não foram poucos e escassos.
As línguas, só faltavam dar nós.

As peças de roupa voavam
Quais corruíras no firmamento
E o teu corpo desnudavam.

Você disse: “Vou tomar um banho
E volto em um momento”.
Tardou. Te segui. Visões de antanho*...
*Antanho = 2. Nos tempos idos; antigamente, outrora. (Aurélio).
Constatação XI
O empate de um time, um minuto após o gol do nosso aos 46 minutos do segundo tempo lembra “mutatis mutandis” que o pão de pobre sempre cai com a manteiga voltada para o chão. E que alegria de pobre dura pouco...
Constatação XII
Foi a tigresa
Que disse pro tigre:
“Mas que beleza
Chegando essa hora!
Vá embora!
Emigre!
Você tá atrasado!
Seu desmiolado!”
Coitado!
Constatação XIII
Não que a gente seja contra. Ao contrário. Mas a facilidade com que certas mulheres mostram os seios também pode ser explicada pelo fato delas acharem que estão mostrando algo que não lhes pertencem. Eles não são os seus seios originais. Eles foram siliconados. Elementar...
Constatação XIV
Não se pode confundir acata com ataca, até porque quem acata quem te ataca quer dizer que você é um bunda-mole que o dicionário Houaiss define como:
1     Regionalismo: Brasil. Uso: informal, pejorativo.
Pessoa fraca, covarde; pusilânime.
Ex.: agora vamos ver quem é homem e quem é b.
2     Regionalismo: Brasil. Uso: informal, pejorativo.
Pessoa pouco ativa, desanimada.
Nota de Rumorejando: Os deputados e senadores são pessoas de muita atividade. Lamentavelmente, em seu próprio benefício.
Constatação XV
Deu, certa vez, na mídia: “O Banco católico Pax Bank pediu desculpas por investir em armas, cigarros e pílulas anticoncepcionais”. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando acha que banqueiro é banqueiro, sem distinção de raça, cor ou religião. Aliás, a religião do banqueiro é o dinheiro. E, em certos países, sempre visando lucros estratosféricos e, consequentemente, pornográficos... Não é à-toa que o irlandês George Bernard Shaw disse que “o pecado do ladrão é a virtude do banqueiro”.
Constatação XVI (e já que falamos no assunto...)
Ela era toda circunspeta
Inclusive sua bunda,
Pouco rotunda,
Que estava mais para atleta.
A dita, nunca mostrava os dentes.
Foi a única que conheci assim
As demais, sempre sorridentes,
Como costumam ser
As bundas femininas,
Pela manhã, à tarde e ao anoitecer.
Sejam de meia-idade,
Da longínqua mocidade
Ou as traquinas;
Sejam brancas, morenas ou carmesim.
Será que, além dos glúteos, os músculos,
Das bundas que abrigam algum biquíni,
Grandes ou minúsculos,
Possuem também o músculo Risório de Santorini*?
* Risório de Santorini = Músculo do riso (Houaiss).
Constatação XVII (Pseudo-soneto da série Ah, o Amor...).

             Repreensão

Meus sensíveis pontos erógenos
Ela, irritada, me ponderou,
São os que mexem com meus estrógenos
E você mais uma vez se enganou.

Você foi muito pro lado e acima
E, como sempre, muito depressa.
Você só pensa na tua superestima,
Você ainda não aprendeu, ora essa!

Me diga, então, os pontos exatos
Tô cansado de ouvir teus desacatos.
Preciso reaprender com exatidão.

Meu nariz, meu pulso e meu cotovelo;
Meus cílios, minhas unhas e meu tornozelo,
As bochechas, o cabelo e o metatarso do dedão.

Constatação XVIII (De diálogos matrimoniais intelectualizados).
Sugeriu à mulher
Um “ménage à trois”.
Ela, como quem nada quer,
Esnobou no francês:
-“Ça sera bon, tu crois?
Você vai convidar
Teu amigo javanês?”
-“Não. Queria que você convidasse
A mulher dele”.
-“Aí, vamos ficar
Num baita impasse.
A javanesa,
Que, reconheço, é uma beleza,
Apenas topa ir com ele.
No ménage que eu participei
Com os dois
Eu só fiquei
No feijão com arroz”*
*Não ficou claro o que ela quis dizer com o “feijão com arroz”. Quem souber, por favor, cartas a este assim chamado escriba, pelo correio eletrônico, para podermos esclarecer aos nossos prezados leitores. Obrigado.
Constatação XIX
Não se pode confundir prensado com repensado, mormente no caso da crise do Senado brasileiro, até porque, cada vez que o presidente do Senado é prensado por atos que cometeu e/ou tinha conhecimento sem tomar providencias e a Oposição tenta afastá-lo entram variáveis do tipo “eles também têm o rabo preso” e o caso passa a ser, incontinentemente, repensado...
Constatação XX
Pintou e bordou:
Pintou o sete;
Bordou no corpete
A foice e o martelo.
O marido de Direita
Pôs-se amarelo.
Broxou.
Cortou, logo, o elo
E com ela não mais se deita.
E com cara amarrada
Falou muito zangado:
“Quem assim se enfeita,
Por si só se enjeita”.
Coitada!
Coitado!
Constatação XXI
Incorrigível,
O Senado doente
Acertou os ponteiros
Que o seu presidente,
Ainda por muitos janeiros,
À semelhança de anos inteiros,
Parece ser irremovível.

DÚVIDAS CRUCIAIS VIA PSEUDO-HAICAIS.
Constatação I
Na chuva, foi o amigo Bertoldo
Que, ao invés de guarda-chuva,
Usava um baita de um toldo?
Constatação II
Inspiro gás carbônico
Sobrevivo assim mesmo.
Será que sou biônico?
Constatação III
Foi o mosquito
Que disse pra mosquita:
“Você andou chupando pirulito?”
Constatação IV
É muita improvidência
Plantar bananeira
Sem alguma sapiência?
Constatação V
E é muito inconsciência
Sair à noite caminhando
Pelas ruas sem assistência?
Constatação VI
É muita falta de tato
Querer tirar a meia sem ter
Descalçado o sapato?
Constatação VII
Assistir o noticiário
Na televisão arrisca ficar
Burro e perder o horário?
Constatação VIII
Ser consumista
Depende
De ser farsista?
Constatação IX (E já que falamos no assunto...)
Faltam pros simples mortais perspicácias
Em se dar conta que a democracia,
Apregoada por esses políticos, são falácias?


Nenhum comentário: